Astrologia e Marketing de Conteúdo: como ganhar a atenção dos Millennials

Astrologia e Marketing de Conteúdo: como ganhar a atenção dos Millennials

Para uns, uma ferramenta de autoconhecimento. Para outros, pseudociência. Mas, qualquer que seja a sua opinião, uma coisa é fato: os Millennials adoram astrologia.

Se para seus antecessores o assunto se limitava a horóscopos de jornal, para eles, a astrologia vai muito além. Termos como mapa astral, ascendente, mercúrio retrógrado e retorno de Saturno invadiram as telas e as conversas da geração nascida entre os anos 80 e a década de 90.

A boa notícia é que a sua empresa também pode aproveitar o interesse dos Millennials pelo esotérico para se diferenciar e chamar a atenção tão disputada desses jovens, que hoje já são tomadores de decisão. Astrologia e Marketing de Conteúdo podem ser uma ótima combinação, você sabia? É sobre isso que vamos falar neste post!

 

Por que os Millennials se interessam pela astrologia

Nos últimos anos, a astrologia migrou do analógico para o digital. Se, antes, era associado a rodapés de jornais e revistas femininas, hoje o assunto preenche uma vasta porção de conteúdo na internet. São inúmeras páginas, canais e perfis destinados exclusivamente ao universo astrológico. 

Na web, sites e aplicativos como Astro.com, Personare e Horos permitem fazer o mapa astral instantaneamente e receber interpretações. Ao mesmo tempo, astrólogos — ou apenas simpatizantes — publicam memes em páginas com milhões de seguidores, a exemplo da Não acredito em astrologia, mas, que acumula mais de 1 milhão de seguidores no Facebook. 

A onda astrológica não cresce só Brasil. Veículos internacionais como o britânico The Guardian tentam explicar o fenômeno, atribuindo o interesse dos Millennials em buscar significados ao fato de viverem em um contexto repleto de mudanças e incertezas. 

Nesse sentido, a astrologia surge como um conhecimento milenar sólido, que sobreviveu a muitas gerações. Algo que, mesmo sem comprovação científica, transmite credibilidade ao dialogar com o campo empírico – este, por sua vez, fonte de informação confiável em um universo repleto de informação duvidosa.

Além disso, para os Millennials, a busca pelos astros é também uma forma de buscar orientação mística e conectar-se com a espiritualidade, sem, no entanto, fazer parte de uma religião.

 

Como combinar astrologia e Marketing de Conteúdo

Em um mercado cada vez mais competitivo, segmentar seus conteúdos pode ser uma maneira de se diferenciar. Vivemos, afinal, a época da hipersegmentação, com a tecnologia permitindo oferecer conteúdos que fazem cada pessoa sentir que você está falando diretamente com ela.

De acordo com uma pesquisa da Adobe, por exemplo, 80% dos clientes já esperam que a personalização se torne um padrão no relacionamento com empresas. 

No Marketing de Conteúdo, a personalização consiste em criar novas formas de contato com seu público ou com seus clientes, de modo que essas pessoas se sintam compreendidas. Além de posts de blog e email, também é possível personalizar anúncios, landing pages e mais.

Para isso, você usa os dados coletados durante as interações dessas pessoas com a sua empresa. A ideia é que o público se reconheça nesses conteúdos, aumentando a probabilidade de adquirir um produto ou serviço.

A astrologia pode dar uma mãozinha na hora de segmentar suas campanhas. Basta saber a data de nascimento do seu público para poder criar campanhas que levem em consideração o signo solar — aquilo que respondemos quando alguém pergunta “qual o seu signo?”.

Da criação de campanhas à segmentação de email marketing e vendas de produtos, a astrologia pode estar em tudo. E é uma forma de tornar o seu Marketing de Conteúdo mais criativo, interessante e próximo do público Millennial.

Como já falamos aqui no blog da Gummy, fazer marketing para Millennials requer conteúdos originais, autênticos, informativos, educativos e inspiradores. Cientes disso, muitas marcas já estão apostando em conteúdos segmentados por signo. O resultado são campanhas com alto potencial de ganharem o coração dos Millennials.

Quer ver como fazer na prática? Veja alguns exemplos.

Spotify

astrologia e marketing spotify

A ideia do Spotify foi disponibilizar 12 playlists com músicas voltadas para cada signo, incluindo canções cujas letras coincidissem com previsões para o mês. Para isso, a plataforma de streaming contou com ajuda especializada: o conteúdo foi escolhido a dedo pela astróloga Chani Nicolas.

Amazon

A gigante Amazon surfou na onda dos signos criando o Prime Member Horoscope. Com a ferramenta é possível receber dicas de compras voltadas para cada um dos signos.

Na newsletter mensal, são enviados os melhores produtos que, de acordo com a empresa, beneficiem o signo solar. Conhecidos pelo perfeccionismo, os virginianos, por exemplo, foram estimulados a clarearem a mente — assinando o Prime Music para terem uma trilha sonora para isso.

astrologia e marketing amazon

 

 


Farm

Com apelo jovem, a marca de roupas carioca Farm, além de ter lançado uma coleção de camisetas inspiradas nos signos, criou o Farm Astral, com comunicações voltadas para cada um deles. Com previsões, autoconhecimento e uma identidade visual atrativa, o conteúdo tem tudo o que os Millennials procuram.

astrologia e marketing farm

Insecta Shoes

astrologia e marketing insecta shoes

A marca gaúcha de sapatos veganos Insecta Shoes apostou na criação de blogposts segmentados por signo. Assim, quem está em dúvida sobre como presentear uma amiga ariana, por exemplo, pode aproveitar as dicas de cor e modelo na hora de fazer a compra.

Como falamos, o público Millennial não é superficial em relação a astrologia. Por isso, é preciso evitar os clichês e apostar no trabalho de bons profissionais da área para não errar. Se não for possível contar com a consultoria de um astrólogo, busque entender as características de cada um dos signos, sem cair em lugares comuns.

Uma ideia criativa é apostar em diferentes formatos para cada um signos. Com fama de apressados, os arianos podem se interessar por vídeos e áudios engajadores, por exemplo.

 

Quer continuar aprendendo sobre conteúdos para o público jovem e sobre a geração Millennial? Então confira os posts abaixo:

Posição zero do Google: como alcançar

Posição zero do Google: como alcançar

Focar exclusivamente na primeira posição é para os fracos: a sacada da vez agora é alcançar a posição zero do Google, também conhecida como Featured Snippets.

