Produção de conteúdo relevante: mantendo o interesse do início ao fim

Produção de conteúdo relevante: mantendo o interesse do início ao fim

Sabe aquele conteúdo em que você lê o primeiro parágrafo e já sente vontade ir ao banheiro, tomar água, olhar o facebook… Não seja a empresa que o produz! A produção de conteúdo relevante é um desafio que deve ser encarado com competência e precisão.

Atualmente, temos muito material disponível na internet – seja qual for sua área de atuação. Entretanto, quanto disso é realmente engajante e original o suficiente para valer os minutos de atenção do visitante? Muito pouco.

Para os que se contentam em fazer um trabalho mediano, esse dado não quer dizer muito. Entretanto, para você que deseja fazer a diferença com conteúdos verdadeiramente cativantes, é a chance perfeita de sair na frente da concorrência e garantir mais cliques.

Neste conteúdo, listamos as melhores dicas para a produção de um conteúdo relevante. Desse modo, você será capaz de conquistar mais leads, ganhar autoridade no mercado e aumentar as taxas de conversão em vendas.

Você lerá sobre:

  • O que é produção de conteúdo relevante;
  • Como otimizar seus briefings, pautas e estratégia de Marketing Digital;
  • Quando terceirizar a produção de conteúdo para ter melhores resultados?

Como colocar em prática a produção de conteúdo relevante?

Produzir conteúdo de qualidade para Marketing Digital é muito mais do que simplesmente escrever sobre temáticas que sejam de interesse das personas. É uma matemática exata, que precisa ser baseada em dados concretos e planejamento sólido para que seja eficiente.

Mas afinal, o que quer dizer – exatamente – investir na produção de conteúdo relevante? É simples: quer dizer produzir conteúdo fundamentado e direcionado para as personas de maneira inteligente.

O básico é estar atento aos seguintes aspectos para não perder seu público de vista:

  • Conhecimento aprofundado do mercado e das personas:

Na prática, tudo começa com um estudo aprofundado do mercado e das personas-alvo para o seu produto e modelo de negócios.

Descubra exatamente quem é o seu consumidor e avalie os dados para traçar o seu Perfil de Cliente Ideal (ICP). Confira a explicação e dicas da Growth Machine para definir o seu ICP com sucesso:

Como você pode ver, trata-se de descobrir quais são as características em comum entre os clientes de sucesso e buscar um perfil semelhante.

Isso inclui questões como:

  • Dores de mercado enfrentadas e resolvidas com a sua solução;
  • Setor de atuação da empresa do cliente;
  • Características pessoais do decisor de compra (idade, cargo, etc.);
  • Percepções dos clientes atuais sobre sua empresa e solução.

Você terá que investigar sua base atual de clientes para encontrar as informações necessárias. Caso esteja começando, a dica é buscar análises de mercado e características da concorrência para ter um ponto de partida.

Depois, conforme for desenvolvendo sua carteira de clientes, basta reavaliar os dados para ajustar a estratégia de produção de conteúdo relevante.

  • Conteúdo adequado às diferentes etapas do funil:

O funil de vendas é composto por três estágios que sintetizam a jornada do consumidor. Ele é dividido entre topo, meio e  fundo. Cada uma deles se refere ao estado de consciência do lead em relação ao seu problema, a necessidade de solução e os benefícios do seu produto.

Resumidamente, eles são definidas como:

  1. Topo: conteúdos instrutivos para atrair a atenção do lead a partir de uma dor específica. A lógica é responder à perguntas que ele possivelmente faria para os mecanismos de busca, sempre de modo objetivo e focado no problema. Jamais fale sobre seu produto nesse estágio! O objetivo é ganhar a confiança do lead e construir autoridade no assunto.
  2. Meio: conteúdos mais aprofundados, porém, ainda voltados para a solução do problema. Geralmente, envolve a produção de e-books que falem mais sobre os desdobramentos do problema e apontem para soluções. Aqui já cabe começar a indicar o caminho para seu próprio produto/serviço, mas sem deixar que esse seja o foco do material.
  3. Fundo: agora sim é o momento para apresentar sua solução e todos os benefícios que ela oferece. Cabe mostrar todas as funcionalidades oferecidas, reforçando as informações com cases de sucesso e demonstrações do produto.

Temos um guia bastante completo sobre o assunto, citando os melhores materiais para a produção de conteúdo relevante em cada etapa do funil. Acesse aqui!

Estando atento para esses três pontos você consegue estruturar uma produção de conteúdo relevante orientada por dados. Isso enriquece o seu planejamento e torna a estratégia Inbound muito mais prática e atrativa.

Fique agora com algumas dicas para ajudá-lo nessa empreitada!

Dicas para produção de conteúdo relevante

Para tornar a produção de conteúdo relevante uma realidade constante dentro de sua empresa, existem algumas práticas que você pode implementar. Conheça nossas dicas e faça o teste você mesmo! Temos certeza de que os resultados serão incríveis.

Veja só:

  • Aplique técnicas de SEO

Esse é o básico da produção de conteúdo. Afinal, de nada adianta investir em uma produção de conteúdo relevante e não ser encontrado pelos usuários.

SEO é a otimização para os mecanismos de busca, baseada em técnicas como:

  • Uso estratégico de palavras-chave;
  • Construção de link building;
  • Inserção de vídeos;
  • Criação de um site responsivo e otimizado para carregar rapidamente.

E outras que você pode ler em nossa postagem contendo os princípios de SEO que todo profissional de Marketing precisa dominar!

  • Distribua nos canais certos

Assim como é importante investir em SEO para ser encontrado por aqueles que buscam informações nos mecanismos, a divulgação também é fundamental. O perfil de sua empresa nas diferentes redes sociais também conta com conexões importantes.

Mais do que isso: quando você produz conteúdos incríveis e joga nas redes o público pode compartilhá-los e aumentar o alcance de forma surpreendente!

Logo, avalie quais são as redes mais utilizadas pelas suas personas e marque presença nelas. Cada uma das redes tem suas particularidades e tipos de conteúdo que performam melhor. Escolha as suas e estude-as a fundo para garantir uma produção de conteúdo relevante.

Temos algumas dicas de como produzir vídeos incríveis para os diferentes canais aqui!

  • Varie os formatos de produção

Por mais que suas personas estejam definidas, existem diferentes indivíduos mesmo dentro desses grupos. E pessoas diferentes são impactadas por formatos diferentes de conteúdo.

A melhor estratégia é variar a produção de modo a atingir o maior público possível!

Há quem goste mais de textos curtos e objetivos. Há quem prefira vídeos animados ou tutoriais. Tudo isso sem contar a galera do e-book, infográficos, etc. Teste diferentes formatos e veja quais têm maior adesão entre o seu público.

Além disso, aumentando seu potencial de atração você também terá mais chances de gerar bons leads e vender mais.

  • Não tenha medo de terceirizar

A última dica é voltada para quem não tem tempo ou requisitos técnicos internamente para realizar uma produção de conteúdo relevante.

Quando a situação for essa, não hesite em contar com a ajuda de profissionais especializados. Trabalhar com uma agência de conteúdo é uma maneira segura de garantir materiais de qualidade e que atendam todas as suas necessidades.

Uma agência pode até auxiliar no planejamento do Inbound e acompanhamento de métricas. Isso libera tempo para que o gestor possa focar em outras atividades que demandam sua atenção.

Essas são as nossas dicas para ajudar você na produção de conteúdo relevante. Aplique-as em sua estratégia de Marketing e veja a diferença na atração e geração de leads pelo processo comercial.

O segredo está em conhecer sua persona e colocá-la no norte de toda a estratégia de Marketing Digital.

Até mais! 🙂

Como fazer um planejamento de conteúdo digital perfeito

Como fazer um planejamento de conteúdo digital perfeito

Por que adotar um planejamento de conteúdo digital? Por uma questão de estrutura e de garantia. Desde que você saiba o que vai dizer, porque vai dizer e, claro, para quem será dito.

Isso significa que você deve reunir todas as ideias e intenções que você e sua equipe têm para alcançar o sucesso merecido na comunicação e organizar a maneira de colocar tudo em prática.

