Futuro do trabalho, conteúdo e pessoas: por que tudo está conectado?

Futuro do trabalho, conteúdo e pessoas: por que tudo está conectado?

Inteligência emocional, softskills, cultura data-driven… quem trabalha com marketing, tecnologia ou informação com certeza já ouviu falar nesses termos.

Em outubro deste ano, fui convidado a participar como palestrante do maior evento online de Recursos Humanos do Brasil, o RH Summit. O painel do qual eu participaria logo me chamou a atenção: futuro do trabalho.

Você já parou para pensar sobre isso?

Diante desse desafio, meu primeiro pensamento foi compartilhar com o público a experiência bem-sucedida da Gummy em retenção de talentos, ou falar sobre como criamos uma cultura organizacional com a cara desse mundo em constante mudança.

No entanto, antes de falar do futuro, ou sobre como os desafios do presente determinaram nossa estratégia de gestão de pessoas na Gummy, achei que seria interessante dar um passo atrás e explicar que parte de nosso sucesso se deve a relativização histórica do processo de Transformação Digital. 

Para isso, baseado em minha experiência de historiador amador, elaborei uma teoria que procurei sustentar a seguir:

Teoria do eterno ciclo 

Na História que estudamos, tudo que parece novo, muitas vezes, é uma repetição do passado. São novos atores, lugares, tecnologias. Mas, ainda assim, trata-se um momento histórico parecido. Afinal, somos e sempre seremos humanos. 

Parte 1: A evolução no trabalho

Para melhor defender minha teoria, vamos retornar ao Egito.

Sim, a sociedade egípcia, aquela mesmo, que traz à memória faraós, pirâmides e múmias.

Segundo Ciro Flamarion Cardoso, um grande egiptólogo brasileiro, os primeiros sinais de civilização no Vale do Nilo datam de 10 mil a.C, quando surgiram as primeiras aldeias agrícolas primitivas, muito em função da fertilidade propiciada pelas cheias do rio. 

As transformações ao longo de quase 2000 mil anos, um grande período de tempo, entre o surgimento das primeiras comunidades e nascimento do Reino dos Faraós oferece o exemplo perfeito para entendermos a relação entre tecnologia, sociedade e a própria relativização do conceito de transformação.

Segundo a hipótese mais difundida sobre este período de transição, os produtores agrícolas do Vale do Nilo se organizavam em aldeias de estrutura comunitária, sem propriedade privada. 

Imagine uma organização tribal: o mais forte lidera o grupo, as pessoas dormem em cabanas precárias e um xamã pratica sacrifícios e atribui fenômenos climáticos a vontade da natureza.

Nessa comunidade, se a cheia do Nilo se prolongasse, reduzindo tempo para plantio e colheita, haveria menos trigo e cevada para alimentar a tribo. Muitos morriam de doenças e fome. Vítima da escassez, esta comunidade não teria futuro.

Até que…

Numa dessas aldeias, o trabalho comunitário desenvolve uma tecnologia primitiva de irrigação. À invenção permite maior controle do período de cheia e plantio, através de diques, reservatórios e canais. Uma área maior é irrigada, há mais tempo para colher. A safra cresce dez vezes. 

O xamã dá lugar uma classe de sacerdotes que sistematizam a idolatria a deuses mais complexos e ao chefe tribal. Com a fartura, a aldeia cresce e se arma, ergue estátuas aos benfeitores e registra suas colheitas em cerâmicas e, depois, papiros.

Uma classe burocrática surge para garantir o controle e eficácia do sistema de irrigação em uma área cada vez maior. 

Um exército defende e conquista as novas terras férteis. A aldeia original domina a vizinha. E, depois, a outra. E, assim, por diante, até nascer o Egito dos faraós.

Resumindo, como este exemplo nos serve?

Durante dois mil anos, com os esforços coordenados dos egípcios primitivos foi construída uma solução técnica para a sazonalidade das cheias do Nilo. 

Esta inovação tecnológica impactou na organização social do trabalho, fez surgir novas classes de cidadãos, burocratas, sacerdotes e realeza. 

Uma nova sociedade, mais complexa, que conseguirá realizar projetos ainda mais ambiciosos, como as pirâmides.

O impacto no trabalho hoje 

Qualquer semelhança com os dias atuais não é mera coincidência.

Veja bem, nosso trabalho, associado com o de outras pessoas, produziu nos últimos 50 anos uma série de mudanças:

  • As pessoas vivem mais e trabalham em atividades que demandam cada vez menos esforço físico;
  • Robôs substituem as pessoas em atividades essenciais como plantio e irrigação, e também em outras que pareciam essenciais até então, como condução de veículos;
  • A informatização de processos liberou um tempo precioso para que possamos investi-lo na construção de mais conhecimento que gerará novas tecnologias e irá alterar ainda mais a forma como nos relacionamos entre nós e com o mundo.


A influência de tudo isso ainda não é clara, não sabemos aonde vamos parar, mas a tendência é que pequenas mudanças surjam cada vez mais rapidamente.

Nas organizações, o impacto já pode ser sentido.

Não há nenhuma necessidade de mantermos grandes equipes alocadas entre 8h e 18h para garantir que projetos saiam do papel.

