Como provar o ROI do Inbound Marketing e impressionar seu chefe

Como provar o ROI do Inbound Marketing e impressionar seu chefe

Por mais duro que seja, ninguém está procurando os seus acertos para premiá-lo(a). Caso você queira algo, deve tomar atitudes e assumir a responsabilidade de fazer-se notável em meio aos demais.

Neste post, ensinaremos como provar o ROI do Inbound Marketing e apresentá-lo para os seus gestores. Conhecendo os indicadores mais importantes e desenvolvendo um método claro, temos a certeza de que o reconhecimento será uma questão de tempo.

Você vai ler sobre:

  • Vantagens de manter o controle sobre as métricas de ROI do Inbound Marketing
  • Quais são os KPIs mais relevantes para a definição de ROI do Inbound Marketing
  • Como elaborar bons relatórios de apresentação para o ROI do Inbound Marketing

A importância sobre o ROI do Inbound Marketing

A apresentação de resultados para os gestores de outras áreas da empresa vai muito além da mera prestação de contas. Não trata-se apenas de uma conferência do que foi feito em seu trabalho, mas sim de um momento importante para análise de dados estratégicos.

Entender o Retorno Sobre o Investimento (ROI) de cada ação de marketing é fundamental para definir quais estratégias merecem novas apostas ou devem ser substituídas por outras mais lucrativas.

Contudo, nem sempre apresentar os resultados é tarefa fácil. Apesar de que vários recursos podem ser otimizados com o uso de softwares de automação, é importante compreender o mindset por trás do controle do ROI do Inbound Marketing.

Para isso, vamos começar retornando às origens do planejamento de marketing. Relembre os seus objetivos por trás de cada ação e quais metas foram estabelecidas. Caso não tenha organizado nenhuma, é o momento certo para quantificá-las e planejá-las.

Comece identificando todos os setores envolvidos no funil de vendas e qual o investimento dedicado a cada um deles. É hora de tomar algumas decisões para dividir os recursos totais entre todas as ações necessárias para a jornada de compra.

Mudando o ponto de vista

Uma boa técnica para simplificar o momento é um tipo de engenharia reversa. Baseando-se no número de oportunidades qualificadas que a área comercial propõe-se a entregar, será definido o volume de investimento no início do ciclo.

Juntando esses números, você saberá exatamente quanto foi apostado e qual espera-se que seja o ganho final.

Em seguida, basta aplicar métricas e monitorar o que acontece entre os dois pontos.

A fórmula básica para calcular o ROI do Inbound Marketing é: receita gerada / valor total investido.

O número resultante é o retorno obtido sobre os investimentos iniciais. (ROI).

Apesar de sua extrema relevância, conhecer e apresentar o ROI não é tudo. Existem outros indicadores tão fundamentais quanto, os quais devem ser levados em conta.

Esses indicadores são chamados de Key Performance Indicators (KPIs) e ainda garantem a objetividade por trás do relatório sobre ROI do Inbound Marketing.

Quanto mais assertiva sua análise, mais fácil será provar a efetividade dos esforços de sua equipe. Afinal, contra números não há argumentos. Conquiste a confiança diretoria à solidez dos resultados apresentados.

Os KPIs para controlar ROI do Inbound Marketing

Acompanhar os seguintes indicadores permitirá apostas sábias. No momento em que você souber o quanto tais recursos estão rendendo, será possível obter mais resultados com o menor investimento possível.

Confira os KPIs indicadores devem ser acompanhados:

Search Engine Optimization (SEO)

Os indicadores ligados aos mecanismos de busca são relevantes a qualquer estratégia de Marketing de Conteúdo. Nesse caso, mostre números importantes neste aspecto, como:

  • Tráfego orgânico: quantas pessoas vêm até o site por vontade própria (buscando por ele, especificamente);
  • Rankeamento no Google: avalie o posicionamento de seu site e seus conteúdos.
  • Autoridade do domínio: conforme a qualidade do material e dos links relacionados, o Google identifica a autoridade do domínio;
  • Uso das palavras-chave: veja o índice de palavras-chave para ter certeza de que o usuário encontrará os seus materiais. O ideal é manter uma densidade média de, no mínimo, 0,7% da keyword em cada conteúdo.

Neste link, temos um post exclusivo sobre os princípios de SEO que todo profissional deve saber para acompanhá-los.

Conteúdo

Estas métricas estão ligadas ao desempenho dos conteúdos em si. Servem para avaliar como estão performando junto às personas e aos mecanismos de busca. São dados como:

  • Número de visitantes no blog: quantos usuários acessaram o blog em determinado período para avaliar o potencial de atração;
  • Tempo médio de permanência em cada página: quanto tempo o usuário permanece em cada conteúdo para analisar qual engaja mais e replicar conhecimento em outras postagens;
  • Origem de busca: como o usuário chegou até o seu site para entender quais canais atraem mais;
  • Taxas de conversão: quantos usuários tornaram-se leads a partir de um conteúdo ou da página do blog, preenchendo a formulários ou até entrando em contato de outras formas (considerando somente as ações via Inbound).

As duas métricas citadas acima podem ser acompanhadas em softwares de automação de Marketing, como o RD Station, e através do próprio Google Analytics.

Redes sociais

São KPIs fundamentais ao sucesso de uma estratégia de conteúdo nos dias de hoje. Afinal, quase todo mundo utiliza-as e gasta boa parte do seu tempo nelas. Para mostrar o impacto do Inbound Marketing nas redes sociais, é importante registrar o número de conexões, as taxas de engajamento e interações em postagens, além de compartilhamentos e menções.

Geralmente, as próprias redes oferecem ferramentas para controle de métricas em páginas comerciais. Vale pesquisar especificamente as que você utiliza e aderir ao uso desse recurso.

Esses são alguns números que vão causar impacto e impressionar a chefia ao apresentar o ROI do Inbound Marketing. O último passo é aprender como organizá-los e ter clareza na demonstração dos dados.

Os relatórios sobre o ROI de Inbound Marketing

Os relatórios devem ser intuitivos e de fácil compreensão. Infográficos são a melhor pedida: possuem visualidade atrativa, informações de modo sintetizado e permitem comparação de resultados com representação gráfica.

