Como medir o ROI do vídeo marketing

Como medir o ROI do vídeo marketing

Você já deve ter percebido que, de uns tempos pra cá, têm se falado muito mais em vídeo marketing. Hoje, precisamente, falaremos sobre um aspecto específico desta tendência tão vantajosa que se mostrou quase unanimidade entre empresas que utilizam marketing digital. Abordaremos o ROI do vídeo marketing.

No último ano, houve um crescimento de 6% no número de adeptos. Conforme a pesquisa da Hubspot, crescemos de 81% para 87% no total de empresas que utilizam vídeo.

Neste post, vamos desmistificar algumas questões ao redor dos custos de produção de vídeo e o retorno oferecido por esse formato de conteúdo na estratégia Inbound.

Você vai ler sobre:

  • Motivos pelos quais o ROI do Video Marketing é seguro e vantajoso
  • Como calcular custos de produção de vídeos para obter resultados
  • Por que o Vídeo Marketing é uma das tendências que mais cresce

 

Precisamos falar sobre ROI do Vídeo Marketing

O Vídeo Marketing não para de crescer. A versatilidade e as facilidades oferecidas por esse tipo de conteúdo o transformaram no verdadeiro queridinho da Internet.

Dica: Se você está com dificuldades de entender o que é vídeo marketing, clique aqui e confira este post antes de continuar esta leitura.

Dito isso, vamos ao ROI.

Podemos dizer que os custos da produção de vídeo se justificam rapidamente diante do Retorno Sobre o Investimento (ROI).

Para te dar uma ideia, a mesma pesquisa da Hubspot que citamos anteriormente mostra que o uso de Vídeo Marketing em estratégias Inbound pode gerar um aumento de 78% no ROI. Tudo isso como resultado de apenas um ano de uso de vídeos como ferramenta.

A longo prazo – assim como acontece no próprio do Inbound -, é possível considerar resultados ainda melhores, afinal, assim como artigos, quanto mais tempo de vigência, mais refinada é a estratégia,  a qualidade e a assertividade dos vídeos produzidos.

Além disso, o uso de vídeos como ferramenta de marketing serve a diferentes objetivos, como geração de leads e conversões em venda – provando que pode facilmente ser usado para gerar novos negócios.

Em suma, a versatilidade e o grande potencial de resultados são os principais benefícios do Vídeo Marketing.

Quanto custa? Considerando o excelente ROI, os custos são bem menores do que pode parecer num primeiro momento.

Entenda, a seguir!

 

Os principais benefícios do Vídeo Marketing

Antes de falar em custos, vamos falar de coisa boa!

Os benefícios de ações de Vídeo Marketing são importantes demais para ficar ofuscados. Por isso, decidimos criar uma pequena lista para explicar cada um deles. Confira:

 

1- Baixo custo de produção x ROI do Vídeo Marketing

Muitos gestores têm a impressão errada de que, para produzir este tipo de conteúdo, é preciso desembolsar uma fortuna.

Há alguns anos, até poderia ser. Mas hoje, já é possível fazer um bom trabalho contando com baixos custos de produção de vídeo.

Em partes, isso acontece devido à acessibilidade dos equipamentos nos últimos anos.

Hoje qualquer pessoa é capaz de produzir conteúdo em vídeo, em boa parte graças à popularização dos smartphones.

Muitos celulares possuem câmeras de excelente qualidade e de fácil utilização, o que faz com que, basicamente, qualquer pessoa que possua um smartphone, possa produzir vídeos.

É claro que, em sua estratégia de marketing, o ideal é dar um passo além e usar recursos profissionais, sobretudo para criação de formatos mais complexos, como vídeos animados, por exemplo.

Garantindo a qualidade do material, é muito mais fácil otimizar o ROI do Vídeo Marketing.

Em seguida, vamos falar sobre resultados possíveis com Vídeo Marketing.

Mas já adiantando para você continuar a leitura: embedar vídeos em uma página aumenta as taxas de conversão em 80%

Dá pra ter uma boa ideia de como os benefícios incidem sobre o ROI do Vídeo Marketing, não é mesmo?

 

2- Popularidade na Internet e capacidade de engajamento

Pela praticidade do consumo – em modo especial, através de dispositivos móveis – os vídeos tornaram-se os favoritos dentre os usuários.

Afinal, quem não aproveita o seu tempo livre para assistir a um vídeo nas redes sociais?

O fato é que adultos gastam, em média, 105 minutos por dia assistindo a vídeos.

Uma pesquisa recente realizada pelo eMarketer mostra que o tempo gasto por um adulto assistindo vídeos na internet diariamente aumenta a cada ano, tendo passado de 1:23 minutos em 2014 para  1:54 minutos em 2019.

Detalhe: os números não consideram vídeos vistos em redes sociais, ou chegaríamos em número ainda mais elevados.

Com o Vídeo Marketing, você pode condensar grandes volumes de informação, utilizando textos e recursos audiovisuais para comunicar melhor.

E por falar em engajamento, isso é o que o video marketing tem de sobra: o uso de vídeos resulta em uma taxa impressionante de 1200% mais compartilhamentos do que outros formatos.

 

3- Prioridade no rankeamento por mecanismos de busca

Com o avanço dos algoritmos em mecanismos de busca, os vídeos são privilegiados. Para se adaptar ao novo comportamento dos usuários na internet, a ferramenta reconhece sites com vídeos como sendo de maior qualidade. Na prática, isso significa que estes conteúdos aparecem destacados nas primeiras páginas de busca. Veja:

roi do vídeo marketing

Logo abaixo dos anúncios pagos e das sugestões do Google, estão os vídeos.

Confirmando este comportamento, a WordStream divulgou que, quando estão presentes na página, eles podem melhorar o seu posicionamento em 157%.

Estas são vantagens que garantem um investimento bem sucedido.

Veja, nos próximos tópicos, como medir ROI do Video Marketing para certificar-se de que a sua estratégia está no caminho certo.

Os KPIs para avaliar o ROI do Vídeo Marketing

O acompanhamento das métricas deve ser parte do trabalho do gestor de Marketing. Logo, ao produzir vídeos, não se esqueça de monitorar os resultados obtidos.

Diante da versatilidade desse formato, é importante frisar que KPIs dependem dos objetivos iniciais de cada um. Por isso, antes de calcular qualquer coisa, tenha em mente que seu vídeo se insere em uma estratégia clara e que serve a objetivos pré-definidos.

Feito isso, estude os KPIs possíveis para metrificar seu sucesso. Alguns deles, são:

 

Brand Awareness e nutrição de leads

Se o foco é despertar sentimentos e influenciar a percepção do lead sobre a marca, o ROI do Video Marketing deve ser medido por:

  • Feedback: teor dos comentários e das reações do público nas redes;
  • Engajamento: número total de interações com a postagem, tais como likes, número de inscritos e compartilhamentos;
  • Número de visualizações e Click Through Rate (CTR): quantidade sobre a busca e o consumo do vídeo pelas personas.

 

Aumento de vendas e receita

Agora, se a sua meta é vender com a divulgação do material em vídeo, os Key Performance Indicators (KPIs) mais adequados são:

  • Taxa de conversão: quantos leads acessaram à canais de compra através do vídeo;
  • Faturamento: valor dos custos da receita total arrecadada;
  • Cálculo do ROI: aplicação da fórmula para encontrar o valor.

Afinal, como calcular o ROI do Video Marketing?

Para não ter mais dúvidas de que a ação entrega o retorno prometido, nada melhor do que verificar você mesmo. Portanto, é necessário que você saiba como calcular o ROI do Vídeo Marketing da sua empresa.

