O que o mercado B2B pode aprender com a Black Friday?

O que o mercado B2B pode aprender com a Black Friday?

Estamos chegando perto de um dos eventos mais controversos do mercado B2C. Trata-se da Black Friday, famosa por todos os alvoroços causados durante esse período. São lojas com filas quilométricas de clientes, disputando por produtos com descontos generosos.

Por outro lado, é conhecida também por representar boas oportunidades de compra a quem se programa e garante a promoção que tanto espera.

Seja qual for a sua perspectiva, acontece que modelos de negócio B2B sentem-se do lado de fora desta festa – como se não houvesse espaço para eles. Na verdade, é o contrário!

Quer descobrir como a Black Friday funciona para B2B? Continue a leitura que a gente te conta! 🙂

Você vai ler sobre:

  • Quais são as principais táticas de venda B2B para uma estratégia
  • Como fazer uma Black Friday B2B e aproveitar a data para vendas
  • Como inovar e criar ações fantásticas para essa data

O diferencial entre a Black Friday B2B e B2C

Claro que não é tão simples obter os mesmos efeitos de vendas B2C na Black Friday B2B. Afinal, são lógicas distintas que regem estas duas jornadas do consumidor.

Ao passo em que o B2C é movido por impulsos mais emotivos e sensações de escassez, causadas por uma oferta extremamente limitada, o B2B atua de maneira diferente.

No Marketing B2B, as vendas são caracterizadas por processos mais longos e complexos. Isso acontece porque a cadeia de decisão envolve profissionais distintos até que a compra seja aprovada.

Além disso, o ticket médio também costuma ser mais alto. Tal fato, por si só, já é bastante preventivo de decisões antecipadas e pouco estratégicas. Quanto maior for o investimento, maior a preocupação em verificar todos os detalhes do fechamento de um negócio.

Baseado nesses dois itens, já dá para saber que a criação da Black Friday B2B não é uma aplicação idêntica à B2C. Entretanto, listamos 5 lições para você aprender com esse evento e utilizar na melhoria das estratégias de Marketing B2B.

5 ações para organizar uma Black Friday no mercado B2B

1- Projete expectativas

A Black Friday não é um evento que acontece da noite para o dia. Pelo contrário, ela possui data fixa no calendário e um histórico de promoções notáveis.

Esses dois fatos aliados são o suficiente para deixar as pessoas na expectativa do evento, permitindo com que elas cultivem a sensação de valor atribuído.Em uma estratégia voltada para as empresas, você pode utilizar dos mesmos princípios para obter resultados similares em sua Black Friday B2B.

Caso sua empresa tenha um nome consagrado no setor e um produto de vendas regulares, estabelecer uma data fixa anual pode ser ótimo. Caso contrário, é preciso preparar o lead através dos fluxos de comunicação e conteúdo.

Envie anúncios via e-mail, divulgando a promoção que ocorrerá em breve. Aplicar banners virtuais no meio dos conteúdos Inbound também é uma forma de divulgá-la.

Naturalmente, isso deve ser feito com uma certa antecedência. Aproximadamente 3 meses é um bom período para que os leads possam organizar suas finanças e criar expectativas sobre o grande evento que está sendo organizado.

2- Estabeleça deadlines

Uma campanha que dura para sempre não é uma promoção – mas, sim, uma diminuição no custo do produto. Apesar de um bom preço ser tentador, sabemos que há gatilhos mentais, que servem para dar um empurrãozinho no momento da venda.

Um deles é o senso de urgência, o qual é despertado quando nos deparamos com uma oferta limitada. Quando sabemos que essa oportunidade é única e não se repetirá tão cedo, sentimo-nos pressionados e motivados a acelerar o processo de decisão.

Em sua estratégia de Marketing B2B, quando estiver mais próximo da data da promoção, acrescente a sua duração. Faltando 1 mês para o evento, já é hora de chamar a atenção do lead, privilegiando esta informação nos conteúdos veiculados.

3- Crie a sensação de escassez

Outro gatilho mental muito utilizado na Black Friday é a escassez. Todos sabem que a oferta é limitada. Por isso, sentem que é necessário agir rápido. É o momento em que estratégias, como as abaixo, funcionam bem:

  • “Oferta especial para as 100 primeiras compras do dia”;
  • “Oferta enquanto durarem os estoques de produtos à pronta entrega”.

As condições tentadoras fazem o lead acreditar que está competindo com os outros – sendo que estes pensam da mesma forma -, impulsionando-os a comprar rapidamente.

4- Ofereça incentivos

A promoção, por si só, já um atrativo. Mas, pode ficar ainda melhor! Uma vez que o cenário é favorável para convencer o lead sobre o fechamento do negócio, oferecer algo a mais é o diferencial que falta.

É comum que as marcas estabeleçam parcerias para eventos como a Black Friday. Estas fazem isso quando oferecem preços mais convidativos, caso o cliente decida por vendas casadas.

Na Black Friday B2B, também é possível fazer o mesmo: buscar parcerias com empresas que ofereçam soluções sincronizadas à sua. É possível fornecer um período promocional de produção de conteúdo digital junto a um software de automação de marketing, por exemplo.

Isso vai com as possibilidades e as relações que você é capaz de criar.

5- Personalize suas ofertas

O cliente de hoje quer sentir-se especial. Ele têm as suas próprias necessidades e sente-se acolhido por empresas que demonstram conhecê-las profundamente, oferecendo propostas direcionadas nesse sentido.

A personalização de conteúdos e ofertas é uma realidade com o avanço das tecnologias e as estratégias de uso de dados no Marketing.

Hoje, podemos segmentar os leads de formas diversas, o que permite direcionar conteúdos conforme, entre outros fatores:

  • Idade;
  • Faturamento;
  • Dores de mercado;
  • Setor de atuação etc.

Não há limites para as possibilidades de segmentação. Basta conhecer as suas personas e identificar o melhor para cada uma delas.

A Black Friday pode ser uma ótima ocasião para enviar oferta personalizada. Ao contrário da avalanche de e-mail que o lead estará recebendo de fornecedores B2C, nos canais B2B a concorrência pode ser menor. E um approach personalizado pode fazer com que você se diferencie ainda mais. 

Ao invés de nutrir com conteúdos de topo e meio de funil, pense em ofertas diretas. Caso seja possível, entre em contato direto através de um fluxo de e-mail ou cold call 2.0, tomando o cuidado de tornar a cadência ou e-mail o mais pessoal possível.

