Vídeo para marketing digital: como escolher o melhor conteúdo para cada etapa do funil

Vídeo para marketing digital: como escolher o melhor conteúdo para cada etapa do funil

Uma imagem vale mais do que mil palavras. A imagem certa, com o conteúdo que a acompanha tem, de fato, um valor inestimável. Estamos falando dos vídeos para marketing digital. Eles são envolventes, fáceis de serem consumidos, oferecem senso de abordagem individual e podem ser rapidamente compartilhados.

Vídeos podem ser vistos milhares de vezes – ou apenas quantas vezes o consumidor achar necessário, mas no dispositivo que ele escolher e em seu local e horário preferidos. É um formato de conteúdo realmente muito atrativo. O vídeo não passa despercebido. Por isso, não pode ficar de fora de nenhuma estratégia de marketing.

Neste conteúdo, você lerá sobre:

  • O valor do vídeo para marketing digital
  • Como acertar na produção deste tipo de conteúdo de acordo com as etapas do funil de vendas

Para entender o valor dos vídeos para marketing digital, basta dar uma olhada em alguns números. Aqui, temos 81 estatísticas que provam a importância desta estratégia. Três delas, que foram levantadas neste conteúdo, traduzem de maneira pontual o que estamos tentando falar:

  • 15% dos usuários assistem a mais de três horas de vídeo diariamente (State of Video Marketing, 2017);
  • Os usuários retêm até 95% das informações em vídeo e apenas 10% em textos (WordStream, 2018);
  • 95% dos usuários assistem a um vídeo para entender melhor um produto ou serviço (State of Video Marketing, 2017);

São dados que mostram que esta tendência é certa. É preciso, apenas, jogar a isca: o mar de internautas está todo na rede, esperando por conteúdo novo e de qualidade. E a concorrência também sabe disso.

 

 

Como acertar na produção dos vídeos para marketing digital?

Você precisa saber produzir conteúdo para cada etapa do funil de vendas. Porque nós sabemos que o funil de vendas nada mais é do que o demonstrativo dos passos dados pelo usuário comum, até ele se tornar interessado por seu produto ou serviço, se tornar comprador e até mesmo defensor da marca.

Para exemplificar, vamos relacionar o funil de vendas a um jantar.

No topo dele, que é largo porque representa a chegada dos usuários, estão os vídeos virais, esta é a entrada. É o primeiro contato entre o visitante e a sua marca. É o momento de apresentar o conteúdo de atração. No meio, estão os vídeos instrutivos – que podem ser a refeição principal. O usuário não é mais um mero desconhecido, ele já voltou. E, no fundo, encontramos vídeos de demonstrações detalhadas do produto e estudos de caso, considerados, aqui, a sobremesa. É quando o lead qualificado está prestes a se tornar um consumidor do seu negócio.

Você pode estar se perguntando: o prato principal é o mais importante? Ou a entrada é a que exige menos cuidado? A sobremesa chama mais a atenção? A resposta é não para todas as perguntas.

Porque no marketing digital, assim como em uma refeição, queremos que tudo funcione, que os ingredientes harmonizem entre si. A verdade é que o vídeo para marketing digital é um verdadeiro banquete. Então, vamos caprichar nos detalhes.

 

 

Relacionando o vídeo com a etapa correta do funil de vendas

Se você quiser fazer um piquenique, provavelmente optará por um gramado muito verde com uma toalha, de preferência, xadrez. Se quiser provar de especiarias nunca antes imaginadas pensará, talvez, em um bar tailandês. Não importa qual a sua predileção ou necessidade: há espaço e ocasião para cada uma delas.

Os vídeos também possuem determinadas plataformas para serem lançados ou explorados. Eles podem estar nas redes sociais, sites, blogs ou, claro, no youtube. Mas é essencial saber casar a ocasião e o local ideal.

Você já sabe que a jornada de compra é o caminho que o visitante do seu site faz para finalmente se tornar um cliente e efetuar a compra. Ele passa por etapas importantes e bem delimitadas até decidir comprar:

  • Aprende e descobre;
  • Reconhece o problema;
  • Considera a solução;
  • Decide comprar.

 

Aprendizado (ou a entrada)

Na primeira etapa, do aprendizado e descoberta, você ainda não tem um cliente. Quem chega ainda é um completo desconhecido: ele não conhece sua marca ou empresa, muito menos seus produtos ou serviços.