Você já deve ter percebido: o mecanismo de busca se atualizou e hoje é capaz de entregar algumas informações na própria página de resultados. Elas se destacam das demais e geralmente atraem o maior número de cliques, trazendo novos visitantes para sua página.

A pergunta agora é: mas como posso conquistar esta posição tão privilegiada do Google? Não existe resposta exata, mas existem diversos testes e estudos que apontam para algumas formas eficientes de aumentar suas chances de chegar lá! 

Nesta postagem, ensinaremos a você tudo sobre a posição zero do Google e como fazer otimização de sites e conteúdos para entrar nesse páreo e conquistar o topo da lista de resultados.

Você vai ler sobre:

  • Os diferentes snippets para garantir a posição zero do Google;
  • Como otimizar conteúdos para alcançar a posição zero Google;
  • Razões para os snippets serem tão importantes para a estratégia de conteúdo.

Posição zero do Google? Featured Snippet? O básico que você precisa saber!

As chances de você já ter se deparado com alguma dessas caixas de informação na na busca orgânica do Google são imensas. Não poderia ser diferente: 41% das questões já têm Featured Snippet e eles estão roubando cliques da primeira posição.

A posição zero é uma invenção criada para otimizar as buscas do usuário. São caixas com respostas curtas e diretas pensadas naquelas pesquisas rápidas em que precisamos apenas de uma informação específica. 

Por um lado, pode parecer que a medida acaba diminuindo do tráfego do seu site, mas a verdade é que ela melhora sua qualidade. Um usuário que deseja uma informação rápida dificilmente perderá tempo lendo um blogpost inteiro. Logo, este tipo de clique seria apenas uma métrica de vaidade! 

Entretanto, pelo destaque que os snippets recebem (eles são mostrados antes mesmo dos anúncios pagos!) as chances de que um visitante realmente interessado clique nele são enormes. 

Apesar não ser claro como conquistar a posição zero do Google, é possível reconhecer alguns padrões. Primeiramente: não esqueça de otimizar os conteúdos para SEO focando na primeira página. Produza conteúdos épicos para estar entre os 10 primeiros, pois os snippets costumam vir de alguma destas páginas.

Nesse sentido, é importante ranquear as palavras-chave certas, evitar frases muito longas e sem pontuação, entre outras técnicas básicas de SEO. A maior particularidade é o sucesso das palavras-chave de cauda-longa nesse tipo de resposta.

A boa notícia é que não é necessário estar na primeira colocação para ganhar a posição zero do Google. Na verdade, os featured snippets da primeira página recebem apenas aproximadamente 30% dos cliques. Os outros 70% estão distribuídos entre outros resultados da primeira página.

Batalhando pela posição zero do Google

Pode parecer difícil ganhar uma posição assim tão concorrida, mas garantimos que não é impossível. Com trabalho árduo,  uma boa estratégia SEO e profissionais qualificados você também pode chegar lá. 

Como na maioria dos casos do Marketing Digital não existe uma fórmula definitiva para chegar lá. Porém, estas são algumas das técnicas mais eficientes para ranquear a posição zero do Google

  • Foco em responder perguntas:

A frequência de snippets é muito maior em buscas com palavras-chave de cauda longa e que efetivamente respondem perguntas. Por isso, um bom ponto de partida é identificar quais são as perguntas mais frequentes de suas personas e desenvolver conteúdos bem didáticos que respondam a elas.

Conteúdos muito técnicos, cheios de storytellings ou jornalísticos demais são péssimos para a posição zero do Google. Porém, muita calma nessa hora: eles são fundamentais para complementar a estratégia de conteúdo e precisam ser produzidos também! Mas, quando desenvolver material voltado para essa finalidade, o melhor é ser objetivo.

O foco destes conteúdos deve ser em respostas a perguntas do tipo: 

  • “Quem?”; 
  • “Onde?”; 
  • O que?”; 
  • “Como?”; 
  • “Por que?”. 

Elas devem estar anunciadas no texto, especialmente em títulos e subtítulos dentro do conteúdo. Depois, basta responder de forma sucinta, idealmente algo em torno de 40 e 55 palavras. 

  • Tipos de respostas para Featured Snippets:

Certamente, as respostas precisam ser curtas, mas não precisam ser todas iguais. Existem basicamente três tipos de respostas que costumam ficar na posição zero do Google:

1) Parágrafos:

posição zero do Google

Representam a maioria dos Featured Snippets. São pequenos parágrafos em texto corrido, como você pode ver na imagem acima. Costumam ser mais comuns nas buscas por definições de palavras ou termos, mas também podem aparecer em outras circunstâncias.

Exemplos de perguntas comuns para este tipo de resposta:

  • O que é…?
  • O que significa…?
  • Quem foi…?

2) Listas:

posição zero do google

O segundo tipo de respostas que normalmente ficam na posição zero do Google são as listas. Internautas gostam deste tipo de conteúdo, especialmente quando estão buscando sugestões sobre algum tema relevante.

Os tipos mais comuns de listas são:

  • Ranking;
  • Passo a passo;
  • Receita;
  • Melhores/piores;
  • Filmografias/bibliografias.

Não existe limite no número de itens que você pode listar. Listar mais do que os que aparecem na busca é até positivo, pois instiga a curiosidade do leitor para ver o resto! Porém, tome cuidado com a extensão de cada item: não coloque mais do que 10 termos em cada um deles. 

3) Tabela:

posição zero do Google

O terceiro e último tipo de resposta para garantir a posição zero do Google é a tabela. Ela é utilizada especialmente em casos de comparações, mas também aparece em pesquisas de horários e preços.

Assim como as listas, podem ter itens ilimitados. Entretanto, não podem ter mais do que três colunas. Apesar disso, você pode colocar mais informações em abas, como é o caso dos horários da pesquisa do exemplo.

  • Auxílio de especialistas: 

Outro fator importante sobre a posição 0 do Google é que ela muda frequentemente. Logo, é uma tarefa que demanda certo conhecimento e atenção. É importante ter um profissional dedicado a acompanhar as modificações dos snippets. E estudando seu comportamento para encontrar as melhores estratégias! 

Uma alternativa eficiente é contratar uma produtora de conteúdo para auxiliar na criação e monitoramento destes conteúdos. Profissionais especializados já estão acostumados com esses recursos na estratégia de conteúdo e estão se informando de forma recente acerca dos avanços do mecanismo de busca.