Neste conteúdo, falaremos sobre como fazer um planejamento de conteúdo digital perfeito. Então, se você está cogitando a ideia de produzir conteúdo, mas está com dúvidas de como fazer o planejamento, continue conosco!

Você lerá sobre:

  • Tópicos indispensáveis na hora de planejar conteúdo digital;
  • Como acertar no conteúdo também é uma estratégia de planejamento.

6 tópicos indispensáveis na hora de planejar conteúdo digital

Para criar o seu planejamento, você precisará considerar:

  1. Objetivo
  2. Persona
  3. Jornada de Compra
  4. CTA
  5. Distribuição
  6. SEO

1. Objetivo: o que você quer?

Quais são os objetivos com o conteúdo digital que você e sua empresa pretendem ter? Você precisa saber porquê entregará esse conteúdo. O que o move a produzí-lo?

Ao definir e analisar suas prioridades, você poderá traçar metas. A organização é uma boa aliada! Você deve estabelecer um calendário de ações, delimitando o que postar, como e onde fará a divulgação.

Mas esse é só o primeiro passo: é muito importante entender o marketing de conteúdo de uma forma ampla. Vamos lá?

2. Persona – com quem você deseja ou precisa se relacionar?

Ninguém produz para que o conteúdo não seja acessado, lido, visto ou absorvido por alguém, não é mesmo? É fundamental saber para quem se fala.

Conhecer a sua audiência é de extrema importância. É assim que você saberá o que dizer, quando, como e em quais canais poderá divulgar o conteúdo – que desenvolvido dessa maneira se torna muito mais interessante.

Quando você conhece a sua persona, dialoga com ela. E o que isso significa? Que você precisa sentir ou reconhecer as suas dores – a fim de oferecer soluções certeiras.

É muito mais fácil e eficiente compreender o que a sua audiência precisa e quer consumir do que simplesmente produzir um tipo de conteúdo que você simplesmente imagina que seja o ideal.

Ao ter essa resposta, você encurta o caminho e acelera o processo de comunicação.

3. Jornada de compra: indique o caminho!

Uma boa dica para você eleger temas e a forma de abordar o conteúdo de uma maneira relevante para sua audiência é fazer essa identificação por meio das etapas da jornada de compra.

Seguindo cada etapa, você produz conteúdo específico conforme o desenho que se revela no funil de compras da sua persona. Identifica o estágio em que ela se encontra e se concentra em ajudá-la a prosseguir até o próximo nível. Assim, vocês podem caminhar juntos até o momento da venda.

Uma forma de entender o que sua audiência necessita em cada etapa da jornada de compras é direcionando perguntas para cada estágio.

Com as respostas, você poderá conhecer de hábitos de consumo até os temas de interesse geral do seu público. Elas também são  uma boa maneira de descobrir quais os canais que sua persona utiliza para se informar.

Você poderá receber ainda informações valiosas sobre como a sua persona chegou até você. O que a fez pesquisar sobre determinado tema que a colocou em contato com a sua empresa? Essas respostas auxiliarão no momento de descobrir quais palavras-chave foram utilizadas por ela.

Que tal você perguntar qual é o problema ou necessidade de sua persona? Quais passos ela seguiu para identificá-los? E o que fez depois para alcançar a solução?

Essas respostas guiarão você a produzir conteúdos que possam reconhecer e solucionar essas necessidades.

Mas sua pesquisa pode ir muito além e revelar outras informações importantes para a sua produção de conteúdo digital perfeito: você pode pedir para seu cliente contar sobre a experiência de compra.

Reunindo as informações relevantes para cada etapa, será possível montar uma espécie de manual que poderá ser consultado a cada novo conteúdo produzido.

Blog, mídias sociais, e-mail, e-book, webinar… Para cada tipo de conteúdo, há uma linguagem específica. Você não pode se perder nessa forma de diálogo com sua persona, ok?  Aqui você encontra dez formatos de conteúdo para Inbound Marketing!

CTA – Vamos agir?

Ao ser aberta e traduzida, a sigla CTA (Call to Action) sugere a Chamada para Ação.

É quando você, literalmente, irá sugerir que a sua persona aja.

Ela pode ser induzida a compartilhar o que está sentindo, da mesma forma como poderá ser encaminhada para uma nova página.

Exemplo: se formos criar uma CTA ao final do texto, poderemos pedir para que você compartilhe a sua experiência com este material nos comentários.

Veja outras sugestões de CTA como modelo para visualizar as possibilidades dessa etapa do seu planejamento de conteúdo digital:

  • Que tal compartilhar este conteúdo?
  • Curta esse vídeo e assine o nosso canal!
  • Quer receber mais conteúdos como esse? Cadastre seu e-mail em nossa lista!

Lembre-se: uma boa chamada para ação é sempre imperativa e muito clara!

5. Distribuição: aonde queremos divulgar?

Já chegamos até aqui, e é bom que se diga: nem mesmo o melhor conteúdo do planeta será eficiente se estiver publicado no lugar errado!

Você pode se perguntar: onde publicar o conteúdo? Felizmente, há muitas plataformas para cada formato.

Sim, vídeos podem ser postados no Youtube, mas não precisam estar apenas lá, por exemplo.

Embora seja irresistível postar no Facebook, é importante que você alimente suas próprias páginas. Blog e site são essenciais: não esqueça que esses são os espaços verdadeiramente seus e de sua marca – e, também, o lugar onde você pode ser encontrado de forma orgânica por meio de uma pesquisa no Google ou outros buscadores.

Outra vantagem de ter domínio próprio é a possibilidade de publicar landing pages para capturar possíveis leads com facilidade.

6. SEO: esteja à vista!

Por meio da prática de SEO (Search Engine Optimization ou Otimização para Motores de Busca) você utilizará recursos eficientes para que seu conteúdo seja encontrado nas primeiras páginas de buscadores como o Google.

Faça uma pesquisa das palavras-chave para o seu conteúdo e produza textos otimizados com elas.

Há muitas formas de mecanismos de pesquisa, de utilização de palavras-chave para que você atinja com maior eficiência e até mesmo rapidez o que pretende alcançar.

Acertar no conteúdo também é uma estratégia de planejamento

Engaje a sua equipe para que todos possam contribuir com essa produção: ninguém conhece melhor o seu negócio do que você e seus colaboradores, certo?

Por meio de um planejamento de conteúdo digital, seguindo os passos que listamos acima, você estará preparado para começar!

O potencial cliente de hoje está muito bem informado. Ele quer ser convencido de que fará uma boa compra. A concorrência está afiada na entrega desse conhecimento também. Ninguém quer ficar para trás,

Então, não pense em oferecer um conteúdo que esteja abaixo da expectativa do seu potencial comprador. Até porque, se isso acontecer, ele não será mais o seu potencial comprador e, sim, o potencial comprador do seu concorrente.

Você já pensou em terceirizar essa grande responsabilidade?

Às vezes, pensamos em nos responsabilizar por todas as etapas do planejamento de conteúdo digital e acabamos comprometendo a qualidade da entrega. É o que acontece com boa parte das empresas que optam por internalizar toda a produção de conteúdo digital.

É possível terceirizar essa responsabilidade. Perceba quais são as vantagens de terceirizar a produção de conteúdo para Inbound Marketing.

Agências que produzem conteúdo já organizam todo o planejamento. Você pode terceirizar o serviço, mas ainda fará parte do processo, contribuindo com sugestões e emprestando seu expertise para a definição das pautas.

Se você gostou dessas dicas sobre como fazer um planejamento de conteúdo digital perfeito, aqui vão outras estratégias de conteúdo para marketing digital que também podem ser úteis.

Até a próxima!

O que é conteúdo evergreen e por que você deveria pensar em criá-lo

O que é conteúdo evergreen e por que você deveria pensar em criá-lo

Evergreen não é a música de Barbra Streisand, mas, assim como a canção, é um tipo de conteúdo que dura – sem prazo de validade. Traduzido do inglês, evergreen significa, literalmente, perene.

Acabamos de responder a provável primeira pergunta sobre esse tema: o que é o conteúdo evergreen? Mas iremos, ainda, elaborar e responder mais algumas questões que irão ajudá-lo com esse tipo de material tão desejado e, ao mesmo tempo, tão essencial.