A fórmula é a seguinte: ROI = (Receita obtida – Investimento total) / Investimento total

Neste cálculo para o ROI do Vídeo Marketing, a receita obtida é a soma de todo o valor arrecadado com a estratégia. Mas fique atento(a): utilize os KPIs certos para não misturar os dados. Aqui, devem entrar somente os números obtidos dos resultados das campanhas, avaliando quantas pessoas foram impactadas e engajadas.

Já o investimento total é soma de todos os gastos com a produção de vídeos. Isto vai desde a fase de pré-produção até a conclusão do projeto. É importante contabilizar tudo: custos fixos (água, luz etc), com materiais para produção de roteiro e planejamento, equipamentos e assim por diante. Quanto mais detalhada for essa lista, mais assertivo será o cálculo.

Calculando o ROI da produção de vídeos na prática

Veja um exemplo para facilitar:

Investimento total: R$ 6.500

  • Gravação (locação + equipamentos): R$1.000
  • Roteirista: R$ 500
  • Animador: R$1.500
  • Divulgação e Vídeo Marketing: R$2.200
  • Edição: R$1.000
  • Outros custos (luz, material de escritório, etc): R$300

Receita obtida: R$ 19.500

ROI = (19.500 – 6.500) / 6.500 = 2 ou 200%

Mantendo isso sobre controle, você atinge um crescimento saudável, seguro e planejado. Comece com produções menores e avalie o que funciona melhor. Com o passar do tempo, saberá no que investir para ter resultados mais vantajosos.

Compare todos esses dados com os números anteriores ao uso de Vídeo Marketing para ter um panorama claro da mudança gerada após a sua implementação.

Percebe como o formato impacta positivamente sua estratégia? O investimento é mais do que vantajoso: é necessário para manter-se competitivo na era digital. Por isso, criamos um conteúdo aprofundado, reunindo toda a informação de que precisa para aderir à tendência.

Clique aqui e leia um guia incrível sobre a produção de vídeos para Marketing Digital!

Além disso, criamos um setor totalmente voltado à produção de vídeos WOW!, como todos os nossos conteúdos. Caso precise de ajuda, nós temos a solução! Entre em contato 😉

 

Produção de vídeo para marketing digital: guia completo

Produção de vídeo para marketing digital: guia completo

Há quem diga que uma imagem vale mais do que mil palavras… Nesse caso, você já parou para pensar sobre quanto vale um vídeo? Afinal, qual o valor da combinação dos conteúdos audiovisuais para o consumidor digital?

Se você hesita ao responder a esta questão, ou tem dúvidas produção de vídeo para Marketing Digital, dá só uma olhada nisso:

Comportamento do consumidor digital em relação a vídeos:

Com base nesses números, dá para ter uma boa ideia do impacto dos vídeos no cenário digital, certo?

Não é a toa que o vídeo marketing é considerado o maior aliado do marketing de conteúdo neste momento. Por isso, queremos que você conheça tudo sobre essa tendência!

Está chegando agora e deseja entender o que é vídeo marketing antes de avançar? Clique aqui.

Agora, já se sente pronto para obter um conhecimento mais avançado? Vem com a gente!

A seguir, leia tudo o que você precisa saber sobre produção de vídeos para internet. Confira!

 

Video Marketing: uma tendência para o sucesso

2018 foi ótimo para quem apostou em vídeo marketing: nos Estados Unidos, 81% era o número de empresas que já utilizavam a prática. Porém, em 2019, a expectativa é de que o crescimento seja ainda maior. Conforme os dados da Hubspot, o índice deve subir para 87% e a tendência, expandir-se para outras regiões do mundo.

De fato, em plena Era Digital, formatos amigáveis às redes sociais e aos dispositivos móveis estão dominando a web.

Um dos motivos que justifica a ascensão da popularidade dos vídeos é o fato de eles assimilarem um grande volume de informações em pouco tempo, além serem um formato de consumo fácil e que se adapta à necessidade e ao estilo de vida do consumidor digital.

Graças a conteúdo em vídeo, falta de tempo para acompanhar notícias, por exemplo, deixa de ser um problema.

Pense conosco: quantas vezes ao dia você se pega conferindo vídeos no Stories, vendo um vídeo que resume uma notícia e até mesmo compartilhando vídeos engraçados com amigos via whatsapp? A gente aposta que várias!

Pesquisas recentes acompanham esta reflexão e mostram que 55% das pessoas já assistem a vídeos online todos os dias.

Diante destas informações, qualquer profissional de marketing que almeja melhorias nos resultados já deve estar, no mínimo, considerando a adoção dessa estratégia.

Mas, afinal, como iniciar a produção de vídeo para marketing digital? Continue lendo para entender todo o processo.

 

Potencial das estratégias de Vídeo Marketing

Quando falamos no uso de vídeo, versatilidade é uma ótima palavra para definí-lo.

Graças ao enorme potencial de variação, uma ação de video marketing pode facilmente integrar diversos tipos de campanhas, sejam de marketing conteúdo, redes sociais e até mesmo branding.

Além disso, demonstram-se excelentes complementos para conteúdos escritos no marketing digital, com o diferencial de demonstrar grande capacidade de engajamento.

Isso se dá ao fato de vídeos serem materiais curtos, de fácil compreensão e, consequentemente, os favoritos para o compartilhamento em redes sociais.

Porém, não pense que apenas memes ganham relevância nos canais digitais. Um dado interessante mostrou que 83% de usuários que aceitam divulgar vídeos criados por uma marca.

Para isso, é fundamental que eles entregam valor e relevância para o seu público-alvo e, de alguma forma, chamem a atenção dele.

Para melhorar engajamento, tente despertar nos usuários algum tipo de emoção: alegria, tristeza, nostalgia, medo, curiosidade: quando o assunto é vídeo, não há limites para criar interações.

 

Tipos de vídeos favoritos do público

Dentre os formatos possíveis para a produção de vídeo, as possibilidades também são inúmeras, confira:

produção de vídeos para marketing digital

Fonte: Hubspot

Apesar de redes sociais propiciaram maior visibilidade os conteúdos em vídeo, esses canais não são as melhore opções para upload de vídeos. Nesse sentido, a preferência continua sendo o YouTube, o qual se mantém como o favorito por 87% das empresas.

Um ponto a considerar dentro do potencial do Vídeo Marketing é, também, sua rápida evolução.

Empresas e produtoras de vídeo que acompanham essas mudanças têm tudo para obter resultados concretos.

Por outro lado, aqueles que seguem tendências, devem manter-se cada vez mais alertas para não encontrarem dificuldades no futuro.

Para ter ideia de como o vídeo evolui conforme demanda, no Youtube, por exemplo, existe uma tendência crescente de vídeos otimizados para execução vertical – atendendo, portanto, a uma necessidade cada vez maior de consumo mobile.

Está aí um ponto para ficar de olho e considerar na produção de vídeo daqui para frente.

Em suma, o potencial Vídeo Marketing até apenas começando a ser explorado. Some isso ao fato de os custos de produção de vídeos são cada vez menores – hoje, é possível produzir vídeos utilizando apenas a câmera de um smartphone – e a perspectiva fica ainda maior.

Sendo assim, se você ainda não utilize vídeos em sua estratégia de conteúdo, atenção, não corra o risco de ficar para trás!

A seguir, separamos dicas preciosas para incentivar você a dar um passo adiante na produção de vídeos para marketing digital. Continue lendo!

Leia também: Por que os vídeos e podcasts estão bombando no Marketing Digital?

 

 

Como iniciar a produção de vídeos para Marketing Digital?

Nesse ponto, certamente você já entendeu porque o Vídeo Marketing é a maior aposta do Marketing Digital.

Agora, é preciso informações úteis para organizar a produção de vídeo de forma a obter resultados concretos.

Algumas das melhores práticas de produção de vídeo para internet que conhecemos, usamos e aprovamos, estão descritas  a seguir, começando pelo planejamento.