Podemos fazer reuniões por conferência virtual; promover treinamentos para diferentes equipes nos cinco continentes sem sair de um escritório; tomar decisões cruzando dados de diferentes origens que surgem em dashboards setados pelo Big Data.

Há, porém um denominador comum à todas essas tecnologias: pessoas.

São elas quem operarão as ferramentas tecnológicas. E é em seu desenvolvimento e educação que reside o sucesso para fazer uma transformação digital bem sucedida.

 

Parte 2: O papel do conteúdo na gestão de pessoas

Você deve estar pensando, mas o que isso tudo tem a ver com marketing e conteúdo?

Respondo: se você e seu CMO têm alguma preocupação em construir uma cultura forte na empresa – e note, isso não é mais preocupação apenas do RH, mas também da equipe de marketing e da alta gestão, o conteúdo tem um papel muito importante.

Afinal, uma marca forte se constrói de dentro para fora e, por isso, investir em pessoas e na forma como são conduzidas é um passo importantíssimo.

Sei disso porque aqui na Gummy estamos acostumados criar materiais digitais para auxiliar empresas na gestão de pessoas e endomarketing. E não estou falando apenas de conteúdos escritos:

  • Criamos Guias de Cultura para apresentar a cultura organizacional e os valores esperados dos profissionais;
  • Criamos playbooks e artigos para educar profissionais sobre soluções corporativas e os produtos da empresa;
  • Criamos vídeos e webinars de onboarding e treinamento para disseminar conhecimento entre equipes no Brasil e no Mundo.


Tudo isso garante excelentes resultados para para o negócio como um todo, e não só para o marketing ou para o RH.

A escalabilidade de um webinar, por exemplo, é gigante, você pode alcançar toda uma equipe, repetir quantas vezes for necessário, onde quer que esteja. O mesmo ocorre com um vídeo.

Um único vídeo de onboarding pode responder às dúvidas de novos contratados por tempo indeterminado, enquanto alocar um gestor para explicar processos demasiadamente simples seria muito mais oneroso. 

Assim, o foco continua sendo à gestão de pessoas e seu impacto para o crescimento do negócio, mas com esse diferencial que conteúdo agrega: escalabilidade.

 

E, agora para onde vamos?

Modelos mais flexíveis de trabalho, influência de Big Data na tomada de decisões e a crescente digitalização de organizações inteiras são realidades palpáveis – e uma questão de sobrevivência para os negócios.

Apesar disso, empresas são feitas de pessoas e, neste contexto, a urgência de treiná-las, capacitá-las e evangelizá-las para que sejam a cara de sua marca é primordial. Entregáveis de conteúdo – ebooks, texto e vídeo, podem auxiliar – muito – neste processo.

Quer saber como podemos ajudar sua empresa a se alinhar ao trabalho do futuro? Entre em contato com a Gummy e teremos prazer em continuar essa discussão juntos.

Até a próxima!

Como montar uma equipe de marketing de conteúdo incrível

Como montar uma equipe de marketing de conteúdo incrível

A maioria dos gestores de Marketing já sabe que elaborar uma estratégia de conteúdo eficiente economiza recursos e pode estabelecer a sua empresa como referência no mercado.

Mas como montar uma equipe de Marketing de Conteúdo para colocar isso em prática ainda é um grande desafio. Principalmente, se você precisa equilibrar o seu orçamento e o crescimento da empresa.

É praticamente impossível produzir conteúdo de qualidade sem profissionais de alto desempenho. Isso porque o conteúdo é mais do que apenas um texto ou um infográfico. Ele deve estar alinhado com toda a estratégia da empresa. Além de ter sua performance acompanhada de perto – no caso de alguns ajustes serem necessários.

Neste conteúdo, você vai ler sobre:

  • As fases para montar uma equipe de Marketing de Conteúdo;
  • Saídas para priorizar a produção de conteúdo.

Montando sua equipe de Marketing de Conteúdo

Antes de formar a sua equipe de Marketing de Conteúdo, você precisa entender o que já está fazendo. Olhe para o seu trabalho atual, identifique quais pontos precisam de atenção e também aqueles que já estão dando certo.

O time ideal de conteúdo pode ter muitos formatos. O importante é que ele consiga suprir as necessidades da sua empresa. Além disso, sua equipe de Marketing de Conteúdo deve ser formada por profissionais especialistas.

Acumular muitas tarefas ou produzir conteúdo sem uma estratégia clara são péssimos inimigos de uma equipe de alto desempenho.

Isso prejudica tanto os investimentos da empresa quanto os próprios profissionais. Isso porque não conseguem se desenvolver nas áreas específicas em que gostariam de atuar.

Nos tópicos a seguir, dividimos a “montagem” da sua equipe em três fases.

Cada uma delas é parte essencial de um bom time de marketing de conteúdo. Mas como organizar essas habilidades é uma decisão que o gestor deve fazer com base no seu orçamento e nas necessidades do negócio.

Vamos lá!

Fase 1: Estratégia e planejamento

Para começar, você precisará desenvolver a estratégia que será utilizada na produção de conteúdo.

