Já comprou seu estoque de pipoca? Consertou a tv quebrada? A maior premiação da indústria cinematográfica está finalmente chegando! E a preparação para a noite de gala começou no dia 22 de janeiro, quando a Academia (de Artes e Ciências cinematográficas dos Estados Unidos) apresentou ao público a lista oficial dos indicados ao Oscar 2019.

gif jared leto Bradley Cooper jennifer lawrence ellen degeneres Meryl Streep channing tatum Julia Roberts brad pitt angelina jolie Kevin Spacey Academy Awards the oscars the academy awards bribooth lupita nyong'o

Diante da magnitude do evento, que está em sua 91ª edição, é fácil compreender a importância da premiação para o mercado. Diferente de outras categorias de entretenimento – como a música – as indicações e os prêmios no Oscar têm impacto profundo no que o público assiste, na carreira dos premiados e nas produções do próximo ano.

Mas não só isso: os nomeados são responsáveis por apresentar tendências para o mercado dos filmes, vídeos e imagem em geral. Seja em questões temáticas, no estilo das narrativas, na escolha dos diretores e atores e até nos quesitos técnicos, como movimentos de câmera, mixagem de som e fotografia. Afinal, os indicados ao Oscar evidenciam o que representa a sociedade no momento em que são lançados – e premiados.

Nos últimos anos, presenciamos questões importantes serem discutidas com movimentos que marcaram a história da premiação, como o #Oscarsowhite, que criticava a ausência de artistas negros entre os indicados, o #Metoo e o #Timesup, que trouxeram à tona os abusos e assédios sexuais da indústria. Mas a gente fica pensando: depois de assuntos tão importantes, ainda temos o que aprender com as indicações desse ano?

 

Temáticas humanas

Um ponto comum e indiscutível dos filmes nomeados nesse e nos últimos anos é: os temas estão cada vez mais centrados nos seres humanos e em suas histórias. As narrativas bibliográficas se fazem mais presentes, os acontecimentos históricos vêm sendo recontados e personagens cada vez mais “normais” são apresentados ao público.

 

Personagens reais

 

Os indicados ao Oscar 2019 evidenciam bem esse fato. Entre os oito nomeados a melhor filme, três produções são sobre pessoas reais. Como é o caso de Bohemian Rapsody, que conta a história do icônico vocalista da banda Queen, Freddie Mercury. Já A Favorita explora a relação de três figuras importantes da monarquia inglesa do século XVIII, centralizada na Rainha Anne. E, por fim, VICE conta a história do período pré presidencial da dupla Dick Cheney e George W. Bush.

Apesar das críticas quanto à representação de Freddie Mercury, os três não pouparam esforços para mostrar o “quê” humano das personagens e o que há de verdade por trás das figuras históricas.

 

Engajamento Social

 

Além da representação da realidade, outros três indicados trazem à tona questões importantes e necessárias a serem discutidas. O excelente Pantera Negra, é, não apenas o primeiro blockbuster de heróis a concorrer como melhor filme, mas o primeiro filme da Marvel que tem como protagonista um herói negro.

Ainda nessa temática, Infiltrados na Klan, conta a história de um policial negro, que no final da década de 70 consegue se infiltrar no Ku Klux Klan, contrariando o extremo racismo da época.

Roma foi indicado tanto a melhor filme, quanto a melhor filme estrangeiro. A história é sobre Cleo, babá e empregada doméstica de uma família de classe média da década de 1970 na Cidade do México. E aborda diversos desafios de seu dia a dia, como diferenças de classe, o papel da mulher na estrutura familiar, gravidez indesejada e a realidade de um país latino.

 

O que o cliente quer

 

Sabendo que os filmes mostram aquilo que acontece de relevante na época em que são feitos, é fácil perceber o que vem sendo contado e o que as pessoas querem ouvir. O público está atrás de verdade, de situações reais e comoventes. E, é claro que, esse anseio por se relacionar com outros seres humanos e suas histórias reais não se aplicaria apenas ao universo dos filmes, certo? Precisamos pensar sobre o que as pessoas querem também em outras áreas: na saúde, no atendimento, na publicidade e, claro, no marketing.

Elas querem se emocionar, querem se reconhecer e querem se sentir representadas. Esse é um fato que as empresas e as marcas não podem mais negar. Se, em um passado distante, o cliente era um mero espectador que recebia as informações e as aceitava de forma pacífica, hoje o cenário é outro.

A internet e a possibilidade de se comunicar mais efetivamente, tanto com seus amigos e seguidores, quanto com as próprias empresas, tornou o cliente mais presente. O consumidor está mais ativo, mais participativo, ele pensa e pondera sobre suas escolhas. Ele quer qualidade e eficiência. Quer se sentir parte do desenvolvimento de um produto e do dia a dia das marcas em que confia. Ele quer ser importante.

Por isso, não basta mais falar sobre produtos e serviços sem lembrar de quem está por trás daquela compra. As pessoas importam. E, hoje, importam mais do que nunca.

 

A importância do storytelling

Diante dessas mudanças de comportamento e de expectativa, agradar o cliente apresentando o que ele deseja ver é crucial. Um bom storytelling entre nessa história como ponto chave para que essa relação da marca e do cliente seja de sucesso.

 

O que é?

 

Mas, afinal, o que é storytelling e o que ele tem a ver com os indicados ao Oscar 2019, marketing e, principalmente, video marketing?

Storytelling nada mais é, em sua tradução literal, do que o fato de contar histórias! Através de elementos visuais, textuais e sonoros, o público recebe aquilo que queremos que chegue até ele de forma mais receptiva e agradável. Afinal, as pessoas querem ouvir histórias. E contar histórias convence.

 

Marketing e cinema

 

Quem não gosta de sentar para ouvir os amigos contarem sobre as aventuras de uma viagem? De ouvir boas memórias dos avós? Ou até de escutar a fofoca de um vizinho? Nos interessamos pela verdade e por aquilo que nos emociona. E provocar essa emoção é aquilo que um storytelling bem pensado tem poder de fazer.

O cinema é mestre em nos contar boas e interessantes histórias. Afinal, se é digno de estar na tela, deve ser digno de nossa atenção.

Mas, no marketing, a boa história (ou um bom storytelling) tem um poder ainda maior. Conseguimos convencer, conquistar e até mesmo, vender.

Por isso, beber da fonte do cinema e das histórias “de verdade”, com personagens reais, emoções tangíveis e situações comuns pode ser o que falta para uma estratégia de marketing decolar!

Até a próxima!

Contato