Primeiramente, é necessário planejar o material. Neste momento, você deve se perguntar questões como:

  • Qual o objetivo do meu vídeo? Ex: Vender um produto ou divulgar a marca, gerar leads.
  • Em que etapa da jornada se encaixa? Como esse material auxilia na conversão?
  • Como será o vídeo? Qual a técnica mais eficiente para impactar minhas personas? Tenho orçamento e insumos para esse tipo de produção?

Uma vez respondidas essas questões, você está pronto para dar início à produção de vídeo para marketing digital.

A partir daqui, recomendamos que siga as seguintes etapas:

 

1- Brainstormig

Coloque a equipe para pensar e vá anotando tudo. Neste momento, deixe a crítica de lado e permita que as ideias fluam, sem censura. O foco está no volume para que, depois, você possa fazer uma triagem dos melhores insights.

 

2- Cronograma

É possível que o brainstorming gere material para mais de uma produção de vídeo. Assim, você possui conteúdo regular para a alimentação da estratégia Inbound durante um tempo.

Porém, uma coisa de cada vez! Crie um calendário prevendo cada etapa – da produção ao lançamento –  para garantir que ninguém ficará perdido.

 

3- Briefagem

Tenha em mente que a qualidade do material será um reflexo do briefing. Serve para guiar o processo de produção. Por isso, deve conter as informações necessárias e referências para os desenvolvedores do roteiro, datas de gravação, personas alvo, dentre outros.

Caso esteja se sentindo perdido, clique aqui e encontre um modelo de briefing para vídeo marketing.

 

4- Roteiro

O roteiro é o documento que contém todas as informações ligadas ao vídeo propriamente dito. Isso quer dizer:

  • Registro de todas as falas, ações, personagens e ordem em que cada ação acontece.
  • Divisão de cenas e descrição das necessidades de cada uma (locação, câmera, enquadramento, etc.)
  • Escolhas técnicas, temáticas e estéticas que fazem parte da concepção do vídeo.

Tudo isso serve para que o material possa ser compartilhado entre a equipe e cada um saiba exatamente o que fazer.

Como exemplo de um recurso interessante para compor roteiros engajantes, podemos citar o storytelling.

O storytelling visa contar histórias envolventes para deixar o material mais atrativo. Desde criança, todo mundo gosta de um bom conto!

Quando observamos um personagem resolver seus conflitos e alcançar os resultados, nos identificamos melhor com o material.

Isso gera conexões e desenvolve o chamado rapport, tão necessário para acelerar o processo de compra.

Lembra quando a Pepsi juntou Beyoncé, Britney Spears e P!nk num storytelling genial?

 

 

 

Para gerar esse efeito a empresa utilizou figuras populares da mídia e música de impacto. Por si só, esses elementos já agregam bastante valor ao material.

Entretanto, a Pepsi deu um passo além: criou uma narrativa, caracterizando as cantoras como gladiadoras à serviço de César.

Com a reviravolta das guerreiras ao som de “We Will Rock You”, o material surpreende e termina mostrando o refrigerante gelado, como um privilégio conquistado com sua luta.

5- Produção de vídeo para marketing digital

Nessa etapa, faça uma lista de todos os equipamentos necessários para a produção de vídeo.

Há casos em que a lista será enxuta, como, por exemplo, casos ainda em que o vídeo resulta da gravação da tela do computador, bastante usado por empresas SaaS. Ainda assim, vale conferir se a máquina utilizada oferece o recurso de gravação de tela e garantir cuidados com a pós-produção – inclusão de trilha, lettering, etc.

Em outros, serão necessários recursos mais avançados, como câmeras, iluminação e até mesmo softwares, no caso de vídeos motion. certifique-se de ter um profissional disponível para execução do vídeo ou, se preferir, terceirize o trabalho com uma produtora especializada.

Além disso, lembre-se também de garantir que suas locações – ou locais de filmagem – estarão disponíveis. Afinal, você já pensou no prejuízo de mobilizar uma equipe inteira para a gravação e encontrar o espaço ocupado. Quem avisa, amigo é!

Finalmente, garanta que todos os envolvidos tenham acesso ao roteiro e todos as informações necessárias para a execução das tarefas. Isso acaba incluindo detalhes sobre planos de câmeras, interações entre os participantes e conteúdo a ser desdobrado no material.

 

6- Edição

Terminada a captação, é hora de tornar o material filmado em um vídeo para marketing digital completo. Atenção à esta etapa!

A edição é a oportunidade de consertar pequenos erros durante as gravações e dar brilho ao material, fazendo com que se destaque.

 

 

7- Otimização SEO no YouTube

Para fechar com chave de ouro, basta garantir que o material seja encontrado e consumido.

Já que o YouTube é a plataforma favorita para upload de vídeos, vamos falar um pouco mais sobre como levar seus vídeos ao topo das buscas nesta plataforma.

Começando pela relevância e valor agregado do conteúdo. Diferente do algoritmo do Google, que escaneia os textos publicados na web para entender seu contexto, no Youtube, o formato não permite esse tipo de identificação.

Dessa forma, o algoritmo da plataforma utiliza critérios próprios identificar a qualidade dos conteúdos subidos e posicioná-los de forma coerente à busca dos usuários.

Assim, os fatores considerados pelo Youtube giram em torno de qualidade, engajamento e qualidade de metadados – ou seja, conteúdos utilizados para descrever as informações do vídeo.

Para o Youtube, indicadores qualitativos são, por exemplo, o tamanho do vídeo e a qualidade da imagem.

Já em relação ao engajamento, podemos destacar métricas como como:

  • Número de visualizações;
  • Número de compartilhamentos;
  • Likes e dislikes;
  • Quantidade de comentários;
  • Retenção de usuários;
  • Total de assinaturas após a visualização;

Engajamento é, sem dúvidas, o fator que mais influencia o algoritmo de buscas do site.

Portanto, para colocar seu canal no topo das pesquisas, sempre incentive e possibilite interações com os consumidores.

Procure fazer perguntas durante os vídeos que inspiram comentários, incentivar o compartilhamento a as inscrições no canal através de recursos visuais e falados.

Otimização de metadados

Fora isso, não esqueça que seu vídeo também conta com diversas inserções de texto (os metadados, ou dados que descrevem o conteúdo).

  • Nome do arquivo que será upado;
  • Título do vídeo no canal do YouTube;
  • Legendas disponibilizadas;
  • Descrição do vídeo;
  • Descrição e nome da empresa;

Utilize tags inteligentes para garantir que seu vídeo seja encontrado por quem procura informações sobre determinado tema.

Em todos esses itens, os práticas de SEO são válidas no Youtube. Isso significa que você deve planejar cada um desses campos para conter as keywords foco.

Finalmente, uma boa tática de otimização SEO para Youtube é o estruturação das thumbnails. Elas são a “capa” do seu vídeo, ou seja, aquela imagem estática que aparece antes de dar play. Sem dúvidas, podem ser fundamentais para o visitante decidir se clicará ou não no material.

Junte estas dicas a um conteúdo de qualidade e voilà!

Com certeza, você terá o vídeo dos sonhos, na medida certa para impressionar suas personas e alavancar as vendas.

Não deixe a desejar na otimização. Clique aqui saiba mais detalhes de como funciona SEO para YouTube!

 

Tipos de vídeo para marketing digital e as suas funções

 

 

Como você já deve ter percebido, há uma infinidade de tipos de vídeos que podem ser utilizados no Marketing Digital.

Enquanto alguns devem abordar características do produto, outros ensinam como usá-lo ou abordam temas ligados indiretamente à solução oferecida. Cada um deles possui um uso apropriado dentro do funil de vendas.