Esses três itens são as bases para que você possa desenvolver conteúdos relevantes e, de quebra, garantir a posição zero do Google. Agregue esta prática na sua estratégia de Inbound e observe o resultado! 

Só não vale focar exclusivamente disso e esquecer de outras técnicas igualmente importantes para o crescimento da empresa. Um bom exemplo de ferramenta que funciona perfeitamente na estratégia de conteúdo é o uso de e-mail marketing.

Então, aproveite o ritmo e leia também este blogpost para entender como utilizar e-mail marketing no seu planejamento. Boa leitura! 🙂

Como aumentar o tráfego orgânico de seu blog

Como aumentar o tráfego orgânico de seu blog

A criação e manutenção de um blog de conteúdos é fundamental para uma estratégia de Inbound Marketing. Contudo, não basta colocar o material no ar! É preciso garantir que ele seja acessado, consumido e, principalmente, engaje novos leads.

Uma das formas mais importantes de cumprir este objetivo é garantindo o volume e a qualidade do tráfego orgânico no seu blog. Em outras palavras, isso quer dizer certificar-se de que você será encontrado nos principais mecanismos de busca pelas suas personas.

Este é um problema com o qual você tem quebrado a cabeça? Então, respire fundo: nós podemos ajudá-lo! Neste blogpost, falaremos sobre tráfego orgânico, seus custos e como melhorar o engajamento de conteúdos.

Você vai ler sobre:

  • Como garantir tráfego orgânico para seu blog;
  • A importância de construir um canal de tráfego orgânico eficaz;
  • Como ter uma estratégia de tráfego orgânico profissional.


A importância do tráfego orgânico para blogs e sites

Tráfego orgânico é o termo que define as visitas que chegam até seu site ou blog através de fontes que não foram pagas diretamente. É uma métrica que por si só não gera custos.  Entretanto, é bom considerar investir em profissionais qualificados para garantir o seu sucesso.

Afinal, é preciso produzir conteúdos incríveis e alinhados com as melhores técnicas de SEO para ranquear bem nos mecanismos de busca. O ideal é perseguir a posição zero do Google, mas ficar entre os 10 primeiros resultados já é uma conquista para dormir feliz! 

É a forma mais eficiente de garantir tráfego orgânico e se tornar uma referência de autoridade em seu meio de atuação. Sua importância é tanta que pesquisas comprovam que 70% dos cliques se dão por meio de buscas orgânicas

Garantir um tráfego sem custo e de grande visibilidade já são motivos de sobra para otimizar a produção com foco em tráfego orgânico, certo? Logo, aqui vão algumas dicas para gerar

este efeito na sua estratégia de Marketing Digital e obter muitas conversões! 

 

Dicas para aumentar o tráfego orgânico do seu blog ou site

A verdade é que não tem como fazer Marketing de Conteúdo sem contar com o tráfego orgânico. Ele é, inclusive, um dos grandes objetivos da estratégia. Logo, sua otimização passa pelas melhores técnicas para Inbound Marketing.

E quando o assunto é conteúdo nós temos experiência e conhecimento para dar e vender. As quatro dicas a seguir são aplicadas diariamente na produção de conteúdos incríveis e validadas com o selo Gummy de qualidade!

1. Conheça profundamente o seu público: 

Mergulhe fundo nisso! Descubra seus temas favoritos, suas cores, características, estilo de vida… Descubra até mesmo como eles preferem o seu cafézinho para ter resultados verdadeiramente afetivos e criar um bom rapport

Exageros à parte, quanto mais você conhecer suas personas, melhor. Conhecer o destino é o primeiro passo para encontrar o melhor caminho. Conhecer seu público está no cerne de toda estratégia atual de Marketing e Vendas. De modo que é impensável alguém se lançar no mundo dos negócios sem fazer esta delimitação! 

Um conteúdo só é eficiente na medida em que responde exatamente aquilo que seus leitores desejam e precisam ouvir. Com seu conhecimento técnico do setor de atuação, você tem capacidade de prever os problemas do usuário.Assim, fica muito fácil descobrir sobre o que é necessário falar para vender a solução.

Definir as personas é um processo que deve ser feito com todo o cuidado, aplicando uma metodologia adequada e constantemente validada. Se ainda não passou por esta etapa em sua empresa, volte duas casas e leia este conteúdo aqui!

Agora, se já estiver com as características de suas personas na ponta da língua, mantenha isso em mente e avance para a próxima dica. 

 

2. Produza conteúdos incríveis:

Para se manter no top 10 dos mecanismos de busca e ganhar autoridade no seu setor de atuação, você precisa de conteúdos incríveis. Imagine que neste exato instante milhares de outras empresas estão produzindo para o mesmo público que você. Muitas, inclusive, oferecem a mesma solução.

Se você se contentar com o básico e produzir qualquer coisa, certamente acabará esquecido(a) em meio aqueles que só repetem mais do mesmo.  

Para gerar tráfego orgâncio, seus conteúdos devem se destacar dos demais. Isto implica em: 

  • Oferecer sempre informação atualizada e de qualidade, evitando ser superficial;
  • Ter uma linguagem interessante para suas personas, de preferência algo bem longe dos conteúdos chatos e genéricos que vemos por aí;
  • Utilizar referências importantes para as personas, sempre atento(a) a temas que impactaram recentemente;
  • Produzir conteúdo evergreen. Ou seja: conteúdos que sejam sempre relevantes e não estejam datados demais.

3. Otimize seus conteúdos para SEO:

Sim, a gente sabe que falar de SEO no Inbound Marketing é quase redundante. Mas, é um assunto tão importante que não tem como deixar passar em branco! 

Naturalmente, não existe sentido no Marketing Digital se ele não for visto por ninguém. Por esse motivo, trabalhar o SEO é essencial para aumentar o tráfego orgânico e ser notado em meio à multidão.

Tudo começa com a escolha das palavras-chave mais adequadas para sua persona e solução. Tente pensar como seu público! Pergunte-se:

  • “Que pergunta eu faria ao Google se quisesse resolver tal problema ligado à minha solução?”
  • “Que palavra-chave meu lead utilizaria para buscar uma solução como a minha?”
  • “Quais assuntos relevantes podem ser tema de pesquisa do meu lead hoje?”

Partindo das respostas a essas perguntas, você terá um direcionamento para a campanha de Inbound. E, consequentemente, boas ideias para escolher as palavras-chave. Pesquise estes termos em ferramentas como o Google Adwords e avalie por quais vale a pena entrar na disputa de atenção.

