Gestor de conteúdo: peça chave para o sucesso de uma estratégia Inbound

Gestor de conteúdo: peça chave para o sucesso de uma estratégia Inbound

A atuação do líder é parte significativa do sucesso de uma equipe. Assim como o diretor de uma peça teatral, o gestor de conteúdo tem a responsabilidade de fazer com que a sua estratégia de marketing brilhe e traga resultados.

Sabemos que estar à frente de outros profissionais pode ser desafiador. Mas acreditamos também que, junto a um direcionamento correto, todos podem desenvolver habilidades e tornar-se versões melhores de si mesmos.

Como todo trabalho necessita de prática e estudo para ser desenvolvido, gestores também precisam se aprimorar para que, dessa forma, aumentem as suas taxas de sucesso. E é exatamente nesse ponto que viemos te dar uma mãozinha!

Neste conteúdo, apresentaremos dicas para otimizar as capacidades gerenciais e fazer de você uma liderança ainda melhor!

Você vai ler sobre:

  • Os maiores diferenciais de um gestor de conteúdo de sucesso
  • As principais técnicas para aprimoramento de gestão especializada
  • Inovação, liderança e criatividade no papel do gestor de conteúdo

Por dentro das funções de um gestor de conteúdo

Conforme a definição de Joe Pulizzi, fundador do Content Marketing Institute, o gestor de conteúdo é quem:

“Supervisiona todas as iniciativas de conteúdo relacionadas ao marketing, sejam internas e externas, em diversas plataformas e formatos. Tudo para impulsionar o reconhecimento da marca, o envolvimento, as vendas, a retenção e outros tantos comportamentos positivos de clientes.”.

Em outras palavras, este profissional deve utilizar de diferentes plataformas (blogs, redes sociais etc) e formatos (ebooks, blogposts etc) para elevar os resultados das vendas. Nesse objetivo, ele dispõe de meios internos e externos, unindo as técnicas de Inbound Marketing próprias com opções de co-Marketing e variantes.

O uso adequado deste leque de possibilidades é o que gera engajamento de leads com a marca e traciona-os ao longo da jornada do consumidor. Para manter a performance em alta, temos algumas sugestões que são resultantes de anos de prática e estudos por parte dos nossos colaboradores.


Competências essenciais ao gestor de conteúdo

As características que listaremos, a seguir, servem como ponto de referência – caso você esteja com algumas dúvidas. Entretanto, é sempre bom lembrar que, no papel do gestor de conteúdo, não existem fórmulas prontas ou soluções milagrosas.

Portanto, não encare estas dicas como um checklist a ser usado integralmente, mas baseie-se nele para ter os seus próprios insights. A gestão de conteúdos exige uma sensibilidade para perceber o seu nicho comercial e avaliar quais são as competências mais importantes neste contexto. Posicionamento é tudo dentro de qualquer estratégia!

 

1- Estruture e documente uma estratégia de Marketing de Conteúdo

Desenvolver processos é fundamental em qualquer empresa. Cada departamento possui a sua própria dinâmica, que deve ser prevista e registrada. Então, o planejamento é a base do sucesso e a documentação serve para replicar processos quando for necessário, além de fazer um acompanhamento regular. Aqui, é preciso registrar informações como:

  • Definição das personas;
  • Princípios e valores norteadores;
  • Objetivos da estratégia de conteúdo;
  • Métodos para avaliação de resultados (KPIs e ferramentas especializadas).

2- Planeje a divulgação dos conteúdos

Todo conteúdo tem o objetivo de chegar até determinado público. Defina e documente como e onde isto acontecerá. Portanto, estabeleça:

  • Canais de veiculação (a exemplo das plataformas);
  • Formatos de comunicação (tom do conteúdo, vocabulário etc).

É muito importante alinhar o discurso em todas as mídias utilizadas, garantindo que este reflita perfeitamente os valores da empresa. Isso significa adequar a linguagem para cada mídia, sem, no entanto, perder a sua essência.

A forma mais eficiente que um gestor tem para garantir este trabalho é criar um manual de redação. Nele, estarão todas as informações que precisam ser levadas em consideração tanto na divulgação, quanto na produção dos materiais.

Essa prática simples acelera a curva de aprendizado de novos profissionais de social media e produção, além de criar um referencial único para orientar a todos os envolvidos no ciclo do conteúdo.

 

3- Estabeleça workflows e ferramentas para gerir o processo de conteúdo

Quanto mais detalhado, melhor! Identifique as necessidades específicas de cada parte do conteúdo e liste todas as atividades a serem executadas. A implementação de tecnologias adequadas para a gestão é uma excelente carta na manga! Vale ainda pesquisar um software que adapte-se às suas necessidades.

Algumas questões que devem ser respondidas, conforme a sua etapa:

Produção

  • Qual é o tema dos conteúdos?
  • Quais são os objetivos?
  • Quais formatos serão utilizados?
  • Quais são os profissionais envolvidos no processo?
  • Qual é o workflow desta etapa?
  • Quais são os Acordos de Nível de Serviço (SLAs) entre cada passo?
  • Quais são as ferramentas e tecnologias utilizadas para gerir a produção?

Distribuição

  • Quais são os canais de veiculação do conteúdo?
  • Quais ferramentas podem ser utilizadas para otimizar a distribuição?

Avaliação dos resultados

  • Quais métricas definem um conteúdo excelente?
  • Quais métricas definem a eficiência da estratégia?
  • Quais métricas avaliam o impacto da distribuição?
  • Quais ferramentas podem auxiliar o processo de coleta e análise de métricas?

 

Finalmente, a dica de ouro é transformar estes workflows em checklists, dentro do site para gestão de projetos Trello. Isto facilita o processo de acompanhamento e aprovação dos conteúdos.

4- Desenvolva um processo de contratação coerente com suas necessidades

Tenha em mente, com clareza, o perfil de profissional necessário para cada tarefa. Voltando ao exemplo da peça teatral, cada ator deve ser coerente com o papel desempenhado.

Na equipe de Marketing, também! Divulgue estes requisitos já no anúncio de contratação e faça um processo seletivo que evidencie as características buscadas.