A nossa intenção é produzir e falar da relevância do conteúdo permanente, que permanece fresco por um longo período de tempo.

Para que não perca o timing, o conteúdo evergreen não inclui informações pontuais como notícias e tendências, por exemplo. Ele pode ser acessado e continuar relevante durante um longo período.

Estamos falando de anos. Por isso, também podemos dizer que eles atraem cliques longos. Muitos conteúdos evergreen são responsáveis pelo tráfego de diversos blogs e websites.

Neste post, você lerá sobre:

  • O que pode ser considerado conteúdo evergreen?
  • Estratégias para produção de conteúdo evergreen;
  • Vantagens do conteúdo evergreen.

O que pode ser considerado conteúdo evergreen?

Se eles não incluem informações factuais, então, podem ser encaixados em conteúdos como:

  • Artigos perenes com dicas ou tutoriais, por exemplo: “o passo a passo da arrumação da mala perfeita”;

 

  • Listas. Você pode criar blogposts como “10 estratégias de marketing atemporais”;

 

  • Ainda pensando em artigos, textos que entreguem dicas para se ter uma vida saudável ou sobre como alterar a rotina para incluir exercícios físicos no dia-a-dia são outra aposta que dá certo;

 

  • Postagens educacionais;

 

  • Glossários.

O ideal é adaptar a proposta da sua marca e os interesses do seu público-alvo para esse tipo de conteúdo.

Se você tem uma revendedora de carros, poderá criar posts que orientem sobre como economizar combustível ou como manter os bancos de couro do veículo com aspecto de novos por mais tempo, por exemplo.

Estratégias para produção de conteúdo evergreen

Ao contrário do que se pode pensar, a produção de conteúdo evergreen não é uma forma de tapar buracos ou de produzir conteúdo irrelevante. Esse tipo de produção é o que pode determinar a conversão de um lead, por exemplo.

Imagine que se passaram dois anos da publicação do seu conteúdo evergreen e, de repente, lá está ele como resultado de uma busca do Google. O usuário encontra o seu blog por causa do assunto que o interessa e, por meio dele, não apenas conhece ou revisita a sua marca, mas pode até mesmo tomar a decisão de compra.

O fornecimento de conteúdo perene não é tão fácil quanto a publicidade direta no curto prazo, mas pode influenciar e direcionar muito tráfego a longo prazo: ao melhorar a classificação nos mecanismos de pesquisa e também apresentar custos menores de manutenção de conteúdo.

Que tal você imaginar quais são as principais dúvidas que seus clientes podem ter em relação aos seus produtos? Que conteúdo você poderia oferecer para sanar as dúvidas de novos clientes que ainda estão se fazendo essas mesmas perguntas?

Aqui, você pode imaginar dois formatos que se encaixam perfeitamente para o tipo de conteúdo que estamos pensando em criar: glossários e listas.

Conseguiu imaginar como seria possível transformar as dúvidas de seus clientes em respostas nesses formatos? Você também pode falar sobre a estrutura do seu negócio, contar a história dele…

Ao contrário do que muitos empreendedores pensam, os bastidores de qualquer processo de produção são muito instigantes e até mesmo decisivos no momento de compra. É muito interessante saber porquê foram adotados tais sistemas de produção e em qual espaço eles são executados.

Por que o conteúdo evergreen não fica desatualizado?

Porque ele entra na categoria atemporal. A história da descoberta do Brasil será sempre a mesma, não é verdade? Ela nunca ficará desatualizada, embora seja antiga.

Esse exemplo serve para você pensar em quais conteúdos pode criar que não sejam fruto do resultado do último mês, mas sim de décadas, e que exatamente por conta disso não perde a validade. Artigos históricos sobre sua empresa, marca ou produto são exemplos de conteúdo evergreen, como falamos acima.

Embora nem todo conteúdo evergreen seja eterno, eles têm sim uma vida muito longa – e é nesse intervalo de tempo que acabam se transformando em ótimas soluções para a sua estratégia de conteúdo.

Conteúdo sazonal e em tempo real

Quais são as plantas mais indicadas para o jardim de inverno? Nem precisamos de muitas explicações para perceber que esse conteúdo pode ser relevante a cada outono – quando pensamos na troca das flores em casa para que durem na estação mais fria do ano.

Esse é um bom exemplo de conteúdo sazonal.

Conteúdos que não estejam relacionados a um período específico do ano, mas sim da vida, também podem ser classificados como sazonais, e neste sentido, “dicas para escolher a casa própria” encaixam-se perfeitamente.

Já o conteúdo real é aquele que perde a validade na mesma velocidade em que as horas passam. Ou seja: hard news, as notícias do dia a dia. O anúncio do acidente que vitimou dezenas de pessoas é real, mas a falha mecânica que foi apontada como causa da batida pode ser uma derivação de um conteúdo real que se perpetuará com uma vida mais longa.

E por que estamos dando esses exemplos? Porque eles podem servir de inspiração para que você produza conteúdo sem prazo de validade até mesmo baseado em conteúdos com vida curta.

Geralmente, o conteúdo evergreen é o oposto do conteúdo viral em termos de durabilidade.

O conteúdo viral pode ser muito bem utilizado para a divulgação de uma marca ou produto, mas ele perde a validade com a mesma velocidade com que se espalha na internet.

É justamente porque tudo passa muito rápido na internet que o conteúdo evergreen é muito relevante: ele continuará sendo pesquisado e interessante hoje, amanhã e daqui a um ano ou mais.

Vantagens do conteúdo evergreen

Outra boa notícia é que, apesar de não expirar o prazo de validade, esse tipo de conteúdo também comporta vídeos e infográficos além de postagens de texto.

E são a melhor forma de engajamento porque podem ser linkados por muito tempo, também. A criatividade na hora da produção e depois, na escolha do formato, é o que faz a diferença na sua estratégia de conteúdo.

E, claro, algumas dicas são sempre bem-vindas!

Dicas para produção de material evergreen

Veja só:

  • Evite termos técnicos: especialistas geralmente não precisam desse tipo de conteúdo. Escreva para iniciantes;

 

  • Escolha um assunto e desenvolva-o. Depois, outros tópicos podem ser abordados em outros conteúdos;

 

  • Duas respostas são certeiras na hora de produzir conteúdo evergreen. Crie um conteúdo que responde ao “o que é” e “como fazer”. Torne-se a melhor resposta para as suas perguntas;

 

  • Tenha certeza de que o seu conteúdo está completo. Assim, o seu público não precisará fazer outra pesquisa e esquecer do seu conteúdo, marca e produto.

Outra estratégia de Marketing de Conteúdo relacionada ao conteúdo evergreen é que, ao criar postagens com assuntos que se complementam, você sempre pode lembrar de linkar o post ao conteúdo vida longa.

Esperamos que este post sobre conteúdo evergreen tenha ajudado você a compreender porque deveria pensar em criar conteúdos de longa duração.

Se você quiser, pode deixar nos comentários como foi a sua experiência com a leitura. E claro, se preferir, pode continuar navegando conosco  nas possibilidades do Marketing Digital.


Até a próxima!

 

Comprar artigos para blog x produzir internamente: qual a melhor opção?

Comprar artigos para blog x produzir internamente: qual a melhor opção?

Entre comprar artigos para blog ou produzir o conteúdo internamente, existe um abismo. O assunto é bastante delicado, já que muitos profissionais de Marketing sentem medo de errar e, com isso, desperdiçar os seus recursos.

Uma boa estratégia de conteúdo é importante, claro. Porém, mais do que isso, é necessário escolher qual é a melhor forma de destinar o orçamento disponível. Diante disso, o foco do planejamento está em ser eficiente e econômico ao mesmo tempo.

Isso sem contar o tempo destinado à produção e veiculação dos conteúdos, por exemplo. O que pode representar um grande problema de gestão para coordenadores mais atarefados.

Comprar ou produzir? Eis a questão! Neste post, ajudaremos você a resolver o impasse de uma vez por todas e eleger a melhor alternativa para a sua situação.