Organize os números das métricas sugeridas acima em gráficos de acordo com cada ação. Novamente, os softwares de automação de marketing vêm a calhar. Eles costumam ter ferramentas próprias para geração de relatórios.

Uma vez com os gráficos em mãos, é importante frisar 3 pontos na hora de apresentá-los:

Informar a situação do funil de vendas

Mostre claramente quantos visitantes tornaram-se leads, qual é a porcentagem desses que transformou-se em oportunidades e quais delas foram convertidas em vendas. Desse modo, será mais fácil entender onde estão os gargalos e como resolvê-los.

Enfatizar os canais que geram mais leads

Além de ter uma boa noção do todo, é importante entender quais são as suas “galinhas dos ovos de ouro”. Identificar canais que se destacam é fundamental na definição sobre quais devem ser mantidos ou ainda potencializados.

Apresentar os resultados das campanhas

Dentro de um mesmo canal, há diferentes ações. Detectar as que possuem maior sucesso permite compreender aquilo que funciona junto às personas e gera inteligência comercial às estratégias futuras.

Compreende agora a importância de provar o ROI do Inbound Marketing para alçar voos ainda maiores? Demonstrar eficiência é o melhor caminho para a chefia o(a) enxergar como aliado(a) e ir longe dentro da empresa.

Temos um conteúdo onde aprofundamos o conhecimento acerca das métricas específicas do Marketing de Conteúdo. Leia agora mesmo para complementar as informações desse post e ter sucesso nessa empreitada. Até mais! 🙂

10 diferentes tipos de conteúdo para Inbound Marketing

10 diferentes tipos de conteúdo para Inbound Marketing

Não queremos comprar pessoas: esse negócio não existe no mercado. Desejamos, sim, atrair a atenção delas para as soluções que podemos oferecer.

O conceito de atração tornou-se praticamente um sinônimo do Inbound Marketing. Mas para atrair um público com potencial de compra, é importantíssimo entregar relevância e agregar valor à sua marca ou produto, principalmente quando falamos em produção de conteúdo.

Afinal, ao vender um serviço ou produto, acredita-se que ele seja compatível ao que se propõe, certo?

De nada adianta desenvolver o melhor produto ou serviço e não conseguir vendê-lo. Da mesma forma, não adianta empurrá-lo goela abaixo para cumprir tal feito.

A boa notícia é que existem diferentes tipos de conteúdo para Inbound Marketing que podem – e muito – auxiliá-lo nessa empreitada.  

Nesse sentido, a versatilidade do Inbound é sua melhor amiga. Selecionamos 10 formatos de conteúdo para Inbound Marketing para ajudar você a vender o seu peixe de forma realmente eficaz.

Neste conteúdo, você vai ler sobre:

 

  • 10 diferentes tipos de conteúdos para Inbound Marketing
  • Como entregar conteúdos de maneira satisfatória

 

Primeiramente, Você sabia que o Inbound Marketing custa nada mais, nada menos do que 62% mais barato do que o Outbound Marketing?

Com o Inbound Marketing, você entrega mais do que um produto ou serviço: você disponibiliza conhecimento. E informações relevantes são sempre bem-vindas.

Antes de começar, vale lembrar que o conteúdo é a cereja do bolo da sua estratégia. É ele quem cativará as pessoas com quem você quer dialogar. Sabendo como falar para o seu público alvo – e, principalmente, o que falar – já há uma grande possibilidade de obter sucesso com estratégias Inbound.

Depois, é só escolher sob qual formato você deseja entregar esse conteúdo ou, em outras palavras, como você deseja sanar uma necessidade ou dúvida de sua audiência.

Como sabemos que o Inbound é versátil e possibilita um universo de escolhas,  selecionamos 10 tipos de conteúdo para Inbound Marketing e listamos suas principais vantagens.

 

1. Blogpost: igual coração de mãe

 

 

Eles são como coração de mãe: sempre cabe mais um. E eles aceitam qualquer assunto, sem distinção nenhuma.

Por conta desse formato eclético, são uma boa pedida quando o assunto é ranquear o blog nas buscas do Google ou outros buscadores. Por meio dos blogposts você pode se posicionar, também, como um especialista naquilo que vende.

Outra coisa importante é que não há um formato – e sim vários – para o blogpost. Ele não tem limite de tamanho: quanto maior, melhor! Você pode divulgar um evento, falar sobre um assunto específico que tenha a ver com a sua área de atuação, descrever um vídeo ou até mesmo uma webinar.

Com o blogpost, você mostra que está sempre atualizado, informa e educa ao mesmo tempo em que pode oferecer um conteúdo interativo. E, assim, continua atraindo mais e mais tráfego.

 

2. E-books – isca para leads

 

 

Para quem quer saber mais poder se aprofundar no tema que necessita, você estará lá para levar essa informação mais detalhada.

É por isso que o e-book pode ser considerado uma isca para leads. E se engana quem pensa que ele precisa ser enorme: na verdade, ele pode ter o mesmo tamanho de um blogpost – ainda que o recomendável é que tenha duas vezes esse tamanho.

O que importará, de verdade, é o que você entregará. A informação precisa ser mais específica e responder as perguntas que o seu possível lead tem. Esse formato garante, ainda, a atualização da sua lista de e-mails.

O e-book é entregue, geralmente, no formato de um PDF – para ser baixado. E como o próprio nome sugere, não esqueça de dividir o assunto em capítulos. Eles também não são livros digitais apenas de palavras: abuse das cores, infográficos e imagens.

Quem lê um e-book quer terminar o material sem nenhuma dúvida. Então, novamente: foco no conteúdo.

 

3. Webinars – quem sabe faz ao vivo

 

 

“Quem sabe do que está falando, não precisa de power point”, dizia Steve Jobs.

Se você também faz parte desse time, a produção de webinars é perfeita para o seu negócio.

Com baixo custo – é possível utilizar plataforma gratuitas de webinar, a produção desse formato costuma atender a diferentes objetivos.

Enquanto para a empresa representa uma poderosa arma de atração de leads, para o usuário, o formato é uma tendência cada vez mais aceita.

Afinal, nada melhor do que ouvir e ver quem sabe do que está falando! E, de quebra, em tempo real. Essa interação permite muito mais interatividade e ainda garante informação de qualidade para os seus seguidores.