Clique aqui saber mais sobre qual o formato de vídeo ideal para cada etapa do funil

Portanto, é o caso de avaliar seus objetivos e ver qual melhor se encaixa. Listamos alguns tipos de vídeo, a seguir:

Vídeo animação

Excelente para definir conceitos e temas para topo e meio de funil, o vídeo animação, também conhecido como Motion Graphics, é aquele feito com técnicas 2D ou 3D.

É muito popular nas estratégias de Marketing Digital, pois une eficiência e praticidade.

Isso não significa, porém, que envolva menos técnica – pelo contrário! Mas a sua produção oferece algumas facilidades, principalmente quando se trata de logística e custo-benefício.

O vídeo animação pode ser produzido por um único profissional especializado, inclusive. Basta que tenha conhecimento e um ótimo software para edição.

Desse modo, pulamos as etapas de deslocamento e gravação, entre outras. Assim como também evitamos custos com atores e aluguel de equipamentos. Na prática, isso representa uma grande economia de tempo e de recursos.

Além disso, as animações são um ótimas recurso para empresas de software, tecnologia ou que possuam pouca atratividade visual e queiram escrever sua solução de forma didática e agradável, fugindo do óbvio e do aspecto “chato”.

Com ótima aceitação, elas transformam em materiais explicativos ricos e engajadores, facilmente consumíveis e compartilháveis.

Leia mais sobre vídeo animação, aqui.

Vídeo institucional

Esse é o tradicional vídeo para apresentar a empresa ou instituição. Ele funciona como um cartão de visitas, voltado para reforçar o branding, sendo ideal o fundo de funil.

Costumavam ser vídeos longos, falando apenas do negócio e apresentando as informações sobre sua trajetória, os objetivos etc. Com o tempo, mudaram as exigências dos consumidores e os profissionais de marketing entenderam a necessidade de transformar esse conteúdo “comercial” em algo com maior apelo emocional, gerando identificação e conectando a marca com seu público alvo.

Hoje, os vídeos institucionais costuma ser mais curtos e priorizam engajamento, como tudo no Marketing Digital.

Ao invés de trazer informações cruas e redundantes sobre o negócio, são usadas táticas de storytelling e outros formatos criativos de apresentar a história de empresa de forma relevante e, por que não, emocionante, para o seu público-alvo.

Você pode ver exemplos e mais detalhes, neste post!

Vídeo aula

A vídeo aula (ou tutorial) é aquela que instrui o seu visitante. Pode ser ensinando a usar sua solução ou qualquer outro assunto de interesse das suas personas. Afinal, quem nunca se viu num aperto e correu para o Google, a fim de descobrir um passo a passo de como executar uma ação?

Da troca de chuveiro a “como dar um nó de gravata”, o fato é que quase todo mundo já foi salvo por esse recurso.

Esse tipo de material pode ser utilizado em qualquer fase do funil de vendas, tudo depende do seu objetivo. É possível que seja um conteúdo de topo, quando se tratar de um assunto relacionado ao mercado do lead.

Mas também pode ser de meio ou fundo, quando estiver voltado à demonstração de uso do produto. Ou seja: é um material absolutamente versátil, de acordo com o foco do seu planejamento.

Quando você demonstra utilidade e meios de alcançar estes resultados através de vídeos, as chances de um visitante ficar inspirado e comprar o produto são maiores.

Outra dica sobre o uso de vídeo aula é criar minicursos online. Depois, basta oferecê-lo como um material rico e usar formulários para o registro do lead na base.

Veja, aqui, um guia sobre como produzir e roteirizar vídeoaulas!

Confira outros formatos eficientes para produção de vídeo em nosso eBook “Como gerar conteúdos com vídeo”.

As alternativas são diversas e, com o formato certo na etapa certa de jornada, o potencial de atingir resultados é ainda maior.

A dica é: enxergue os vídeos como uma extensão de sua produção de conteúdo. Assim, você agrada à todos os gostos e maximiza a geração de oportunidades de venda.

Leia também sobre como utilizar vídeos para vendas.

 

E agora, como começar a produzir para marketing digital?

Os benefícios da produção de vídeo para Marketing Digital são realmente incríveis.

Mas você deve estar se perguntando: “como eu faço para entrar nessa? Devo produzir internamente ou contratar uma produtora de vídeo?”.

Calma, não entre em pânico!

Entendemos que produzir vídeos de uma hora para a outra é um algo complicado.

Como já vimos, isso exige uma série de processos e etapas que apenas profissionais qualificados podem executar. Afinal, roteiro, edição, operação de câmeras… Nada pode ser improvisado, se você espera por resultados de qualidade.

Uma das opções é montar um departamento interno para produção de vídeos. Outra, é contratar uma produtora de vídeo especializada em marketing digital. Terceirizando essa demanda, você tem uma garantia de excelência e não precisa mais se incomodar com questões como cronograma, execução e ferramentas a serem utilizadas.

Nesse cenário, a terceirização torna o investimento mais seguro e assertivo, pois não sobrecarrega o seu departamento com novas demandas ou corre o risco de errar a mão, criando materiais sem engajamento.

Portanto, se você não estiver confortável em produzir seus próprios vídeos, não pense duas vezes.

Busque ajuda especializada e faça parte da maior tendência do Marketing Digital na atualidade! Está esperando o que? Entre em contato com a gente!

Para continuar lendo sobre produção de vídeos para marketing digital,  baixe também nosso eBook “Como gerar resultados com Vídeo Marketing”.

produção de vídeo para marketing digital

Se você curtiu esse post, não deixe de deixar sua opinião nos comentários. Saber o que você está achando do blog é fundamental para trazermos conteúdos cade vez melhores. 🙂

Até a próxima

 

 

 

Como aumentar a taxa de conversão em blogs

Como aumentar a taxa de conversão em blogs

 

É provável que seu blog tenha se tornado o ponto zero, o lugar em que você se promove, promove sua empresa e suas ideias. Seu blog é uma ferramenta estratégica de negócios, mas você está tratando ele dessa maneira? Você aplica as técnicas de como aumentar a taxa de conversão em blogs?

Durante anos, o layout “típico” dos blogs era o mesmo, com conteúdo à esquerda e uma barra lateral à direita. Havia o conjunto usual de widgets e ornamentos que decoravam o lado e, em uma palavra, o visual de tais blogs era cheio.

Não acha que está na hora de começar a repensar o layout da postagem de blog? É hora de torná-lo um pouco mais estratégico.

É sobre isso que vamos falar nas dicas a seguir: como aumentar a taxa de conversão em blogs e ter sucesso com sua estratégia de marketing de conteúdo.

 

Concentre-se na taxa de conversão do seu blog

 

O problema com a maioria dos blogs é que eles não têm uma coisa simples chamada foco. Você sabe porque seu blog existe? Sugerimos que seja por duas razões simples:

  1. Seu blog deve exibir e distribuir bem seu conteúdo.
  2. Seu blog deve converter visitantes em leitores e futuros clientes.

Com isso em mente, como está a taxa de conversão do seu blog? Essa é a taxa que mede a quantidade de visitantes que convertem para o call to action (CTA) desejado.

Você está se concentrando em uma única frase de CTA que pode acompanhar e avaliar?

Quanto mais opções damos aos nossos leitores, menor a probabilidade de eles realmente fazerem o que queremos que eles façam quando visitam nosso site.

À medida que eliminamos o excesso, estreitamos nosso foco e naturalmente criamos oportunidades para aumentar a taxa de conversão em blogs.

Aqui estão algumas maneiras práticas pelas quais podemos fazer exatamente isso.

 

Como aumentar a taxa de conversão em blogs: 7 dicas

 

 

Dica #1 – escolha uma única chamada para ação (CTA)

Durante anos, a barra lateral típica dos blogs foi algo parecido com isto:

Cheia, colorida e confusa. O que você realmente quer que o leitor faça com tudo isso?