Seja qual for o serviço ou oferta que deseja faz, o importante é fazer com que o lead não se sinta dentro de uma automação de marketing e sinta com que aquela oferta irresistível foi enviada por alguém que realmente se importa com o seu negócio e conhece a fundo as suas dores.

Assim, você será capaz de criar uma promoção irresistível e dedicada, despertando no lead um senso de responsabilidade em aderir à oferta. Afinal, ela foi feita especialmente para ele!

E aí, já conhecia alguma dessas técnicas? Você faz uso de alguma no seu dia-a-dia? Divida as suas experiências, nos comentários! Queremos saber o que funciona na sua empresa.

Agora que você sabe o que é a Black Friday B2B, falta compreender as melhores práticas para materiais de altíssima qualidade. Leia esse post e aprenda sobre a personalização de conteúdos e outras tendências do Inbound Marketing. Boa leitura!

Como medir a efetividade do marketing de conteúdo

Como medir a efetividade do marketing de conteúdo

Planejar e executar a estratégia de Inbound Marketing ideal é apenas metade do caminho. Certificar-se da efetividade do Marketing de Conteúdo, baseada em métricas definitivas, é a reta final para alcançar o crescimento das suas vendas.

É comum que gestores, seja por inexperiência ou por falta de conhecimento, esqueçam de acompanhar resultados. Estes mesmos ficam frustrados com números abaixo do esperado, sem, contudo, verificar os dados que estruturam a razão do saldo negativo.

Cerca de 74% das empresas que não batem metas deixam de fazer um acompanhamento adequado dos KPIs. Sendo assim, fica clara a relação direta entre os resultados atingidos e o hábito de acompanhar métricas no Marketing de Conteúdo.

Como já é sabido, planejamento é essencial para o sucesso, mas não basta apostar apenas na genialidade das próprias ideias e deixar a execução correndo a seu bel prazer.

Erra aquele que canta vitória antes da hora e tem seu sucesso como garantido, com risco de causar danos graves ao processo comercial inteiro.

Por conta disso, devem estar incluídos no planejamento estratégico os métodos e as ferramentas utilizados para medir o impacto do Inbound Marketing.

Mas como saber quais métricas devem ser consideradas? Se você tem essa dúvidas, continue lendo!

Conheça, neste conteúdo, as principais métricas e Key Performance Indicators (KPIs) de efetividade do Marketing de Conteúdo e não perca de vista os resultados.

Hoje você vai ler sobre:

    • Lista dos principais KPIs para ações de Inbound Marketing
    • Dicas de ferramentas para a coleta e a análise de métricas
    • Como identificar o sucesso de uma estratégia de conteúdo

 

Principais KPIs do Inbound Marketing

As métricas e os KPIs estão para os gestores de empresas tal qual a bússola está para um navegador. São instrumentos absolutamente necessários para otimizar o trabalho e garantir que os objetivos sejam alcançados.

Logo, estar à frente de uma empresa (ou de um departamento específico) não possibilita achismos. O planejamento estratégico necessita de informações com um olhar privilegiado, capaz de identificar obstáculos previamente e propor uma solução em tempo hábil.

Porém, quais métricas no marketing de conteúdo vale a pena acompanhar? A Tecnologia da Informação (TI) tornou possível metrificar quase tudo, mas apegar-se a números demais também pode confundir.

Para poupá-lo(a) desse sufoco, listamos os dados mais relevantes no âmbito do Inbound, os quais lhe servirão de bússola ao navegar pelos mares do Marketing Digital.

1- Tráfego no site

Esta métrica serve para medir o número de visitantes na página em determinado período. É possível metrificar tráfego diário, semanal, mensal etc. Analisar diversos espaços de tempo permite a identificação dos padrões de comportamento do lead. Tais como:

  • Horário em que o site é mais acessado;
  • Data comemorativa que possui impacto especial sobre o tráfego;
  • Períodos do mês onde o fluxo é mais intenso e/ou converte em vendas.

Analisando esses dados é possível extrair insights muito preciosos para potencializar a efetividade do Marketing de Conteúdo.

Em um cenário analítico, é possível criar, por exemplo, um planejamento de horários para postagens na home, um estudo dos períodos mais interessantes para campanhas promocionais, etc. Uma das ferramentas adequadas a esta função é o próprio Google Analytics.

 

2- Tempo de permanência na página

Além do tráfego, é válido analisar também quanto tempo o visitante passa em cada página. Isso permite identificar quais conteúdos têm maior potencial de engajamento para, então, compreendermos o porquê disto. Pode ser uma questão de disposição do texto da página, formatação, tipo de conteúdo ou mesmo assuntos mais chamativos.

Entre as métricas no Marketing de Conteúdo, esta também pode ser mensurada com o Google Analytics.

 

3- Progressão do número de listas ou inscritos

Naturalmente, inscrever-se para receber informações sobre conteúdos publicados no site é um excelente indicador de engajamento. Podemos dizer que é um dos primeiros passos a fim de inaugurar relações comerciais mais profundas.

Assim, contabilize o número de novos inscritos, junto aos que se desinscreveram. Calcular a média entre estes dois valores permite a análise de um impacto positivo ou negativo. Para isso, utilize a seguinte fórmula:

Novos inscritos – (Desinscritos/Número total de contatos na lista de e-mails)

 

4- Posicionamento nos mecanismos de busca

Em tempos de Google, sites expostos na primeira página são o alvo de todo profissional da área. Todavia, esta tarefa não é fácil, dada a alta concorrência em torno dessas posições.

Para fazer parte, é necessário seguir dois passos básicos:

  • Selecionar keywords efetivas e de menor concorrência;
  • Otimizar conteúdos com técnicas de SEO relevantes.

As informações que você precisa para aplicar técnicas de otimização estão aqui. Leia e tire as suas dúvidas!

Contudo, estar no topo não é o suficiente. O rankeamento, por si só, não é uma garantia. O importante mesmo é associar a métrica ao tráfego. Afinal, este é o grande objetivo por trás da estratégia Inbound.

Não queremos apenas ser o primeiro. É preciso que o artigo gere tráfego e transforme-se em conversão. Dito isso, as métricas no marketing de conteúdo voltadas para tráfego são:

  • Aumento do tráfego orgânico;
  • Crescimento de links externos;
  • Total de impressões orgânicas;
  • CTR das páginas nos buscadores.

Veja o nosso conteúdo exclusivo para empresas de tecnologia que desejam melhorar o seu desempenho Inbound. Clique aqui para acessá-lo!