Você vai ler sobre:

  • As diferenças entre comprar artigos para blog e produzi-los
  • As principais vantagens entre cada uma destas modalidades
  • Como se beneficiar dos serviços de uma agência terceirizada

As diferenças entre comprar artigos para blog ou produzi-los

Ambos os caminhos são válidos e têm suas vantagens e desvantagens. No fim de contas, é tudo uma questão de avaliar o que está à sua disposição e fazer o uso estratégico dos seus recursos. Falaremos um pouco sobre cada uma destas opções para que você identifique a que atende melhor à sua necessidade de conteúdos incríveis.

Produzindo o conteúdo internamente ou com freelancers

Se você pensa em investir na produção interna de conteúdos para Inbound Marketing, deve considerar todas as implicações disto. Antes de mais nada, você precisa ser sincero e olhar para o próprio processo, verificando se possui reais condições de arcar com a demanda.

A produção de textos com qualidade, que sejam capazes de atrair novos clientes e causar boa impressão no mercado, não é uma tarefa para amadores. Por isso, é preciso de novas contratações e contabilidade destes gastos extras no seu plano orçamentário.

Além do redator qualificado, você também deverá contratar outro profissional de Marketing que planeje a estratégia de conteúdos, o que inclui:

  • Fazer um levantamento e escolher temas e palavras-chave relevantes às personas;
  • Planejar quais formatos de conteúdo serão utilizados (vídeo, blogpost, eBook etc);
  • Apresentar a ordem de produção, a cadência de materiais e os fluxos de nutrição;
  • Escolher quais serão as plataformas nas quais as informações serão divulgadas;
  • Postar e compartilhar tudo aquilo que foi produzido sob o seu plano de ação.

Vale a pena?

Afinal, será que apenas ter a capacidade de implementar este planejamento basta? Aplicar a estratégia Inbound demanda não só tempo, como um know-how adequado à função! O que pode ser um obstáculo frente às demandas já exigidas do coordenador de Marketing.

Porém, se for viável organizar a parte de planejamento e comprar artigos para blog, ainda existem outros cuidados importantes. Isso porque é mais difícil ter controle sobre processos e entregas do freelancer. Portanto, tenha as responsabilidades muito bem documentadas e acordadas com o profissional para que não haja problemas futuros.

O ideal é contratar freelancers que tenham MEI, pois isso facilita os trâmites e garante que você não tenha eventuais surpresas.

Fazer a produção interna é possível! Mas é necessário grande esforço, reestruturação e até mobilização de recursos para que seja eficiente.

Se essa for a sua opção, clique aqui e descubra como montar um processo para produção de conteúdo interna.

Contratando uma agência de conteúdo digital

A outra alternativa é comprar artigos para blog, terceirizando o processo de produção e planejamento. É a opção excelente para aqueles que dispõem de pouco tempo e precisam de resultados rápidos e impactantes.

Uma produtora especializada possui plenas condições de absorver toda a demanda: desde o planejamento da estratégia Inbound, passando pela produção de materiais e publicação adequada. Em alguns casos, ela pode até mesmo realizar o design gráfico para o site e as postagens, de modo a deixá-las mais atrativas ao seu leitor.

Os custos compensam, já que você economiza com a estruturação de um novo setor na empresa e desfruta de mais tempo livre para focar em outras atividades relevantes. Isso, é claro, sem falar na tranquilidade e confiança de deixar o trabalho nas mãos de profissionais do ramo. Assim, você conta somente com os benefícios:

  • Conteúdo de qualidade profissional;
  • Segurança nas correções necessárias;
  • Tranquilidade na gestão do Marketing interno;
  • Facilidade contratual e menos profissionais diretos.

Nesse sentido, o trabalho com agências mostra uma série de diferenciais que fazem valer o investimento em função de resultados melhores.

Para que você compreenda, na prática, como isso funciona, falaremos um pouco sobre o processo da Gummy. Dá uma olhada!

Gummy Conteúdo Digital: a fórmula WOW! para conteúdos de sucesso

Na Gummy Conteúdo Digital, temos um processo completamente estruturado para entregar qualidade e satisfação aos nossos clientes que decidem comprar artigos para blog. Afinal, quando estão felizes com os resultados da estratégia de atração de leads é, sem dúvidas, um verdadeiro sucesso.

Para garantir isso, contamos com uma ampla base de redatores especializados em distintas áreas de conhecimento. Desde Artes e Tecnologia, até Engenharia da Produção de Alimentos. Nesse amplo leque de possibilidades, certamente, temos alguém que se encaixe nas suas necessidades de mercado.

Como outra forma de garantir o comprometimento com nossas entregas, cada conta possui seu próprio Content Manager. São profissionais treinados em Marketing de Conteúdo que fazem a revisão de todo o material, antes mesmo que seja entregue, e mantém um contato direto com o cliente. Eles têm a responsabilidade de coletar todos os feedbacks para seguir aprimorando a qualidade dos conteúdos e garantir que seus desejos serão ouvidos.

Como é o processo, na prática?

Todas as sugestões, as críticas e os apontamentos ficam armazenados em nossa brainbox. Um amplo acervo para dar suporte à produção, contendo informações como:

  • Análise detalhada das personas do cliente;
  • Momento atual da sua estratégia Inbound;
  • Produtos que estão no foco da produção;
  • Manual de redação para alinhar tom e voz;
  • Registro e atualização de todos os feedbacks.

A relação direta de confiança torna a experiência de produção agradável e mais produtiva. Desse modo, a comunicação é aberta e o atendimento ao cliente é feito da melhor maneira possível.

E, caso você queira comprar artigos para blog, nós resolvemos! Fazemos o planejamento, a produção e a execução, lhe mantendo informado sobre a evolução e performance de seus resultados.

Assim, podemos ser os braços que faltavam para você para operacionalizar as estratégias de Marketing de Conteúdo. Ah, lembrando que, agora, temos também disponibilidade para produzir vídeos, sempre alinhados com as maiores tendências do universo digital.

Entre em contato conosco e descubra como trazer o efeito WOW! para os seus negócios.

Até breve!

Produção de conteúdo digital: tudo o que você precisa saber

Produção de conteúdo digital: tudo o que você precisa saber

Quem acompanha as tendências de mercado já sabe muito bem que nossa forma de consumir mudou drasticamente com a internet.

Além das compras em si, mas na maneira como nos aproximamos de empresas, avaliamos produtos e consideramos soluções.

No meio disso tudo, a produção de conteúdo digital assumiu um papel fundamental na estratégia das empresas que querem se posicionar bem em relação à concorrência.

Hoje em dia, qualquer coisa que interrompa bruscamente a sua navegação online pode parecer intrusivo demais.

Isso acontece porque temos muitos estímulos ao mesmo tempo e uma abundância enorme de conteúdos disponíveis. Basicamente, ninguém mais perde tempo com aquilo que não interessa.

Ou seja, com a internet o Marketing tomou um novo rumo: mais conteúdo relevante, menos publicidade tradicional. E daí surgiu um novo nicho, a produção de conteúdo digital.

O Marketing de Conteúdo, como é chamada essa estratégia, tornou-se uma maneira de engajar seu público-alvo.

Esse tipo de prática começou a se popularizar com o crescimento de estratégias de Inbound Marketing, em meados dos anos 2000.

Mas a verdade é que profissionais de Marketing já usavam o conteúdo para atrair clientes há muito tempo.

Neste texto, reunimos as principais informações sobre a produção de conteúdo digital. Além de muitas dicas para sua empresa se dar bem nessa área.

Já avisamos que o artigo é longo e tem muita informação no meio do caminho, mas esperamos tirar todas as suas dúvidas e ajudar seu negócio a crescer. Confira!

Qual a importância da produção de conteúdo digital?

Como já comentamos, nossa forma de consumir conteúdo mudou drasticamente com a internet e o marketing precisou se transformar junto.

É aquela história: adapte-se ou morra. Seguindo esse lema, muitas empresas começaram a buscar maneiras de transformar suas formas de se aproximar dos clientes.

Para fazer isso, descobriram que era preciso gerar engajamento e competir com todos outros estímulos. Os quais vemos na era da economia da atenção.

Fonte: MasDigital

Não é à toa que a produção de conteúdo se tornou tão popular. Ela é um dos principais pilares para construir uma relação entre a sua empresa e seus clientes.

Ou seja, é um ótimo recurso para obter tráfego qualificado e, consequentemente, gerar oportunidades de negócio.