Para isso, sua empresa deve:

  • Contar com um estrategista e/ou responsável por analisar a concorrência;
  • Listar todos os seus objetivos de curto, médio e longo prazo;
  • Desenvolver métodos para acompanhamento de resultados;
  • Elaborar as personas que representam os clientes ideais do seu negócio.

Esse profissional trabalhará de forma próxima ao diretor ou gerente de marketing. O objetivo disso é que o trabalho do time esteja na mesma direção do resto da empresa. Ele será o responsável por acompanhar a performance do time e guiá-lo com dados.

Além disso, sua equipe também precisará de um responsável pelo planejamento de conteúdos. Que pode ser o mesmo profissional da estratégia ou não. Ele cuidará da parte mais executiva, focando no desempenho de SEO e pesquisa de palavras-chave. Bem como na criação de um calendário de publicações.

Fase 2: Produção de conteúdo

Depois de organizar sua estratégia de conteúdo, chega a hora de colocar a mão na massa e produzir, efetivamente, os materiais que atrairão leads para o seu negócio.

Aqui, os profissionais da equipe vão variar dependendo do tipo de material no qual você pretende focar a sua produção.

Se você apenas produzirá textos, basta um redator. Porém, se a sua estratégia pretende ir além, com outros formatos, você pode considerar contratar também um designer ou um especialista em audiovisual.

O ideal é contar com esses dois últimos profissionais, além do produtor de conteúdo. Materiais visuais são uma tendência cada vez mais forte para o marketing digital e estão se tornando fundamentais para empresas competitivas.

Fase 3: Distribuição

Depois de desenvolvido com base na estratégia planejada, o seu conteúdo precisa chegar até os usuários. Logo, é fundamental contar com uma equipe de distribuição.

Ela será responsável por disseminar o material, tanto nas mídias sociais como por e-mail.

Além disso, essa parte do time também pode fazer contato com a mídia ou influenciadores digitais do segmento que você pretende alcançar.

Saídas para priorizar a produção de conteúdo

A tarefa de montar uma equipe de conteúdo e delegar funções é parte fundamental para o bom gerenciamento do seu marketing digital.

Com profissionais qualificados e experientes, você consegue identificar de forma mais acertada as oportunidades, produzir conteúdo relevante e chegar até os possíveis clientes.

Se a sua equipe de marketing de conteúdo ainda é enxuta, uma solução é pedir para que profissionais de outras áreas da empresa colaborem escrevendo artigos.

Além disso, seu negócio pode considerar terceirizar a produção de conteúdo.

Com uma equipe experiente e profissionais qualificados, uma produtora de conteúdo pode ajudar a sua empresa a impulsionar seus esforços de marketing. Assim, seu foco pode ficar em outras prioridades. Como o desenvolvimento de processos mais eficientes para o seu time.

Se você quer saber mais sobre a produção de conteúdo digital, acesse também a categoria agências digitais do nosso blog. Até a próxima!

 

Marketing de Conteúdo para indústria: entenda o potencial

Marketing de Conteúdo para indústria: entenda o potencial

Marketing de Conteúdo para indústria pode parecer um conceito estranho em um primeiro momento. Mas, se você parar para pensar, quase todas as nossas decisões envolvem muita pesquisa online, certo?

Com outras empresas buscando os seus serviços e produtos, não é diferente. Por isso, o setor industrial pode ter excelentes resultados investindo nesse tipo de estratégia.

Neste conteúdo, você vai ler sobre:

  • Marketing de Conteúdo para indústria: vale a pena?
  • Como aplicar o Marketing de Conteúdo para indústria

Marketing de Conteúdo para indústria: vale a pena?

A tecnologia mudou nossa forma de comprar. Isso é um fato. Seja nas vendas para o consumidor final ou B2B (business to business ou, em português, de empresa para empresa).

O consumidor deixou de ser passivo com relação aos produtos e serviços para buscar ativamente aquilo que melhor se encaixa no seu perfil. A sua atenção, por outro lado, diminuiu: são dezenas de estímulos a cada minuto e ficou mais difícil prender o possível cliente com o marketing tradicional.

Basicamente, o consumidor não tem mais tempo a perder, tornou-se mais crítico e não gosta de propagandas intrusivas ou que atrapalhem a sua experiência online.

Por isso, uma boa presença digital é fundamental para que sua empresa seja respeitada e reconhecida como referência na área.

Principalmente nas vendas complexas, que incluem os negócios do setor industrial, a tomada de decisão é feita por muitos profissionais e o processo de convencimento é longo. Ele exige muita educação dos possíveis clientes e diversos contatos.

Com o marketing de conteúdo, você consegue reduzir os esforços da equipe de vendas e otimizar resultados – economizando dinheiro no fim do mês.

Isso acontece porque esses conteúdos são desenvolvidos tendo em mente o momento em que o lead está na jornada de compra. Ou seja: são pensados especificamente para o interesse do leitor naquele momento e focados no público-alvo do seu negócio.

Eles também permitem um alto grau de personalização e são ajustáveis, por isso podem ser alterados facilmente caso existam melhorias possíveis. Hoje em dia, existem inclusive soluções de inteligência artificial para marketing digital.

Além disso, o marketing de conteúdo para indústria permite medir os resultados com bastante precisão.