Você não só irá gerar leads, como oferecerá um dos conteúdos mais procurados e acessados pelos usuários de hoje, que são os vídeos.

As webinars servem de ponto de encontro para quem se interessa pelo mesmo assunto; elas funcionam ainda como chats de vídeo em tempo real.

Mesmo após uma campanha de divulgação, é possível continuar gerando leads com webinars, já que, existe a possibilidade de disponibilizar o conteúdo para aqueles que perderem a live.

Um recurso realmente imbatível quando o falamos em custo x benefício de geração de leads.

 

 

4. Vídeos: quando a combinação som-imagem fala mais alto

 

Eles são os queridinhos do momento. Ao pensar em internet, automaticamente se faz a conexão com o vídeo. Eles informam de forma dinâmica, são versáteis e de fácil compreensão.

Mais do que terem caído no gosto da maioria esmagadora dos usuários, são a tendência para os próximos anos porque combinam interação de forma didática. Não tem como não pensar em sair na frente da concorrência e aumentar o tráfego do seu blog sem pensar em vídeos.

Eles permitem mais informação em um espaço de tempo menor. Podem ser curtos, com até 90 segundos, ou mais extensos. Podem ser educativos, institucionais ou altamente explicativos.

Há tipos de vídeos que podem, ainda, serem associados a outros tipos de conteúdo. Por exemplo: você pode combinar um vídeo com um blogpost que fala sobre o mesmo tema. Um pode complementar o outro.

A lista de possibilidades para os vídeos é enorme e muito rica, assim como as chances de você ranquear bem o seu negócio por meio deles, também.

Aqui você encontra um conteúdo sobre como utilizar vídeos para vendas e escolher o melhor formato para cada etapa do funil. Acessando esse material, você saberá exatamente como incluir e usar de maneira adequada os vídeos em sua estratégia de marketing digital.

 

5. Listas – numere motivos

 

As listas podem organizar a vida, o início de todos os anos e ainda os conteúdos em um blogpost. É isso mesmo: as pessoas amam listas.  

Elas não só estão na moda também na internet, como representam um conteúdo de fácil assimilação. Quando o post está enumerado, mostra exatamente o que você aprenderá com ele. É excelente para o usuário compreender o conteúdo sem nenhuma enrolação.

Então, não esqueça de cumprir com as resoluções de início de ano que estão na sua listinha e abuse das listas também em seus conteúdos digitais.

 

6. Infográficos: utilize recursos visuais

 

O infográfico é uma boa forma de ilustrar aquilo que você precisa falar ou informar. Ele organiza palavras e imagens e, por isso, aumenta a compreensão ao mesmo tempo em que gera um efeito visual interessante para o conteúdo.

Eles podem aumentar o tráfego do seu blog em até 12%. Então, não é apenas uma questão visual, não!

Em suma, o infográfico é um bom tipo de conteúdo, porque atrai a atenção do lead e ainda geram tráfego. Se for optar por este formato, não esqueça: ele precisa ser completo e bem feito.

 

7. Tutoriais – passo a passo eficiente

 

Quando você alcança a posição de especialista na área, a sua credibilidade começa a falar por você. Os tutoriais são uma excelente ferramenta para que você alcance essa marca.

Para os usuários e leitores, eles são a chance de realmente aprender tudo como desejam, ou seja, com um passo a passo detalhado e eficiente.

Você já sabe que mais informação não é sinônimo de apenas mais palavras, né?  Então, abuse de imagens e de artifícios que possam complementar o conteúdo e torná-lo ainda mais atraente.

Ou, melhor ainda: grave um vídeo! Com certeza, você nem percebe, mas assiste a muitos tutorias na internet – que ensinam da troca de um chuveiro até como retocar uma foto no Adobe Photoshop.

 

8. Estudos de caso – nada como o exemplo!

 

Por meio dos estudos de casos, os usuários podem compreender como o produto ou serviço à disposição auxiliou a vida de outras pessoas. Eles poderão identificar o problema e também a solução.

Outra dica importante no caso de você escolher um estudo de caso para o seu blog é que ele não precisa ser marketing puro, não! Uma história bem contada resolve bem essa questão. Melhor do que isso: conquista quem a ouve, lê ou assiste.

Para o último caso, vale conferir a tendência dos cases em vídeo. Os depoimentos geram empatia e, muitas vezes, resultam até em divulgações espontâneas – gerando engajamento de sobra.

 

9. Entrevistas: perguntas e respostas

 

Uma entrevista pode estar no blog em formato de texto ou de vídeo. E se o entrevistado for um especialista no assunto, melhor ainda.

As entrevistas são um bom formato porque respondem as dúvidas dos usuários em um formato descontraído, que apresenta boas soluções para os seus problemas.

Elas aumentam a empatia e ainda o seu relacionamento com as pessoas que querem saber mais sobre o que você oferece para o mercado. Além disso, podem render boas ações de marketing em conjunto – quando ambas as partes possuem interesse em divulgar o mesmo material.

Lembre-se: um post com entrevista pode ser o início de uma próspera parceria entre dois negócios complementares.

 

10. Pesquisas – dados que comprovam

 

De mercado, de segmento, sobre resultados ou para apresentar alguma tendência: uma pesquisa é sempre um dado relevante. Uma estatística, por exemplo, mostra o que se quer dizer em números que falam por si só. São indiscutivelmente bons argumentos.

Dados são sempre relevantes, além de serem uma forma rápida de comprovação do que se quer informar.

As pesquisas podem trazer informações sobre vários assuntos que servirão de base para muitos usuários.

Mas é fato que não se pode desenvolver uma boa pesquisa sem ter um planejamento. E isso leva tempo. Então, se optar por divulgar uma pesquisa, procure a melhor maneira de captar e divulgar essa informação.

Profissionais da área estão sempre à disposição para ajudar nessa tarefa. Vale a pena contar com esse serviço.

Capriche nas entregas de conteúdo

 

Agora que você já imaginou as possibilidades com esses dez diferentes tipos de conteúdo para Inbound Marketing, não esqueça de caprichar na produção: não importa o que você escolher produzir ou combinar para o seu blog, faça-o com carinho e informações relevantes.