O próximo passo é produzir conteúdos distribuindo a palavra-chave ao longo do texto, html, títulos e subtítulos. Quanto mais, melhor. Só não vale saturar o texto com a palavra de modo que se torne estranho e chato de ler! 

Tudo isso, é claro, sempre estando atento a escrever frases curtas, agregar imagens e ter uma página responsiva e otimizada.

Este é somente um resumo muito breve para você ter uma ideia do que se trata. Mas SEO é coisa séria! Por isso, aprenda mais a respeito desta técnica clicando aqui!

4. Contrate uma agência especializada:

Montar uma equipe nota 10 para executar a estratégia de Marketing Digital não é algo que surge da noite pro dia. Para produzir conteúdos e acompanhar métricas, então, nem se fala! Isto pode sobrecarregar qualquer coordenador e não é  uma tarefa que pode ser delegada a qualquer um. 

Logo, o melhor custo-benefício, muitas vezes, está na contratação de uma agência especializada. Ela pode tanto fornecer a produção de conteúdos, como fazer um diagnóstico e acompanhamento completo do desempenho das suas peças de Inbound. 

Você sai ganhando duplamente: poupa tempo para focar em questões estratégicas e operacionais e ainda tem a tranquilidade de que a otimização para tráfego orgânico está em boas mãos!

Estas são nossas dicas para aumentar o tráfego orgânico do seu blog. Agora, você tem a informação. Mas, se quiser uma ajuda para botar a mão na massa, não pense duas vezes: conte com a Gummy para produzir conteúdos incríveis! 

Quer saber um pouco do nosso segredo por trás de conteúdos épicos? Leia este artigo onde contamos um pouco das práticas que utilizamos em nossa produção.

Até mais! 😉

Conteúdo online: concentre seus esforços no cliente

Conteúdo online: concentre seus esforços no cliente

O maior mandamento do marketing de conteúdo de hoje é: foco absoluto no cliente. A produção de conteúdo online não pode ser genérica, nem “atirar para todo lado”. 

A falta de diretrizes muito bem definidas para a criação de conteúdo online gera apenas desperdício e baixa performance. 

Isso explica o motivo da estratégia de Marketing Digital ser tão dependente do estudo e aprofundamento das personas: uma vez que podemos definir nosso público-alvo com tanta precisão, não faz sentido ignorar esses dados!

Nesta postagem, falaremos sobre como a tendência do marketing voltado para clientes afeta o conteúdo online

Você vai ler sobre:

  • A importância de uma produção de conteúdo online centrado no cliente;
  • Como o conteúdo centrado no cliente agrega valor à marca;
  • Como essa tendência impacta no sucesso das empresas.

A importância do conteúdo online centrado no cliente

Para começar a falar da importância do conteúdo online e das interações digitais na jornada do cliente, usaremos a citação de alguém com ampla expertise na área: Betsey Chung, a CMO do TD Bank – um dos maiores bancos no Canadá. 

Sob sua gestão, a estratégia de marketing e conteúdo online da instituição financeira mudou o paradigma. Ao invés de agirem como uma empresa que atua no meio digital, eles optaram por se posicionarem como uma empresa que é digital. 

Nesse sentido, a proposta era tornar toda a gama de questões que envolvem a atuação digital algo orgânico dentro da empresa. Algo que já é pensado como ponto de partida de qualquer estratégia. Sobre essa mudança, Chung responde que:

Digital para mim é apenas uma das muitas maneiras pelas quais os clientes interagem conosco. Acho que é muito importante perceber que se trata de entender profundamente as necessidades dos clientes. […]. Saber qual é a jornada deles quando eles tomam uma decisão de compra, para entender isso nos múltiplos pontos de contato e realmente atender às suas necessidades. Na verdade, para mim, é centrado no cliente.”

Ao compreender que o cliente de hoje em dia está absolutamente presente no meio digital, a empresa se adequou para melhor atendê-lo. Além disso, claramente houve um interesse em aprender mais sobre suas personas e produzir conteúdos conforme a jornada de compra dos clientes.

E não poderiam estar mais certos: dados revelam que 86% dos compradores prefere pagar mais para ter uma boa experiência de compra. 

Isso mostra que uma estratégia de conteúdo online focada no cliente agrega valor ao seu produto e aumenta o faturamento da empresa. 

O que muda na produção de conteúdo online com essa estratégia?

A principal mudança na produção de conteúdo online é fortalecer os processos do Marketing Digital. Se antes você simplesmente mandava criar o conteúdo conforme o que você achava interessante, é hora de mudar! 

Já que agora sua opinião não é mais o centro da estratégia, são precisos meios para compreender profundamente o desejo e o comportamento do cliente. 

Para tanto, você precisará – antes de qualquer coisa – estudar muito bem suas personas e validá-las constantemente. Avalie suas experiências de maior sucesso e veja o que é possível replicar.

O segundo passo é entender profundamente a jornada de compra do cliente. Assim, você deve planejar a criação de conteúdo online com base no inbound marketing e em cada uma das etapas do funil de vendas. 

Ficou confuso? Não se desespere! Temos aqui um guia sobre o conteúdo certo para cada etapa do funil para você nunca mais esquecer!

Assim, você desenvolverá conteúdos úteis e criativos. Isso aumenta a sua relevância e torna a estratégia de Marketing Digital integrada. De modo que seus materiais se complementam e tracionam o lead perfeitamente em cada fase.  

Na prática, isso quer dizer que sua produção deve:

  • Utilizar o conhecimento que possui das personas para melhorar a experiência do cliente:

O cliente de hoje em dia já espera por algo diferente. Todos querem ser surpreendidos o tempo todo! Portanto, quanto melhor você conhecê-los, maiores serão suas chances de sucesso.

O caminho para esse sucesso está em manter um registro cuidadoso de todas as informações coletadas. Desde o momento da criação, até a prática e validação das personas, novos dados surgem o tempo todo. É importante que você atualize suas estratégias com base nelas e use das informações para ter controle sobre a progressão dos seus processos.

Quando você excede as expectativas do lead, você ganha autoridade e gera mais engajamento com a marca. No caso do conteúdo online existem algumas práticas simples que causam um impacto tremendo:

  • Vocabulário adaptado para gerar rapport com o leitor;
  • Linguagem simples e de fácil entendimento;
  • Escolha de temas, metáforas e imagens que sejam do interesse do usuário.
  • Aplicar Design Thinking na produção de conteúdo online:

O Design Thinking é um método para resolver problemas baseado em colaboração e empatia. O objetivo é colocar as pessoas no centro do processo e busca sempre tornar suas experiências mais felizes. 

