Estratégia

Entenda a importância da intenção de busca do usuário

intenção de busca

tempo de leitura 6 MIN

compartilhe

O que a intenção de busca tem a ver com ranqueamento no Google? 

Imagine que você entrou em uma loja procurando uma camisa e deu de cara com uma bagunça! Além de não haver nenhum setor específico, todas as peças estão empilhadas aleatoriamente e sem informar os seus tamanhos. 

Essa é a sensação que você teria caso o ranqueamento do Google não seguisse a sua intenção de busca. Mas, com a ajuda dos princípios de SEO, sua “roupa” consegue se destacar da concorrência. 

Nessa analogia, digamos que:

  • A loja = Google;
  • A sua procura pela camisa = intenção de busca;
  • Os setores = palavras-chave;
  • As estantes e araras = página de resultados. 

Entende que sem essas ferramentas, você jamais encontrará o que quer? O objetivo do Google é te mostrar a roupa perfeita, que combine com o seu estilo, tenha o seu tamanho e caiba no seu bolso. Assim, você não precisa gastar tempo procurando e ainda fica muito mais satisfeito com a indicação. 

Agora, imagine que se você for à uma loja e pedir ao atendente que lhe traga opções de camisas profissionais, pode ser que ele não te entenda e leve roupas que fujam do seu agrado. E aí provavelmente você dirá “ok, mas eu quero uma camisa mais social, que eu possa usar no trabalho”. Quando isso acontece, você deixa sua intenção de busca mais clara.

E o Google tenta fazer a mesma coisa. Se você pesquisar algo, não clicar em nenhum link e voltar para a barra de pergunta, esse é um sinal de que aqueles resultados não correspondem aquela procura. Dessa forma, o algoritmo vai trabalhando para deixar suas SERPs mais assertivas e ranqueando aquelas páginas mais completas. 

Por isso, é importante sempre produzir com mais informação e qualidade, oferecendo uma boa experiência de conteúdo para se destacar. Pense no que o seu cliente procura na internet!

Inclusive, essa é a pergunta de milhões: Como descobrir a intenção de busca do usuário? 

Entendendo como o usuário pesquisa na internet 

Você sabe quantos brasileiros acessaram a internet no ano passado? Em torno de 152 milhões! Isso representa 81% da população, tendo um aumento de acesso, principalmente, por pessoas de áreas rurais e acima de 60 anos. 

Isso significa que cada vez mais os usuários vão se diversificando, o que afeta diretamente a intenção de busca. O marketing para jovens, por exemplo, precisa ser mais criativo, dinâmico e objetivo, já que essa geração não costuma gostar de conteúdos sisudos e complexos. 

Além da idade, o contexto social também afeta a intenção de busca do usuário. Durante a pandemia, por exemplo, a pesquisa por “cursos a distância” e “estudar por conta própria” cresceram significativamente. Assim como o interesse por lives, streamings, livros e atividades físicas para fazer em casa. 

Esses são dados mostrados no relatório TIC Domicílios 2020, que revela também outras informações interligadas com os acontecimentos mundiais. Nele, 86% das pessoas com ensino superior demonstraram um interesse maior sobre notícias gerais. Já a pesquisa por saúde representou 53% das intenções de busca em 2020. 

Ou seja, quando você for produzir um conteúdo, não precisa falar necessariamente sobre os temas mais pesquisados. O importante é se comunicar de uma maneira em que as pessoas que estão vivenciando aqueles fatos consigam se identificar.

Por exemplo, se você for vender uma cadeira, leve em consideração o aumento do home office no Brasil. Faça uma comunicação mais acolhedora, falando sobre o conforto que ela proporciona. Afinal, faz algum tempo que as cadeiras da mesa de jantar já não são mais as queridinhas do público. 

Mas agora, falando de forma técnica, como esses usuários se comportam definitivamente no Google? Bom, a pesquisa feita pela Backlinko mostra que: 

  • 50% dos usuários do Google levam 9 segundos para clicar em um resultado após a pesquisa; 
  • 9% chegam ao final da primeira página da SERP; 
  • 59% deles visitam apenas uma página durante a sessão de pesquisa; 
  • Apenas 0,44% dos pesquisadores vão para a segunda página de resultados. 

Esses dados demonstram que o ranqueamento do Google funciona muito bem e responde, na maioria das vezes, de forma certeira as procuras feitas. 

Lembra da analogia da camisa? Quando você disse uma informação para o atendente e depois precisou reformular a fala, significa que houve uma modificação no termo da pesquisa inicial. Mas, segundo os dados coletados pela Backlinko, apenas 15% dos usuários precisam fazer isso. O que mostra uma alta assertividade do Google em elencar resultados relevantes. 