Outro ponto bem importante nesse momento é planejar as publicações. Não adianta postar uma vez por mês. Lembre-se de diversificar os conteúdos e incluir esse planejamento em sua escala de produção, também.

Imagens e recursos visuais não apenas podem, como devem casar com conteúdo e áudio – e devem também ser tão atrativas quanto aquilo que você tem a falar.

Por último mas, talvez, o mais importante: conheça o seu público-alvo, a sua persona, principalmente. Saber quem é o seu possível lead, quais são suas dores e necessidades, é essencial para construir um conteúdo assertivo e que vá direto ao ponto.

 

Essa é a única maneira de conquistar mais visualizações, com palavras que falem diretamente para quem precisa delas.

 

Finalmente, se a produção de conteúdo for um problema para você, pense na possibilidade de terceirizar essa missão para que ela realmente se torne uma solução interessante para os seus negócios.

 

Nós esperamos que você tenha aprendido e tido bons insights com esse conteúdo sobre diferentes formatos de conteúdo para Inbound Marketing! Em nosso blog há muito mais informações à sua espera. Até a próxima!

 

Lead telefônico: o que é e porque mensurar nas estratégias de marketing digital

Lead telefônico: o que é e porque mensurar nas estratégias de marketing digital

Um dos canais que se mantém  muito presente no âmbito de empresas e desempenhando funções importantes no dia-a-dia dos negócios é o telefone. Os números telefônicos cercam o nosso cotidiano de tal forma que quase não prestamos mais atenção na presença deles, mas ainda mantemos uma relação de proximidade quando o assunto envolve a compra de um produto ou serviço. É por esse motivo que os leads telefônicos devem ser pensados pelo marketing como um instrumento de estratégia para aprimorar os resultados  de sua empresa.

Mas calma, você sabe realmente o que é um lead telefônico e quais suas funcionalidades para as estratégias de marketing digital?

Então vamos abordar de forma mais esclarecida e fácil, para mostrar como a mensuração dos leads telefônicos pode resultar em melhorias para a sua agência e seus clientes. Continue na leitura com a gente, porque ainda temos muito para te falar.

 

O que é um lead telefônico

 

De forma mais objetiva possível, lead telefônico é aquela pessoa que, em algum momento, entrou em contato com a sua empresa através de uma ligação e agora faz parte da lista de contato da sua agência e é visto como uma oportunidade de negócio. Simples, certo?

Pois bem, os leads, como um todo, são contatos que chegam das mais diversas formas, geralmente através de formulários. O diferencial do lead telefônico é o canal pelo qual ele chega, que geralmente não é mensurado e os dados de voz são desperdiçados, junto com o investimento nas campanhas que trouxeram aquele potencial cliente. E por esse motivo é importante saber qual campanha de marketing gerou cada ligação.

Os leads, dentro da estratégia de funil de vendas, representam o topo do funil, ou seja, o ganho de novos leads já é uma aquisição para o time de atendimento e vendas e, a partir disso, começam novas táticas específicas para transformá-los em clientes. Quando falamos de marketing, a estratégia principal é incorporar números de telefone nas campanhas online e offline e identificar quais performam melhor.

 

Mensuração de leads telefônicos

 

Segundo pesquisa do google, 70% das buscas feitas por pessoas utilizando um dispositivo móvel usam do click do call para entrar em contato com as empresas.

Número alto, não é mesmo? Pois bem, e é por esse motivo que as ligações telefônicas devem ser vistas como parte das táticas de abordagens do marketing digital com seus públicos.

Os leads telefônicos sendo pensados por uma estratégia de mercado levam o profissional da área a conhecer melhor o motivo das conversões via telefone e quais os comportamentos que estão ou não trazendo resultados para a empresa.

Dessa forma, podemos ver que a mensuração de leads telefônicos se mostra efetiva para que os times de marketing, através de dados, compreendam quais canais estão satisfazendo os anseios do negócio, com a geração de mais ligações e, assim, otimizem os recursos de investimento a partir dessa análise.

Para fazer a mensuração dos leads telefônicos é necessária a utilização de ferramentas específicas, geralmente um sistema de call tracking.

 

Ficou confuso? Então vamos por partes:

Para que as ações de marketing performem com excelência, é essencial a utilização de plataformas que analisem os dados das campanhas. Porém, é recorrente que os analistas não saibam afirmar quais campanhas estão gerando mais ligações e, consequentemente, mais leads telefônicos.

Com ferramentas de call tracking é possível mensurar com precisão os leads que chegam através do telefone e comprovar todos os resultados gerados pelas campanhas. E quem não quer apresentar um ROI completo, né?

Pois então, com a capacidade de mensurar os leads que chegam através de ligações, as estratégias de marketing adquirem uma maior capacidade de montar seus conteúdos e abordagens de forma mais específica e que resultem em melhor desempenho. Através disso, é uma maneira de evitar que o retorno sobre o investimento esteja defasado, avaliando a repercussão de cada campanha e, assim, utilizar de táticas de marketing que tragam melhores resultados para a empresa.

 

Como aprimorar conteúdos com dados telefônicos

 

Se você conseguiu compreender até aqui que, a partir da análise dos leads telefônicos, é possível criar melhores estratégias para o marketing digital, a gente está para te dizer que: é isso mesmo!

 

Já explicamos que é possível mensurar campanhas de marketing e saber como e quais conteúdos estão trazendo mais frutos, tudo isso em decorrência da análise de dados de ligações.

Ótimo.

Mas como proceder a partir das informações captadas para otimizar as conversões e aprimorar os conteúdos e proporcionar economia para a minha empresa?

Pois bem, são diversos os canais utilizados pelas organizações inseridas no mercado, mas nem todas estão trazendo retorno. Então por qual motivo continuar investindo em conteúdos que não estão desempenhando ganhos para a empresa? Entender os retornos das estratégias de marketing digital são o primeiro passo.

Por exemplo, caso seus dados mostrem que as ligações estão sendo geradas a partir  de conteúdos de mídia offline muito mais que as de mídia online você consegue perceber qual conteúdo está trazendo mais resultados e aprimorar seus materiais nesses canais.