Usando essa estratégia, você consegue acompanhar de que canais seus principais clientes estão vindo e o que está funcionando melhor. Assim, os investimentos em marketing são mais assertivos e as decisões, mais qualificadas.

Como aplicar o Marketing de Conteúdo para indústria?

Ao aplicar o Marketing de Conteúdo para indústria, o primeiro passo é um planejamento adequado com o seu negócio.

Entenda o público que você pretende atingir e como ele costuma buscar por informações. Você pode fazer isso com entrevistas ou pesquisas, inclusive.

Depois, vale escolher as ferramentas que melhor atendem às suas necessidades. Se você decidiu investir em um site institucional ou blog, por exemplo, comece a pensar em boas práticas de SEO.

Com essa estratégia, o seu site é encontrado de maneira fácil por quem buscar pela sua solução no Google e conquista mais visitas. Além disso, ele também se torna uma referência no assunto e melhora a autoridade da sua marca.

Nesse caso, o Marketing de Conteúdo para indústria pode abastecer seu site com diversos formatos de material.

Conheça alguns deles:

Artigos

Blogposts podem ser uma boa opção de conteúdo para marketing digital que ajuda a atrair e educar o público sobre seu produto e/ou sua empresa.

Diferentemente do seu site, o ideal é que eles não falem apenas da indústria em si. Mas abordem dores comuns entre os seus clientes e as soluções que você oferece para saná-las.

Vídeos

Conteúdos audiovisuais são boas opções para tratar de temas complexos, que talvez sejam difíceis de explicar por texto.

Além disso, eles geralmente retém por mais tempo a atenção do usuário e são uma das principais tendências de conteúdo.

Ebooks

Os ebooks são conteúdos mais extensos, que abordam de maneira mais completa um determinado tema. Eles podem ser originais ou feitos a partir de textos compilados do seu blog.

Esse tipo de material costuma ser uma boa opção para ofertar com o uso de landing pages, que retém informações do possível cliente em troca do download.

Conteúdo em áudio

Seja uma versão dos seus artigos em áudio ou um podcast sobre determinado assunto, conteúdos em áudio são boas pedidas para atrair profissionais com tempo corrido.

Esse tipo de conteúdo está cada vez mais popular. Principalmente. porque pode ser consumido no trânsito, na academia ou enquanto a pessoa executa qualquer outra tarefa.

Infográficos

Assim como os vídeos, os infográficos são uma boa pedida para explicar temas um pouco mais difíceis de maneira simples. Eles são ótimos para atrair os usuários e também para falar de funcionalidades do seu produto ou serviço.

Redes sociais

Pode parecer estranho falar em redes sociais para a indústria. Mas elas também podem servir como isca para a atração de possíveis clientes.

Campanhas de fortalecimento de marca, por exemplo, são opções viáveis para empresas do setor que querem reforçar sua autoridade e investir em marketing de influência.

Cada uma dessas opções tem as suas especificidades. Mas o fundamental é produzir conteúdos que dialoguem com o seu público. Caso contrário, você corre o risco de se perder no meio da montanha de materiais produzidos todos os dias na internet.

Para produzir conteúdos de qualidade, faça um planejamento que integre diferentes ferramentas e conte com o auxílio de profissionais. Se a sua equipe de marketing é enxuta ou está focada em outras áreas de atuação, você pode terceirizar a produção de conteúdo.

Agências como a Gummy constroem conteúdos inovadores, em diferentes formatos, que podem dialogar com as principais dores do seu cliente. Inclusive, no setor industrial.

Por fim, se você quer saber mais, baixe nosso ebook sobre produção de conteúdo e entenda exatamente o que sua persona quer ler!

Até a próxima!

 

Os principais desafios do marketing das grandes empresas

Os principais desafios do marketing das grandes empresas

Mesmo trabalhando em uma empresa consolidada, profissionais de marketing têm sempre a sensação de que algo pode melhorar. Saber o que é necessário para esse crescimento é um desafio a ser superado para não ficar atrás da concorrência.

No mundo dos negócios e, principalmente, na área de Marketing, aquilo que deu certo já não é mais utilizado. Logo, é preciso estar atento às mudanças de conceitos e do modus operandi.

Um dos desafios do marketing é atingir o objetivo determinado com muita precisão ou até superar as expectativas. Tudo isso no menor tempo possível, com menos gastos, esforços e ferramentas. Essa é uma dificuldade comum, principalmente, entre grandes empresas.

É possível melhorar a sua estratégia de marketing e se destacar da concorrência de modo simples e objetivo? Descubra, neste post, como fazer dessa uma realidade no seu negócio.

Você vai ler sobre:

  • A importância do Marketing Digital no cenário atual
  • Como otimizar a estratégia de marketing de grandes empresas
  • Quais são os benefícios de terceirizar suas ações de marketing

 

Conheça os 5 principais desafios do marketing de grandes empresas

 

1. Identificar o que precisa ser melhorado

Pelo menos uma vez ao ano, o gerente de marketing deve conversar junto com sua equipe e trocar informações sobre como foi o trabalho de cada membro, procurando saber o que foi bom ou pode ser melhorado na atual estratégia de marketing digital

Fica a critério do gerente se esta reunião será individual ou em grupo e quantas vezes deve ser realizada no período. Nesta experiência, a equipe pode refletir sobre os objetivos gerais e certificar que os programas estão direcionados para o alcance dos resultados desejados.