Muitas vezes, quando tentamos decidir o que queremos que nossos leitores façam, ficamos confusos. Queremos que eles:

  • nos sigam no Twitter;
  • se inscrevam em nosso feed RSS;
  • baixem um ebook gratuito;
  • cliquem em um anúncio.

Ufa! Pode ser muito fácil pensar no visitante da web como um personagem em um romance do tipo escolha-sua-própria-aventura. Eles estão lá para intriga e suspense, na esperança de ver algo interessante.

Isso geralmente não é o caso. O tempo médio que um usuário gasta em um site é, na melhor das hipóteses, de apenas 20 segundos. Você tem que fazer valer.

Então, se você pudesse escolher apenas uma coisa para o seu leitor fazer (além de realmente ler o artigo), qual seria?

Escolha uma única frase de CTA. Esta tarefa simples irá melhorar instantaneamente a taxa de conversão.

Por exemplo, torne seu objetivo converter um visitante em um leitor com uma inscrição por e-mail na newsletter do blog ou com um curso gratuito.

Essa é uma call-to-action simples, mas poderosa, na qual você pode se concentrar como uma forma de aumentar a taxa de conversão em blogs.

Dica #2 – Cortar os anúncios

Você não está ficando rico e famoso com os anúncios da barra lateral veiculados pelo Google. Então por que eles estão lá?

A menos que você receba uma tonelada de tráfego, é improvável que esses anúncios estejam valendo a pena para você.

Na verdade, eles podem estar fazendo mais mal do que bem. Você está ok com um potencial lead ficando distraído por uma pilha de anúncios na barra lateral? Você está bem com eles perdendo completamente seu call-to-action?

Se você tem anúncios, isso está acontecendo.

Como aumentar a taxa de conversão em blogs pode ser tão simples quanto cortar a desordem excessiva e limpar sua barra lateral.

Esses anúncios podem valer a pena para um site de alto tráfego, mas esse não é o caso da maioria dos blogs.

Considere descartá-los totalmente em favor de mais espaço para respirar e um melhor foco em seus objetivos tangíveis.

Dica #3 – Cortar a barra lateral

Enquanto você está hackeando esses anúncios, talvez seja hora de abandonar a barra lateral por completo.

De muitas maneiras, a barra lateral do blog se tornou uma lixeira para todos os nossos caprichos. Infelizmente, há muitos caprichos:

  • Publicidades
  • Plugin do Facebook
  • Lista de categorias
  • Postagens recentes
  • Me siga! Me siga!
  • Links para sites favoritos
  • Blogroll, alguém?
  • Feed RSS
  • Inscrição em newsletter
  • Um link para outro projeto

Você entendeu a ideia. Talvez seja hora de uma abordagem diferente.

Sites como o Medium.com popularizaram a postagem sem barra lateral e funciona. Não só faz da leitura um prazer, mas deixa muito espaço para os verdadeiros call-to-actions que você precisa promover.

Se você remover metade (ou todos) dos widgets da barra lateral, o que você acha que isso faria com a taxa de conversão do seu blog? Pode valer a pena a tentativa.

Dica #4 – Alinhe o seu CTA

Quem decidiu que todas as ações precisam acontecer na barra lateral? Não seria melhor se as tivéssemos onde estão os leitores, como dentro da postagem do blog, por exemplo? Essa estratégia pode aumentar a taxa de conversão em blogs.

Você pode inserir uma frase de call to action básica em linha, diretamente dentro da postagem do blog.

Eles podem ser especialmente úteis se combinados com palavras-chave importantes, para um calendário editorial de marketing de conteúdo.

Seu conteúdo é o porque os leitores vieram em primeiro lugar. Defina como meta fazer pelo menos uma frase de CTA alinhada com cada postagem do blog.

Você pode até mesmo automatizar uma parte deste processo com um plugin, se você estiver usando o WordPress.

O plugin SEO Smart Links irá vincular automaticamente palavras-chave que você define para um post ou uma página de sua escolha. Esta é uma maneira simples e valiosa de adicionar frases de CTA ao texto da sua postagem.

Dica #5 – Use novos recursos multimídia

Quanto mais facilidades você oferecer ao usuário, maiores são as chances de fidelizá-lo como um leitor do seu blog.

Experimentar novos recursos como vídeo e, principalmente o áudio, pode transformar a maneira como seus leitores interagem com os diferentes tipos de conteúdos que você publica.

O Audio Marketing vem preencher um gap para os  83% das pessoas que não leem tudo o que gostariam na internet.

Com players de áudio nas postagens de blog, as marcas podem oferecer uma maneira mais prática para o leitor que, ao invés de ler, poder ouvir os artigos do blog.

Além de facilitar o acesso ao conteúdo e aumentar o time on page (melhorando o SEO), o player do Vooozer, por exemplo, possui um sistema opcional para capturar o e-mail do lead, o que contribui para aumentar a taxa de conversão

Exemplo do player de áudio do Vooozer em ação:

Dica #6 – Não elimine anúncios para o próprio site

Você pode publicar conteúdo no blog da sua empresa dia após dia. O conteúdo é bom, mas no geral o blog não está fazendo muito. E você não sabe o porque.

Existe tudo: caixa de assinatura para newsletter, posts relacionados, um plugin do Facebook e, claro, uma série de anúncios para o próprio conteúdo.

Espere… você tirou os anúncios do próprio blog?

Pode não parecer, mas isso pode ser exatamente o que você está fazendo. É natural querer que o público veja e entenda tudo o que você oferece, mas esse é um objetivo irrealista.

Não podemos vender tudo para nosso público de uma vez só. Precisamos ajudá-los a se concentrar em uma meta acionável para que ambos tenhamos sucesso.

Lentamente, ao longo do tempo, podemos expô-los a outros serviços e ofertas, mas só depois de termos garantido uma taxa de conversão máxima para o blog.

Dica #7 – Torne as coisas fáceis de rastrear

Um dos aspectos mais cruciais de como aumentar a taxa de conversão em blogs é poder acompanhar os resultados dos seus esforços.

Felizmente, confiando em alguns calls-to-action, em vez de vários, facilita-se o rastreamento deles.

Dessa forma, você pode fazer alterações sutis em seu site e ver o impacto que essas alterações causam nas estatísticas gerais de conversão.

Duplicando a taxa de conversão em blogs

Seu blog é uma ferramenta valiosa. Mitch Joel, fundador do Six Pixels Group, chama isso de sua homepage. Um blog é frequentemente a primeira experiência do cliente com uma marca.

Essa é a natureza do tráfego inbound. Seu blog diz mais sobre quem você é e o que é importante para você do que o restante do seu site. A questão é: os usuários estão recebendo a primeira impressão correta?

Em algum momento, você deve decidir se prefere que o leitor escolha entre dez coisas diferentes para fazer quando chegar no blog ou apenas uma.

Não há dúvida de que quanto menos opções oferecermos, mais provavelmente nossos visitantes farão o que quisermos.

O layout perfeito do blog será diferente para cada empresa. Dependendo de seus objetivos de negócio e público, você descobrirá os segredos de como aumentar a taxa de conversão em blogs.

 

Este post foi escrito pelo Vooozer, uma startup de Audio Marketing que já ajudou diversos clientes a aumentar sua geração de leads orgânica em até 45%. O Vooozer pode ajudar a sua empresa a turbinar suas estratégias de conteúdo com materiais em áudio que engajam e capturam leads. Aproveite e solicite uma consultoria gratuita de Audio Marketing agora mesmo!