 

Outro aspecto altamente relevante na utilização dos dados de voz é compreender quem é o cliente que procura a empresa. Com os dados telefônicos em mãos é possível traçar um perfil mais fiel e assertivo de quem é a persona com quem você está conversando.

Isso facilita o processo de identificação das dores do consumidor e claro, colabora com a forma que ele irá se relacionar com a empresa que melhor oferece a solução necessária.

Compreender que a estratégia de data-driven marketing pode trazer retorno quanto a gestão das estratégias de marketing para as empresas vem como resposta para os anseios de economia de tempo, investimento e diminuição de desperdício de verba em campanhas que pouco trazem retorno.

 

A partir de tudo o que foi abordado, ainda queremos evidenciar que a busca pelo contato com as empresas via telefone persiste em ser uma forma humanizada de atendimento à disposição de responder perguntas e conceder informações em tempo real.

Por isso, a mensuração de leads telefônicos fundamentado em análise de dados pela equipe de marketing faz com que o atendimento seja personalizado para cada questão tratada pelo telefone e, também, a destinação de conteúdos para cada canal se mostre efetiva em relação a busca por resultados.

Este guest post foi escrito pela PhoneTrack, empresa de serviço de call tracking e inteligência artificial, que ajuda as empresas e agências a otimizarem suas vendas e conquistarem clientes a partir de insights obtidos através de dados da plataforma.

A importância do marketing de conteúdo para vendedores

A importância do marketing de conteúdo para vendedores

O marketing de conteúdo é uma estratégia que utiliza diversas frentes – como artigos, ebooks, infográficos, webinars, vídeos, eventos, SEO, mídias sociais e muito mais – para criar reconhecimento de marca e atrair novos negócios. Mas você sabe qual a importância do marketing de conteúdo para vendedores?

Ao contrário do tradicional outbound marketing, no qual os profissionais tentam encontrar clientes e prospectar novos leads, o inbound marketing (também conhecido como marketing de conteúdo) desperta a atenção dos usuários e torna a empresa mais fácil de ser encontrada na internet.

E engana-se quem pensa que apenas a equipe de marketing é responsável pelo marketing de conteúdo e o time de pré-vendas responsável pela prospecção (outbound marketing). Talvez, há um tempo atrás, isso fizesse sentido, mas hoje…

A mudança de pensamento pode revolucionar por completo os resultados da sua empresa! Quer saber mais? Continue a leitura e entenda o que o marketing de conteúdo tem a ver com sua equipe de vendas!

 

Os benefícios do marketing de conteúdo para os resultados da empresa

O marketing de conteúdo oferece inúmeros benefícios e isso é incontestável. Quando utilizado de forma eficaz, pode:

  • Fortalecer a marca da empresa;
  • Influenciar futuras compras;
  • Incentivar compartilhamentos nas mídias sociais e aumentar o alcance da sua mensagem;
  • Empoderar os clientes em tomadas de decisão;
  • Ajudar nos esforços de otimização dos mecanismos de busca (SEO);
  • Permitir que os clientes se envolvam com a marca de acordo com a necessidade;
  • Gerar leads qualificados com um menor custo (quando comparado ao marketing tradicional);
  • Entre outros benefícios.

Resumindo, ao contrário das iniciativas de marketing tradicionais, os esforços do marketing de conteúdo se desenvolvem com o tempo, não apenas momentaneamente. Afinal, um conteúdo forte oferece muitos benefícios a médio e longo prazo.

À medida que o conteúdo começa a rampear nas pesquisas do Google, ele pode se tornar uma fonte contínua de tráfego no seu site, ajudando até mesmo na otimização de mecanismos de busca (SEO), compartilhamentos em mídias sociais e boca a boca.

Mas afinal, o que o inbound marketing influencia nas vendas da sua empresa? Calma! É o que veremos no próximo tópico:

 

A importância do marketing de conteúdo para vendas 

Para substituir táticas de marketing desatualizadas, as empresas estão implantando novos métodos voltados para a conscientização, desenvolvimento de relacionamentos e a geração de leads.

Basicamente, o inbound marketing atrai clientes para que você não precise ir atrás deles. E ele também ajuda os clientes em potencial a encontrar sua empresa nos estágios iniciais de seu processo de tomada de decisões, o que leva a uma influência mais forte em suas futuras decisões de compra.

Mas hoje, muitas empresas não entendem a construção do conteúdo como uma obrigação da equipe de marketing. Ela é (e deve ser) uma construção de todas as áreas, por isso, a contribuição do time de vendas se faz necessária.

E você sabe como a sua equipe de vendas pode ajudar o time de conteúdo a desenvolver informações e conteúdos cada vez mais precisos? Prepare-se para as dicas!

 

Como um vendedor pode ajudar e se beneficiar do marketing de conteúdo

A diferença entre bons vendedores e grandes vendedores é impressionante.

Bons vendedores, na maior parte do tempo, simplesmente atingem suas metas. Os grandes vendedores não apenas atingem o número de forma consistente, mas ganham a confiança e o respeito de seus clientes em potencial.

Por isso, atingir a meta faz parte de fazer um bom trabalho. Mas ir além, pode fazer os seus vendedores tornarem-se grandes percursores da sua marca.

Ou seja, o vendedor não precisa esperar que os leads (inbound ou outbound) venham prontos para construir o seu pipeline. Ele pode colaborar para trazer leads ainda mais qualificados e aumentar a probabilidade de fechar uma venda. Como? Utilizando três etapas básicas:

Atrair

O vendedor deve mostrar aos seus prospects que podem confiar nele para ajudá-los a resolver problemas. Afinal, ele está oferecendo a solução ideal, não é mesmo?

Colocar uma mensagem no agendamento da reunião ou no primeiro e-mail mostrando que aquela conversa e a reserva do tempo em sua agenda valerá a pena, pode ajudar a passar ainda mais confiança ao lead, diminuindo a taxa de no-follow.

E como fazer isso?

A dica é: além do conteúdo de qualidade, você deve criar um conteúdo sensacional!

Essa dica mostra a efetividade do marketing de conteúdo para vendas complexas. Incentive os seus vendedores a enviarem um conteúdo que faça sentido para ele! Que ele vá olhar e pensar “é isso mesmo que eu estava procurando!