Dentro da produção de conteúdo, são blogposts, vídeos e outros formatos de material que farão com que leads quentes cheguem até o seu site.

A qualidade desses conteúdos, por sua vez, definirá se eles vão ficar e desenvolver um relacionamento com você. Ou ainda, se farão apenas uma visita rápida e esquecerão da existência de sua marca segundos depois.

Para saber mais sobre a importância da produção de conteúdo digital, confira nosso post sobre o assunto.

Nele, você entenderá com mais profundidade quais os benefícios dessa estratégia e também conhecerá algumas dicas de aperfeiçoamento.

Inbound Marketing x Marketing de conteúdo

Antes de entrar em detalhes sobre os usos da produção de conteúdo digital, vamos deixar os termos claros.

Muita gente ainda confunde os conceitos de Inbound Marketing e marketing de conteúdo. Essa dúvida é totalmente compreensível, tendo em vista que um faz parte do outro.

Isso quer dizer que, enquanto o Inbound Marketing é uma estratégia mais ampla para atrair possíveis clientes, o Marketing de Conteúdo é a tática utilizada para fazer isso.

Inbound Marketing

Em português, o Inbound Marketing significaria algo similar a Marketing de Atração.

Podemos resumi-lo como uma abordagem de marketing baseada em atrair, converter, estabelecer um relacionamento, vender e fidelizar o seu cliente.

As vendas são feitas de maneira mais assertiva, quando o lead já conhece realmente a sua empresa e o serviço que você oferece.

Assim, existem mais chances de sucesso e de que ele recomende seu trabalho para outros possíveis clientes.

Marketing de conteúdo

Já o marketing de conteúdo pode ser considerado o combustível do Inbound. São os materiais por meio dos quais o lead será educado e perceberá a necessidade de contratar seus serviços.

Entre os exemplos de conteúdos utilizados estão blogposts, infográficos, vídeos, webinars e vários outros formatos.  

Conteúdo de qualidade é essencial para o sucesso da sua estratégia de Inbound.

Com ele, você consegue desenvolver uma relação realmente mútua com seu público-alvo. Entregando materiais úteis e informativos que agregam valor à sua marca e ao seu produto.

Principais usos da produção de conteúdo digital

A produção de conteúdo digital pode atender a diferentes objetivos dentro da sua estratégia. Ela pode servir para aumentar o tráfego no seu site, a conversão em leads ou em clientes.

Como você viu, existem muitos formatos de conteúdo online. A seguir, você conhecerá um pouco melhor cada um deles. Veja só:

Produção de conteúdo para sites e blogs

Apenas desenvolver um site para a sua empresa não é suficiente para se posicionar de maneira eficiente no mercado digital. Afinal, um design bonito não é o suficiente.

Para fortalecer sua presença digital de fato, é preciso elaborar também o conteúdo da sua página. Pensando no usuário e, claro, no foco da sua estratégia. Seja ela atrair tráfego, gerar conversão ou qualquer outra.

Além disso, seu site precisa ser atualizado constantemente e estar otimizado para os mecanismos de busca. Caso contrário, você corre o risco de ter um ótimo site, mas que não consegue atrair visitantes.

Hoje em dia, buscadores como o Google são fundamentais para que a sua estratégia de marketing digital funcione bem.

Por isso, antes de tudo, o conteúdo de qualquer site precisa ser pensado de acordo com as melhores práticas de SEO.

Clique aqui para ler mais sobre táticas de SEO para sites que você precisa dominar.

Algumas dessas práticas incluem a inserção de links internos e externos (construção de backlinks), uso de palavras-chave, entre outras.

Se você não sabe do que estamos falando, continue lendo porque mais adiante vamos ter um tópico só para isso.

Para manter seu site ou blog sempre atualizado, você pode contar com a ajuda de produtores de conteúdos externos – como freelancers ou empresas especializadas. Ou então, convidar marcas parceiras para colaborarem com você.

Outra opção é produzir cases de sucesso e entrevistas com seus clientes.

Se você quer entender melhor como funciona a produção de conteúdo para sites e blogs, acesse também o nosso artigo sobre o assunto.

Porém, lembre-se: o blog é algo diferente do site e possui grande peso dentro de uma estratégia de Inbound Marketing.

Por isso, detalhamos a seguir como otimizar essa ferramenta e transformá-la na estrela do show. Confira!

Produção de conteúdo para Inbound Marketing

Já comentamos que a produção de conteúdo digital é um dos principais ingredientes do Inbound Marketing. E, por meio dela, essa prática se popularizou entre as empresas.

Mas como funciona a produção de conteúdo focada no Inbound?

Em geral, esse tipo de material se baseia nas etapas do funil de vendas. Entenda, a seguir, como produzir conteúdo digital para cada etapa do funil Inbound.

Em um primeiro momento, existe um conteúdo de topo de funil, focado na atração de leads. Vejamos um exemplo de funil, abaixo:

Neste momento, é importante lembrar que o usuário ainda não está totalmente interessado em seu produto ou serviço.

Na verdade, ele talvez ainda nem compreenda o problema que tem. E, muito menos, a razão pela qual precisa de uma solução.

Por isso a importância de focar em conteúdos educativos e que dialoguem com seus interesses e possíveis dores, incentivando-o a identificar uma necessidade.

Em geral, os melhores formatos para essa etapa são posts para redes sociais, conteúdos para blog (listas, artigos), infográficos e webinars.

Exemplos de conteúdos para topo de funil

Depois, se você fisgar a atenção do usuário, ele chega ao meio do funil – a etapa em que já identifica o problema.

Aqui, ele começa a se familiarizar com as soluções possíveis para suas dores e se aproxima um pouco mais da venda.

Nesse momento, a estratégia de Inbound Marketing pode começar a incluir conteúdos mais aprofundados.

Algumas boas opções de conteúdos de meio de funil são whitepapers, eventos ou materiais exclusivos. Há aqueles que podem ser oferecidos por meio de landing pages, como ebooks, webinars ou tutoriais.

Nos últimos, o foco, por sua vez, deve estar em dialogar com as dores da persona.

Para incentivar uma conversão, nada melhor do que produzir um conteúdo de alta qualidade que realmente responda às suas preocupações nesta etapa da jornada. Em outras palavras, “toque na ferida” ao oferecer este conteúdo.

Exemplos de conteúdos de meio de funil

Graças a este tipo de conteúdo, é possível captar informações valiosas sobre o lead. Isso em troca de informações especializadas sobre a dor que ele enfrenta. Um bom exemplo pode ser nome, e-mail, telefone, cargo e porte da empresa.

Com esses dados, sua empresa ganha também um canal de relacionamento aberto com o lead. E, finalmente, a possibilidade de convencê-lo a avançar no funil.

Se tudo der certo e sua estratégia estiver alinhada, a última etapa é o fundo do funil. Nela, o possível cliente está procurando uma solução para o seu problema e irá decidir se efetua (ou não) a compra.

É hora do lead conhecer bem a sua empresa e seus diferenciais.

Os conteúdos dessa etapa, portanto, podem ser a página do seu site focada em produto, cases de sucesso dos seus clientes e pesquisas de mercado. Ou até mesmo vídeos que mostrem as funcionalidades do seu serviço.

Exemplos de conteúdos de fundo de funil

Cada tipo de conteúdo, portanto, deve guiar o lead para mais perto da compra, até que os vendedores possam entrar em contato e fechar o negócio.

Mas fazer todos os materiais conversarem e chegarem até o cliente de maneira eficiente é um desafio. Principalmente, para empresas que tem uma equipe de marketing mais enxuta.

Para superar essa dificuldade, uma opção pode ser terceirizar a produção de conteúdo para Inbound Marketing.

Produção de conteúdo para redes sociais

Atualmente, uma boa presença nas redes sociais é praticamente obrigatória para qualquer negócio. Elas ajudam a valorizar a sua marca, gerar tráfego para o seu site e construir autoridade em torno da sua empresa.

Mas não basta apenas ter um perfil em cada uma delas! Os algoritmos das redes estão cada vez mais inteligentes e valorizam o engajamento para definir o alcance das suas publicações.

Isso significa que você deve produzir conteúdos que gerem curtidas, compartilhamentos e comentários dos usuários.