5- Taxa de abertura e Click Through Rate (CTR)

No E-mail Marketing e fluxo de nutrição, é importante verificar os conteúdos encaminhados devidamente acessados. De nada adianta encaminhar mil mensagens, quando uma parcela irrelevante destas são abertas e consumidas.

Com essa métrica, você identifica quantos e-mails foram abertos a partir da caixa e também resultaram em cliques nos links, direcionando os leitores para o conteúdo desejado.

Para acompanhar estes números, pode-se um softwares de automação de Marketing, tal como o RD Station, ou versões gratuitas e mais enxutas, como o Mailchimp.

6- Links e autoridade

Outro fator que influencia fortemente nas estratégias de SEO é a presença de links no conteúdo. Isto vale tanto para links que você oferece para outros sites  e páginas, quanto para links recebidos.

Atente-se , portanto, para conseguir boas parcerias na troca de links, pois quanto mais autoridade os sites direcionados dispõem, maior será a pontuação recebida.

Ferramentas como a extensão Mozbar Chrome permitem verificar a relevância das páginas, as quais valem a pena utilizar em estratégias de link building.

7- Acompanhamento das redes sociais

Para divulgação dos sites e atração de novos visitantes, as redes sociais são os meios mais eficazes hoje. Conforme apontam pesquisas recentes, mais de 3 bilhões de usuários estão ativos nas redes sociais, com um crescimento de 13% ao ano.

Ou seja, boa parte do mundo está nas redes e faz uso diário delas. Qualquer empresa que deseja implementar estratégias de Marketing Digital deve estar presente nesses ambientes.

Dentre mais importantes métricas no marketing de conteúdo, estão:

  • Número de seguidores;
  • Número de interações na postagem;
  • Número de compartilhamentos;
  • Taxa de conversão em acessos ao site (CTR).

Com o propósito de auxiliar o uso profissional das redes, as mesmas possuem ferramentas para medir estes índices.

Finalmente, os KPIs e as métricas no Marketing de Conteúdo são assuntos básicos para manter o controle de estratégias Inbound. Uma vez que oferecem um panorama rico o suficiente para embasar decisões, que resultam em melhorias de desempenho a serem aplicadas.

Caso tenha dúvidas acerca da efetividade do Marketing de Conteúdo, estamos prontos para ajudar. Entre em contato e solicite um diagnóstico gratuito! Vamos descobrirmos juntos como produzir conteúdos cada vez mais incríveis 🙂

Além do conteúdo de qualidade: como criar um conteúdo sensacional

Além do conteúdo de qualidade: como criar um conteúdo sensacional

Às vezes, parece que nossos esforços não trazem resultado algum. É desanimador quando gastamos tanto tempo e energia criando um conteúdo de qualidade e, mesmo assim, a conversão continua baixa, não é mesmo? Caso você já tenha se sentido assim, saiba que, certamente, não é o(a) único(a).

Dados do Content Marketing Institute revelam que 30% dos profissionais de Marketing B2B não estão satisfeitos com os resultados de suas estratégias Inbound. Pior do que isso, 55% deles sequer têm a clareza de como um Marketing de Conteúdo bem sucedido se parece.

Apesar de alarmante, este conhecimento aponta para a necessidade de informar-se melhor. Esta é a base para compreender o funcionamento do Inbound Marketing. Somente desse modo, gestores tornam-se capazes de criar algo que seja inovador e eficiente, escapando do lugar comum.

Neste post, lhe ensinaremos como deixar de produzir conteúdo de qualidade para investir em um conteúdo sensacional, a fim de alcançar os resultados almejados.

Você vai ler sobre:

  • A diferença entre um conteúdo de qualidade e um conteúdo sensacional
  • Quais são as melhores práticas para a produção de conteúdo digital
  • Como se dá o acompanhamento das estratégias de Marketing de Conteúdo.

Afinal, o que é um conteúdo de qualidade e um conteúdo sensacional?

Essa é a pergunta que deve estar sobrevoando sua cabeça desde que você leu o título do blogpost, certo?

O conceito é um pouco abstrato. Até porque o que é sensacional para um, pode não ser para o outro. Porém, acima de relativismos baratos, há algumas técnicas e características que levam alguns conteúdos a terem mais sucesso e visibilidade.

Assim, estes são detalhes que fazem toda a diferença, elevando o conteúdo de qualidade a um patamar mais elevado. Quando tudo está alinhado, os mecanismos de busca podem encontrá-lo facilmente. Além disso, os próprios visitantes também permanecem engajados e propensos a converterem-se em vendas.

Em anos de prática, percebemos que algumas destas práticas fazem a diferença e temos a certeza de que elas podem ajudar você a chegar ainda mais longe.

Portanto, se você estiver com dúvidas sobre o que torna um conteúdo de qualidade algo sensacional, temos um desafio! Que tal mudar suas estratégias? Nossas sugestões são:

1) Estude planeje MUITO a jornada de compra:

Dentro de uma estratégia de marketing de conteúdo é importante saber existem diferentes etapas para captar o cliente. É a famosa jornada de compra, conforme foi identificado por especialistas analisando os padrões de comportamento do consumidor atual.

A função do Inbound é guiar o lead nessa jornada de informação. Isto acontece criando uma estratégia completa onde um conteúdo leva a outro mais aprofundado, até chegar ao produto oferecido.

Consequentemente, saber o tipo de conteúdo certo para utilizar em cada uma delas é o segredo para tracionar o lead até o momento de compra.

Etapas da jornada:

  • Aprendizado e descoberta: nesta etapa o lead ainda não tem plena noção de da dimensão de seus problemas. Algo o inquieta e gera um interesse em pesquisar por determinado assunto.

A função aqui é captar a atenção do lead e fazer com que ele perceba a relevância do tema abordado no conteúdo, levando-o a buscar mais informações.  Ex: blogposts introdutórios sobre o assunto, como: “O que é Inbound Marketing?”

  • Reconhecimento do problema: Na segunda etapa o lead reconhece seu problema e começa a buscar soluções de forma mais prática e objetiva.

Nesse caso, o conteúdo deve ser voltado para os possíveis problemas que a persona pode estar enfrentando, mostrando formas de solucioná-los. Ex: postagens com títulos tais como: “O que fazer para aumentar o tráfego de um blog?”

  • Consideração da solução: Após convencer-se de que o problema precisa ser solucionado, ele passa a considerar alguma das soluções encontradas.