Com esta análise, será possível observar cada etapa da sua estratégia, vendo bem de perto onde estão os erros, a fim de transformá-los em oportunidades positivas para amadurecer o processo e identificando quais pontos podem ter um rendimento melhor.

Dica: O Growthverse é uma ferramenta online, interativa e gratuita que pode ajudá-lo a identificar os problemas no seu processo de marketing, mostrando as tecnologias que visam resolver esses percalços.

2. Melhorar o uso dos canais digitais

Não tem como gerar engajamento nos dias de hoje sem otimizar o uso dos canais digitais. Afinal, quase todo mundo está lá: em 2018, os dados mostram um total de 3,9 bilhões de internautas.

No Brasil, 64,7% de toda a população acessa à Internet regularmente. Diante disso, não faz sentido ignorar a tendência quando se trata da sua estratégia de Marketing Digital. Muitas empresas já perceberam o movimento e aumentaram os recursos em ações neste ano:

  • 99% desejam ampliar o valor em – no mínimo – um canal de Marketing Digital;
  • 64% planejam investir mais tempo e dinheiro em Social Media Marketing;
  • 55% querem apostar no Marketing Digital com websites;

Fonte: The Manifest – How Business Invest in Digital Marketing in 2018

De fato, conforme a pesquisa acima, grande parte das organizações dedica de 26% a 75% do orçamento total de Marketing para os esforços digitais. Entretanto, este é um intervalo amplo. A diferença é gerada pelo receio de algumas empresas em dedicar fatias cada vez maiores para essa finalidade.

O principal obstáculo relatado é identificar as melhores estratégias de divulgação para web. É o que podemos ver em uma pesquisa realizada com cerca de 1.024 empresas brasileiras.

Criação de conteúdo

Para 34,2% das instituições que têm uma cultura de Marketing Digital, investir na criação de conteúdo foi a ação que mais gerou resultado. O objetivo destas empresas era melhorar o posicionamento nos mecanismos de busca e atrair mais leads para a sua base.

Com relação às redes sociais, 23,8% apontaram a estratégia como a mais eficaz, ocupando o segundo lugar. O Facebook Ads ficou com os melhores resultados em 18% das grandes corporações e o Google Ads, em segundo, com 16%.

Todos esses dados nos mostram que as empresas optantes pelo uso de Marketing Digital alcançaram bons resultados. De um modo ou outro, a utilização de diferentes recursos na estratégia é algo encorajador para aumentar o investimento na área.

Basta avaliar os canais digitais mais populares entre suas personas e realizar alguns testes. Para isso, busque pesquisas do seu setor, entreviste clientes atuais e acompanhe os KPIs certos para avaliar os resultados.

Dessa maneira, rapidamente, você terá tudo o que precisa para decidir o que fica ou sai, liberando recursos e espaço para investir naquilo que lhe faz crescer de verdade.

 

 

3. Implantar a estratégia conforme os formatos

Um dos maiores desafios do marketing de grandes empresas é conquistar a confiança do seu consumidor. Para isso, é necessário muito empenho e ações para a atração de clientes.

No entanto, a princípio, você pode oferecer conteúdos e materiais que eduquem seu público acerca da solução. Como? Através de blogs, eBooks, e-mail marketing, depoimentos e até comentários de consumidores.

Há diversas outras formas de estreitar a relação entre a sua empresa e o público. Hoje, um dos meios mais efetivos para atrair a atenção é o uso de vídeos.

De acordo com a HubSpot, 53% dos consumidores querem ver mais vídeos de marketing no futuro, contra 14% que desejam ver mais posts. A diferença é gritante. Por isso, investir no formato nunca valeu tanto a pena!

4. Criar a própria equipe ou terceirizar o marketing

Entre os desafios do marketing de 2017, contratar bons talentos foi o 8º maior colocado. Os empregadores buscam profissionais cada vez mais completos, com habilidades técnicas e criativas que incluem Marketing Digital e de Conteúdo, SEO e social media.

Encontrar pessoas com este perfil pode ser difícil. Assim, a primeira coisa a se pensar é o que esse profissional precisa ser capaz de fazer para estar na sua equipe. Todas as etapas até a contratação podem demorar um certo tempo. Então, é necessário verificar as alternativas e analisar se a montagem do seu próprio time será mais vantajosa do que terceirizar alguma parte do seu processo de marketing.

As empresas que, geralmente, possuem equipes menores costumam terceirizar o trabalho, pois 77,2% prefere contratar fornecedores para criar e administrar seu site, enquanto 10,3% opta pela gestão de redes sociais e 5,9% por produzir conteúdo.

Assim, terceirizar a produção do conteúdo do site ou blog da sua empresa se torna uma ótima opção, já que o marketing digital e de conteúdo se tornou uma área vital das grandes empresas, como visto acima, e o serviço estará nas mãos de especialistas no assunto, que criam produtos de alta relevância e qualidade.