Em geral, aposte em publicações visuais, principalmente vídeos.

Para saber mais sobre a criação de vídeos para redes sociais, clique aqui.

Estes formatos chamam a atenção no meio de tanta informação e também ficam mais tempo na memória.

Uma pesquisa da Wyzowl revelou que as pessoas geralmente lembram de apenas 20% do que leem, mas 80% do veem. Logo, gifs, gráficos, vídeos e imagens são boas pedidas!

Além disso, nas redes sociais é importante produzir conteúdo específico para cada plataforma. Nem sempre o que funciona para o Facebook, por exemplo, funcionará para o Instagram.

Fique atento também para as personas que representam o seu público alvo. Escolha as redes sociais em que elas estão mais presentes e produza conteúdo relevante para esse grupo de pessoas.

Caso contrário, você corre o risco de se perder na montanha de conteúdo compartilhado todos os dias.

Produção de conteúdo para branding

Uma empresa pode aplicar a produção de conteúdo digital também para valorizar ou propagar a mensagem de sua marca, com o chamado branded content.

Esse tipo de conteúdo é voltado para construir a identidade das marcas ou reforçar posicionamentos. O que aumenta sua relevância no mercado.

E quem não quer ter uma marca reconhecida, não é mesmo?

Isso ajuda a sua empresa a ser lembrada espontaneamente. Além de recomendada com mais frequência por quem já utilizou seus produtos ou serviços.

Para produzir branded content, você precisa estabelecer de maneira clara quais são seus objetivos, seu público-alvo e qual a melhor maneira de se comunicar com ele.

Lembre-se: cada detalhe nos conteúdos será associado à sua marca – da linguagem, passando pelo estilo, até o formato. Portanto, tudo deve estar de acordo com a estratégia da empresa.

Procure ser criativo e estabelecer uma relação de empatia entre a sua empresa e o possível cliente. Esse vínculo fará com que você seja lembrado mais facilmente.

Busque também os diferenciais do seu produto ou serviço e dê destaque a eles.

O branded content serve para passar a mensagem sustentada pela sua marca. E, assim, conectar-se com o universo do público-alvo – sem, necessariamente, vender um produto.

Um bom exemplo disso é a campanha #LikeAGirl, da Always – que, inclusive, levou o Emmy de melhor comercial de 2015.

Por fim, trabalhe com gatilhos mentais e tente sempre focar nas personas da sua estratégia de marketing. Saiba o que elas querem e como se comportam.

Assim, você tem mais chances de construir conteúdos que realmente gerem engajamento!

Produção de conteúdo e SEO

Agora que você conheceu todos os usos da produção de conteúdo digital, falaremos sobre um elemento fundamental para que seus materiais sejam encontrados pelo público: SEO.

Como falamos antes, SEO significa Search Engine Optimization ou, em português, otimização para motores de busca.

Na prática, essa sigla define uma série de estratégias que tem como objetivo fazer seu site ser encontrado facilmente nas primeiras páginas do Google.

Se possível, em primeiro lugar: pesquisas mostram que os cinco primeiros resultados nos buscadores recebem 90% dos cliques.

Se você quer produzir bons conteúdos que cheguem ao leitor, você precisa dominar os princípios de SEO.

SEO x Qualidade do conteúdo

Antigamente, a maioria das otimizações para mecanismos de busca consideravam apenas duas coisas: a quantidade de palavras-chave e de links.

Mas, hoje em dia, os algoritmos do Google e seus similares estão muito mais apurados e levam em conta. Principalmente, a experiência do usuário.

Logo, para ser bem ranqueado, não basta repetir a palavra-chave um milhão de vezes ao longo do texto. Até porque isso deixa a página bem cansativa para o leitor.

Cada vez mais, a qualidade do conteúdo vem se tornando um fator essencial para bons resultados em SEO. Seus artigos devem focar em responder, efetivamente, as perguntas do usuário de maneira única.

Evite mais do mesmo e busque produzir materiais diferenciados, que instiguem o usuário à ação para que ele continue consumindo as informações do seu site. E não se esqueça de seguir otimizando as páginas frequentemente.

Acompanhe as métricas de SEO e faça melhorias sempre que você puder identificar padrões positivos ou negativos na sua performance.

Além disso, o tamanho dos artigos influencia bastante. De acordo com um estudo que analisou um milhão de resultados no Google, a extensão média dos textos na primeira página é de 1.900 palavras.

Já a construção de links, tanto internos quanto externos – a famosa link building – precisa ser feita de maneira inteligente. Não adianta sair inserindo links para o seu site em qualquer lugar.

Isso pode, inclusive, penalizar a página se os algoritmos constatarem que você está fazendo isso de má fé para ganhar no ranqueamento.

Por isso, o ideal é incluir links contextuais que realmente sejam relevantes para o leitor, e também trabalhar com backlinks. Ou seja, links para a sua página em outros domínios.

A importância da jornada de compra na produção de conteúdo digital

Você já viu os principais elementos da produção de conteúdo digital e alguns hacks para que ela seja mais efetiva. Só que de pouco adianta produzir bons conteúdos se eles não fazem parte de uma estratégia maior.

A produção de conteúdo digital precisa ter um norte, que considere a persona e a jornada de compra.

Cada cliente está em um momento dessa jornada, que passa pelo aprendizado do problema, reconhecimento, consideração da solução e tomada de decisão.

É contraproducente, por exemplo, tentar vender para um lead que ainda está no estágio de aprendizado. Isso só irá gerar gasto de tempo dos vendedores e queda na produtividade.

Mas, ao mesmo tempo, atrair o público-alvo para perto utilizando o conteúdo adequado pode gerar oportunidades de negócio no futuro.

Por isso, acompanhar esse caminho e oferecer conteúdos para cada uma das etapas ajudará você a construir um marketing menos invasivo e mais focado nos desejos do seu possível consumidor.

O que, consequentemente, auxilia a sua empresa a diminuir os gastos e fazer apostas mais assertivas.

Entendendo a intenção de compra do usuário

Investir em um planejamento eficiente de marketing estreitará os laços entre a sua empresa e o seu público, além de facilitar o trabalho da equipe comercial.

Com um investimento que valorize a educação e nutrição dos leads, eles chegam mais qualificados para o contato com o time de vendas.

Ou seja, o próprio papel do vendedor muda e passa a ser de um consultor, que trabalhará de maneira mais direta, oferecendo dados, tirando dúvidas e orientando o provável cliente.

No caso da produção de conteúdo digital, uma estratégia focada na jornada do cliente ajuda a equilibrar os conteúdos, oferecendo materiais de topo, meio e fundo.

Além disso, você produz artigos focados nas principais dores daquela persona, consegue construir fluxos de automação mais eficazes e nutrir melhor seus leads.

Mas, para desenhar essa jornada, lembre-se de identificar primeiro quem são as personas do seu negócio. Ou seja, a personificação do público ideal para o seu negócio.

A partir delas, você saberá melhor como o lead chega até você, quais suas principais dores e quais soluções são mais apelativas para ele.

Para fazer isso, o ideal é entrevistar clientes atuais e leads que ainda estão no processo de compra.

Vale perguntar sobre idade, gênero, formação, cargo, objetivos de vida, interesses, papel na tomada de decisão e o que mais for relevante para entender quem tende a se aproximar das suas soluções.

Já para entender a jornada, as perguntas são um pouco mais complexas.

Você pode questioná-los sobre os motivos que os fizeram procurar sua empresa, como conheceram a sua solução, quais concorrentes consideraram (e por quê), quais dúvidas tiveram, entre outras.

Depois disso, você tem uma figura muito mais clara de quem procura seus serviços e consegue construir uma estratégia de conteúdo muito mais focada!

Mas, afinal, o que é conteúdo de qualidade?

Se você chegou até aqui após de ler tantas informações sobre produção de conteúdo digital, deve estar se perguntando. Mas o que é um conteúdo de qualidade, então?

Resumidamente, um bom conteúdo reúne tudo o que nós listamos acima. Uma boa base estratégica, respostas efetivas às perguntas do lead, criatividade e, claro, o uso de boas práticas de SEO.

Mas, além disso, você precisa também equilibrar qualidade com quantidade. E o volume de conteúdos publicados a cada semana irá variar dependendo do foco da sua estratégia.