Além disso, use uma ferramenta como um Software CRM para ajudar a organização nas etapas de cada vendedor. Você pode por exemplo, ver quantos prospects estão ativos e com chance de fechamento. Ou até mesmo quantas ligações os seus vendedores estão fazendo por dia.

Ah! E não esqueça de utilizar as conversas e chamadas para passar feedback ao seu time e entender pontos de melhoria. (isso é extremamente importante).

 

Engajar

Manter contato com os potenciais clientes e personificar a mensagem é um dos meios mais efetivos para conquistar um cliente.

Rastreie quanto tempo as pessoas estão gastando com o conteúdo e automatize partes do processo de vendas criando sequências de e-mail e automação de marketing para poder continuar contato com o prospect e mantê-lo um lead quente.

É importante criar um cronograma que disponibilize consistentemente conteúdo novo e relevante para continuar engajando seu público. Lembre-se de que seu tema deve estar focado nos problemas do cliente, não no seu negócio.

Converter

Reuniões, conversas e citações não apenas facilitam a vida do seu vendedor – elas facilitam a vida de seus clientes também. Por isso, torne seu processo de vendas o mais agradável possível para seus clientes.

Não existe uma única estratégia de marketing de conteúdo para vendas que funcione perfeitamente. Você, como gestor de vendas, deve incentivar a sua equipe a testar e mensurar o retorno para encontrar a mais efetiva e que a que traz resultados concretos.

Não esqueça de que o feedback para os outros times também faz parte do processo e é fundamental para a melhoria da empresa. Então, reserve um tempo para avaliar e mostrar resultados para as demais equipes.

Agora que você já sabe a importância do marketing de conteúdo para vendas, que tal colocar em prática na sua empresa?

Leia nosso outro artigo: Como ser um líder de vendas.

*Este artigo foi escrito pela equipe da Clientar CRM, uma plataforma completa e intuitiva para fazer a gestão das vendas do seu time. Quer ler mais sobre vendas? Conheça o nosso blog!

Conteúdo para Inbound Marketing: como terceirizar com inteligência?

Conteúdo para Inbound Marketing: como terceirizar com inteligência?

Às vezes, temos vontade de assumir a responsabilidade por tudo e nos comprometemos mais do que pode dar conta. É o que acontece com grande parte das empresas que optam por internalizar toda a produção de conteúdo para Inbound Marketing.

 Apesar dos benefícios que uma produção internalizada pode trazer, algumas limitações se impõem, sobretudo quando há necessidade de escalar da produção de conteúdo sem, claro, perder qualidade. 

Essa é uma dor frequente em profissionais de marketing. Além do planejamento estratégico de marketing global, é necessário pensar no Inbound como núcleo a parte: planejar, executar ações, produzir conteúdos e monitorar sua performance.

No que tange a produção de conteúdo, surge o desafio de encontrar profissionais com habilidades técnicas em redação para web, domínio de táticas de SEO, e, além disso, conhecimentos específicos sobre as soluções ofertadas – o que, necessariamente, é resultado de um processo de imersão, treinamentos, etc, que acabam custando muitas horas do gestor de marketing.

Por tal motivo, terceirizar o conteúdo para Inbound Marketing é uma alternativa viável adotada por empresas que utilizam esta tática de marketing digital.

Sabemos que nem sempre essa é uma decisão fácil, pois ainda que exista a necessidade de escalar, “tirar a operação de casa” pode ser motivo de preocupação, certo?

Não se a terceirização for pensada de forma inteligente, com processos claros e objetivos.

Neste post, descubra tudo sobre terceirizar conteúdo para Inbound Marketing e escalar sua produção sem riscos de perder em qualidade.

Você vai ler sobre:

  • Mecanismos adequados à produção de conteúdo para Inbound Marketing
  • O que são e de que forma estabelecer um Service Level Agreement (SLA)
  • Quais são as vantagens de terceirizar conteúdo para Inbound Marketing

Quais são as vantagens de terceirizar a produção de conteúdo para Inbound Marketing?

Sabemos que a intenção de internalizar a produção é sempre a melhor possível: garantir a qualidade esperada e não correr riscos de “falhas”, como prazos não cumpridos ou dores de cabeça relativas ao gerenciamento de artigos e redatores.

Desse modo, acreditamos estar tomando as precauções necessárias para não colocar todo o planejamento sob ameaça.

Entretanto, na prática, nem tudo funciona tão bem quanto imaginado e, o que deveria ser uma solução excelente, acaba se tornando um problema: você não consegue escalar.

Os motivos são muitos: o custo dos profissionais alocados, limitações dos profissionais, falta de produtividade e até mesmo “falta de braço” para absorver projetos maiores – que acabam ficando na gaveta.

É bom lembrar, também, que a produção de conteúdo para Inbound Marketing exige profissionais com habilidades altamente específicas, o que pode sair caro, principalmente se considerarmos a obtenção de resultados a médio e longo prazo.

Considere que isso inclui gastos com a contratação de novos funcionários, infraestrutura para que eles possam trabalhar, dentre outros.

Uma opção recorrente – porém, de resultados mais incertos – é a contratação dos redatores freelancers.

Apesar da possibilidade de ser mais barata, é difícil estabelecer acordos e ter a garantia do trabalho terceirizado. Nesse caso, para que tudo ocorra bem, é preciso que haja boas indicações e uma dose de sorte para cair nas mãos do profissional adequado. Mas, até chegar lá, você pode passar por surpresa bem desagradáveis.

Outra alternativa é terceirizar com as produtoras especializadas em auxiliar empresas a terceirizar conteúdo para Inbound Marketing.

 Com profissionais experientes na redação de conteúdo para blogs de diferentes domínios, as produtoras costumam ter um banco de colaboradores para diferentes áreas. Além, é claro, de estarem perfeitamente familiarizadas com recursos de SEO e demais mecanismos de busca.

Desse modo, uma produtora pode garantir a acuidade técnica da produção e desenvolver um trabalho coerente com as expectativas do contratante.

Contudo, manter o controle e avaliar os resultados ainda é papel de um gestor. Portanto, temos dicas de alguns procedimentos que devem ser implementados, junto à terceirização, para ter a garantia de sucesso.