 

Liderança é dar exemplos e inspirar resultados

Sobretudo, o importante é entender a dimensão da responsabilidade de um líder e encarar o desafio de maneira séria.

A confiança é um fator essencial, mas sozinha não basta. Em excesso, funciona até como uma armadilha! Um líder não pode dar-se o luxo de confiar cegamente, já que é ele quem deve enxergar e traçar o caminho.

Portanto, sempre volte-se às métricas. Independente do quão geniais você considere suas ideias, submeta-as à prova real dos números. Análise Indicadores-chave de Sucesso (KPIs) fundamentais para cada ação isolada e verifique-os.

Estar embasado em dados confere autoridade diante da equipe e uma postura segura. Tal sensação faz com que o time atue de modo intenso, compartilhando sua visão de sucesso.

Falando nisso, lembre-se de valorizar cada um de seus membros. Todo profissional dispõe de pontos fortes e fracos. É de sua responsabilidade identificá-los e fortalecer o lado bom. Foque no que pode trazer resultados!

Com uma gestão adequada dos talentos que você tem em mãos, é possível compensar as faltas de um com as habilidades do outro. E, desse modo, é possível criar uma equipe que funciona a todo vapor.

Agora, cabe a você assumir esta posição com garra. Afinal, um líder que faz a diferença tem o poder de cultivar e desenvolver potenciais. Essa, certamente, é uma das sensações mais gratificantes que existem!

Por fim, o que fazer com todo este sucesso? Que tal começando a estruturar um processo para sua equipe de conteúdo?

Clique aqui e saiba como definir um processo de conteúdo em agências digitais.

Processo de produção de conteúdo: como garantir eficiência?

Processo de produção de conteúdo: como garantir eficiência?

Já não é segredo para ninguém o sucesso das estratégias de Marketing de Conteúdo em empresas de todos os setores. É por isso que, segundo o relatório Estado do Inbound 2017 da Hubspot, 53% dos profissionais de agências digitais vêem o processo de produção de conteúdo como sua prioridade.

No entanto, há um dado que contrapõe este de maneira preocupante. Segundo o Content Marketing Institute, apenas 30% dos responsáveis pelas ferramentas B2B estão satisfeitos com os resultados de seu desempenho via Inbound Marketing.

Você se insere nessas estatísticas?

Um dos motivos que causam esta insatisfação é a má gestão de conteúdo.

Por vezes, as marcas deixam de criá-la ou mesmo contratam alguém que a faça. Isso acarreta em uma redução na qualidade das entregas e em materiais que não performam como o esperado.

A seguir, vamos provar como a organização de um workflow planejado para todas as etapas da gestão de conteúdo auxilia no cotidiano e pode garantir a eficácia de uma estratégia.

Você vai ler sobre:

  • Como estruturar um processo de produção de conteúdo assertivo
  • Quais ferramentas otimizam uma estratégia de Inbound Marketing
  • De que forma a gestão de conteúdo pode ser implementada

A importância de um bom processo de produção de conteúdo

Quem tem um processo de produção de conteúdo eficiente, investe menos tempo com refações desnecessárias, execução de tarefas e falhas de comunicação entre suas equipes. Conhece a frase “tempo é dinheiro”?

Logo, a gestão de conteúdo é sinal de economia.

A conta se torna imbatível quando vem junto de um acréscimo nos níveis de qualidade do material produzido e também de satisfação por parte dos clientes e funcionários. Ou seja, no fim das contas, todo mundo sai ganhando.

Agora, vamos à prática!

A criação do processo de produção de conteúdo

Para fazer essa mágica dentro da sua empresa, é preciso seguir algumas etapas. São elas:

Ter pontos de partida e de chegada

Estabeleça o ponto inicial do seu processo de produção de conteúdo e identifique qual é o primeiro passo – o pedido do cliente, a confirmação da primeira parte do pagamento, etc.

Logo após, também é importante definir o ponto final da gestão de conteúdo. Ele pode ser tanto a entrega do material quanto a coleta de um feedback. Assim, tudo depende de como funciona o seu processo comercial.

Reconhecer pessoas envolvidas

Analise todos os profissionais que farão parte do processo, desde o responsável por coletar e fazer as propostas de trabalho até aquele que preza pela felicidade do cliente. Liste-os e busque meios para acompanhar sua produtividade, como softwares de gestão de equipes.

Necessariamente, você deve saber quem e quantos são, fora o que cada um precisa fazer para a garantia de bom andamento do processo de produção de conteúdo.

Manter a informação centralizada

Escolha uma forma de centralizar todo o material relevante e necessária ao processo de produção de conteúdo. Assim, o local deve ser acessível à todos os envolvidos e conter as informações essenciais para cada etapa.

Nesta brainbox, como gostamos de chamar, devem estar contidas:

  • informações sobre o cliente;
  • definições das buyer personas;
  • indicações de manual, referências e briefings.

Isso evita, por exemplo, que perca-se tempo em uma situação onde é preciso desenvolver um blogpost e um vídeo sobre o mesmo tema. Uma vez que a pesquisa é comum a ambas as tarefas, isso poupa trabalho e garante a homogeneidade da informação.

Na Gummy utilizamos táticas de gestão de conhecimento e design thinking para organizar e categorizar informações e dados fornecidos pelos clientes.

Ferramentas de gestão de conhecimento e gestão de projetos podem ser úteis nessa etapa do processo.

Lembre-se: a disciplina é a alma da otimização. Repita isso como um mantra.

 

Aplicar um plano de execução

Descreva objetivamente todas as atividades a serem implementadas do início até o fim do processo de produção de conteúdo. Isso inclui as fases de brifagem, o levantamento de referências, a criação textual, as revisões – sejam elas internas ou externas – e as entregas.

Adicione os prazos a este cronograma e deixe bem clara a relação entre seus conteúdos, facilitando o engajamento do time.

Faça com que esse cronograma seja colaborativo e esteja facilmente visível a todos os envolvidos na execução e entregas.