Por exemplo: se o seu principal objetivo é se posicionar como especialista na área e se diferenciar da concorrência, a qualidade dos seus artigos fará toda a diferença.

Já se o objetivo é apenas manter um blog de notícias, então a frequência dos posts é essencial.

Estabeleça seus objetivos prioritários e oriente seu planejamento com base nisso.

Porém, atenção! Não adianta fazer conteúdos extensos e densos se você não está conversando com o seu público.

Ou então, se você publica pouco. Pois o Google leva em conta também a sua frequência de publicação para fazer o ranqueamento. Além de que quanto mais você posta, mais visitas recebe.

O equilíbrio é mesmo a chave. Procure colocar todos esses elementos na balança e medir o que funciona melhor para o seu negócio.

Tendências para  a produção de conteúdo digital

Agora que você já conhece os segredos da produção de conteúdo digital, chegou a hora de entender o que realmente tem sido eficaz no mercado. As tendências da área estão se transformando junto com as mudanças na tecnologia.

Para continuar fazendo os melhores investimentos, você precisa se manter sempre atualizado. Então, separamos algumas tendências fortes que você provavelmente vai ouvir falar daqui para frente:

Clusters de Conteúdo

Em tradução literal, topic clusters significam “grupos de tópicos”. Ou seja, são conteúdos organizados em torno de um tópico central de maneira conectada.

Eles surgiram como resultado da evolução nos algoritmos do Google. Que, hoje em dia, valorizam conteúdos que respondam de maneira mais efetiva às dúvidas do usuário.

Basicamente, essa estratégia se baseia na construção de uma página central, ou pillar page, e outras relacionadas, as clusters.

Esses materiais são unidos por hiperlinks e aumentam a relevância um do outro, como na imagem abaixo.

Fonte: Hubspot

Otimização para buscas por voz

Com o aumento da popularidade de assistentes pessoais como a Alexia e a Siri no exterior, os buscadores estão cada vez mais se adaptando para buscas por voz.

Hoje, metade das buscas feitas no Google é executada em dispositivos móveis e as pesquisas por voz já cresceram mais de 30%.

Isso significa que a produção de conteúdo digital, obviamente, precisa se adaptar.

O uso das palavras-chave continua importante. Porém, mais do que isso, os algoritmos valorizarão a intenção de busca do usuário, mesmo com variações semânticas.

Por isso, utilize uma linguagem natural e inclua no conteúdo perguntas e frases que seu público pode falar ao pesquisar pelo seu conteúdo.

Vídeo

Por fim, chegamos na maior tendência desse ano: o vídeo!

Nos Estados Unidos, 87% das empresas já usam vídeo como uma estratégia de marketing e esse número vem crescendo exponencialmente.

Em geral, a explicação mais comum para esse fenômeno é que vídeos ajudam o público a compreender um volume grande de informações complexas em pouco tempo.

E, atualmente, prender a atenção do usuário se tornou uma peça-chave em termos de marketing digital.

Fique atento a essa tendência e saiba mais sobre a produção de vídeos para marketing digital em nosso artigo sobre o assunto.

Além disso, se você se interessou pelas tendências de marketing desse ano, confira nosso material que aprofunda as principais transformações para a produção de conteúdo digital.

Conclusão

Esperamos que você tenha esclarecido suas dúvidas e percebido que a produção de conteúdo é uma parte essencial do marketing digital.

Como nós comentamos, a produção de conteúdo de qualidade é essencial, não importa qual das estratégias você decide adotar.

Só com materiais relevantes você consegue se diferenciar da concorrência em um mercado tão competitivo como o atual e chamar a atenção dos seus possíveis clientes.

E para ajudar a sua empresa a colocar isso em prática, existem produtoras de conteúdo que podem assumir parte dessa tarefa. Entre em contato com a Gummy, nós podemos ajudar!

Se você chegou até aqui, agradecemos sinceramente a sua atenção.

Agora, se ainda estiver instigado a aprender mais, não deixe de baixar nosso Ebook “Como entender o que sua persona que ler” e entenda de uma vez por todas como produzir conteúdo realmente relevante.

Até a próxima!

 

 

Geração dividida: entenda o “millennial divide” e seu impacto na produção de conteúdo

Geração dividida: entenda o “millennial divide” e seu impacto na produção de conteúdo

Se você tem dúvidas sobre investir em marketing para millennials, preste atenção nesta estatística: a geração do milênio é composta de 75 milhões de indivíduos apenas nos EUA, com um poder de compra de mais de US $ 600 bilhões.

Engana-se quem pensa que os millennials ainda são adolescentes ou, no máximo, jovens que estão seguindo certas tendências de estilo e comportamento. Há muitos casais com filhos que também fazem parte desse grupo.

Consequentemente, estamos falando de uma geração que, em plena idade adulta, está adquirindo cada vez mais poder de compra, consumindo mais e ditando a cara e o tom do mercado.

Sendo assim, seja qual for seu público-alvo, é quase certo que você encontrará tomadores de decisão e influenciadores pertencentes a esta geração. Então por que não entendê-los melhor? Aproveite este conteúdo e leia sobre:

  • O “Millennials divide” e a divisão da Geração Y
  • Marketing para millennials: quem eles pensam que são?
  • O que o conteúdo deve oferecer para fisgar os millennials?

Millennials e o mercado:

Embora boa parte dos C-Level de grandes empresas ainda pertençam à uma geração anterior, é inegável o impacto das empresas modernas (especialmente ligadas à tecnologia) e de seus funcionários cada vez mais jovens em posições de decisão têm criado.

A influência é tamanha que tem causado uma verdadeira revolução na forma como são geridos os espaços de trabalho e os recursos humanos na empresas.

Afinal, quando pensamos em empresas inovadores, você provavelmente associa o pensamento a jovens da Geração Y trabalhando em um espaço bem decorado, com sofá para uma soneca e atributos descolados e divertidos, como mesas de sinuca, videogames e por que não, um tobogã, como na sede do Google em Tel Aviv.

Imagem relacionada

Não há dúvidas, portanto, que o mercado está sendo influenciado pelo comportamento Millennials no que diz respeito à novas formas de inovação.

Millennials divide e as suas subdivisões em categorias

Mas afinal, os Millennials são todos iguais?

Se você pensa isso, acaba que descobrir que a resposta é não!

No mundo há mais de 80 milhões de millennials. Eles começaram a nascer há exatamente 40 anos (a primeira geração é data de 1979 e a última nasceu, de 1995). E quanto mais próximos a esses extremos, maiores as diferenças entre eles.

Para o Google, este fenômeno tem nome. Chama-se Millennial Divide, ou a divisão da geração Y de acordo com a faixa etária.

Para além das quase duas décadas que os distanciam, as mudanças no planeta, é claro, interferem na sua forma de ver o mundo.

Logo, além de entender princípios de marketing para Millennials, o ideal é você saber com qual deles a sua marca anda conversando e, então, entender suas particularidades e reações a diferentes estímulos. 

Old Millennials

Segundo estudo realizado pelo Google, os Millenials se dividem, então, em dois grandes grupos.

De um lado, os “Old Millennials”, cuja idade varia entre 25 e 34 anos. Este grupo é formado por jovens adultos que viveram boa parte da vida sem internet.

Ser parte desta categoria significa ter sido criança nos anos 90, ter tido seu primeiro Smartphone quando já adulto ou adolescente e,  enquanto se divertia com brinquedos analógicos, ter acompanhado a popularização das primeiras versões do Windows, dos computadores Apple além de, claro, dever se lembrar deste barulhinho aqui.

Mesmo não sendo parte desta fatia de mercado, é importante observar alguns padrões situacionais e comportamentais inerentes a ela:

1) A maior parte dos Old Millennials está passando por momentos difíceis e que exigem grande maturidade.

Muitos vivenciam situações complexas como: conseguir um novo emprego, comprar uma casa ou apartamento, morar junto com o(a) companheiro(a), viajar ou morar para fora do país ou ainda o nascimento de um filho.

2) Adulting é uma palavra que você precisa conhecer se quiser entender melhor este público.

O termo, do inglês, é cada vez mais adotado em sociologia quando abordamos a Geração Y.