5. Retorno Sobre o Investimento (ROI)

Calcular o ROI das suas atividades continua sendo um dos grandes desafios do marketing de grandes e pequenas empresas todo ano, não é mesmo? Porém, esta é a melhor forma de conhecer a eficiência de cada campanha, conteúdo, entre outras ações.

Além disso, comprovar o ROI funciona como um motivo para o aumento da receita dada ao marketing. A fórmula é simples: sem medir, sem demonstrar. Sem retorno, sem orçamento.

Contudo, acompanhar a métrica de cada atividade não é algo tão simples. Principalmente, se você não tiver uma comunicação bidirecional entre marketing e relatórios de vendas.

Para isso, você pode obter a ajuda de um software de automação de marketing, o qual é capaz de acompanhar métricas de Business Intelligence (BI) – como o Google Analytics -, usar Customer Relationship Management (CRM), criar um Service Level Agreement (SLA) e manter o alinhamento entre Marketing e Vendas sempre atualizado.

Pronto! Você está preparado para enfrentar os desafios do marketing de grandes empresas. Agora, que tal melhorar a influência da sua marca como método para gerar mais vendas? Clique aqui e te mostramos como! 😉

 

Vídeo case: entenda o potencial desse formato para gerar vendas

Vídeo case: entenda o potencial desse formato para gerar vendas

É comum profissionais do Marketing Digital criarem estratégias Inbound focando somente em conteúdos de topo e/ou meio de funil.

Claro que instruir o lead é importante, mas também é fundamental desenvolver materiais que direcionam o lead para o final da jornada de compra.

O que não falta são possibilidades: vídeo case, institucionais, unboxing, apresentações sobre os produtos e soluções, entre outros.

O principal é mostrar as vantagens de contratar seus serviços ou adquirir seus produtos de maneira clara e agradável. Em outras palavras, ser comercial de uma forma não agressiva.

Neste post, apresentaremos o formato vídeo case: um conteúdo simples, mas poderoso, pois ativa gatilhos mentais e tem enorme influência na tomada de decisão do lead.

Você vai ler sobre:

  • Como produzir vídeo case para finalizar a estratégia de Inbound
  • De que maneira o vídeo case ativa gatilhos mentais importantes
  • Por que vídeo case é a melhor opção para expor o seu sucesso

O verdadeiro potencial do vídeo case

Sabe quando você está com um problema, mas fica sem adquirir algo por não ter certeza se aquilo realmente funcionaria? Já deve ter passado por esse tipo de situação, não é mesmo? E o que fez para resolver este impasse?

Geralmente,  o caminho mais lógico é buscar referências e depoimentos de outras pessoas para descobrir como foi a experiência e saber se correspondem às suas necessidades.

Isso acontece, pois este é um dos principais mecanismos da mente humana para avaliar uma oportunidade e tomar sua decisão. Quem explica é o psicólogo e também especialista em Marketing, Robert Cialdini.

Ao longo de seu trabalho, Cialdini dedicou-se a compreender os aspectos psicológicos por trás da persuasão. Com isso, ele chegou até os chamados gatilhos mentais, os quais atuam no inconsciente dos consumidores.

Ficou curioso? No vídeo abaixo, você pode conhecê-los e ver a explicação sobre cada um:

Para entender o potencial do vídeo case, nos interessam, principalmente, dois gatilhos: prova social e autoridade. Entenda mais sobre eles, a seguir!

Prova social

Este gatilho mental aponta que as pessoas tendem a confiar naquilo que já foi aprovado por outras com as quais se identifiquem.

E isso vai além, uma vez que os consumidores não apenas acreditam, como ainda repetem comportamentos de outros indivíduos em nome de uma conformidade social.

Dá uma olhada no experimento, realizado pela série Brain Games (ou Truques da Mente), para comprovar o comportamento de conformidade:

Visto dessa forma, chega a ser engraçado o modo com pessoas são induzidas pelas outras. Porém, é uma prova concreta e inegável de que as ações inspiram atos semelhantes entre grupos com algo em comum.

Certamente, as suas personas também serão impactadas ao assistir a um vídeo case de sucesso de terceiros que já passaram pelas mesmas dores.

Autoridade

Já o gatilho de autoridade, é simples e lógico. Basicamente, tendemos a confiar e seguir as indicações daqueles que reconhecemos como uma autoridade, em determinado contexto.

Se o médico lhe diz que você está com tal problema e deve tomar remédio, provavelmente, você seguirá a recomendação.

Por outro lado, se outra pessoa qualquer, sem conhecimento em Medicina, indicar uma cápsula, é prudente não fazer uso!

Por isso, a necessidade de desenvolver conteúdos que validem os conhecimentos da sua empresa como uma autoridade no setor.

Aqui, temos mais um exemplo do poder deste gatilho. Em seu experimento, Stanley Milgram comprova como a indicação de uma figura de autoridade pode levar pessoas a mudarem as suas opiniões, até mesmo as mais convictas.

Observe:

Chocante, não é? O mais interessante é que, em ambos os exemplos, isto ocorre de forma inconsciente.

É o principal motivo pelo qual a técnica dos gatilhos funciona muito bem quando aliada à estratégia de Marketing e Vendas.

Ainda precisamos dizer que um case bem construído é o formato perfeito para mostrar o seu sucesso, ganhar autoridade e inspirar novos clientes?