Instituir um padrão de qualidade

Indique critérios a serem avaliados na hora da aprovação do material. Essa tática é muito relevante na gestão de conteúdo e deve ser levada em conta.

Outra alternativa interessante é estabelecer filtros, a fim de verificar a adequação do texto às orientações do manual do redator. Novamente, a documentação prévia de todas essas atividades será de imensa ajuda.

Afinal, é baseado no que foi estabelecido ao longo do processo de produção de conteúdo que somos capazes de julgar a qualidade esperada.

Inclusive, quando se refere ao atraso das entregas – ou mesmo, o fato de não cumprir com o que acordado -, é melhor que ocorra um adiamento do que oferecer um serviço mal executado.

Apostar nas ferramentas certas

Selecione os instrumentos adequados, com o intuito de que sejam a garantia do sucesso de qualquer estratégia dentro da sua organização.

Nesse sentido, há várias opções disponíveis no mercado que podem auxiliar o seu time em diferentes táticas. Algumas delas são gratuitas, outras pagas. Vale à pena desenvolver uma pesquisa e analisar quais as melhores opções para cada caso.

Embora plataformas de conteúdo possam agilizar processos mais robustos, existem alternativas gratuitas que podem Trello, por exemplo, é uma excelente ferramenta para organizar ideias de modo prático, simples e intuitivo. Além disso, permite o compartilhamento de informações com o restante da equipe, dinamizando o acesso a dados importantes.

Já o Zenkit oferece, além do Kanban, a opção de desenhar processos visuais, incluir cronogramas e calcular o número de horas gasto em cada tarefa do processo, combinando gestão de projeto e gestão de conteúdo.

A verdade é que, no cenário empresarial, todos os recursos necessitam estar sob absoluto controle. A estruturação dos processos dentro de qualquer companhia é a grande sacada que leva as empresas a crescerem de modo programado e rápido. Uma vez que, junto ao controle, vem a escalabilidade.

No que tange especificamente ao conteúdo, aplicando essas táticas, você criará um projeto com vasto potencial para trazer os melhores resultados. Caso seu negócio ainda não tenha condições e/ou disponibilidade de implementá-los a nível operacional, busque parceiros que possam suprir esta demanda. Teste agora mesmo e perceba a diferença!

Para ter certeza de que você não irá mais sofrer com obstáculos a gestão da produção de conteúdo, continue lendo nosso blog e descubra o que há de mais atual sobre marketing de conteúdo. Até mais! 🙂

Princípios de SEO que todo profissional de marketing precisa dominar

Princípios de SEO que todo profissional de marketing precisa dominar

Os princípios de SEO são o feijão com arroz do Marketing de Conteúdo. Nosso trabalho é literalmente ser o resultado favorito dos mecanismos de busca e garantir que os usuários chegarão aos materiais produzidos.

Apesar de não ser um bicho de sete cabeças, também não é das atividades mais simples. Para conquistar bom tráfego e dar alcance ao seu conteúdo, se faz necessário que alguns requisitos estejam a favor.

É o que os profissionais do Marketing têm percebido nos últimos tempos. Dados mostram que 82% deles vêem um aumento na efetividade desse tipo de estratégia e reconhecem as ferramentas de otimização como um potencial crescente.

Afinal, somente o Google recebe mais 67 mil buscas por segundo. É muita coisa! Logo, dominar os princípios de SEO pode ser considerado como o maior diferencial que um especialista na área precisa ter, a fim de ganhar destaque e ampla visibilidade no mercado.

Você está tendo problemas com redatores e/ou pouca busca orgânica em seu site? Hoje, nós trouxemos métodos para instruir as equipes e melhorar a performance. Conheça-os!

O essencial dos princípios de SEO

 

O primeiro passo é relembrar o que significa SEO e de onde veio esse termo, bem como suas práticas.

A sigla SEO (Search Engine Optimization) que, em português, é traduzida como Otimização para Mecanismos de Busca, surgiu no final dos anos 90. A técnica consiste em aplicar uma série de hacks nos textos para responder adequadamente ao funcionamento online.

Um mindset orientado para os princípios de SEO exige estratégia e alinhamento com as táticas planejadas pelo Marketing Digital. A orientação solucionar problemas pressupõe um bom uso de dados relevantes e confiáveis, evitando métricas de vaidade.

É importante lembrar-se de que, mesmo com a presença de máquinas na nossa rotina, a maior parte do trabalho ainda é realizado por humanos. Portanto, valorize o investimento em técnicas de acessibilidade via web. Elas garantem uma experiência de usuário prazerosa e gratificante, pois ele encontrará a informação que precisa de modo prático e intuitivo.

Além disso, os conteúdos devem ser adaptáveis para que o conhecimento seja aplicável a casos semelhantes. Isso ajuda a evitar spam e conteúdos descartáveis, enchendo as redes com material de pouco valor.

Suas técnicas podem ser dividas em on-page e off-page.

No campo on-page, temos:

  • Heading tags;
  • Qualidade do HTML;
  • Segurança do site;
  • Tempo de carregamento da página;
  • Experiência do usuário;
  • Rich snippets.

Além desses, há ainda outros fatores relevantes. Exemplo disso pode ser a construção dos conteúdos com keywords, link building, frases de transição etc.

Já os princípios de SEO off-page estão ligados à links externos direcionados para o seu conteúdo. Quanto maior a autoridade dos sites que apontam para você, maior o impacto no rankeamento no Google.

Com a democratização da Internet, a presença das marcas em conteúdos informativos nos meios virtuais foi tornando-se cada vez mais fundamental. A prática cresceu de tal modo que, hoje, é um item obrigatório para qualquer empresa que deseja se manter no mercado.

Em 2018, estima-se que as organizações de médio porte aloquem 41% de seus orçamentos de Marketing para a versão online, com a perspectiva de que essa taxa aumente para 45% até 2020.

Contudo, vale lembrar que a utilização dos princípios de SEO não limita-se só ao Google. Muitas plataformas digitais, a exemplo dos canais no Youtube e dos perfis em redes sociais também compõem o leque de alternativas que devem ser otimizadas com táticas de sucesso.