Na rotina dos profissionais do Marketing o método pode ser aplicado para visualizar a estratégia de ponta a ponta. Isso garante mais controle e otimização dos processos internos, garantindo que o receptor seja colocado no centro de tudo.

Isso ocorre quando pautamos a produção de conteúdo a partir de seus desejos, interesses, solucionando seus problemas e suprindo suas necessidades.

Implementar esse mindset nos produtores de conteúdo e em toda a equipe de Marketing já faz grande diferença. 

Contudo, essa mentalidade também tem algumas aplicações práticas facilmente aplicáveis:

  • No branding: transmita veracidade em toda a sua comunicação. Tenha valores muito bem definidos para sua empresa e garanta que eles estão alinhados com as personas. 

Uma marca é composta por pessoas que se comunicam com pessoas: nunca se esqueça! Somente assim você será capaz de construir relações efetivas com seus clientes e proporcionará experiências marcantes.  

  • No conteúdo digital: colocar o cliente como foco de sua estratégia e preocupar-se em atender suas necessidades já é Design Thinking. Estude-o constantemente! 

Fique atento às reações dos usuários ao seu conteúdo. Avalie o teor de cada comentário e certifique-se de estar causando uma impressão positiva.

  • Causar um efeito WOW!

Munido dessas ferramentas, procure causar um efeito WOW! com cada peça de conteúdo online, ou seja: não seja mais um produtor de conteúdos que ninguém vai ler. Direcione seus esforços para criar algo que seja memorável ou, no mínimo, desperte algum tipo de reação – seja ela curiosidade, interesse repentino, emoção, etc.

Sabe aquele conteúdo que você lê/assiste e pensa: “WOW! Que conteúdo incrível! É exatamente o que eu precisava nesse momento!”. Você fica feliz, resolve seu problema, tira suas dúvidas e ainda indica aquele colega que se interessa pelo mesmo assunto?  

 Esse deve ser seu objetivo!

Um conteúdo WOW! excede expectativas e transforma os consumidores em propagadores. 

Isso fortalece – e muito! – a sua estratégia de Marketing Digital e garante um bom posicionamento junto ao seu mercado. 

Conhecendo melhor essa tendência dá pra entender porque ela é tão relevante, não é mesmo? Aplique as mudanças que forem necessárias em seus processos de planejamento e produção de conteúdo online para atender melhor aos seus clientes. 

A produção de conteúdo é essencial para trazer resultados para a sua empresa.

Para provar a eficiência desta estratégia, não se esqueça de analisar constantemente métricas como engajamento nas redes sociais, taxa de abertura, cliques e respostas de e-mails e tempo de permanência  nas páginas de seu site.

Para ficar ainda melhor, só falta ter um planejamento de conteúdo perfeito. Quer saber como? Então clique aqui e leia também esse blogpost! 

Até mais! 😉

Textos que vendem: como produzir?

Textos que vendem: como produzir?

Conteúdos genéricos que alimentam blogs sem tráfego é algo simples de ser feito. Mas criar textos que vendem, encantem e oferecem informações realmente relevantes para o público não é para qualquer um. 

Mas por que não é para qualquer um? Pois, muitos profissionais e marcas ao constatarem que Marketing de Conteúdo dá resultados resolveram implementar a estratégia sem, de fato, dominarem o todos os seus aspectos.

Justamente por não dominarem o assunto, acabam produzindo conteúdos acreditando que basta escolher algumas palavras-chave e publicar um artigo por semana. E qual o resultado disso? Acabam se frustrando com o retorno lento e muito abaixo do esperado em relação ao investimento.

Durante os meus 10 anos de trabalho com Marketing Digital presenciei inúmeras situações parecidas com esta. Atualmente, quando sou questionado por algum colega empresário acerca da dificuldade de seu negócio obter resultados satisfatórios através da produção de conteúdo, costumo elencar a seguinte reflexão:

  • Ok. Você está produzindo conteúdos para seu blog, mas como você espera transformar este conteúdo em venda?

Grande parte das empresas, ao serem questionadas sobre este assunto, demonstram inabilidade para responder.

Pensando nisso, resolvi redigir este conteúdo. Mas, antes de começarmos, peço que leia as questões abaixo:

  • Você costuma comparar os conteúdos produzidos para o seu blog com os da concorrência e acha que poderia melhorar?
  • Você sente que está perdendo tempo e dinheiro produzindo este tipo de conteúdo?
  • Os resultados desejados ainda não apareceram? 

Se sua resposta for SIM para qualquer uma destas perguntas, VOCÊ PRECISA LER ESTE TEXTO!

Nele você encontrará: 

  • Dicas para produzir textos que vendem de verdade;
  • Importância de escolher bons profissionais e criar um bom processo;
  • Como usar de gatilhos mentais para transformar seu conteúdo em vendas;
  • Como produzir conteúdos com foco em resultados;

Primeiros passos para  produzir textos que vendem

 

Para produzir textos que vendem você precisa, primeiramente, conhecer os detalhes de mercado, os diferenciais e produtos oferecidos pela marca.

Isto é o que chamamos de copywriting no Marketing Digital.

O significado de copywriting é escrever pensando nos resultados, ou seja, produzir um texto capaz de convencer o leitor a tomar ações efetivas e que façam com que ele avance em sua jornada de compra. Para isso, além da técnica de escrita persuasiva, é preciso escrever com embasamento e autoridade sobre o assunto que será tratado.

Sendo assim, não adianta escrever qualquer tipo de material e publicá-lo às pressas, pois desta forma ele não cumprirá seu objetivo e nem trará resultados. 

Você precisa ter em mente, também, que nem todo redator é adequado ao seu projeto, cada um deles possui um conhecimento diferenciado e poderá tratar do assunto com níveis de conhecimento técnico específicos.

Ao escolher quem produzirá este conteúdo é preciso ter muito cuidado, selecione alguém que realmente domine o assunto ao qual o negócio é associado.

Caso seja necessário, você pode treiná-lo para que adquira este conhecimento, mas sempre respeitando suas limitações e curva de aprendizado. 

Em suma, se você realmente quiser produzir conteúdos que tragam resultados, precisará conhecer o DNA da marca e seu público, mas também investir em profissionais qualificados e estabelecer o processo adequado para que eles redijam materiais efetivos

É justamente sobre isso que falaremos a seguir.