Por isso, os conteúdos da 3ª etapa da jornada precisam despertar o senso de urgência e apontar para ferramentas reais que podem ser a solução adequada. Ex: “Os melhores softwares para o dia a dia de gestores de conteúdo”

  • Decisão de compra: Enfim, o lead está pronto para escolher uma solução e fechar negócio.Naturalmente, é o momento de falar claramente do produto/serviço que está sendo promovido. Os conteúdos dessa fase devem deixar claros os diferenciais de determinada solução em relação às demais e indicar formas de obtê-la. Ex: Estudos de casos de sucesso com o uso da solução indicada.

Esse é o momento de fazer a diferença

Ok, você já sabe o que é uma jornada de compra básica, certo?

Pois saiba que é possível adaptá-la à realidade de seu público-alvo e seus objetivos de marketing. Isso significa que nem sempre sua jornada seguirá essa lógica e em muitos casos é necessário criar uma jornada para cada persona.

A dica é conhecer MUITO bem as suas personas personas e, principalmente, identificar (ou prever através de dados e informações anteriormente coletadas) como elas comportam-se em cada etapa.

Este será o norte que definirá o tipo de conteúdo adequado para uma delas e pode ser um grande ponto de diferenciação entre um bom conteúdo e um conteúdo sensacional, já que, neste cenário, estamos falando de conteúdos cada vez mais personalizados, que despertem na persona a ideia de que “este conteúdo foi feito para mim”. Caso isso aconteça, meu caro: você criou um conteúdo sensacional.

Criar um conteúdo sensacional significa não apenas atingir objetivos dentro de uma estratégia de marketing digital (conteúdo de qualidade), mas atrair a atenção e provocar reações nas personas com as quais se pretende dialogar. Em resumo, um conteúdo sensacional é aquele que realmente significa algo no contexto de seu leitor.

E, por falar nisso:

2) Alveje as personas certas:

Conteúdo de qualidade público alvo

Foco no alvo!

O segundo passo para se comunicar com maestria é entender exatamente com quem você deseja falar. Um conteúdo sensacional está longe de ser algo genérico. Ele precisa ser fruto de uma estratégia focada em personas específicas e muito bem construídas.

Deste modo, você garante a efetividade da comunicação, posicionando-se adequadamente em questões como:

  • Vocabulário;
  • “Tom”/Estilo do texto;
  • Necessidades objetivas.

No processo comercial, o rapport é de extrema relevância. Afinal, ser capaz de criar uma relação de identidade com seus visitantes é, sem dúvidas, um grande diferencial.

Na dúvida sobre como criar personas? Baixe este ebook e aprenda de modo rápido e fácil.

3) Seja único e, ao mesmo tempo, adaptável:

Tradução: A única coisa que buscamos é carisma, singularidade, coragem e talento.

Um conteúdo de qualidade impecável destaca-se dos demais, isso é verdade! No entanto, o conteúdo sensacional é único e está sempre um passo à frente. É comum encontrarmos vários artigos sobre tópicos quase idênticos.

Isso acontece devido às estratégias preguiçosas, que estão mais interessadas em aderir tendências do que identificá-las de antemão e tornar-se um modelo a ser seguido.

Consequentemente, quando você cria materiais únicos, está dando um motivo a mais para que os visitantes prefiram visitar o seu site. Isso envolve um estilo próprio definido, tanto em termos de linguagem, quanto na própria estrutura da postagem e da página.

Invista em um design amigável e chamativo para cativar o leitor. Também vale ressaltar que não é preciso limitar-se a blogposts! Afinal, a Internet é vasta e as possibilidades, também: explore vídeos, infográficos, webinars e outros materiais que funcionem com o perfil traçado das personas.

Logo adiante, vem a necessidade de adaptabilidade. Tudo está em movimento e cada vez mais rápido! Isso significa que o mercado muda, assim como os hábitos de consumo. Logo, mantenha-se vigilante para compreender estas mudanças e fazer os ajustes necessários.

4) Acompanhe as métricas:

conteúdo de qualidade

É preciso ser maníaco por controle.

Finalmente, complementando a dica acima, é indicado que você acompanhe os números para medir os resultados. Em última instância, as informações irão demonstrar de que forma a estratégia está funcionando e como ela pode ser modificada para ser mais abrangente.

Dentre os Key Performance Indicators (KPIs) – ou indicadores-chave de sucesso – que são considerados mais importantes, sugerimos observar:

  • Número de visitantes e seus canais de acesso ao material;
  • Tempo de permanência em cada página de conteúdo;
  • Taxa de conversão de landing pages/materiais ricos;
  • CTR (Click Through Rate);
  • Reações e compartilhamentos em diferentes redes sociais;
  • Resultados de testes A/B.

Como esse assunto vale um olhar mais aprofundado, sugerimos a leitura deste blogpost sobre conteúdos Data-driven.

Você entendeu como agem os tipos de conteúdo?

A grande verdade é que produzir conteúdo de qualidade já não é mais o suficiente! Com o crescimento e a popularização do método Inbound, a quantidade de material disponível na Internet também cresceu de modo avassalador. Para saltar aos olhos e atrair visitantes, um conteúdo precisa ser sensacional!

Aplique estas dicas em sua estratégia e faça os testes por conta própria. Acompanhe as métricas de desempenho, compare-as com os métodos antigos e veja o crescimento com seus próprios olhos.

Se quiser mais exemplos de conteúdos Wow!, visite nosso blog. Estamos sempre buscando novidades e dicas para auxiliar a gestão e a produção de conteúdo em quaisquer tipos de empresa.

Que tal ler mais sobre conteúdo B2B? Clique aqui e veja alguns exemplos.

Produção de conteúdo para sites e blogs: mudanças que você precisa acompanhar

Produção de conteúdo para sites e blogs: mudanças que você precisa acompanhar

Por mais que alguns tentem dizer o contrário, o Marketing de Conteúdo está vivo e passa muito bem. Sua importância é tamanha, que o renomado especialista Seth Godin chegou a considerá-lo como o único tipo de marketing restante. Daí a importância da produção de conteúdo para sites e blogs e o motivo pelo qual ignorá-la pode trazer consequências severas para o sucesso de um negócio no ambiente virtual.

Acontece que, mesmo com tanta informação, troca de ideias e crescente adoção do Marketing de Conteúdo, algumas empresas apresentam dificuldades em colher os frutos da produção de conteúdo para blogs e sites.

Muitas vem contando meses de investimento e ainda não estão obtendo os resultados desejados. Este é o seu caso?

Por que será?