Algumas dicas com base em princípios de SEO para bombar seu conteúdo

 

Da teoria à prática, listamos algumas medidas que profissionais como gestores, revisores e redatores de conteúdo podem aplicar imediatamente, a fim de garantir melhores resultados. Acompanhe, a seguir:

Marketing não deixa de ser um jogo

Uma estratégia de Marketing é algo que não pode ser implementado de qualquer jeito. Ela precisa ser muito bem pensada e elaborada para que todas as ações convertam-se em um objetivo maior. Dessa forma, não basta apenas executar conteúdos, sem que haja planos de ação específicos para atingir os possíveis consumidores da sua marca.

É preciso desenvolver uma metodologia robusta, que conte com uma evolução arquitetada entre os conteúdos. A meta é atrair, nutrir e tracionar o lead ao longo da jornada de compra.

Por isso, o funil de Marketing é dividido em 3 etapas – topo, meio e fundo -, sendo que cada uma oferece seus próprios princípios de SEO para alcançar o desempenho cobiçado. Crie boas táticas para cada um destes níveis e monte a estratégia que vencerá a rodada final!

Quem busca informação, têm perguntas: resolva-as

 

 

Apesar de que a curiosidade é o verdadeiro motor das grandes descobertas, muitas vezes, vamos ao Google buscar respostas para questionamentos imediatos em nossas vidas.

Por isso, é necessário que você seja técnico(a) e qualitativo(a). Ao redigir materiais de toda espécie, oriente os redatores para que foquem em solucionar um determinado problema – e jamais percam as dores da buyer persona de vista.

Quanto mais informações de valor forem agregadas ao texto, sem gastar caracteres demais com floreios desnecessários, melhor. Afinal, o Marketing de Conteúdo não é literatura de entretenimento! Sendo assim, tenha como foco a clareza e a objetividade.

Uma boa dica quando se trata deste recurso é descobrir uma pergunta que seu target faria utilizando ferramentas de busca, a partir de palavras-chave com cauda longa.

O conteúdo deve ser evergreen

A expressão Evergreen pode ser traduzida como “sempre verde”. Ou seja, o conhecimento deve ser atemporal e manter-se relevante por tempo indeterminado.

Isso não quer dizer que acompanhar as tendências nos termos de busca do Google Trends seja desnecessário. Mas, pelo contrário, quer dizer que é importante identificar que a tendência não é apenas passageira, e que está realmente ganhando espaço na sua audiência e, portanto, sua estratégia de produção de conteúdo deve ter keywords relacionadas a esse termo.

Por outro lado, é melhor evitar conteúdos muito datados, pois a chance de trazerem leads decisivos para o seu negócio diminui conforme o interesse da audiência do Google se dissipa com o passar tempo.

Por via das dúvidas, crie conteúdos que continuem nutrindo importância e destaque nos mecanismos de busca.

Além disso, conteúdos mais “frios” permitem uma outra tática interessante: o repost, ou reciclagem de conteúdos.

Esta sim é uma tática válida e pode garantir excelentes resultados. É claro que você não deve torná-lo um spam, replicando a mesma notificação 10 vezes ao dia na timeline dos seus seguidores! Por outro lado, compartilhe o informativo novamente uma semana depois. Depois, espere mais um ou dois meses e repita o ciclo sucessivamente.

“Terra à vista!”: a importância da otimização de Landing Pages

 

 

Outro princípio de SEO fundamental para uma boa estratégia de Marketing de Conteúdo é a construção de Landing Pages bem otimizadas. Estas são páginas onde o lead irá “aportar” num primeiro momento, antes de ter acesso a um material rico – e-books, infográficos, checklists etc.

Através delas, é possível coletar os dados necessários para segmentar visitantes. Também funcionam como uma porta de entrada para a sua base de potenciais clientes.

Nesse caso, além de investir em design responsivo e interface otimizada para conversão,  pense em utilizar títulos que contenham palavras-chave estrategicamente interessantes para que sua página seja encontrada pelo Google.

Afinal, o algoritmo também reconhece sua Landing Page com um conteúdo e, portanto, lembre-se de incluir palavras-chave com potencial para serem buscadas por suas personas.

Para isso, basta seguir alguns princípios básicos de SEO, como incluir a palavra-chave foco no título e variações na descrição do material.

Dica de ouro: o Google pode considerar uma landing page como um conteúdo muito raso, e nem sempre a trará entre as primeiras posições. Para obter um maior número de conversões orgânicas, vale investir na produção de um conteúdo de título e temas correlatos muito bem otimizado.

Este último será mais facilmente lido pelo Google e é possível, incluir CTas que direcionarão o visitante à conversão na landing page, cuja oferta funcionará como uma “continuação” do conteúdo lido ou ainda um aprofundamento do tema. Importante não “entregar o ouro” nesse conteúdo e deixar o visitante curioso para saber o que a oferta trará “a mais”.

 

Palavras-chave adequadas aos princípios de SEO

 

Que é importante fazer um bom uso das palavras-chave e conservar sua densidade, todos já sabem. Agora, como escolhê-las para disputar o melhor posicionamento no ranking?

Há diversas formas. No entanto, todas partem de um estudo detalhado das personas e dos termos utilizados para pesquisa do tema. Após o brainstorming, é hora de avaliar em quais keywords (de cauda curta e longa) vale à pena investir.

Para selecionar as palavras-chave, utilize de análises semânticas para chamar a atenção. Além da expressão principal, é interessante aplicar outras que possuam concordância com esta. Isso desenvolve um contexto positivo aos mecanismos de busca, uma vez que garante maior abrangência do texto de acordo com as formas que o lead emprega para buscá-lo.

Por exemplo: ao elaborar um conteúdo sobre dicas de marketing, uma palavra-chave que pode ser vinculada é “mídia social”. Apesar de não estarem diretamente ligadas em seu sentido, na prática, elas andam juntas. O que leva as ferramentas e os usuários a fazerem esta associação em suas pesquisas.

