Afinal, o que é necessário para ter um conteúdo de qualidade? Você sabe quais requisitos são fundamentais para que ele exista? Há uma “receita de bolo” para a sua produção? E a frequência de postagem: ela realmente importa para rankear bem no Google?

Estes são questionamentos que os profissionais de comunicação e marketing se fazem todos os dias. Neste post, vamos falar sobre uma dúvida específica. O que vale mais, conteúdo de qualidade ou em quantidade?

Além disso, você conhecerá aspectos importantes para a produção de um material para este dilema: o conteúdo épico.

Você vai ler sobre:

  • Qual a diferença entre conteúdo de qualidade e frequência de postagem
  • O que deve ser levado em conta durante a produção de todos estes materiais
  • As 6 principais características de um conteúdo épico para bom rankeamento

É melhor um conteúdo de qualidade ou com frequência de postagem?

Este é um assunto já resolvido em mercados mais maduros, como nos Estados Unidos. O Brasil ainda está meio perdido neste processo. Uma vez que a implementação das ações de Inbound Marketing continua a todo vapor.

Quando falamos sobre conteúdo de qualidade, nos referimos a materiais de todo formato. Eles devem trazer a informação pautada em fontes e gráficos do Google Analytics, entre outras opções.

Mas porque acreditamos tanto na quantidade e frequência da postagem? Afinal, é mais importante produzir 30 conteúdos ou 2 que estejam bem feitos?

É aí que detectamos o real problema: na maioria dos casos, não é feita a diferença!

As agências e a terceirização de conteúdo levam a isto, uma vez que estimulam a produção incessante de materiais. Sem considerar, muitas vezes, o impacto que eles devem causar sobre o público-alvo de uma marca.

Você conhece o escritor Joe Pulizzi, um dos mais renomados na área do Marketing de Conteúdo, não é? Ele já dizia que “faz mais mal para uma empresa produzir conteúdos ruins do que não produzí-los”.

Isso também pode ser explicado através de duas variáveis: a autoridade no assunto e excelência no desempenho.

A autoridade no assunto se refere ao conhecimento que uma empresa tem sobre o tema abordado.

Podemos citar a Adidas, que produz conteúdos com temática esportiva. Já a excelência no desempenho, diz respeito à forma como a marca conduz o post, por exemplo. Aqui, entram aspectos relacionados às práticas de SEO e distribuição de conteúdo.

Qual a melhor forma de produzir?

É um conteúdo de qualidade aquele que também possui regularidade, através de um calendário editorial. Por isso, é fundamental ter o meio termo. Mantendo a consistência e a ordem para que todos os materiais tenham coesão, de acordo com a etapa da jornada do leitor.

Qualquer pessoa pode escrever?

São diversas as empresas que confiam essa importante missão a freelancers. Geralmente, elas são motivadas por vínculos empregatícios e questões financeiras.

Mas nem sempre é uma boa saída! Isso porque o profissional que constrói os seus conteúdos, acima de tudo, tem que ser um bom pesquisador. Assim checando as informações e estruturando um material único.

As boas práticas para um conteúdo de qualidade

Sabe qual ação que você pode realizar em prol de um conteúdo de qualidade? Priorize o bom desempenho por meio da apuração e credibilidade de informações. Mais do que isso, deixe claro o modo como isso é feito (com a amarração das ideias).

Há uma dúvida bastante provocativa: afinal, você está fazendo conteúdo ou a diferença? Indo mais a fundo, como a produção dos seus materiais é capaz de impactar positivamente as pessoas?

Hoje em dia, pensamos mais em como um conteúdo vai levar o leitor à ação desejada. Já que este pensamento faz parte de uma evolução natural da indústria.

O Inbound Marketing atrair oportunidades de forma passiva. E, além disso, é responsável por conduzir aqueles que estão interessados à uma “levantada de mão”.

Porém, há um outro aspecto que devemos considerar: às vezes, sai mais caro promover do que produzir material.

Isso acontece quando não consideram a produção de conteúdo de qualidade. Para compensar a baixa no rankeamento, é preciso usar opções pagas em redes sociais ou no Google Ads. E isso gera ainda custos desnecessários à empresa.

Como vencer a batalha por conteúdo de qualidade?

O Content Shock é um termo que se refere à grande quantidade de informações produzidas. Algo que nos de volta à frequência de postagem. O conceito prevê mais produção conteúdo do que o consumo, o qual já não cresce na mesma proporção.

Muito desse fenômeno se deve ao crescimento do Inbound Marketing. E, além disso, à popularização da produção de conteúdo, que cada vez mais está se tornando algo visado pelas empresas.

O intuito é compartilhar informações úteis com os usuários. E, com isso, atrair aqueles que sentem interesse pelo assunto para a sua base de leads. Porém, quando isso acontece de maneira excessiva, o efeito pode ser justamente o contrário!

A tendência é de que a cada 4 posts produzidos por uma empresa, apenas 1 receberá seu backlink. É um retorno muito baixo se comparado com os seus esforços, não é mesmo?

Por esse motivo, é preciso fazer um conteúdo de qualidade e que seja envolvente. Também divulgar e tentar indicações em páginas de outros negócios do seu setor, entre outras estratégias.

Conteúdos épicos: uma aposta promissora

Os dados da operadora de conteúdo Kapost afirmam que o volume de conteúdo produzido cresce 19,7% ao ano. Enquanto isso, a quantidade de material consumido aumenta 2,5% nesse período.

Quem vence a competição são os conteúdos fora de série, considerados épicos.

Isso acontece porque, quando nos referimos a um conteúdo épico, não falamos somente de materiais longos. Outros fatores são muito relevantes: a performance, a inovação e, de modo especial, a forma com que você publica o mesmo.

O termo está diretamente ligado à sua importância. O intuito é criar um material que seja bem argumentado e forneça respostas para a demanda do público-alvo. Ainda sem atividades pré-determinadas, as pesquisas mostram que conteúdos épicos têm, no mínimo, 2 mil palavras.

Além disso, também precisamos falar sobre a ampla busca que um conteúdo do tipo requer. A introdução ao tema é bem aprofundada e com dados concretos. Sendo assim, mesmo que você domine o assunto, deve torná-lo simples e dinâmico para os seus possíveis usuários e visitantes.

6 características de um conteúdo de qualidade

No livro Epic Content Marketing, o autor Joe Pulizzi traz 6 características do conteúdo de qualidade. A obra também é conhecida como Marketing de Conteúdo Épico, na versão em português. São elas:

  1. Satisfazer uma necessidade;
  2. Ter consistência;
  3. Ser humanizado;
  4. Ter um ponto de vista (defender uma ideia e segui-la);
  5. Evitar a mentalidade de “tudo pelas vendas”;
  6. Produzir o melhor conteúdo do seu segmento.

Tendo elas como base, você é capaz de produzir conteúdos que realmente geram interesse. E, por consequência, rankear bem nos mecanismos de busca.

Este deve ser o foco principal de qualquer ação de marketing – seja qual for o ramo de atuação.

O Content Shock é um grande desafio para todos nós. O único jeito de vencê-lo é a partir da criação de conteúdos épicos, trazendo a verdade da marca. Algo que é um exercício, pois exige uma mudança no posicionamento.

Deseja entender mais sobre como um conteúdo de qualidade beneficia negócios? Clique aqui e veja de que forma é possível produzir materiais sensacionais!

Contato