Antes de jogar tudo para o alto e desistir, pense bem: você não está fazendo Inbound como em 2013?

Foi-se o tempo em que a produção de conteúdo para blogs e sites era apenas baseada em volume e palavras-chave.

Assim como tudo o que há no campo digital, as ferramentas web evoluíram nos últimos tempos. Junto disso, os mecanismos de busca também tornaram-se mais eficientes e com múltiplas funcionalidades.

Afinal, as exigências para o sucesso do Marketing de Conteúdo atualizam-se constantemente. Selecionamos novidades que você precisa conhecer desde já. Não fique para trás!

Neste material, você vai ler sobre:

  • Principais tendências na produção de conteúdo para sites e blogs;
  • Mudanças nos formatos de pesquisa em mecanismos de busca;
  • Avanços nos parâmetros de Search Engine Optimization (SEO).

Continue acompanhando e boa leitura!

 

O que mudou na produção de conteúdo para sites e blogs?

Não é preciso ir muito longe.

Temos certeza de que você já vivenciou algumas das grandes mudanças tecnológicas ao longo de sua vida. Há anos atrás, utilizamos a Internet discada e nosso telefones imensos serviam para pouco além de ligações e mensagens de texto.

produção de conteúdo para sites e blogs

Hoje, existem smartphones com processadores mais potentes até do que computadores, os quais podem ser aplicados em quase todas as nossas tarefas diárias.

Ao passo em que as tecnologias evoluem, é notável seu impacto na experiência do ser humano e seus hábitos de vida.

Consequentemente, o Marketing e seus profissionais têm o desafio de se posicionarem para melhor explorar esses avanços.

Vamos falar de algo que tornou-se indispensável em qualquer estratégia digital: as versões mobile. Além de um design responsivo, a produção de conteúdo para sites e blogs deste tipo sofrem novas exigências.

Um exemplo é o crescimento das pesquisas por voz. Em 2016, o CEO do Google já havia revelado: 20% das consultas são feitas deste modo. É interessante observar que esse fato significa também uma mudança no vocabulário utilizado em buscas: ou seja, mais atenção ao SEO!

Se antes os leads pesquisavam “restaurantes São Paulo”, é mais comum o uso de algo como “quais restaurantes estão abertos perto de mim agora?” atualmente. Note que outra metodologia entra em cena: o uso da localização nas pesquisas digitais.

Produção de conteúdo para sites e blogs. O que mudou e a nova tendencia cauda longa.

Fonte: Pesquisa da Ahrefs

 

Do ponto de vista do Marketing de Conteúdo, o impacto está no fato de haver um aumento significativo no uso de palavras-chave de cauda longa. Veja este gráfico comparativo!

Como podemos observar, há uma predominância de 41,7% das buscas com 5 ou até mais palavras.

Isso revela que os leads querem respostas para perguntas concretas, o que exige objetividade na produção de conteúdo para sites e blogs.

Paralelamente, temos as mudanças nos próprios mecanismos. Uma vez que o Google detém 90% do mercado de pesquisas, focaremos nas suas atividades.

 

Quais algoritmos foram atualizados pelo Google?

Para otimizar o serviço em meio ao crescente volume de materiais produzidos na Internet, o site atualizou alguns de seus algoritmos. Os mais importantes para a criação de conteúdo, são:

 

Algoritmo Penguin

O recurso desenvolve a maior condenação das táticas de spam nos mecanismos de busca. De forma resumida, o Google penaliza duramente qualquer transgressão executada contra suas guidelines. Estas são as chamadas práticas Black Hat, protagonistas de uma baixa impactante na autoridade das plataformas.

Graças ao uso indevido de palavras-chave e outras formas de webspam, este algoritmo de busca foi aprimorado para penalizar o uso de técnicas irregulares. Agora, o Google penaliza o uso excessivo de keywords e links.

COMO AGIR: Para não ser penalizado, tenha em mente que um uso regular da palavra-chave é mais importante do que volume. E no que tange aos links, utilize somente aqueles para boas referências – sejam internos ou externas. Dessa forma, você garante tráfego no próprio site ao mesmo tempo em que se beneficia da pontuação daqueles linkados junto ao Google.

 

Algoritmo Hummingbird

Este algoritmo é voltado a uma percepção semântica das buscas online. Ao invés de você pesquisar por cada palavra separadamente, o Google identifica a relação entre as mesmas e os resultados mais adequados.

COMO AGIR: A busca por voz transformou o modo como perguntamos ao Google. Isso significa que as pesquisas assemelham-se a uma conversa real. Adequar o vocabulário na produção de conteúdo para sites e blogs e dividi-lo em tópicos é o melhor caminho.

Algoritmo RankBrain

Ele funciona quase como um complemento ao algoritmo acima. Com o uso de Inteligência Artificial, o Google é capaz de aprender com as buscas já realizadas e ainda sugerir novos resultados. Logo, ele poderá encontrar páginas que não correspondem exatamente àquilo digitado na busca, mas que estão diretamente conectadas.

COMO AGIR: Crie uma estratégia abrangente, de modo que os leads possam encontrar seu conteúdo mesmo que não procurem as palavras-chave ideais.

Executar a produção de conteúdo para sites e blogs a partir das regras delimitadas por esses algoritmos é a nova tendência. Não adianta investir em métodos ultrapassados e ser penalizado pelo próprio Google no desempenho de seus materiais. Assim, modernize o seu processo e mostre a todos que você entende do assunto!

Leia também: Hacks de SEO para sites, tirando melhor proveito dos mecanismos de busca.

As principais tendências na produção de conteúdo

Já conhecemos as principais alterações nas ferramentas de pesquisa e demais tecnologias que impactaram o Marketing nos últimos anos. Agora, o próximo passo é conhecer algumas das maiores tendências na produção de conteúdo.

Atente-se a estas dicas e não perca tempo para dar aquele upgrade na sua estratégia atual:

1) Remarketing

Sabe quando você está navegando na Internet e, de repente, começa a enxergar anúncios de um site que visitou recentemente? É o chamado remarketing. Atualmente, ele é uma das formas mais lucrativas de Marketing Digital.

Quando o lead depara-se com suas Call To Actions (CTAs) muitas vezes, as oportunidades de conversão são maiores. Isso porque o crescente interesse gerado por essa técnica age de modo quase inconsciente, familiarizando o usuário com seu material e deixando a marca gravada em sua memória.