De todo modo, é importante acrescentar a palavra-chave em todas as partes da estrutura do seu blogpost. Elas podem ser classificadas como:

  • Meta título: uma versão do título do blog, que deve conter de 50 a 60 caracteres;
  • URL: o “endereço” direto da página, também chamado de link;
  • Meta descrição: a breve descrição que aparece embaixo do título no resultado de uma busca – deve atrair cliques e aumentar a densidade;
  • Título/H1-H3: as manchetes e os cabeçalhos do conteúdo, onde há a palavra-chave para gerar maior relevância nos princípios de SEO;
  • Imagem alt tags: as legendas servem para auxiliar mecanismos de busca a entender o que está presente na imagem – uma boa oportunidade de rankear;
  • Nomes de arquivos: a nomenclatura otimizada, desde o momento em que é salva no seu computador, faz com que o buscador reconheça-a e aproveite-se disto;
  • Links internos: o guia do lead para outros conteúdos do seu blog, a fim de prolongar seu tempo de estadia no site com informações relevantes e combinadas.

Uma boa pedida é aplicar ferramentas claras e práticas, como o próprio Google Adwords. Ele mostra a concorrência sobre os trechos buscados e diversas possibilidades de insights fortes. Como você provavelmente estará otimizando seu conteúdo para o mecanismo, nada mais eficiente do que implementar a solução oferecida pela mesma empresa.

Assim como estas, outras dicas e instrumentos podem fazer a diferença na otimização, de acordo com os princípios de SEO. Vale a pesquisa e o teste de quaisquer metodologias, para decidir qual melhor se adapta à sua estratégia de Marketing.

Fora isso, ainda temos hacks com princípios de SEO para sites, neste post. Não pare por aqui! Descubra técnicas para galgar as posições mais altas do Google e aumente o fluxo de conversão do seu negócio.

Gostou deste assunto? Compartilhe com seus amigos e envie-nos suas dúvidas para que possamos ajudá-lo(a). Até a próxima! 🙂

Hacks de conteúdo para e-commerce: práticas para melhor conversão

Hacks de conteúdo para e-commerce: práticas para melhor conversão

Se você trabalha ou atende clientes que vendem produtos ou serviços pela internet, você precisa urgentemente fazer as pazes com o Google e aplicar hacks de conteúdo para e-commerce. Não sabe como? Vem cá, eu explico.

Estar bem rankeado nos mecanismos de busca é um dos passos mais importantes para ser bem-sucedido no comércio virtual.

Todavia, você já tem um ponto a seu favor. Afinal, 71% das empresas trabalham hoje em dia com Marketing de Conteúdo. É o que nos mostra a pesquisa Content Trends 2017 em relação às estratégias de negócios no Brasil.

Isso significa que o mercado vem se tornando mais educado para esse tipo de abordagem. E também que os leads estão mais sensíveis à metodologia de atração de leads através de materiais informativos.

Como elevar as vendas com conteúdo para e-commerce?

Segundo dados coletados pela Hubspot para a The Ultimate List of Marketing Statistics for 2018:

  • 81% dos consumidores fazem pesquisas online antes de adquirir um produto;
  • 34% dos cliques para desktop e 31% para mobile, em média, são direcionadas ao anúncio que está na primeira posição do Google.
  • 61% dos profissionais do Marketing têm a otimização para SEO como sua maior prioridade.

No cenário de vendas online, a situação não é diferente. A produção de conteúdo para e-commerce serve para garantir que sua marca seja vista e percebida no ambiente digital, e, além disso, seja encontrado com maior facilidade por visitantes com potencial de adquirir o seu produto.

Veja alguns hacks relacionados à produção de conteúdo e redes sociais que vão fazer a diferença no sucesso de sua loja virtual!

 

Tutorial de hacks de conteúdo para e-commerce

Existem inúmeras formas de otimizar conteúdos para uma boa performance de e-commerce nas diferentes redes sociais e motores de busca.

Hacks são ações pontuais que visam um objetivo claro. No cenário dos negócios, esse objetivo normalmente envolve o crescimento, e, por esse motivo, são constantemente associados ao Growth Marketing. Listamos alguns hacks de conteúdo para e-commerce para você começar a implementar em sua loja virtual.

Mas lembre-se: não vale partir para os hacks sem, antes, fazer uma análise detalhada das atuais estratégias de Marketing disponíveis no mercado e identificar seus objetivos.

Somente assim, você poderá ter mais assertividade nas transformações que precisam ser feitas na sua operação. No mais, conheça-os:

1º hack de conteúdo: Open Graph

Sabe quando você compartilha um link no Facebook (ou outras mídias sociais) e é exibido um preview do conteúdo na postagem? Prazer!

Você já deve ter tido a experiência de compartilhar algo e a ferramenta bugar, formando um simples link, sem atrativo algum. Este mecanismo é relevante para chamar a atenção das pessoas. Com isso, vale à pena ser otimizada para assegurar o clique.

Por meio dele, é possível sinalizar ao site qual imagem deve acompanhar o post, bem como o título a ser exibido e o autor. Também é possível configurá-lo para mostrar o link e o meio de contato da loja virtual, dentre outras alternativas.

Nesse caso, deve-se configurar as metatags para separar e classificar cada informação a ser exibida.

Para programar seus Open Graphs e conhecer demais instrumentos, leia este artigo.

 

2º hack de conteúdo: Featured Snippets

Eles são a ferramenta pela qual o Google oferece um resumo do termo buscado acima das respostas orgânicas – a posição 0. Podem ser extraídos de qualquer um dos resultados da primeira página. Motivados pela agilidade, dois pontos devem ser levados em consideração.

Por um lado, o Featured Snippet pode esclarecer uma dúvida sem sair da página de busca. Por outro, a grande maioria dos cliques vão para os sites que ocupam a posição 0. Desse modo, assegure os dois para ter o melhor CTR (Click Through Rate).

Escolha cuidadosamente o termo ou a palavra-chave que você deseja conquistar e otimize o conteúdo com as melhores práticas. Diante disso, existem 3 tipos de Featured Snippets. São elas listas, parágrafos e quadros. Portanto, analise qual destes é utilizado na categoria em que seu negócio pretende concorrer.