 

Garantindo qualidade ao terceirizar conteúdo para Inbound Marketing 

O estabelecimento de processos claros e eficientes é a base para qualquer ação dentro de uma empresa. Ter a consciência de cada etapa e do fluxo de trabalho necessário à todas as atividades de gestão é o segredo para alcançar escalabilidade e constância de resultados.

Pensando dessa maneira, há alguns procedimentos de segurança e otimização que podem ser tomados ao optar pela terceirização do conteúdo para Inbound Marketing.

1- Documentar o processo de terceirização

Estruturar um processo de produção de conteúdo para Inbound Marketing é importante. No entanto, documentá-lo pode ser ainda mais!

Em uma empresa, todas as ações devem ser registradas com o máximo de detalhamento. Isso é algo positivo à análise de resultados e à replicação de métodos para outros setores. O controle de um processo documentado é vital para o crescimento e o escalonamento de resultados. No caso do conteúdo para Inbound Marketing, documente:

  • Profissionais envolvidos desde a produtora de conteúdo até a empresa contratante – especialmente, os touchpoints;
  • Prazos distintos para cada uma das etapas descritas acima;
  • Etapas do processo de produção.

Na Gummy, por exemplo, há uma série de etapas para garantir a qualidade das entregas. Num primeiro momento, o briefing é recebido – ou desenvolvido – por nossos(as) Content Managers. Após certificar-se de que os briefings têm a qualidade necessária para produção, é encaminhado a um redator especializado.

Este, por sua vez, produz o conteúdo no prazo estabelecido e devolve-o para o(a) gestor(a). O material é revisado e passa por um checklist, no qual verifica-se a sua qualidade, adequação à normas de SEO e exigências específicas, de acordo com o solicitado pelo cliente.

Finalmente, conteúdo é entregue para aprovação e, caso necessário, os ajustes são feitos e devolvidos ao contratante em prazos previamente alinhados e, portanto, sem surpresas, nem atrasos, nem dor de cabeça.

2- Service Level Agreement (SLAs)

A sigla SLA é a definição de um nível mínimo de qualidade a ser respeitado nas passagens de bastão. Existe para garantir que cada parte se responsabilizará pelos seus resultados e que estes não sejam baseados apenas na percepção individual.

Eles devem ser documentados e transparentes, com o intuito que não haja dúvidas quanto às expectativas em cada etapa da produção de conteúdo para Inbound Marketing.

Aqui na Gummy muitos clientes possuem SLAs definidos e formalmente registrados desde o início do projeto, o que garante mais segurança ao contratante.

3- Fluxo de comunicação

A comunicação é a base de qualquer trabalho em equipe. Especialmente, quando envolve duas empresas diferentes.

Para uma terceirização de conteúdo para Inbound Marketing mais confiável, estabeleça canais de comunicação para garantir a eficiência no acompanhamento por parte dos times elencados e na passagem de bastão.

O mecanismo básico, naturalmente, é o e-mail. Porém, ele não é o único! É possível utiliza ferramentas para gestão de projetos, grupos de Whatsapp, entre outros, desde que tudo possa ser registrado e documentado.

Um bom exemplo disso é o Trello, plataforma frequentemente utilizada na rotina de trabalho da Gummy.

Importante: nunca deixa de registrar mensagens todos os pontos de contato. Somente o registro concreto de informações funcionará como argumento sólido no caso de algo não sair exatamente conforme o combinado.

4- Feedbacks e relacionamento com o cliente

Por fim, estabeleça uma relação sincera e duradoura com o seu parceiro. Tanto a produtora quanto a empresa contratante devem comunicar como foi a recepção das entregas.

  • Estão de acordo com os SLAs?
  • O que ainda pode ser melhorado?
  • O que vale a pena ser replicado?

Procure terceirizar com empresas com as quais você possa manter um canal aberto, tanto para cobranças, quanto para propostas de melhoria.

Fazer este processo de avaliação conjunta regularmente fortalece as relações de confiança, cria agilidade e favorecer a qualidade da produção de conteúdo.

Além disso, registre os learnings dessa interação.

Na ativação de um novo cliente pela Gummy, por exemplo, utilizamos um ferramenta interna que chamamos “Brainbox”. Nela, registramos todos os feedbacks e acordos já efetuados. Também estão inclusos neste processo manuais de redação, detalhamento de personas e orientações atualizadas a cada avaliação. Trata-se de um banco de conhecimento facilmente acessível por qualquer envolvido no projeto e alimentado continuamente com informações relevantes para o bom desempenho da produção.

O resultado são entregas mais consistentes, a diminuição do riscos de erros e ajustes e a melhoria contínua da qualidade das entregas.

Gostou das dicas? A terceirização pode ser uma mão na roda para quem precisa focar no planejamento estratégico e operacional. Não é necessário perder tempo com a produção de conteúdo para Inbound Marketing se você tiver um parceiro de confiança que o faça!

Agora, caso você trabalhe em agência e deseje aprimorar o seu processo, clique aqui! Esta leitura vai ajudá-lo(a) a sanar as suas dúvidas e aprimorar os métodos já empregados. 🙂

O que o mercado B2B pode aprender com a Black Friday?

O que o mercado B2B pode aprender com a Black Friday?

Estamos chegando perto de um dos eventos mais controversos do mercado B2C. Trata-se da Black Friday, famosa por todos os alvoroços causados durante esse período. São lojas com filas quilométricas de clientes, disputando por produtos com descontos generosos.

Por outro lado, é conhecida também por representar boas oportunidades de compra a quem se programa e garante a promoção que tanto espera.

Seja qual for a sua perspectiva, acontece que modelos de negócio B2B sentem-se do lado de fora desta festa – como se não houvesse espaço para eles. Na verdade, é o contrário!

Quer descobrir como a Black Friday funciona para B2B? Continue a leitura que a gente te conta! 🙂

Você vai ler sobre:

  • Quais são as principais táticas de venda B2B para uma estratégia
  • Como fazer uma Black Friday B2B e aproveitar a data para vendas
  • Como inovar e criar ações fantásticas para essa data

O diferencial entre a Black Friday B2B e B2C

Claro que não é tão simples obter os mesmos efeitos de vendas B2C na Black Friday B2B. Afinal, são lógicas distintas que regem estas duas jornadas do consumidor.