Processo de Produção de Conteúdo

O processo de produção de conteúdo é um conjunto de sucessivas atividades envolvendo pessoas, procedimentos e informações, cujo esforço combinado, organizado e sistematizado produz valor. No caso da Gummy, chamamos nosso processo produção de conteúdo de método WOW.  

Através do método WOW, produzimos planejamentos, textos, vídeos e melhorias SEO para marcas brasileiras, latino-americanas e estadunidenses – ajudando nossos clientes a alcançarem seus objetivos e baterem suas metas.

Não é conversa de vendedor. Quer prova maior do que nossos resultados empresariais?

A Gummy registrou crescimento de quase 300% ao ano, apesar da recessão, desde que abrimos as portas há quase três anos.

Não tenho dúvidas de que nossa expansão está ligada à efetividade do método WOW. Com base nisso, considero que, além de contar com profissionais altamente qualificados, é fundamental estruturar muito bem o processo de produção de conteúdo. 

O método WOW

gummyconteúdodigital

Etapas do Método WOW

Ao explicar detalhadamente sobre o método WOW, pretendo ajudar na construção de processos tão efetivos quanto ele para produção de textos que vendem.

Para criar nosso jeito de entregar textos que grudam, aproveitei tudo que aprendi como Gerente de Projetos e em minhas experiências no mundo da publicidade. 

Estabeleci como prioridade, junto de meus sócios, imputar boas práticas de Gerenciamento de Projetos, Gestão do Conhecimento e Design Thinking no método que criamos.

Para entender um pouco melhor, vamos relembrar as premissas destas áreas:

A ) GERENCIAMENTO DE PROJETOS

Gerenciamento de projetos é a junção de conhecimentos, habilidades e ferramentas que serão utilizadas para planejar e executar um projeto. O gerenciamento de projetos é dividido em cinco etapas, sendo elas: o início do planejamento, a execução, o acompanhamento/controle e o encerramento. 

Podemos resumir o gerenciamento de projetos como um conjunto de conhecimentos e técnicas que irão garantir o sucesso do seu projeto.

B ) GESTÃO DO CONHECIMENTO

Gestão de conhecimento é a capacidade de gerenciar, multiplicar e distribuir conhecimento com eficiência para que uma empresa ou organização esteja em posição de vantagem competitiva para gerar lucro e garantir seu crescimento no mercado. 

Para que sua empresa alcance o resultado esperado, é necessário ter conhecimento e dominá-lo em determinadas áreas. Pense que o conhecimento transforma seu negócio. Porém, reter muita informação e conhecimento, por si só, não significa estar acima de seus concorrentes.

C ) DESIGN THINKING

O design thinking, sob uma visão prática, pode ser resumido em um conjunto de métodos, ferramentas e técnicas, organizadas em um processo que irá pensar e criar soluções baseadas no que o cliente necessita e deseja, por meio de uma pesquisa aprofundada, geração de ideias e testes.

Uma vez compreendidos os fundamentos, estabelecemos as etapas e procedimentos mais importantes para que o produto final, o texto, tornar-se muito diferenciado.

A seguir mergulhamos em cada uma das etapas que o compõe:

1. IMERSÃO

Nesta primeira etapa do processo, nós mergulharemos na operação através de reuniões e entrevistas com a equipe responsável pela comunicação da marca, para que assim possamos saber quais as estratégias de marketing, vendas e seus objetivos. 

É nesta parte do processo que faremos as devidas adaptações para que o andamento e os resultados do projeto sejam satisfatórios.

2. WAY2GO – PLAN

O way2go é o passo mais importante para que o projeto seja bem sucedido. Nele mergulhamos no universo da marca, através de entrevistas e netnografia dos públicos e seus consumidores em potencial. A análise desses dados é cruzada com os objetivos de negócio e ferramentas de branding e fornecem direcionais para produção de conteúdo, a estratégia e KPIS para ativação de cada canal (site, blog, facebook, instagram, stories, pinterest, twitter, youtube, vimeo etc).

Com isso, com ajuda de ferramentas como SEMRush, entre outras, é construído o Plano de SEO e calendário editorial com temas que serão convertidos em textos para os diversos canais. 

Por fim, todo esforço desta etapa é revisado, montado e apresentação para aprovação do cliente.

3. EXECUÇÃO – TEXTO 

Assim que o way2go é aprovado, chegou a hora de colocar as mãos na massa! Nesta etapa do processo o primeiro time a trabalhar é o de Administração da Conta, são eles que autorizam o Time de Planejamento a detalhar cada tema para cada canal em um briefing e/roteiro, cujo modelo disponibilizamos para download aqui

Em seguida, estes briefings são enviados para o Gestor de Conteúdo responsável pela conta e, por fim, a tarefa é atribuída ao redator mais adequado ao tema e nível técnico daquele briefing.

4. IMPROVING

O Improving é nossa etapa final e acontece ao longo de todo o projeto.

Nela o cliente confere notas a diferentes aspectos de cada entrega para que saibamos como estão performando. 

O Gerente de Projeto acompanha estes resultados e juntamente aos outputs de uma conversa objetiva com os clientes alimenta um banco de conhecimento, o Brainbox, que ajuda nossos Gestores de Conteúdo e Redatores a entregarem conteúdos cada vez mais alinhados à expectativa dos clientes, garantindo a felicidade com os resultados e,por consequência, com nossos esforços.

Uma vez apresentado nosso processo, acho importante compartilhar algumas dicas e aprendizados que obtivemos a partir desses anos em que estamos no mercado. Organizamos o que aprendemos com os anos de experiência e diversas adaptações (design thinking) do processo para diferentes empresas e segmentos para ajudá-los a alcançar resultados consistentes com sua estratégia de produção de texto para marketing digital. Confira:

Dica 1: Utilize gatilhos mentais

Você provavelmente já fez uma compra e, somente após adquirir o produto ou solução se deu conta de que, na verdade, foi influenciado e que não necessariamente precisava daquela compra.

Isso acontece em boa parte pelo uso dos gatilhos mentais na publicidade e no marketing.

Gatilhos mentais são mecanismos inseridos em materiais de campanhas que aceleram a tomada de decisão do cliente.

Fazendo com que o receptor se sinta mais confortável em tomar sua decisão de compra, e consequentemente, aumentar as taxas de conversão de quem os utiliza. 