Há diferentes formas de conseguir esta indexação. Um modo simples e prático é solicitá-la pelo Google Search Console. Basta ir na barra lateral, localizar a opção “Rastreamento” e selecionar “Buscar como o Google”. Aí, é só submeter o link do seu conteúdo e clicar em “Solicitar Indexação”. Com um bom trabalho e uma dose extra de sorte, você chega lá!

 

3º hack de conteúdo para e-commerce: Títulos

O título é um dos hacks de conteúdo para e-commerce mais importantes, uma vez que possui duas funções vitais. São eles melhorar o rankeamento por meio dos mecanismos de SEO e convencer o buscador a lê-lo.

Consequentemente, ele deve ser bem pensado, técnico e criativo. Ao mesmo tempo em que precisa chamar a atenção do Google e dos leitores. Uma boa dica para alcançar esse equilíbrio é utilizando o Search Console.

A partir dele, busque a aba “Search Analytics” e verifique quais os termos mais empregados para chegar aos seus produtos. Feito isso, acrescente outros que tragam bom retorno para o título, garantindo um CTR mais alto.

Sobretudo, use CTAs (Call to Actions) e outras palavras nos resultados pagos do Adwords. Elas são bastante planejadas e podem trazer insights preciosos para o seu trabalho.

 

4º hack de conteúdo: Automação de Marketing

A automação é sinônimo de praticidade e escalabilidade. A partir dos softwares adequados, é possível ganhar eficiência e rapidez nas estratégias de Inbound Marketing.

Além de gerar leads, o Marketing de Conteúdo também traz informação sobre os produtos: o que pode ser um grande diferencial para o comprador do e-commerce.

Buscando um software que integre automação de Marketing com CRM de vendas, você terá maior controle sobre as etapas da jornada do seu consumidor.

Por exemplo: você pode configurar no sistema que tipo de conteúdo deve ser direcionado a cada lead, conforme seu posicionamento dentro do funil. Isso garante um fluxo de nutrição adequado e aumenta as taxas de conversão.

Vale pesquisar as alternativas disponíveis no mercado e contratar um serviço de qualidade para a sua empresa.

 

5º hack de conteúdo: Copy

Organizar o copy diz respeito a fazer um uso estratégico da distribuição de informações na tela do usuário. Nesse caso, considera-se dados textuais e visuais.

Elas devem ser atraentes e estar posicionadas de modo a chamar atenção para os pontos certos, sendo capazes de pescar o interesse das personas definidas.

Alguns estudos mostram que os internautas tendem a fazer uma varredura do site com os olhos, antes de ler algo com cuidado. Segundo as pesquisas do  Neilsen Norman Group, o rastreamento visual de um leitor na Internet se dá num padrão de “F”. Observe as imagens a seguir, retiradas da própria pesquisa:

nagevação conteúdo para e-commerce

Considerando esse método, procure adicionar as informações mais relevantes ao processo de compra nas áreas em vermelho. Distribuir as palavras-chave e o conhecimento de maior destaque em títulos auxilia os usuários a identificarem suas seções de maior interesse.

Evidentemente, o vocabulário também é fundamental. Utilize chamadas de ação conforme o seu público-alvo e incentive-os a continuar a leitura.

Você vai ficar impressionado(a) com a força que investir na visibilidade do seu site pode ter sobre os resultados do e-commerce. Experimente e veja por si mesmo(a)!

Essas são algumas dicas de hacks de conteúdo para e-commerce. Mas, isso não é tudo! Preserve a mente de forma ativa e busque pelas estratégias que melhor funcionam em sua loja virtual. O único fato que você não pode perder de vista é a noção de que conteúdos otimizados incrementam o tráfego e asseguram novas vendas.

Agora, o céu é o limite! Conheça outros hacks  neste post. Pronto(a) para vender mais? Conheça também as melhores táticas de SEO para atrair mais visitantes para o seu site.

Por que adotar uma ferramenta para gestão de equipes em agências de conteúdo?

Por que adotar uma ferramenta para gestão de equipes em agências de conteúdo?

A utilização de softwares no dia a dia de uma empresa pode trazer benefícios importantes. Um bom exemplo é a adoção de uma ferramenta para gestão de equipes em agências de conteúdo. Esse tipo de iniciativa tem um impacto positivo nos resultados individuais e coletivos.

Líderes de agências devem considerar a incorporação de softwares, que ajudam a elevar a qualidade do trabalho. De quebra, isso se reflete na satisfação dos clientes e prospecção de novos.

Uma ferramenta para gestão de equipes está entre as soluções mais eficazes no atual cenário das agências de conteúdo. Por isso, em um mercado tão competitivo, recorrer a um software como esse é um grande diferencial.

A seguir, você vai entender por que a adoção de um software de gestão de equipes pode ser determinante para o sucesso de uma agência.

 

Aumento de produtividade

O primeiro grande trunfo de um software de gestão de equipes é auxiliar no aumento da produtividade dos colaboradores. A simples organização de tarefas já contribui para que o tempo seja utilizado com mais inteligência.

Os usuários da ferramenta podem montar sua programação de atividades para que elas não se sobreponham. Esse aspecto é relevante para a produtividade, pois evita a multitarefa. Embora muitos acreditem que são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo, a multitarefa é uma vilã da produtividade.

 

Delegação de tarefas

A gestão de equipes fica comprometida quando o líder não consegue delegar tarefas adequadamente. Por vezes, a pessoa designada para determinada atividade não é a mais apta a realizá-la, o que provoca perda de tempo e de qualidade.

Já uma ferramenta própria para a gestão de equipes aprimora a delegação de tarefas. Por meio do software, o gestor pode direcionar as atividades para os colaboradores certos. Em outras palavras, ele consegue passar tarefas para quem não está ocupado com outros afazeres. Vale destacar que a própria ferramenta indica quando o profissional está com alguma tarefa em andamento.

 

Planejamento mais sólido

Quando gestores conseguem delegar com eficiência, é natural que o planejamento geral seja aperfeiçoado. Os projetos tendem a caminhar sem grandes percalços e saem de acordo com o que foi acordado com os clientes.