COMO APLICAR: Para aplicar esta tendência na produção de conteúdo para sites e blogs, é preciso aderir a algumas skills. O mais importante é ter em mãos dados prévios sobre o comportamento de seus leads.

Conforme estes índices, você trabalhará com diferentes anúncios para atrair o lead a um conteúdo. Por exemplo: uma campanha específica para o Facebook, com ofertas especiais direcionadas a quem já acessou o site e não concluiu sua compra.

Quanto às ferramentas, há opções específicas do Google e do Facebook. Respectivamente, o Google Ads e o Facebook Ads tem funções ativas para trabalhar com este recurso.

 

2) Linguagem coloquial

O uso menos formal da língua também é visto como uma tendência. Lembrando que escrita coloquial não significa algo desleixado, mas a consideração da fala dos perfis de sucesso na produção de conteúdo para sites e blogs.

Como vimos, a pesquisa por voz já está crescendo. E é bom que você esteja preparado(a) para recebê-la de braços abertos!

COMO APLICAR: Desenvolva um manual de redação orientando os profissionais a respeito do tom que deseja atribuir aos conteúdos. Além disso, apresente alguns exemplos claros sobre a forma de se comunicar com as personas. Ao invés de focar apenas nas keywords, tenha como objetivo responder às questões. Afinal, o lead pode estar interagindo diretamente com o seu celular!

3) Diversifique a criação de conteúdo

Acredita que investindo somente em blogposts já está fazendo muito? Você se enganou! Eles ainda funcionam como um pilar essencial na estratégia Inbound. Contudo, é importante abrir os horizontes e descobrir o que seus leads realmente querem ver.

Cada um possui seus adeptos e nichos onde funcionam melhor. Há inúmeras plataformas e mídias para criação de conteúdo, tais como:

  • whitepapers;
  • checklists;
  • webinars;
  • memes;
  • infográficos;
  • cases de estudo;
  • gifs;
  • social media;
  • podcasts etc.

COMO APLICAR: A primeira coisa que você deve excluir é a ideia de que um único profissional responsabiliza-se por todo o conteúdo. É preciso uma equipe diversificada ou, pelo menos, uma produtora com acesso a colaboradores bem qualificados. Produzir para as diferentes mídias exige competências multifacetadas. Uma vez que você pode contar com as pessoas certas, basta uma análise das personas para verificar do que elas gostam e mãos à obra!

Com essas tendências, já possuímos material o suficiente para revolucionar uma estratégia enferrujada. Inicie aplicando nossas dicas e, aos poucos, descubra o que mais pode trazer resultados satisfatórios para o seu negócio.

Clique aqui e aproveite para descobrir como outra forte aposta, o Growth Hacking, otimiza seus conteúdos.

Você conhece outra novidade que vale à pena compartilhar? Escreva nos comentários e divida com a gente! Divulgue este post em suas redes sociais, a fim de que mais pessoas tenham acesso – ele pode ser útil para seus amigos e parceiros.

Conteúdo para empresas de tecnologia: como criar uma estratégia infalível

Conteúdo para empresas de tecnologia: como criar uma estratégia infalível

A essa altura do campeonato, não há mais como ignorar a efetividade do Marketing de Conteúdo para empresas de tecnologia. Ou existe prova social maior do que os 68% de empresas satisfeitas com suas estratégias de Inbound Marketing? Isso é muito mais do que uma tendência: é o caminho certo a ser seguido para quem deseja manter-se no mercado, em um ambiente cada vez mais digital.

Especialmente, para quem atua no ramo das startups e está diretamente ligado(a) às suas personas, este é um fator que deve ser observado de perto e com máxima atenção.

Porém, não se desespere! Conhecemos as suas dores e temos as dicas certas para uma estratégia infalível de marketing de conteúdo para empresas de tecnologia.

Confira, neste guia:

  • Como produzir conteúdo para as diferentes etapas do funil de vendas;
  • Como atrair e nutrir leads captados com conteúdo para empresas de tecnologia;
  • Como identificar os objetivos das personas (e porque isso faz toda a diferença na hora de criar sua estratégia).

Acompanhe a leitura para implementar as táticas de Marketing de Conteúdo de uma forma rentável e eficaz.

Insatisfeito com a performance do seu site nos mecanismos de busca? Nós temos a solução! Clique aqui e descubra como.

Montando uma estratégia de conteúdo para empresas de tecnologia

Ganhar visibilidade e autoridade para sua marca pode ser um forte diferencial no momento de decisão do lead. Isso significa que quanto mais fácil o possível cliente for capaz de lhe encontrar, maiores são as chances de optar pela sua solução e advogar em seu nome.

Acontece que, para ser notada pelo público-alvo, é preciso mais do que boas ideias, bons produtos/serviços e um belo site. No meio do caminho, existe o mecanismo de busca e, na outra ponta, está o lead com todas as suas particularidades. A fim de percorrer esse trajeto sem tropeços, você deve acordar a visão estratégica e planejar cada passo.

Por consequência, atente-se a esses dois pontos:

  1. Entender a atuação das ferramentas de pesquisa para um rankeamento privilegiado;
  2. Compreender o lead para preparar um conteúdo irresistível e ganhar o seu clique.

De fato, o que esse conhecimento irá trazer para você é assertividade. Com base em dados como estes, sua empresa é capaz de planejar uma poderosa estratégia de conteúdo para empresas de tecnologia.

Trouxemos alguns exemplos de aplicação destas informações, com o intuito de otimizar o processo comercial por inteiro. Descubra quais são eles, a seguir:

Identifique as personas

A compreensão aprofundada da realidade do lead é o ingrediente básico de uma estratégia Inbound de sucesso. Afinal, 71% das empresas que excederam suas metas de geração de leads e ROI pesquisaram as personas previamente.

A fim de que o uso de conteúdo funcione promissoramente, você deve entrar na mente do lead. Conheça-o de tal modo que saiba dizer até quais palavras ele utilizaria para buscar determinadas respostas.

Sob o mesmo ponto de vista, é de extrema importância prever seus problemas e desejos.

De nada adianta, por exemplo, produzir conteúdos sobre a eficiência das novas tecnologias oferecidas quando, na verdade, seus leads estão preocupados a respeito de segurança. Quando é feita uma imersão sobre os pensamentos dele, você é capaz de identificar estas demandas e posicionar-se estrategicamente para captá-los durante a jornada do cliente.

Juntando todos estes dados, você chegará ao chamado Ideal Customer Profile (ICP).