 

Lead telefônico: o que é e porque mensurar nas estratégias de marketing digital

Lead telefônico: o que é e porque mensurar nas estratégias de marketing digital

Um dos canais que se mantém  muito presente no âmbito de empresas e desempenhando funções importantes no dia-a-dia dos negócios é o telefone. Os números telefônicos cercam o nosso cotidiano de tal forma que quase não prestamos mais atenção na presença deles, mas ainda mantemos uma relação de proximidade quando o assunto envolve a compra de um produto ou serviço. É por esse motivo que os leads telefônicos devem ser pensados pelo marketing como um instrumento de estratégia para aprimorar os resultados  de sua empresa.

Mas calma, você sabe realmente o que é um lead telefônico e quais suas funcionalidades para as estratégias de marketing digital?

Então vamos abordar de forma mais esclarecida e fácil, para mostrar como a mensuração dos leads telefônicos pode resultar em melhorias para a sua agência e seus clientes. Continue na leitura com a gente, porque ainda temos muito para te falar.

 

O que é um lead telefônico

 

De forma mais objetiva possível, lead telefônico é aquela pessoa que, em algum momento, entrou em contato com a sua empresa através de uma ligação e agora faz parte da lista de contato da sua agência e é visto como uma oportunidade de negócio. Simples, certo?

Pois bem, os leads, como um todo, são contatos que chegam das mais diversas formas, geralmente através de formulários. O diferencial do lead telefônico é o canal pelo qual ele chega, que geralmente não é mensurado e os dados de voz são desperdiçados, junto com o investimento nas campanhas que trouxeram aquele potencial cliente. E por esse motivo é importante saber qual campanha de marketing gerou cada ligação.

Os leads, dentro da estratégia de funil de vendas, representam o topo do funil, ou seja, o ganho de novos leads já é uma aquisição para o time de atendimento e vendas e, a partir disso, começam novas táticas específicas para transformá-los em clientes. Quando falamos de marketing, a estratégia principal é incorporar números de telefone nas campanhas online e offline e identificar quais performam melhor.

 

Mensuração de leads telefônicos

 

Segundo pesquisa do google, 70% das buscas feitas por pessoas utilizando um dispositivo móvel usam do click do call para entrar em contato com as empresas.

Número alto, não é mesmo? Pois bem, e é por esse motivo que as ligações telefônicas devem ser vistas como parte das táticas de abordagens do marketing digital com seus públicos.

Os leads telefônicos sendo pensados por uma estratégia de mercado levam o profissional da área a conhecer melhor o motivo das conversões via telefone e quais os comportamentos que estão ou não trazendo resultados para a empresa.

Dessa forma, podemos ver que a mensuração de leads telefônicos se mostra efetiva para que os times de marketing, através de dados, compreendam quais canais estão satisfazendo os anseios do negócio, com a geração de mais ligações e, assim, otimizem os recursos de investimento a partir dessa análise.

Para fazer a mensuração dos leads telefônicos é necessária a utilização de ferramentas específicas, geralmente um sistema de call tracking.

 

Ficou confuso? Então vamos por partes:

Para que as ações de marketing performem com excelência, é essencial a utilização de plataformas que analisem os dados das campanhas. Porém, é recorrente que os analistas não saibam afirmar quais campanhas estão gerando mais ligações e, consequentemente, mais leads telefônicos.

Com ferramentas de call tracking é possível mensurar com precisão os leads que chegam através do telefone e comprovar todos os resultados gerados pelas campanhas. E quem não quer apresentar um ROI completo, né?

Pois então, com a capacidade de mensurar os leads que chegam através de ligações, as estratégias de marketing adquirem uma maior capacidade de montar seus conteúdos e abordagens de forma mais específica e que resultem em melhor desempenho. Através disso, é uma maneira de evitar que o retorno sobre o investimento esteja defasado, avaliando a repercussão de cada campanha e, assim, utilizar de táticas de marketing que tragam melhores resultados para a empresa.

 

Como aprimorar conteúdos com dados telefônicos

 

Se você conseguiu compreender até aqui que, a partir da análise dos leads telefônicos, é possível criar melhores estratégias para o marketing digital, a gente está para te dizer que: é isso mesmo!

 

Já explicamos que é possível mensurar campanhas de marketing e saber como e quais conteúdos estão trazendo mais frutos, tudo isso em decorrência da análise de dados de ligações.

Ótimo.

Mas como proceder a partir das informações captadas para otimizar as conversões e aprimorar os conteúdos e proporcionar economia para a minha empresa?

Pois bem, são diversos os canais utilizados pelas organizações inseridas no mercado, mas nem todas estão trazendo retorno. Então por qual motivo continuar investindo em conteúdos que não estão desempenhando ganhos para a empresa? Entender os retornos das estratégias de marketing digital são o primeiro passo.

Por exemplo, caso seus dados mostrem que as ligações estão sendo geradas a partir  de conteúdos de mídia offline muito mais que as de mídia online você consegue perceber qual conteúdo está trazendo mais resultados e aprimorar seus materiais nesses canais.

 

Outro aspecto altamente relevante na utilização dos dados de voz é compreender quem é o cliente que procura a empresa. Com os dados telefônicos em mãos é possível traçar um perfil mais fiel e assertivo de quem é a persona com quem você está conversando.

Isso facilita o processo de identificação das dores do consumidor e claro, colabora com a forma que ele irá se relacionar com a empresa que melhor oferece a solução necessária.

Compreender que a estratégia de data-driven marketing pode trazer retorno quanto a gestão das estratégias de marketing para as empresas vem como resposta para os anseios de economia de tempo, investimento e diminuição de desperdício de verba em campanhas que pouco trazem retorno.

 

A partir de tudo o que foi abordado, ainda queremos evidenciar que a busca pelo contato com as empresas via telefone persiste em ser uma forma humanizada de atendimento à disposição de responder perguntas e conceder informações em tempo real.

Por isso, a mensuração de leads telefônicos fundamentado em análise de dados pela equipe de marketing faz com que o atendimento seja personalizado para cada questão tratada pelo telefone e, também, a destinação de conteúdos para cada canal se mostre efetiva em relação a busca por resultados.

Este guest post foi escrito pela PhoneTrack, empresa de serviço de call tracking e inteligência artificial, que ajuda as empresas e agências a otimizarem suas vendas e conquistarem clientes a partir de insights obtidos através de dados da plataforma.

A importância do marketing de conteúdo para vendedores

A importância do marketing de conteúdo para vendedores

O marketing de conteúdo é uma estratégia que utiliza diversas frentes – como artigos, ebooks, infográficos, webinars, vídeos, eventos, SEO, mídias sociais e muito mais – para criar reconhecimento de marca e atrair novos negócios. Mas você sabe qual a importância do marketing de conteúdo para vendedores?

Ao contrário do tradicional outbound marketing, no qual os profissionais tentam encontrar clientes e prospectar novos leads, o inbound marketing (também conhecido como marketing de conteúdo) desperta a atenção dos usuários e torna a empresa mais fácil de ser encontrada na internet.

E engana-se quem pensa que apenas a equipe de marketing é responsável pelo marketing de conteúdo e o time de pré-vendas responsável pela prospecção (outbound marketing). Talvez, há um tempo atrás, isso fizesse sentido, mas hoje…

A mudança de pensamento pode revolucionar por completo os resultados da sua empresa! Quer saber mais? Continue a leitura e entenda o que o marketing de conteúdo tem a ver com sua equipe de vendas!

 

Os benefícios do marketing de conteúdo para os resultados da empresa

O marketing de conteúdo oferece inúmeros benefícios e isso é incontestável. Quando utilizado de forma eficaz, pode:

  • Fortalecer a marca da empresa;
  • Influenciar futuras compras;
  • Incentivar compartilhamentos nas mídias sociais e aumentar o alcance da sua mensagem;
  • Empoderar os clientes em tomadas de decisão;
  • Ajudar nos esforços de otimização dos mecanismos de busca (SEO);
  • Permitir que os clientes se envolvam com a marca de acordo com a necessidade;
  • Gerar leads qualificados com um menor custo (quando comparado ao marketing tradicional);
  • Entre outros benefícios.