E mais: a maior solidez no planejamento traz mais segurança para líderes, colaboradores e clientes da agência. Todos ficam confiantes quando sabem que as atividades prosseguem de acordo com o esperado.

 

Maior autonomia para os gestores

Tarefas delegadas com inteligência e planejamento nos trilhos são a receita para desafogar os gestores de equipes. Essa soma de fatores evita que os líderes tenham de apagar incêndios a todo momento.

Com maior autonomia em sua rotina, os gestores podem se dedicar a atividades que vão gerar valor à agência. Dois bons exemplos são o desenvolvimento de novos projetos e a prospecção de novos clientes.

 

Cumprimento de prazos

Uma das grandes dores de agências de conteúdo é a dificuldade em cumprir prazos. Isso nem sempre acontece por desorganização interna, mas por demandas complexas dos clientes. De repente, o que era para o fim do mês tem de ser antecipado em duas semanas.

É evidente que uma ferramenta de gestão de equipes não faz mágica. Mudanças drásticas exigidas por clientes nem sempre podem ser acatadas. Porém, um planejamento bem azeitado dá uma margem maior para enfrentar esses imprevistos e possibilita adequações pontuais. E, em situações normais, o prazo determinado no início do job tem muito mais chances de ser cumprido sem estresse.

 

Aumento na motivação dos profissionais

O ânimo dos colaboradores tem de ser levado em conta por gestores de equipes. Profissionais desanimados não rendem e deixam o ambiente de trabalho mais carregado.

A partir do momento em que o trabalho passa a caminhar melhor, todos ganham uma carga extra de motivação. Além disso, o bom andamento dos projetos faz com que as pessoas se sintam parte de um time de sucesso. Isso cria um ciclo virtuoso em que os colaboradores se predispõem a entregar resultados cada vez melhores.

 

Surgimento de novos líderes

Outro reflexo positivo do uso de ferramentas para gestão de equipes é a possibilidade de surgirem novos líderes. O aumento no rendimento e na produtividade faz com que algumas pessoas sobressaiam e despontem como potenciais lideranças para a agência.

Esse aspecto é fundamental para uma empresa que deseja reter talentos. Conforme alguns profissionais se destacam, os gestores podem promovê-los e elevar a qualidade do trabalho desenvolvido.

 

Reuniões mais produtivas

Empresas de todos os segmentos estão sujeitas a reuniões improdutivas. São aqueles encontros, muitas vezes longos, em que vários colaboradores participam e há pouco resultado prático. Em resumo, o trabalho da agência fica desacelerado e perde a fluidez.

Nessa situação, uma ferramenta para gestão de equipes pode reduzir – e até eliminar – as reuniões improdutivas. Isso porque, quando cada colaborador controla suas tarefas por meio do software, seu tempo passa a ser mais valioso e, consequentemente, ele fica mais produtivo. A tendência é que os encontros sejam mais breves e focados no assunto em pauta.

 

Mais meios para gerenciar crises

A gestão de crise é um outro desafio de líderes de agências de conteúdo. Há situações em que um erro individual compromete o resultado coletivo e pode minar o resultado de um grande projeto. Mas quando se adota uma ferramenta para gestão de equipes o impacto pode ser menor.

Isso acontece porque o líder passa a ter um panorama de todas as atividades e projetos em andamento. Se, por exemplo, alguma tarefa “travar”, o sistema mostra isso ao gestor, que pode rapidamente designar um colaborador para ajudar nessa tarefa problemática. Ou o próprio gestor intervém e soluciona a questão, participando da atividade ou contatando o cliente.

 

Custo acessível

A décima vantagem de ferramentas para gestão de equipes é seu custo de implementação e manutenção. Embora apresente inúmeros benefícios, esse tipo de software tem um valor acessível para agências de conteúdo.

Existem diferentes planos disponíveis, por isso os líderes optam por aquele que melhor se encaixa em seu orçamento. Se tiver interesse em saber mais sobre ferramentas para gestão de equipes, não deixe de seguir o blog Gestão de Equipes.

*Este blogpost foi escrito por Natacha Negrão, Analista de Marketing da Neotriad

Guia básico de como se preparar para uma reunião comercial

Guia básico de como se preparar para uma reunião comercial

O coração de todo negócio é a relação entre diferentes pessoas com interesses em comum. Ainda que a tecnologia avance, haverá sempre funcionários ofertando seu conhecimento e fazendo as escolhas mais acertadas em prol da organização a qual pertencem.

Por mais disruptiva e inovadora que possa ser, toda agência deve saber como se preparar para uma reunião comercial e mandar bem no face to face.

saiba como se preparar para uma reunião comercial e conquistar seus clientes

Demonstrar segurança é fundamental

Desenvolver as habilidades necessárias para um discurso claro e atraente é o requisito básico de quem deseja trabalhar com fechamento de contratos. Ademais, isso requer treino e dedicação.

Felizmente, mesmo que você não faça a linha extrovertida, existem técnicas que podem ser utilizadas para desenvolver seu pitch e trazer mais efetividade para o discurso de vendas.

Agora, caso você já seja comunicativo(a) e esteja satisfeito(a) com suas habilidades sociais, imagine o quão longe pode chegar com a aplicação das melhores práticas. Sem dúvidas, você será capaz de fazer com que o cliente se engaje de forma quase natural.

Neste artigo selecionamos alguns dos métodos conhecidos e validados por especialistas.

Eles são capazes de melhorar os resultados de qualquer reunião de agência. Aprenda, em poucos passos, como se preparar para uma reunião comercial e conheça os benefícios de um bom pitch de negócios.

E agora, como se preparar para uma reunião?

 

Passo nº1: Filtre os leads para receber uma proposta comercial

Antes de pensarmos em como se preparar para uma reunião, é preciso analisar qual o perfil de lead que possui mais chances de sucesso no modelo de negócios. Afinal, desde o primeiro contato, a oferta pode ser considerada um investimento:

  • De tempo dos colaboradores responsáveis por participar da reunião de agência;
  • De material demonstrativo (folders, amostras etc) da proposta comercial.