Para isso, uma ação prática, barata e eficiente é utilizar de entrevistas qualitativas. O envio de um e-mail simples no Pós-vendas, contendo perguntas para a avaliação de serviços e expectativas, pode realizar milagres!

Atraia os leads

Conforme já mencionamos, a produção de conteúdo para empresas de tecnologia deve ser adequada para as diferentes etapas do funil de vendas. Isso requer atenção a alguns detalhes que precisam ser respeitados para que haja o sucesso da estratégia.

Inicialmente, temos a fase da atração de leads (ou topo de funil). Aqui, a dica de ouro é ter regularidade. Manter o fôlego de postagens uma a duas vezes na semana é uma boa média para obter visibilidade, sem spammear.

Logo em seguida, escolha temas relevantes para o seu ICP. Identifique conjuntos temáticos e derive palavras-chave a partir deste grupo. Dessa forma, você abordará objetivos centrais e também outras pesquisas relacionadas que possam ser de interesse do lead.

Neste momento, não é interessante divulgar o serviço da empresa. O foco é disponibilizar conhecimento para quem tem dúvidas e está navegando atrás de autoridades e formadores de opinião em relação ao assunto.

Alguns dos conteúdos eficientes neste período, são:

  • Posts introdutórios e explicativos;
  • Vídeos curtos e objetivos (preferencialmente, de design amigável e bom humor);
  • Infográficos.

Aos poucos, você vai montando um arsenal de conteúdos que podem ser utilizados para nutrir leads ao longo da jornada de compra. Eles servem para que profissionais de vendas ganhem autoridade na negociação. Como ao identificar uma necessidade, por exemplo.

Imagine que o lead entre em contato com o vendedor e demonstre uma certa preocupação com a segurança de seus dados ao aderir um novo software de gestão. Uma vez que você tenha um conteúdo pronto sobre o assunto, o colaborador pode encaminhá-lo. Dessa forma, o consumidor se sentirá escutado e avançará mais um passo do momento da decisão pela sua oferta.

Ademais, os fluxos de nutrição mantém clientes antigos próximos e aquece os leads mais frios. Uma ferramenta prática que você pode adotar, entre tantas outras, é um software de automação de marketing, como RD Station, Pipz Automation ou Bulldesk. Esse tipo de sistema permite instalar rotas a partir de critérios diversos, de modo que é possível configurá-las para melhor atender suas necessidades.

Muitos leads e quase nada de conversão? Você está precisando qualificá-los melhor. Aprenda mais, aqui.

Segmente os leads

Já na produção de conteúdo para empresas de tecnologia do meio para o fundo do funil, é o momento de focar nas dores, tornar claras suas implicações caso não sejam resolvidas e apresentar soluções – no caso, a sua.

Acima de tudo, é preciso entender as necessidades das personas e ter um bom controle de onde cada lead se encaixa nos níveis da jornada. Isso modifica o tom e o direcionamento do conteúdo.

Nos conteúdos de meio de funil, trabalharemos mais intensamente com os dois primeiros itens citados anteriormente, despertando a sensação de urgência em resolver o problema já verificado. Nessa etapa, indica-se utilizar de materiais aprofundados, tais como e-books e webinars.

Bem como nos conteúdos de fundo, o foco está em apresentar soluções possíveis e expor para o lead o motivo pelo qual a sua oferta pode responder às necessidades dele. Portanto, aqui você trabalhará com blogspots argumentativos acerca das próprias funcionalidades tecnológicas, consultorias e demonstrações de produto e/ou serviço.

Essas demonstrações podem ser versões demo de programas ou até  vídeos mostrando a solução na prática, a fim de que o lead tenha uma ideia concreta do seu funcionamento.

Acompanhe métricas

Não existe uma boa gestão sem métricas! Mesmo no departamento de Marketing, monitorar os números e quantificar os resultados é importantíssimo para ser bem sucedido(a).

Por isso, acompanhe, dentre outras métricas:

  • Click Through Rate (CTR);
  • Taxa de abertura de e-mails;
  • Tráfego e tempo de permanência no site;
  • Performance individual de cada conteúdo.

Selecione as mais relevantes para o seu trabalho e fique de olho! São elas que irão ditar se você deve seguir no mesmo caminho ou mudar drasticamente.

Assim, seguindo estes passos, você estará rumo a uma estratégia de conteúdo para empresas de tecnologia altamente eficaz. Porém, mesmo diante de todas as dificuldades enfrentadas pelo Marketing em seu cotidiano, não se desespere! Até porque estabelecer parcerias e trabalhar com agências capacitadas a lhe dar suporte no planejamento é uma ótima possibilidade.

Na Gummy, fazemos o serviço completo: damos aquela mãozinha no planejamento e ainda produzimos conteúdos WOW! Que saltam aos olhos do lead e convertem muito mais. Se precisar de ajuda, pode contar conosco! 😉

Quer saber como podemos ajudar? Entre em contato pelo formulário abaixo!

Hacks de conteúdo para e-commerce: práticas para melhor conversão

Hacks de conteúdo para e-commerce: práticas para melhor conversão

Se você trabalha ou atende clientes que vendem produtos ou serviços pela internet, você precisa urgentemente fazer as pazes com o Google e aplicar hacks de conteúdo para e-commerce. Não sabe como? Vem cá, eu explico.

Estar bem rankeado nos mecanismos de busca é um dos passos mais importantes para ser bem-sucedido no comércio virtual.

Todavia, você já tem um ponto a seu favor. Afinal, 71% das empresas trabalham hoje em dia com Marketing de Conteúdo. É o que nos mostra a pesquisa Content Trends 2017 em relação às estratégias de negócios no Brasil.

Isso significa que o mercado vem se tornando mais educado para esse tipo de abordagem. E também que os leads estão mais sensíveis à metodologia de atração de leads através de materiais informativos.

Como elevar as vendas com conteúdo para e-commerce?

Segundo dados coletados pela Hubspot para a The Ultimate List of Marketing Statistics for 2018:

  • 81% dos consumidores fazem pesquisas online antes de adquirir um produto;
  • 34% dos cliques para desktop e 31% para mobile, em média, são direcionadas ao anúncio que está na primeira posição do Google.
  • 61% dos profissionais do Marketing têm a otimização para SEO como sua maior prioridade.

No cenário de vendas online, a situação não é diferente. A produção de conteúdo para e-commerce serve para garantir que sua marca seja vista e percebida no ambiente digital, e, além disso, seja encontrado com maior facilidade por visitantes com potencial de adquirir o seu produto.