Resumindo, ao contrário das iniciativas de marketing tradicionais, os esforços do marketing de conteúdo se desenvolvem com o tempo, não apenas momentaneamente. Afinal, um conteúdo forte oferece muitos benefícios a médio e longo prazo.

À medida que o conteúdo começa a rampear nas pesquisas do Google, ele pode se tornar uma fonte contínua de tráfego no seu site, ajudando até mesmo na otimização de mecanismos de busca (SEO), compartilhamentos em mídias sociais e boca a boca.

Mas afinal, o que o inbound marketing influencia nas vendas da sua empresa? Calma! É o que veremos no próximo tópico:

 

A importância do marketing de conteúdo para vendas 

Para substituir táticas de marketing desatualizadas, as empresas estão implantando novos métodos voltados para a conscientização, desenvolvimento de relacionamentos e a geração de leads.

Basicamente, o inbound marketing atrai clientes para que você não precise ir atrás deles. E ele também ajuda os clientes em potencial a encontrar sua empresa nos estágios iniciais de seu processo de tomada de decisões, o que leva a uma influência mais forte em suas futuras decisões de compra.

Mas hoje, muitas empresas não entendem a construção do conteúdo como uma obrigação da equipe de marketing. Ela é (e deve ser) uma construção de todas as áreas, por isso, a contribuição do time de vendas se faz necessária.

E você sabe como a sua equipe de vendas pode ajudar o time de conteúdo a desenvolver informações e conteúdos cada vez mais precisos? Prepare-se para as dicas!

 

Como um vendedor pode ajudar e se beneficiar do marketing de conteúdo

A diferença entre bons vendedores e grandes vendedores é impressionante.

Bons vendedores, na maior parte do tempo, simplesmente atingem suas metas. Os grandes vendedores não apenas atingem o número de forma consistente, mas ganham a confiança e o respeito de seus clientes em potencial.

Por isso, atingir a meta faz parte de fazer um bom trabalho. Mas ir além, pode fazer os seus vendedores tornarem-se grandes percursores da sua marca.

Ou seja, o vendedor não precisa esperar que os leads (inbound ou outbound) venham prontos para construir o seu pipeline. Ele pode colaborar para trazer leads ainda mais qualificados e aumentar a probabilidade de fechar uma venda. Como? Utilizando três etapas básicas:

Atrair

O vendedor deve mostrar aos seus prospects que podem confiar nele para ajudá-los a resolver problemas. Afinal, ele está oferecendo a solução ideal, não é mesmo?

Colocar uma mensagem no agendamento da reunião ou no primeiro e-mail mostrando que aquela conversa e a reserva do tempo em sua agenda valerá a pena, pode ajudar a passar ainda mais confiança ao lead, diminuindo a taxa de no-follow.

E como fazer isso?

A dica é: além do conteúdo de qualidade, você deve criar um conteúdo sensacional!

Essa dica mostra a efetividade do marketing de conteúdo para vendas complexas. Incentive os seus vendedores a enviarem um conteúdo que faça sentido para ele! Que ele vá olhar e pensar “é isso mesmo que eu estava procurando!

Além disso, use uma ferramenta como um Software CRM para ajudar a organização nas etapas de cada vendedor. Você pode por exemplo, ver quantos prospects estão ativos e com chance de fechamento. Ou até mesmo quantas ligações os seus vendedores estão fazendo por dia.

Ah! E não esqueça de utilizar as conversas e chamadas para passar feedback ao seu time e entender pontos de melhoria. (isso é extremamente importante).

 

Engajar

Manter contato com os potenciais clientes e personificar a mensagem é um dos meios mais efetivos para conquistar um cliente.

Rastreie quanto tempo as pessoas estão gastando com o conteúdo e automatize partes do processo de vendas criando sequências de e-mail e automação de marketing para poder continuar contato com o prospect e mantê-lo um lead quente.

É importante criar um cronograma que disponibilize consistentemente conteúdo novo e relevante para continuar engajando seu público. Lembre-se de que seu tema deve estar focado nos problemas do cliente, não no seu negócio.

Converter

Reuniões, conversas e citações não apenas facilitam a vida do seu vendedor – elas facilitam a vida de seus clientes também. Por isso, torne seu processo de vendas o mais agradável possível para seus clientes.

Não existe uma única estratégia de marketing de conteúdo para vendas que funcione perfeitamente. Você, como gestor de vendas, deve incentivar a sua equipe a testar e mensurar o retorno para encontrar a mais efetiva e que a que traz resultados concretos.

Não esqueça de que o feedback para os outros times também faz parte do processo e é fundamental para a melhoria da empresa. Então, reserve um tempo para avaliar e mostrar resultados para as demais equipes.

Agora que você já sabe a importância do marketing de conteúdo para vendas, que tal colocar em prática na sua empresa?

Leia nosso outro artigo: Como ser um líder de vendas.

*Este artigo foi escrito pela equipe da Clientar CRM, uma plataforma completa e intuitiva para fazer a gestão das vendas do seu time. Quer ler mais sobre vendas? Conheça o nosso blog!

Account Based Marketing: o que é e quando é indicado?

Account Based Marketing: o que é e quando é indicado?

Durante os últimos anos, imperou sobre o Marketing a ideia de que a atração de leads deve funcionar como uma rede de pesca: quanto mais peixe, melhor.

Desenvolve-se, então, o conceito de Account Based Marketing: um tipo de marketing voltado para atender contas específicas, onde através de campanhas personalizadas, busca-se captar oportunidades com precisão para então refiná-las e qualificá-las à venda.

Contudo, será que a estratégia funciona para todo mundo? A resposta é não!

Ao contrário do exemplo da rede, existem situações em que o segredo não está no volume, mas na pesca de um peixe com qualidade. Seja por conta de mercados mais enxutos ou por tratar com empresas de amplo fôlego para relações comerciais duradouras, o Account Based Marketing é considerado a alternativa mais adequada.

Neste post, ensinaremos o que é Account Based Marketing e de que forma a produção do conteúdo personalizado pode auxiliar o seu modelo de negócios.

Você vai ler sobre:

  • O que é Account Based Marketing e quais as principais vantagens.
  • A diferença entre ABM e Inbound Marketing
  • Quais são as melhores práticas para um conteúdo personalizado irresistível
  • A partir de que métricas é possível medir o sucesso deste tipo de metodologia.

Vamos lá?

Por que trocar uma rede por uma lança?

Por que Account Base Marketing é mais preciso

Nem sempre o mar está para peixe, certo? Ao menos, não cheio de cardumes volumosos o suficiente para pescá-los na rede. É comum que os maiores peixes sejam mais solitários e nadem por águas menos movimentadas.

Quando este é o caso, pescar com uma rede não dá em nada! A lentidão e a imprecisão do método podem espantar o peixe e deixar você a ver navios. Felizmente, pescar com uma lança é algo rápido e certeiro. Basta treinar a sua pontaria para que os resultados venham à tona.

Com essa metáfora, podemos entender que a quantidade não é tudo! Existem situações em que mais vale atender a contas específicas e trabalhar com campanhas altamente personalizadas. É o caso do Account Based Marketing.

Nesse tipo de marketing, mais adequado a processos de vendas complexas e Enterprise em que há um ticket médio alto e um mercado de leads restrito, personalização é a palavra-chave.

 

O que é Account Based Marketing e quando é indicado?

Literalmente, o termo Account Based Marketing pode ser traduzido em português como Marketing Baseado em Contas. É uma técnica de marketing personalizada, orientada por princípios diferentes do funil de Marketing tradicional.