Ele conclui, com maestria, qualquer estratégia de conteúdo. Pois faz com que o lead tenha a certeza de que os benefícios são reais e que a empresa por trás da solução é realmente confiável.

Os elementos que tornam o vídeo case uma tendência irreversível

Entendemos que cases são fundamentais para o sucesso de uma estratégia de marketing. Mas por que utilizar o formato em vídeo?

O vídeo case – assim como todos os outros formatos de Vídeo Marketing – alcançou o seu auge.

Afinal, aproximadamente 85% das pessoas que assistem a vídeos de produtos e/ou serviços sentem-se mais inclinados a fazer uma compra.

Este é um número bastante expressivo, concorda? E não poderia ser diferente, já que as vantagens são diversas! Conheça algumas:

A versatilidade no funil de Vendas

Os formatos em vídeo são aplicáveis em todas as etapas do funil. Mas, no que se refere ao vídeo case, podemos usá-lo da seguinte forma:

  • Topo: Cases que resolvem problemas comuns e relevantes;
  • Meio: Cases que ensinam um passo a passo para a solução;
  • Fundo: Cases que comprovam a eficiência da solução com depoimentos.

Um vídeo vale mais do que 1 milhão de palavras

Estudos da Forbes comprovam que a informação, quando absorvida em 1 minuto de vídeo, equivale a 1,8 milhão de palavras escritas.

Isso porque o nosso cérebro assimila melhor quando estimulado em diferentes canais, ao mesmo tempo.

Este é o motivo pelo qual gostamos tanto das produções audiovisuais, seja para lazer ou tomadas de decisão.

O vídeo case como uma estratégia mais humana

Como vimos, a conformidade social é uma ferramenta poderosa e depende da identificação para funcionar.

Ao utilizar o vídeo case dentro da estratégia Inbound, você permite que o lead enxergue a si mesmo na experiência do outro.

Com uma delimitação eficiente das personas, imagina-se que o perfil entre seus clientes e prospects seja semelhante.

Logo, a exposição de dados e depoimentos verdadeiros será o suficiente para gerar rapport e tracionar o lead ao longo do funil de Vendas.

Portanto, não perca tempo! Entre em contato com aqueles que tiveram melhores resultados e convide-os a participar deste material.

Faça com que isso soe elogioso, demonstrando o interesse em apresentar o trabalho em conjunto de vocês como algo exemplar.

A única coisa que não vale é contar mentiras. Afinal, um cliente iludido torna-se detrator da marca. E, definitivamente, não queremos isto!

Aproveite para conhecer outras vantagens, no eBook disponibilizado abaixo:

gerar resultados com vídeo

Até mais!

 

Como provar o ROI do Inbound Marketing e impressionar seu chefe

Como provar o ROI do Inbound Marketing e impressionar seu chefe

Por mais duro que seja, ninguém está procurando os seus acertos para premiá-lo(a). Caso você queira algo, deve tomar atitudes e assumir a responsabilidade de fazer-se notável em meio aos demais.

Neste post, ensinaremos como provar o ROI do Inbound Marketing e apresentá-lo para os seus gestores. Conhecendo os indicadores mais importantes e desenvolvendo um método claro, temos a certeza de que o reconhecimento será uma questão de tempo.

Você vai ler sobre:

  • Vantagens de manter o controle sobre as métricas de ROI do Inbound Marketing
  • Quais são os KPIs mais relevantes para a definição de ROI do Inbound Marketing
  • Como elaborar bons relatórios de apresentação para o ROI do Inbound Marketing

A importância sobre o ROI do Inbound Marketing

A apresentação de resultados para os gestores de outras áreas da empresa vai muito além da mera prestação de contas. Não trata-se apenas de uma conferência do que foi feito em seu trabalho, mas sim de um momento importante para análise de dados estratégicos.

Entender o Retorno Sobre o Investimento (ROI) de cada ação de marketing é fundamental para definir quais estratégias merecem novas apostas ou devem ser substituídas por outras mais lucrativas.

Contudo, nem sempre apresentar os resultados é tarefa fácil. Apesar de que vários recursos podem ser otimizados com o uso de softwares de automação, é importante compreender o mindset por trás do controle do ROI do Inbound Marketing.

Para isso, vamos começar retornando às origens do planejamento de marketing. Relembre os seus objetivos por trás de cada ação e quais metas foram estabelecidas. Caso não tenha organizado nenhuma, é o momento certo para quantificá-las e planejá-las.

Comece identificando todos os setores envolvidos no funil de vendas e qual o investimento dedicado a cada um deles. É hora de tomar algumas decisões para dividir os recursos totais entre todas as ações necessárias para a jornada de compra.

Mudando o ponto de vista

Uma boa técnica para simplificar o momento é um tipo de engenharia reversa. Baseando-se no número de oportunidades qualificadas que a área comercial propõe-se a entregar, será definido o volume de investimento no início do ciclo.

Juntando esses números, você saberá exatamente quanto foi apostado e qual espera-se que seja o ganho final.

Em seguida, basta aplicar métricas e monitorar o que acontece entre os dois pontos.

A fórmula básica para calcular o ROI do Inbound Marketing é: receita gerada / valor total investido.