Veja alguns hacks relacionados à produção de conteúdo e redes sociais que vão fazer a diferença no sucesso de sua loja virtual!

 

Tutorial de hacks de conteúdo para e-commerce

Existem inúmeras formas de otimizar conteúdos para uma boa performance de e-commerce nas diferentes redes sociais e motores de busca.

Hacks são ações pontuais que visam um objetivo claro. No cenário dos negócios, esse objetivo normalmente envolve o crescimento, e, por esse motivo, são constantemente associados ao Growth Marketing. Listamos alguns hacks de conteúdo para e-commerce para você começar a implementar em sua loja virtual.

Mas lembre-se: não vale partir para os hacks sem, antes, fazer uma análise detalhada das atuais estratégias de Marketing disponíveis no mercado e identificar seus objetivos.

Somente assim, você poderá ter mais assertividade nas transformações que precisam ser feitas na sua operação. No mais, conheça-os:

1º hack de conteúdo: Open Graph

Sabe quando você compartilha um link no Facebook (ou outras mídias sociais) e é exibido um preview do conteúdo na postagem? Prazer!

Você já deve ter tido a experiência de compartilhar algo e a ferramenta bugar, formando um simples link, sem atrativo algum. Este mecanismo é relevante para chamar a atenção das pessoas. Com isso, vale à pena ser otimizada para assegurar o clique.

Por meio dele, é possível sinalizar ao site qual imagem deve acompanhar o post, bem como o título a ser exibido e o autor. Também é possível configurá-lo para mostrar o link e o meio de contato da loja virtual, dentre outras alternativas.

Nesse caso, deve-se configurar as metatags para separar e classificar cada informação a ser exibida.

Para programar seus Open Graphs e conhecer demais instrumentos, leia este artigo.

 

2º hack de conteúdo: Featured Snippets

Eles são a ferramenta pela qual o Google oferece um resumo do termo buscado acima das respostas orgânicas – a posição 0. Podem ser extraídos de qualquer um dos resultados da primeira página. Motivados pela agilidade, dois pontos devem ser levados em consideração.

Por um lado, o Featured Snippet pode esclarecer uma dúvida sem sair da página de busca. Por outro, a grande maioria dos cliques vão para os sites que ocupam a posição 0. Desse modo, assegure os dois para ter o melhor CTR (Click Through Rate).

Escolha cuidadosamente o termo ou a palavra-chave que você deseja conquistar e otimize o conteúdo com as melhores práticas. Diante disso, existem 3 tipos de Featured Snippets. São elas listas, parágrafos e quadros. Portanto, analise qual destes é utilizado na categoria em que seu negócio pretende concorrer.

Há diferentes formas de conseguir esta indexação. Um modo simples e prático é solicitá-la pelo Google Search Console. Basta ir na barra lateral, localizar a opção “Rastreamento” e selecionar “Buscar como o Google”. Aí, é só submeter o link do seu conteúdo e clicar em “Solicitar Indexação”. Com um bom trabalho e uma dose extra de sorte, você chega lá!

 

3º hack de conteúdo para e-commerce: Títulos

O título é um dos hacks de conteúdo para e-commerce mais importantes, uma vez que possui duas funções vitais. São eles melhorar o rankeamento por meio dos mecanismos de SEO e convencer o buscador a lê-lo.

Consequentemente, ele deve ser bem pensado, técnico e criativo. Ao mesmo tempo em que precisa chamar a atenção do Google e dos leitores. Uma boa dica para alcançar esse equilíbrio é utilizando o Search Console.

A partir dele, busque a aba “Search Analytics” e verifique quais os termos mais empregados para chegar aos seus produtos. Feito isso, acrescente outros que tragam bom retorno para o título, garantindo um CTR mais alto.

Sobretudo, use CTAs (Call to Actions) e outras palavras nos resultados pagos do Adwords. Elas são bastante planejadas e podem trazer insights preciosos para o seu trabalho.

 

4º hack de conteúdo: Automação de Marketing

A automação é sinônimo de praticidade e escalabilidade. A partir dos softwares adequados, é possível ganhar eficiência e rapidez nas estratégias de Inbound Marketing.

Além de gerar leads, o Marketing de Conteúdo também traz informação sobre os produtos: o que pode ser um grande diferencial para o comprador do e-commerce.

Buscando um software que integre automação de Marketing com CRM de vendas, você terá maior controle sobre as etapas da jornada do seu consumidor.

Por exemplo: você pode configurar no sistema que tipo de conteúdo deve ser direcionado a cada lead, conforme seu posicionamento dentro do funil. Isso garante um fluxo de nutrição adequado e aumenta as taxas de conversão.

Vale pesquisar as alternativas disponíveis no mercado e contratar um serviço de qualidade para a sua empresa.

 

5º hack de conteúdo: Copy

Organizar o copy diz respeito a fazer um uso estratégico da distribuição de informações na tela do usuário. Nesse caso, considera-se dados textuais e visuais.

Elas devem ser atraentes e estar posicionadas de modo a chamar atenção para os pontos certos, sendo capazes de pescar o interesse das personas definidas.

Alguns estudos mostram que os internautas tendem a fazer uma varredura do site com os olhos, antes de ler algo com cuidado. Segundo as pesquisas do  Neilsen Norman Group, o rastreamento visual de um leitor na Internet se dá num padrão de “F”. Observe as imagens a seguir, retiradas da própria pesquisa:

nagevação conteúdo para e-commerce

Considerando esse método, procure adicionar as informações mais relevantes ao processo de compra nas áreas em vermelho. Distribuir as palavras-chave e o conhecimento de maior destaque em títulos auxilia os usuários a identificarem suas seções de maior interesse.

Evidentemente, o vocabulário também é fundamental. Utilize chamadas de ação conforme o seu público-alvo e incentive-os a continuar a leitura.

Você vai ficar impressionado(a) com a força que investir na visibilidade do seu site pode ter sobre os resultados do e-commerce. Experimente e veja por si mesmo(a)!

Essas são algumas dicas de hacks de conteúdo para e-commerce. Mas, isso não é tudo! Preserve a mente de forma ativa e busque pelas estratégias que melhor funcionam em sua loja virtual. O único fato que você não pode perder de vista é a noção de que conteúdos otimizados incrementam o tráfego e asseguram novas vendas.

Agora, o céu é o limite! Conheça outros hacks  neste post. Pronto(a) para vender mais? Conheça também as melhores táticas de SEO para atrair mais visitantes para o seu site.

Página 1 de 3123

Contato