Na prática, isso significa que o foco deixa de ser o aumento das vendas em escala para tornar-se a melhora na qualidade das oportunidades geradas e, posteriormente, na rentabilidade dos contratos já fechados. 

O ABM pode ser útil em casos onde a empresa lida com produtos de ticket médio alto ou atua em um mercado de nicho, o que limita o número de consumidores em potencial.

Quando o cenário é este, é válido investir em processos comerciais baseados na atração altamente qualificada de novas contas em uma manutenção estratégica da conta, visando contratos de longa duração, revenda, upsell e cross sell.

Vamos entender um pouco melhor comparando esse tipo de abordagem a um velho conhecido nosso: o Inbound Marketing.

Acccount Based Marketing x Inbound Marketing

Ao contrário do Inbound Marketing, que procura atrair uma grande de quantidades de leads no topo de funil, no ABM, o esforço é focado em um universo restrito de empresas, e suas ações, por sua vez, personalizadas para atingir pessoas-chave dentro dessas organizações – tanto numa abordagem de venda inicial, quanto em um segundo momento, visando upsells ou expansão do uso de serviços.

Além da atração muito mais focada em contas estratégias, esse tipo de marketing visa uma relação comercial saudável e duradoura. 

No mercado B2B, essa técnica tem grande potencial, já que existe também o fator de regularidade da compra. Uma empresa raras vezes precisará de uma solução isolada ao longo do seu ciclo de vida. Quando uma necessidade surge dentro do negócio, tende a ser uma parte constituinte do seu modelo operacional.

Consequentemente, as oportunidades de revenda nesse tipo de relação são muitas! Afinal, qual cliente não gostaria de ter o tratamento de suas dores garantido por tempo indeterminado por um parceiro confiável? 

Podemos citar, além do estreitamento da relação entre empresas que fazem ABM e seus clientes, algumas características:

  • Ideal para vendas complexas e mercados de nicho
  • Público-alvo muito específico.
  • Ticket médio alto
  • Potencial de criar conteúdos personalizados, considerando não apenas o negócio, mas cada persona-chave no processo de compra.
  • Alto potencial de upsell e cross-sell.
  • Ciclos de vendas complexos, normalmente com mais de um tomador de decisão
  • Personalização é o foco para impactar as personas.

Como implementar o Account Based Marketing?

É claro que um modelo de negócios baseado em Account Based Marketing exige algumas mudanças no planejamento estratégico e operacional. Podemos observar estas diferenças, na imagem abaixo:

Account Based Marketing e Inbound

Fonte: Drift Conversation Marketing

Nela, podemos identificar a comparação entre o funil do Inbound Marketing e do Account Based Marketing.

Sendo assim, temos, de um lado, a atração e a geração de tráfego como porta de entrada para a estratégia Inbound e, através de um processo de nutrição e relacionamento, a identificação dos leads adequados e prontos para a venda apenas no final do processo – o chamado fundo de funil.

Já no funil do ABM temos a conquista de leads adequados na entrada do funil e, no fundo, a possibilidade de expansão das oportunidades de negócios. A partir de um relacionamento constante e de campanhas altamente personalizadas, vem a busca pela chance de fazer revenda upsell e cross-sell.

O estreitamento que também leva ao upsell só ocorre porque o Account Based Marketing é, muitas vezes, aplicado em vendas enterprise. No qual uma única empresa detém mais de uma marca, software, produto etc. A implementação passar por:

  1. Identificar as empresas alvejadas de modo objetivo;
  2. Engajá-las com campanhas altamente personalizadas;
  3. Investir na comunicação durante todas as etapas da jornada
  4. Gerar oportunidades de venda através de conteúdos exclusivos.

Em suma, quando atua-se com Account Based Marketing, o objetivo é vender à uma persona bem definida.

Por isso, a necessidade é que tudo seja completamente direcionado à ela. Desde a produção de conteúdo personalizado até o acompanhamento pós-venda próximo e cuidadoso. Parte-se da lógica de que, quanto mais especial o cliente sentir-se, maiores as possibilidades de futuras negociações.

Quais as métricas para medir o sucesso deste tipo de estratégia?

Uma das características do Account Based Marketing é o fato de que seus resultados são imediatos. Podemos até mesmo dizer que é mais um approach do que um simples projeto a ser executado. Exige uma articulação eficiente entre todos os departamentos que estão em contato direto com o consumidor.

Entretanto, isso não significa que seja impossível monitorar o andamento da estratégia e se basear em algumas métricas para avaliar a performance. São exemplos disso:

  • Account Score: Nesse sistema, pontos serão atribuídos por técnicas de gamificação a cada conta, conforme requisitos estabelecidos pela gestão. Assim, a progressão destes números é uma forma de mensurar o impacto da estratégia;
  • Porcentagem de engajamento: Número de contas com as quais o seu negócio está engajado, dentre as alvejadas.
  • Porcentagem de fechamento: Número de contratos fechados com estas empresas, sejam inaugurais do relacionamento comercial ou modalidades de revenda.

Como produzir um conteúdo personalizado?

Você já deve ter percebido que a personalização de conteúdos e abordagens está no centro deste modelo, certo? Então, nada mais justo do que aprendermos sobre como colocar isto em prática. Afinal, 75% dos clientes preferem mensagens e ofertas exclusivas, de acordo com o seu perfil de consumo.

Para produzir conteúdo personalizado, você precisa atentar-se aos seguintes aspectos:

Oriente-se por dados

Estamos na era Data-driven. Hoje, existe infindáveis ferramentas para coletar dados e gerar inteligência de mercado. É possível afirmar, ainda, que esta foi uma das maiores revoluções ocasionadas pelo avanço tecnológico.

Compreender os clientes é imperativo, neste caso. Por isso, identifique nas personas:

  • Características geográficas;
  • Hábitos de consumo;
  • Temas de maior interesse;
  • Mídias favoritas para consumir conteúdos etc.

Escrevemos um blogpost exclusivo sobre as práticas Data-driven na produção de conteúdo personalizado. Clique aqui e acesse!

Fique de olho nas tendências

Compreender o que está em alta entre as personas alvejadas também é fundamental. Cada setor possui suas próprias tendências, acontecimentos e práticas que estão ganhando mais visibilidade a todo momento.

É possível identificá-los em sites de notícias especializados ou de perguntas, fóruns virtuais e até mesmo nos trending topics da rede social Twitter. Por este motivo, é importante estar ativo(a) nas plataformas através das quais o seu público se comunica, a fim de ter um canal  direto e manter-se atualizado(a) em tempo real.

O conhecimento da persona, baseado nos dados do item anterior, revela quais ambientes devem ser monitorados para identificar as principais características do mercado.

Aprenda também como utilizar clusters de conteúdo para aproveitar ao máximo a estratégia! Leia mais sobre o assunto.

No fim das contas, é tudo uma questão de analisar o seu processo comercial e ver que tipo de recurso é mais vantajoso para o momento da empresa. O Account Based Marketing é ideal para quem explora oceanos azuis no mercado B2B e busca acelerar o Retorno Sobre o Investimento (ROI).

Ao mesmo tempo em que o faturamento torna-se mais previsível, a experiência do cliente também é aprimorada. Isso gera defensores da marca que, além de manterem-se fiéis ao produto, ainda poderão indicá-lo aos amigos e ajudar você na expansão das vendas.

Preparado(a) para testar uma abordagem altamente personalizada? Para mais dicas sobre como ampliar os resultados e melhorar a qualidade do atendimento, explore o nosso blog!

E aí, o ABM é para sua empresa? Quer saber que outras táticas de marketing podem colaborar com o crescimento do seu negócio?

Saiba também como aplicar Growth Hacking no Marketing de Conteúdo e aproveite para enriquecer ainda mais seu potencial de vendas!

Página 1 de 41234

Contato