Outro dado que comprova isso é que apenas 17% das pessoas retornam para a SERP depois de clicar em um resultado. Ou seja, os conteúdos mostrados em primeiro são bem completos e sanam quaisquer dúvidas que o usuário tenha sobre determinado assunto. 

Então… Agora que você já entendeu como as pessoas agem ao pesquisar alguma coisa no Google, chegou o momento mais esperado: as dicas preciosas para melhorar seu ranqueamento!

Como otimizar seus conteúdos para corresponder a intenção de busca? 

As práticas abordadas nesse tópico são as galinhas dos ovos de ouro. Na verdade, elas não são tão exclusivas, porém é pensando e agindo dessa maneira que você conseguirá melhorar seus resultados significativamente. 

Analise os conteúdos da SERP

Antes de falar sobre algo, nós precisamos pesquisar. E o Google é a forma perfeita para isso, afinal ele é uma plataforma de mecanismo de buscas. Portanto, uma boa estratégia é  pesquisar quais são os resultados que aparecem sobre o assunto que você pretende falar. 

Veja quais são os recursos que se destacam: se é um texto, uma lista enumerada, um vídeo ou notícia. Assim você saberá quais formatos o Google prioriza ranquear sobre esse tema. 

Mas lembre-se de sempre responder de forma clara e concisa, independente do conteúdo que você desenvolver. 

Ferramentas que podem te ajudar 

Encontrar a palavra-chave ou a pergunta certa que reflete o interesse dos usuários não é uma tarefa nada fácil. Portanto, utilizar plataformas, softwares e ferramentas fazem toda a diferença no dia a dia dos redatores e conteudistas das empresas. Algumas excelentes que ajudam a otimizar seu site a corresponderem na intenção de busca, são:

  • Answer the Public: ideal para quem procura fazer um brainstoming rápido e assertivo. Ela é uma ferramenta que utiliza o Google Suggest e realiza o mapeamento das perguntas que os usuários estão pesquisando sobre determinado assunto; 
  • Also Asked: para quem tem dificuldade de achar as keywords long tail ideais, essa é a plataforma perfeita! Seu recurso é simples: encontrar perguntas relacionadas à palavra-chave de busca. Ou seja, ela sugere diversas ideias de perguntas e você escolhe qual é a ideal para produzir o seu conteúdo; 
  • Ubersuggest: essa é uma plataforma completa para auxiliar no universo do SEO. Nela, você encontra sugestões de keywords, rastreia o ranking diário do seu conteúdo, acompanha o tráfego, oferece auditoria do seu site, entre muitos outros benefícios. 

Utilize palavras-chave adequadas

Já falamos sobre quais ferramentas usar para encontrar keywords shot/long tail. Mas, elas não irão adiantar muito se você não souber utilizar as palavras-chave adequadamente. Lembre-se que o Google destaca muito mais os conteúdos que são humanizados e conversam com o usuário, ao invés de apenas obedecer aos mecanismos de busca. 

Por isso, nada de usar palavras ou frases forçadas e descontextualizadas. Não vai adiantar repetir a palavra-chave várias vezes só para ranquear na SERP. Isso afasta o usuário, deixa o conteúdo confuso e ainda não responde com clareza a intenção de busca

Com todas essas dicas e informações, fica muito mais fácil para você otimizar suas páginas e produzir com mais relevância. E, se criar um calendário editorial que respeite as etapas do funil e os diferentes tipos de intenção de busca, terá sucesso com o algoritmo do Google e com os usuários.

É a estratégia perfeita para entregar às personas exatamente aquilo que elas desejam consumir. E ainda limpa o tráfego do site para não atrair tantos usuários sem interesse real no seu conteúdo. 

Preparado para alcançar as posições mais altas do Google? Então, aproveite para dar uma olhada nos princípios de SEO que todo profissional de marketing precisa dominar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A Gummy tratará seus dados pessoais para fins de moderação, resposta aos comentários, inclusive, para entrar em contato. Para mais informações sobre como utilizamos os seus dados, consulte a nossa Política de Privacidade.

sobre o autor

Beatriz Almeida

Beatriz Almeida é CMO da Gummy Conteúdo Digital, jornalista e especialista em Comunicação Estratégica. Acredita no poder do conteúdo para impactar pessoas e melhorar o mundo.

Veja também:

ROI em marketing: como a gummy pode ajudar a maximizar os resultados da sua empresa
Como maximizar o ROI em marketing: o papel da Gummy no sucesso de sua empresa
social listening o que é, como fazer social listening, ferramentas social listening
Social Listening: o que é, por que as marcas devem fazer e quais as melhores ferramentas?
Por que escolher a Gummy para ser a sua agência de conteúdo?