Segundo o dicionário Cambridge, Adulting é o ato de comportar-se como um adulto responsável e não como uma criança ou adolescente, em especial no que diz respeito a tarefas cotidianas, como comprar comida saudável, limpar a casa ou pagar boletos.

Embora a vida adulta gere muitos aprendizados e inúmeros memes, o fenômeno Adulting é responsável por uma certa sofrência dos Old Millenials, que frequentemente se comparam a seus pais em idade semelhante e enxergam um enorme gap entre os padrões econômicos vividos outrora e os atuais.

Ao mesmo tempo em que não há mais tempo para desfrutar da vida como um jovem descompromissado, ainda há muito o que conquistar para igualar-se às conquistas da geração anterior. Nesse sentido, “ser adulto” ou “adulting” é tão necessário quando doloroso.

Além disso, já era adulto em 2008 pode acompanhar a grande recessão mundial – que foi ditada pela quebra de grandes instituições financeiras. Essas interferências econômicas refletiram em desemprego e inflação e, consequentemente, trouxeram pessimismo.

3) Procuram por elementos que aliviem o “sofrimento” e facilitem suas rotinas,  como hacks e produtos “detox”

Como vimos, viver situações difíceis e tomar decisões adulta sem crise econômica faz com que os Old Millennials precisem esvaziar a cabeça de vez em quando. Eles adoram fazer isso acessando o YouTube, por exemplo.

Assim como consomem vídeos de “hacks” para fazer algo, há um constante sentimento de nostalgia e eles consomem muito conteúdo relacionado aos anos 90. Afinal, eles passaram a infância e início da juventude nessa década.

Young Millennials

De outro lado, temos os Young Millennials, a geração que já cresceu com medo de estar perdendo alguma coisa, totalmente acelerado pela cultura da velocidade e do imediatismo.

São considerados Young Millennials aqueles com idade entre 18 e 24 anos.

Ao contrário dos OM, já conheceram o mundo em plena recessão econômica e, por esse motivo, tendem a ser mais realistas e conscientes financeiramente.

Por esse motivo, valorizam o tempo dedicado aos estudos e têm a obtenção de títulos e diplomas como maior objetivo.

São hard users de redes sociais, mas respondem a estímulos específicos: não suportam propaganda e 58% afirma que prefere comprar de marcas com as quais se identificam, ou seja, dialogam com seus interesses.

O contraste na mesma geração

É uma forma de ver o mundo bem diferente de quem nasceu no fim da geração de millennials e passou a infância e adolescência nos anos 2000 – que já cresceu sem dar crédito ao milagre econômico, mas viu o mundo se modificar em um simples toque. A velocidade do touch trouxe inúmeras vantagens e ditou padrões de comportamento sem precedentes.

Para eles, smartphones e redes sociais são regra desde a escola.

Longe da nostalgia, para os young millennials a vida não só é agora, como só se vive uma vez.

Eles também gostam do Youtube, mas não para extravasar: no caso deles, ele é o maior parceiro na hora de aprender, já que o sonho do diploma é mais real para quem nasceu no início da geração de millennials.

Mas o que eles têm em comum? Ou como integrar essas duas gerações?

O acesso à informação é um caminho certeiro para ambas!

Marketing para millennials: quem eles pensam que são?

Para além de colocá-los em um gráfico, é preciso conhecer o que os interessa. Pelo que se apaixonam. Quais são seus dramas e como se comportam.

Essas informações são valiosas para  a sua estratégia de marketing para a geração Y. Vamos lá?

Sem anúncios tradicionais, por favor

Uma das coisas mais específicas que podemos dizer agora e que pode surtir o efeito que você deseja é: se quiser se comunicar com a geração do milênio, abandone a ideia de apenas divulgar uma marca.

Eles não são atraídos por esse tipo de estratégia – a menos que veja muito sentido em fazê-lo. Concentre-se em conteúdos relevantes: anúncios tradicionais não influenciam seu comportamento de compra.

O que o conteúdo deve oferecer para fisgar os millennials?

  • Nem pense em não ser original;
  • Logo, autenticidade é essencial;
  • Imagem é tudo;
  • Sem rodeios, seja direto!
  • Informe, eduque, inspire.

Vamos juntos acompanhar algumas características que podem definir a geração Y. Assim, poderemos desenhar um mapa informativo e bem intuitivo com estratégias de marketing digital para millennials.

O que nós queremos? Conexão!

Novo zapear da tv

É claro que essa geração assiste menos televisão e, se assiste, quase não presta atenção aos anúncios. Então, antes de irmos adiante, esqueça a ideia de produzir esse tipo de conteúdo, ok?

Por outro lado, informe-se sobre branded content na era digital. Você receberá informações de como adaptar a propaganda à nova era da informação. Não é nenhuma novidade que, para eles, passar o feed das redes sociais é o novo zapear da TV.

Você precisará dialogar com o tal “medo de perder algo” que a geração Y carrega. Esse receio foi batizado de Fomo. É ele quem faz com que essa galera cheque constantemente as mídias sociais, mantendo-se constantemente atualizados.

Eles não querem de jeito nenhum perder algum conteúdo.

Logo, una o útil ao agradável: produza conteúdos para que eles se conectem ao que você tem a dizer. Se os millennials sentirem que podem estar perdendo algo ao não acessar o seu conteúdo, você terá acertado o caminho.

Politicamente corretos e muito altruístas

O sistema de valores deles inclui – com muita força – o altruísmo. Não há mais como ignorar que essa nova geração quer fazer contato e manter relações com empresas que estejam engajadas com questões sociais e ambientais.

Não estamos apenas falando de causas que você pode ajudar ou colaborar com o trabalho. Os millennials querem mais do que isso.

Eles precisam compreender qual é o seu histórico como organização: a visão política dos seus executivos, o sistema de trabalho dos seus colaboradores e, ainda, como lida com as questões ambientais. E, acredite, eles querem mesmo saber! Conte tudo ou, melhor do que isso, não esconda nada.

Tente entregar algum valor, mas seja autêntico ao fazer isso. Aproveite, também, para dar ao seu público-alvo uma visão dos bastidores. Como a sua empresa funciona? Onde?

Lembre-se que a comunidade da geração Y é multicultural. Para se conectar efetivamente, não ignore campanhas que abordem várias subculturas étnicas.

Boca a boca online

A geração Y não faz a compra apenas pela sua necessidade. Para efetuar o pedido, eles levam em consideração, por exemplo, as avaliações online.

Também querem feedbacks de amigos e de familiares sobre produtos e marcas – e levam essas trocas muito em conta.

Eles acreditam que o conteúdo gerado por usuários tem mais valor do que aquele gerado pela própria empresa. É o tradicional boca a boca feito de forma eletrônica.

Mais do que isso, feito por meio de dispositivos móveis.

Dados para insights

Aproveite o fato dessa geração permanecer muito tempo online: extraia informações úteis sobre como você pode lançar seu produto ou modelar sua marca conforme a expectativa deles.

A internet também é espaço para a interação da sua empresa. Nas mídias sociais, comentários, dúvidas, reclamações, sugestões, estão todos abertos para quem quiser ver. Comente, agradeça, responda. Comunique-se.

Interação e educação

Se eles gostam mais de conteúdo gerado por meio de vídeos e compartilham mais esse tipo de informação, você já sabe o que fazer.

Eles certamente já não estão mais tão ligados no Facebook. Estão se comunicando com amigos, familiares e personalidades no Snapchat e Instagram. O Youtube também é um dos queridinhos dos millennials.

Lembra que eles adoram conteúdo interativo? Então, abuse de enquetes, infográficos, pesquisas – informações assim podem viralizar em segundos.

Confira nosso artigo sobre como produzir conteúdo para jovens para entender melhor.

Otimize seu conteúdo para vários dispositivos. Smartphone, tablet e laptop! E, claro, não esqueça que a autenticidade combina com todos esses formatos.

Esperamos que este conteúdo sobre marketing para millennials tenha sido útil e sanado todas as suas dúvidas sobre essa geração tão intrigante.

Quer se conectar com a gente? Conte-nos sobre sua experiência com a geração Y nos comentários. Até a próxima!

Página 1 de 712345...Última »

Contato