Todavia, a prospecção de leads demanda recursos. Dedicamos produção de conteúdo para Inbound Marketing, fechamos contrato e adentramos no pós-venda. Estes investimentos diversos, para atrair e tracionar até o momento da venda, formam o que chamamos de CAC (Custo de Aquisição por Clientes).

Visto isso, é hora de rever as estratégias para identificar se há possibilidades de minimizar os custos. Conhecer este indicador é um passo importante em direção ao fluxo otimizado. Quando estiver convencido de que este é seu melhor número, você estará pronto(a) para a próxima etapa.

Assim, é chegada a hora de analisar detalhadamente os contratos e identificar os pontos gerais. O intuito é revelar o perfil do cliente de sucesso. Ou seja, identificar os leads que têm mais probabilidade de fechar negócio.

Em posse dessa informação, basta desenvolver os filtros adequados. A fim de sinalizar os leads que mais se aproximam do perfil identificado e priorizá-los ao marcar uma proposta comercial.

Sugerimos o uso de técnicas de qualificação profunda. Como a implementação de uma área de Pré-vendas, para investigar e coletar informações de grande valia sobre características do lead. Desse modo, é possível saber como se preparar para uma reunião ideal.

Outra tática é o uso de lead scoring, estabelecendo uma pontuação para rankeá-los, de acordo com a etapa da jornada de compra na qual se encontram.

É claro que, se você identificar as melhores oportunidades, a taxa de conversão em vendas da reunião de agência será maior. Além disso, informações privilegiadas poupam o sufoco de ficar imaginando como se preparar para uma reunião comercial perfeita. Quando você já sabe do que o lead precisa, é mais fácil fortalecer o pitch e chamar a atenção.

Passo nº2: Adapte-se ao perfil do lead na reunião de agência

Já ouviu falar em rapport? Esse termo, que vem do francês, remete ao ato de estabelecer uma comunicação harmônica e sincronizada. Quando falamos em gerar rapport na reunião de agência, significa criar empatia e outras ferramentas para tornar o diálogo mais fluido.

É importante saber que tudo influencia na qualidade dessa relação: vocabulário, tom de voz, expressão corporal etc. Quando entramos em contato com o outro, passamos por uma série de processos conscientes e inconscientes, na busca de identificação.

Se nosso cérebro é capaz de identificar estas zonas, tornarmo-nos mais empáticos. Numa proposta comercial, inclusive, este fator pode ser decisivo! Por isso, é primordial que haja um estudo minucioso das personas. Buscando, até mesmo na psicologia, as informações necessárias para descobrir quais são as vias de acesso mais fáceis à cada lead.

Você não conversa com um senhor de 55 anos, que empreende desde os tempos de mídia tradicional; do mesmo modo que dialoga com o CEO de uma startup inovadora, no auge de seus 25 anos.

Dessa forma, condicione o time de Vendas para ter a versatilidade de cobrir todo o espectro de perfis admitido. Assim, eles saberão como se preparar para a reunião de fechamento.

 

Passo nº3: Treine o pitch de vendas

Ter um discurso sucinto e atraente é a cartada final sobre como se preparar para uma reunião comercial. Os colaboradores ou sócios devem ganhar o lead nos primeiros minutos. Pois, de outro modo, dificilmente conseguirão ter um novo contrato em mãos.

Nesse momento, é preciso contar com profissionais já versados nas técnicas de venda para a eficiência das ações implementadas. Caso sua empresa, por diversos motivos, não puder trabalhar padrões, é hora de superar as dificuldades e desenvolver seu lado vendedor.

É comum que o CEO tenha dificuldades em trabalhar na área comercial, especialmente por estar focado em atividades de gestão. No entanto, mesmo não seja seu forte, você precisa defender as suas ideias e promover o seu produto.

Nunca se esqueça que oportunidades de negócio podem surgir de encontros rápidos, como na participação em eventos e atividades do setor. Assim, a melhor tática é preparar-se para ter respostas na ponta da língua ao impressionar alguém.

Por isso, avalie diversos modos de comunicar a informação. Pensando, sempre, em como ressaltar as qualidades da solução no menor tempo possível.

O segredo é treinar! Conheça e ensaie seu discurso quantas vezes precisar. Peça ajuda aos seus colegas para que lhe digam se o texto está dinâmico e potente. A prática do elevator pitch também é ótima para desenvolver esta alternativa.

 

Passo nº4: Capriche na hora da apresentação

Enfim, o último passo do nosso guia é arrasar na apresentação da proposta comercial. Após aquela reunião de agência bem-sucedida, seguindo os passos anteriores, você precisará enviar um e-mail formalizando a proposta de trabalho.

No entanto, ninguém se sente impactado(a) ao receber um orçamento simples via e-mail, sem qualquer tipo de formatação e/ou identidade. A proposta comercial torna-se muito mais atraente se você investir na aparência e no teor deste material.

Com efeito de ganhar de vez o seu cliente, tenha certeza de enviar uma proposta sedutora – e não estamos falando apenas de números. Afinal, uma proposta convincente é aquela que:

  • Aplica uma identidade visual e textual coerente com sua marca;
  • Utiliza um template organizado e profissional para adicionar valor;
  • Inclui informações institucionais breves, que ajudem a reforçar os principais pontos de diferenciação do negócio;
  • Apresenta o valor do orçamento, contendo o descritivo de todos os entregáveis ao longo do período de possível contratação.

Desse modo, você passará mais credibilidade e despertará a vontade de fechar o contrato.

 

Agora que você já sabe como se preparar para uma reunião…

É hora de botar em prática. No fundo, assim como qualquer outra reunião, uma reunião comercial é resultado de tática e preparo prévio.

Como a prática leva à perfeição, logo você terá conhecimento o suficiente sobre o assunto. Para gerar inteligência comercial, mas lembre-se de registrar todas as impressões das equipes após cada contato a fim e coletar dados relevantes que possam ser utilizados no futuro.

Gostou deste conteúdo? Leia mais sobre o processo de vendas em agências digitais, aqui!

Página 1 de 212

Contato