Alguns exemplos de gatilhos mentais que podem ser aplicados para a produção de textos que vendem são:

  •  Autoridade

Pessoas compram de empresas nas quais elas confiam, bem como pessoas que confiam em quem demonstra autoridade em determinado setor.

Este selo de autoridade pode ser obtido ao compartilhar conteúdos relevantes, ser recomendado, prêmios de destaque para a persona e cases de sucesso que mostrem a prova social.

O processo de construir autoridade depende não somente de quanto conteúdo você produz, mas, principalmente, de como você os produz, como se inserem na jornada de compra de seu público e o quão relevantes eles são.

Para isso, algumas dicas são:

A) Produzir conteúdos de alto valor agregado e oferecê-los gratuitamente, como Ebooks, pesquisas e Whitepapers;

B) Estabelecer uma presença digital forte, com esforços de conteúdo em diferentes canais (exemplo: agregar a produção de vídeos e e-mail marketing à sua estratégia);

C) Criar parcerias com players de importante destaque em seu mercado.

  • Urgência

Infelizmente, um hábito comum de grande parte das pessoas é tomar medidas somente quando não há mais alternativas. Isso acontece pois o estado de urgência obriga você a agir para evitar que algo pior aconteça. 

Sendo assim, conteúdos que mostram, por exemplo, as consequências de não investir ou ressaltam a possibilidade de perda são formas de despertar este gatilho.

  • Escassez 

Semelhante ao gatilho anterior, a escassez é outro aspecto que convida o lead a agir. Ela é ligada especialmente ao medo da perda: ninguém gosta da sensação de ficar para trás. Por isso, acabam acelerando o processo de decisão para garantir o produto. 

É muito comum em promoções e conteúdos que fazem o lead acreditar que está diante de uma oferta temporária e limitada.

Existem outros gatilhos mentais, mas estes três são os mais utilizados em textos que vendem

Quer conhecer o uso de gatilhos em diferentes formatos de conteúdo? Então, acesse este conteúdo aqui e veja como eles podem ser usados também em vídeos. 

Dica 2: Faça um bom trabalho de SEO

Hoje em dia, todo mundo pergunta qualquer coisa para o Google. Com a facilidade de acesso à internet, esta é a primeira alternativa da grande maioria de pessoas quando surgem dúvidas.

Isso acaba tornando o motor de buscas uma porta de entrada para grande parte dos leads na jornada de compra. Portanto, nada mais inteligente do que investir esforços em estar bem posicionado no Google. 

Para isso, recomendo que você aplique boas práticas de SEO em suas produções.  

Exemplos práticos de SEO incluem:

  • Pesquisa e aplicação de palavras-chave:

Grande parte do sucesso dos textos que vendem está na escolha das palavras-chave certas. Afinal, seu conteúdo só será encontrado se você antecipar quais termos suas personas estão pesquisando.

Isso parte do conhecimento aprofundado das personas, mas também de análises semânticas para encontrar variações de um mesmo termo. O ideal é trabalhar com palavras-chave primárias e secundárias para cobrir um número maior de possibilidades.

Elas podem ser pesquisadas em ferramentas como o UberSuggest e o próprio Planejador de Palavras-Chave do Google. 

Dica importante na hora de planejar: considere quesitos além do volume de buscas de cada palavra-chave.

Pense naquilo que seu público pesquisaria, nos termos que melhor se adequem à sua intenção de busca e não deixe comparar suas produções com o nível de autoridade e qualidade dos artigos mais bem posicionados no Google.

Uma vez selecionadas as palavras-chaves, basta otimizar os textos garantindo sua inclusão em meta tags e atributos rastreáveis pelo motor de buscas.

[Leia mais sobre boas práticas de SEO aqui!]

  • Escaneabilidade:

Tanto o Google quanto seus leitores gostam de compreender rapidamente do que se trata um determinado conteúdo.

 Imagine que boa parte dos visitantes costuma varrer a página antes de ler para verificar se o material atende a suas expectativas.

Por isso, títulos e subtítulos interessantes são tão importantes. Eles chamam a atenção e fazem com que o leitor identifique rapidamente do que se trata cada parte do texto. 

Se eles forem relevantes, ele irá parar e ler o texto. Se não forem, são grandes as chances de que abandone o conteúdo imediatamente e não leia o material inteiro para descobrir se vale a pena.

  • Links e CTAs:

Links e CTAs são de grande importância, eles  melhoram o tráfego da sua página e engajam o lead na jornada de compra. Pense na estratégia de Inbound como uma sucessão de passos para chegar até o momento da compra.

Acima de tudo, um texto vencedor deve sempre direcionar o usuário para o próximo passo. Isso é feito através de links internos e Calls to Action (CTAs) para materiais mais aprofundados. Passando, assim, de um conteúdo de topo para um de meio e em seguida para um de fundo de funil.

Dica 3: Trabalhe com profissionais qualificados

Finalmente, como citamos mais cedo: Inbound Marketing não é trabalho para amadores. Não basta chamar o “primo da amiga que escreve bem” e pedir para que produza um conteúdo sobre tal assunto. Há uma série de conhecimentos específicos que precisam ser levados em consideração na hora de comprar artigos para blog.

Se optar por produzir internamente, busque profissionais com experiência em Marketing de Conteúdo e faça testes de redação para verificar se eles entendem verdadeiramente de SEO. 

Caso não esteja disposto a investir em profissionais com conhecimento técnico aprofundado, terceirizar a produção é uma excelente alternativa!

Vale lembrar que, mesmo que você produza internamente, deverá, antes, articular processo de produção de conteúdo.

Este processo deve deixar claro as responsabilidades de cada área, os touchpoints com redatores, os prazos a serem cumpridos e os sistemas de avaliação de cada entregável.

Espero que nosso exemplo o ajude a, também, alcançar bons resultados com a criação de textos que vendem.

Ficou com alguma dúvida em relação ao funcionamento do nosso processo?

Quer ajuda para replicar este processo ou está pronto para confiar em nosso trabalho e começar a produzir textos incríveis com a Gummy? Não deixe de entrar em contato, será um prazer ajudar você nessa jornada para produzir textos que vendem.

Gestão de conteúdo: como montar um processo realmente eficiente?

Gestão de conteúdo: como montar um processo realmente eficiente?

Já não é segredo para ninguém o sucesso das estratégias de Marketing de Conteúdo em empresas de todos os setores. É por isso que, segundo o relatório Estado do Inbound 2017 da Hubspot, 53% dos profissionais de agências digitais vêem o processo de gestão de conteúdo como sua prioridade. 