O número resultante é o retorno obtido sobre os investimentos iniciais. (ROI).

Apesar de sua extrema relevância, conhecer e apresentar o ROI não é tudo. Existem outros indicadores tão fundamentais quanto, os quais devem ser levados em conta.

Esses indicadores são chamados de Key Performance Indicators (KPIs) e ainda garantem a objetividade por trás do relatório sobre ROI do Inbound Marketing.

Quanto mais assertiva sua análise, mais fácil será provar a efetividade dos esforços de sua equipe. Afinal, contra números não há argumentos. Conquiste a confiança diretoria à solidez dos resultados apresentados.

Os KPIs para controlar ROI do Inbound Marketing

Acompanhar os seguintes indicadores permitirá apostas sábias. No momento em que você souber o quanto tais recursos estão rendendo, será possível obter mais resultados com o menor investimento possível.

Confira os KPIs indicadores devem ser acompanhados:

Search Engine Optimization (SEO)

Os indicadores ligados aos mecanismos de busca são relevantes a qualquer estratégia de Marketing de Conteúdo. Nesse caso, mostre números importantes neste aspecto, como:

  • Tráfego orgânico: quantas pessoas vêm até o site por vontade própria (buscando por ele, especificamente);
  • Rankeamento no Google: avalie o posicionamento de seu site e seus conteúdos.
  • Autoridade do domínio: conforme a qualidade do material e dos links relacionados, o Google identifica a autoridade do domínio;
  • Uso das palavras-chave: veja o índice de palavras-chave para ter certeza de que o usuário encontrará os seus materiais. O ideal é manter uma densidade média de, no mínimo, 0,7% da keyword em cada conteúdo.

Neste link, temos um post exclusivo sobre os princípios de SEO que todo profissional deve saber para acompanhá-los.

Conteúdo

Estas métricas estão ligadas ao desempenho dos conteúdos em si. Servem para avaliar como estão performando junto às personas e aos mecanismos de busca. São dados como:

  • Número de visitantes no blog: quantos usuários acessaram o blog em determinado período para avaliar o potencial de atração;
  • Tempo médio de permanência em cada página: quanto tempo o usuário permanece em cada conteúdo para analisar qual engaja mais e replicar conhecimento em outras postagens;
  • Origem de busca: como o usuário chegou até o seu site para entender quais canais atraem mais;
  • Taxas de conversão: quantos usuários tornaram-se leads a partir de um conteúdo ou da página do blog, preenchendo a formulários ou até entrando em contato de outras formas (considerando somente as ações via Inbound).

As duas métricas citadas acima podem ser acompanhadas em softwares de automação de Marketing, como o RD Station, e através do próprio Google Analytics.

Redes sociais

São KPIs fundamentais ao sucesso de uma estratégia de conteúdo nos dias de hoje. Afinal, quase todo mundo utiliza-as e gasta boa parte do seu tempo nelas. Para mostrar o impacto do Inbound Marketing nas redes sociais, é importante registrar o número de conexões, as taxas de engajamento e interações em postagens, além de compartilhamentos e menções.

Geralmente, as próprias redes oferecem ferramentas para controle de métricas em páginas comerciais. Vale pesquisar especificamente as que você utiliza e aderir ao uso desse recurso.

Esses são alguns números que vão causar impacto e impressionar a chefia ao apresentar o ROI do Inbound Marketing. O último passo é aprender como organizá-los e ter clareza na demonstração dos dados.

Os relatórios sobre o ROI de Inbound Marketing

Os relatórios devem ser intuitivos e de fácil compreensão. Infográficos são a melhor pedida: possuem visualidade atrativa, informações de modo sintetizado e permitem comparação de resultados com representação gráfica.

Organize os números das métricas sugeridas acima em gráficos de acordo com cada ação. Novamente, os softwares de automação de marketing vêm a calhar. Eles costumam ter ferramentas próprias para geração de relatórios.

Uma vez com os gráficos em mãos, é importante frisar 3 pontos na hora de apresentá-los:

Informar a situação do funil de vendas

Mostre claramente quantos visitantes tornaram-se leads, qual é a porcentagem desses que transformou-se em oportunidades e quais delas foram convertidas em vendas. Desse modo, será mais fácil entender onde estão os gargalos e como resolvê-los.

Enfatizar os canais que geram mais leads

Além de ter uma boa noção do todo, é importante entender quais são as suas “galinhas dos ovos de ouro”. Identificar canais que se destacam é fundamental na definição sobre quais devem ser mantidos ou ainda potencializados.

Apresentar os resultados das campanhas

Dentro de um mesmo canal, há diferentes ações. Detectar as que possuem maior sucesso permite compreender aquilo que funciona junto às personas e gera inteligência comercial às estratégias futuras.

Compreende agora a importância de provar o ROI do Inbound Marketing para alçar voos ainda maiores? Demonstrar eficiência é o melhor caminho para a chefia o(a) enxergar como aliado(a) e ir longe dentro da empresa.

Temos um conteúdo onde aprofundamos o conhecimento acerca das métricas específicas do Marketing de Conteúdo. Leia agora mesmo para complementar as informações desse post e ter sucesso nessa empreitada. Até mais! 🙂

Contato