Ao passo em que o B2C é movido por impulsos mais emotivos e sensações de escassez, causadas por uma oferta extremamente limitada, o B2B atua de maneira diferente.

No Marketing B2B, as vendas são caracterizadas por processos mais longos e complexos. Isso acontece porque a cadeia de decisão envolve profissionais distintos até que a compra seja aprovada.

Além disso, o ticket médio também costuma ser mais alto. Tal fato, por si só, já é bastante preventivo de decisões antecipadas e pouco estratégicas. Quanto maior for o investimento, maior a preocupação em verificar todos os detalhes do fechamento de um negócio.

Baseado nesses dois itens, já dá para saber que a criação da Black Friday B2B não é uma aplicação idêntica à B2C. Entretanto, listamos 5 lições para você aprender com esse evento e utilizar na melhoria das estratégias de Marketing B2B.

5 ações para organizar uma Black Friday no mercado B2B

1- Projete expectativas

A Black Friday não é um evento que acontece da noite para o dia. Pelo contrário, ela possui data fixa no calendário e um histórico de promoções notáveis.

Esses dois fatos aliados são o suficiente para deixar as pessoas na expectativa do evento, permitindo com que elas cultivem a sensação de valor atribuído.Em uma estratégia voltada para as empresas, você pode utilizar dos mesmos princípios para obter resultados similares em sua Black Friday B2B.

Caso sua empresa tenha um nome consagrado no setor e um produto de vendas regulares, estabelecer uma data fixa anual pode ser ótimo. Caso contrário, é preciso preparar o lead através dos fluxos de comunicação e conteúdo.

Envie anúncios via e-mail, divulgando a promoção que ocorrerá em breve. Aplicar banners virtuais no meio dos conteúdos Inbound também é uma forma de divulgá-la.

Naturalmente, isso deve ser feito com uma certa antecedência. Aproximadamente 3 meses é um bom período para que os leads possam organizar suas finanças e criar expectativas sobre o grande evento que está sendo organizado.

2- Estabeleça deadlines

Uma campanha que dura para sempre não é uma promoção – mas, sim, uma diminuição no custo do produto. Apesar de um bom preço ser tentador, sabemos que há gatilhos mentais, que servem para dar um empurrãozinho no momento da venda.

Um deles é o senso de urgência, o qual é despertado quando nos deparamos com uma oferta limitada. Quando sabemos que essa oportunidade é única e não se repetirá tão cedo, sentimo-nos pressionados e motivados a acelerar o processo de decisão.

Em sua estratégia de Marketing B2B, quando estiver mais próximo da data da promoção, acrescente a sua duração. Faltando 1 mês para o evento, já é hora de chamar a atenção do lead, privilegiando esta informação nos conteúdos veiculados.

3- Crie a sensação de escassez

Outro gatilho mental muito utilizado na Black Friday é a escassez. Todos sabem que a oferta é limitada. Por isso, sentem que é necessário agir rápido. É o momento em que estratégias, como as abaixo, funcionam bem:

  • “Oferta especial para as 100 primeiras compras do dia”;
  • “Oferta enquanto durarem os estoques de produtos à pronta entrega”.

As condições tentadoras fazem o lead acreditar que está competindo com os outros – sendo que estes pensam da mesma forma -, impulsionando-os a comprar rapidamente.

4- Ofereça incentivos

A promoção, por si só, já um atrativo. Mas, pode ficar ainda melhor! Uma vez que o cenário é favorável para convencer o lead sobre o fechamento do negócio, oferecer algo a mais é o diferencial que falta.

É comum que as marcas estabeleçam parcerias para eventos como a Black Friday. Estas fazem isso quando oferecem preços mais convidativos, caso o cliente decida por vendas casadas.

Na Black Friday B2B, também é possível fazer o mesmo: buscar parcerias com empresas que ofereçam soluções sincronizadas à sua. É possível fornecer um período promocional de produção de conteúdo digital junto a um software de automação de marketing, por exemplo.

Isso vai com as possibilidades e as relações que você é capaz de criar.

5- Personalize suas ofertas

O cliente de hoje quer sentir-se especial. Ele têm as suas próprias necessidades e sente-se acolhido por empresas que demonstram conhecê-las profundamente, oferecendo propostas direcionadas nesse sentido.

A personalização de conteúdos e ofertas é uma realidade com o avanço das tecnologias e as estratégias de uso de dados no Marketing.

Hoje, podemos segmentar os leads de formas diversas, o que permite direcionar conteúdos conforme, entre outros fatores:

  • Idade;
  • Faturamento;
  • Dores de mercado;
  • Setor de atuação etc.

Não há limites para as possibilidades de segmentação. Basta conhecer as suas personas e identificar o melhor para cada uma delas.

A Black Friday pode ser uma ótima ocasião para enviar oferta personalizada. Ao contrário da avalanche de e-mail que o lead estará recebendo de fornecedores B2C, nos canais B2B a concorrência pode ser menor. E um approach personalizado pode fazer com que você se diferencie ainda mais. 

Ao invés de nutrir com conteúdos de topo e meio de funil, pense em ofertas diretas. Caso seja possível, entre em contato direto através de um fluxo de e-mail ou cold call 2.0, tomando o cuidado de tornar a cadência ou e-mail o mais pessoal possível.

Seja qual for o serviço ou oferta que deseja faz, o importante é fazer com que o lead não se sinta dentro de uma automação de marketing e sinta com que aquela oferta irresistível foi enviada por alguém que realmente se importa com o seu negócio e conhece a fundo as suas dores.

Assim, você será capaz de criar uma promoção irresistível e dedicada, despertando no lead um senso de responsabilidade em aderir à oferta. Afinal, ela foi feita especialmente para ele!

E aí, já conhecia alguma dessas técnicas? Você faz uso de alguma no seu dia-a-dia? Divida as suas experiências, nos comentários! Queremos saber o que funciona na sua empresa.

Agora que você sabe o que é a Black Friday B2B, falta compreender as melhores práticas para materiais de altíssima qualidade. Leia esse post e aprenda sobre a personalização de conteúdos e outras tendências do Inbound Marketing. Boa leitura!

Página 1 de 41234

Contato