No entanto, há um dado que contrapõe este de maneira preocupante. Segundo o Content Marketing Institute, apenas 30% dos responsáveis pelas ferramentas B2B estão satisfeitos com os resultados de seu desempenho via Inbound Marketing.

Você se insere nessas estatísticas?

Um dos motivos que causam esta insatisfação é a má gestão de conteúdo

Por vezes, as marcas deixam de criá-la ou mesmo contratam alguém que a faça. Isso acarreta em uma redução na qualidade das entregas e em materiais que não performam como o esperado.

A seguir, vamos provar como a organização de um workflow planejado para todas as etapas da gestão de conteúdo auxilia no cotidiano e pode garantir a eficácia de uma estratégia.

Você vai ler sobre:

  • Como estruturar um processo de gestão de conteúdo assertivo
  • Quais ferramentas otimizam uma estratégia de Inbound Marketing
  • De que forma a gestão de conteúdo pode ser implementada

A importância de um bom processo de gestão de conteúdo

Quem tem um processo de gestão de conteúdo eficiente, investe menos tempo com refações desnecessárias, execução de tarefas e falhas de comunicação entre suas equipes. Conhece a frase “tempo é dinheiro”? 

Logo, a gestão de conteúdo é sinal de economia.

A conta se torna imbatível quando vem junto de um acréscimo nos níveis de qualidade do material produzido e também de satisfação por parte dos clientes e funcionários. Ou seja, no fim das contas, todo mundo sai ganhando. 

Agora, vamos à prática! 

A criação do processo de gestão de conteúdo

Para fazer essa mágica dentro da sua empresa, é preciso seguir algumas etapas. São elas:

Ter pontos de partida e de chegada

Estabeleça o ponto inicial do seu processo de produção de conteúdo e identifique qual é o primeiro passo – o pedido do cliente, a confirmação da primeira parte do pagamento, etc. 

Logo após, também é importante definir o ponto final da gestão de conteúdo. Ele pode ser tanto a entrega do material quanto a coleta de um feedback. Assim, tudo depende de como funciona o seu processo comercial.

Reconhecer pessoas envolvidas

Analise todos os profissionais que farão parte do processo, desde o responsável por coletar e fazer as propostas de trabalho até aquele que preza pela felicidade do cliente. Liste-os e busque meios para acompanhar sua produtividade, como softwares de gestão de equipes.

Necessariamente, você deve saber quem e quantos são, fora o que cada um precisa fazer para a garantia de bom andamento do processo de gestão de conteúdo.

Manter a informação centralizada

Escolha uma forma de centralizar todo o material relevante e necessária ao processo de produção de conteúdo. Assim, o local deve ser acessível à todos os envolvidos e conter as informações essenciais para cada etapa. 

Nesta brainbox, como gostamos de chamar, devem estar contidas:

  • informações sobre o cliente;
  • definições das buyer personas;
  • indicações de manual, referências e briefings.

Isso evita, por exemplo, que perca-se tempo em uma situação onde é preciso desenvolver um blogpost e um vídeo sobre o mesmo tema. Uma vez que a pesquisa é comum a ambas as tarefas, isso poupa trabalho e garante a homogeneidade da informação.

Na Gummy utilizamos táticas de gestão de conhecimento e design thinking para organizar e categorizar informações e dados fornecidos pelos clientes.

Ferramentas de gestão de conhecimento e gestão de projetos podem ser úteis nessa etapa do processo.

Lembre-se: a disciplina é a alma da otimização. Repita isso como um mantra.

Aplicar um plano de execução

Descreva objetivamente todas as atividades a serem implementadas do início até o fim do processo de produção de conteúdo. Isso inclui as fases de brifagem, o levantamento de referências, a criação textual, as revisões – sejam elas internas ou externas – e as entregas.

Adicione os prazos a este cronograma e deixe bem clara a relação entre seus conteúdos, facilitando o engajamento do time.

Faça com que esse cronograma seja colaborativo e esteja facilmente visível a todos os envolvidos na execução e entregas.

Instituir um padrão de qualidade

Indique critérios a serem avaliados na hora da aprovação do material. Essa tática é muito relevante na gestão de conteúdo e deve ser levada em conta.

Outra alternativa interessante é estabelecer filtros, a fim de verificar a adequação do texto às orientações do manual do redator. Novamente, a documentação prévia de todas essas atividades será de imensa ajuda.

Afinal, é baseado no que foi estabelecido ao longo do processo de gestão de conteúdo que somos capazes de julgar a qualidade esperada. 

Inclusive, quando se refere ao atraso das entregas – ou mesmo, o fato de não cumprir com o que acordado -, é melhor que ocorra um adiamento do que oferecer um serviço mal executado.

Apostar nas ferramentas certas

Selecione os instrumentos adequados, com o intuito de que sejam a garantia do sucesso de qualquer estratégia dentro da sua organização.

Nesse sentido, há várias opções disponíveis no mercado que podem auxiliar o seu time em diferentes táticas. Algumas delas são gratuitas, outras pagas. Vale à pena desenvolver uma pesquisa e analisar quais as melhores opções para cada caso.

Embora plataformas de conteúdo possam agilizar processos mais robustos, existem alternativas gratuitas que podem Trello, por exemplo, é uma excelente ferramenta para organizar ideias de modo prático, simples e intuitivo. Além disso, permite o compartilhamento de informações com o restante da equipe, dinamizando o acesso a dados importantes. 

Já o Zenkit oferece, além do Kanban, a opção de desenhar processos visuais, incluir cronogramas e calcular o número de horas gasto em cada tarefa do processo, combinando gestão de projeto e gestão de conteúdo.

A verdade é que, no cenário empresarial, todos os recursos necessitam estar sob absoluto controle. A estruturação dos processos dentro de qualquer companhia é a grande sacada que leva as empresas a crescerem de modo programado e rápido. Uma vez que, junto ao controle, vem a escalabilidade.

No que tange especificamente ao conteúdo, aplicando essas táticas, você criará um projeto com vasto potencial para trazer os melhores resultados. Caso seu negócio ainda não tenha condições e/ou disponibilidade de implementá-los a nível operacional, busque parceiros que possam suprir esta demanda. Teste agora mesmo e perceba a diferença!

Para ter certeza de que você não irá mais sofrer com obstáculos no processo de gestão de conteúdo, continue lendo nosso blog e descubra o que há de mais atual sobre marketing de conteúdo. Até mais! 🙂

Contato