O seu papel aqui é chamar a atenção. Ser visto e notado. No entanto, este não é propriamente o momento de você falar do seu produto. Nesse estágio, a sua função é ajudar o potencial cliente a descobrir o que ele precisa. E como fazer isso? Identificando alguma necessidade que ele possua e que, talvez, ainda nem saiba.

 

 

Qual a mensagem do vídeo?

É hora de motivar e produzir vídeos mais humanizados, de acompanhar o cliente para que ele perceba que não está só. Produzir conteúdos altamente informativos e abrangentes é parte fundamental desta etapa.

É o momento de produzir e divulgar vídeos virais, porque eles facilmente se tornam memes. Vídeos do tipo “perguntas e respostas” são também válidos e informativos. Aproveite para mostrar a autoridade da marca. Você ainda pode – e deve – divulgar as novidades do mercado.

Faça tudo isso em vídeo curtinhos: o ideal é não ultrapassar um  minuto. Cuide muito da aparência. Nós queremos que o cliente volte, então, use e abuse de animações e outros efeitos envolventes, ok?

 

 

Consideração (ou o prato principal)

É hora de reconhecer o problema. É o meio do funil. Aquele estranho que se tornou visitante ainda não é um cliente, mas ele voltou! Ele também já até desconfia que tem um problema, só não sabe bem qual é. E você está lá para auxiliar.

É hora de aprofundar o conteúdo no sentido de orientar. De reconhecer o problema e dialogar com a dor. Não é a hora de mostrar a solução, mas é o melhor momento para incentivar a conversão.

Até porque, se ele voltou e quer mais informações, talvez esteja disposto a trocar informações pessoais pelo conteúdo que ele busca. Ou, seja,transformar-se em lead.

Mas não esqueça: esta é ainda uma boa hora para criar vídeos que podem ser utilizados para leads que já se encontram nesta etapa do funil graças a outros tipos de conversão.  

 

Como pode ser o conteúdo, então?

Aqui entram os ensinamentos e a identificação com o foco no problema. Busque produzir vídeos com histórias de pessoas que passam pela mesma coisa. Procure especialistas para fazer webinars.

O foco está na produção de vídeos explicativos. Eles servem para aumentar o tempo de permanência no site. Neste sentido, produza vídeos que sugiram como fazer, o que é bom evitar, quais os passos para melhorar. Este é o caminho.

 

Decisão (ou sobremesa)

Chegamos ao fundo do funil. Agora, já podemos considerar a solução. O seu visitante já chegou, pediu a entrada  e terminou o primeiro prato. Você já tem a capacidade de saber como ele passou pelas primeiras experiências até aqui; já sabe do que ele mais gostou para chegar onde está.

Está prestes a saber se gostou da refeição inteira, que é o que você mostrou de conteúdo até aqui. Se ele aprovar, irá não apenas tornar-se um cliente, mas também recomendá-la. Você pode perceber a reação dele ao saborear o cardápio, mas ainda precisa que ele aprove a sobremesa.

Neste momento, ele já sabe o que quer e procura a melhor solução. O que chamou a atenção dele até aqui é o que pode definir a venda.

 

Fundo de funil: hora de vender o seu conceito

Que tal produzir vídeos institucionais? É quando você tem a chance de apresentar a marca e não o produto. É o momento de evidenciar o seu conceito para enfatizar os valores da marca. Qual o valor do seu produto para o cliente? (E não estamos falando de valor material).

É este conteúdo que deve ser oferecido em forma de vídeo. Mostre que você está comprometido: quais são os seus valores, sua missão.

 

É preciso convencê-lo a dar o último passo

Hora de ir direto ao ponto. Não pode mais existir dúvida sobre o que você está servindo. Vídeos comerciais já podem ser entregues. Mas, vá com cuidado: mesmo que este seja o momento da decisão da compra, o cliente ainda pode recuar frente a uma investida muito incisiva.

Há, também, a opção do vídeo review, que terá no roteiro temas como “formas de uso”, “principais vantagens”, “comparativo com soluções semelhantes”.

Deleite-o com vídeo os cases de sucesso. Quem comprou e gostou? Gostou do que? É hora de inspirar. Então, aposte em vídeos para marketing digital com depoimentos de clientes que podem contar a experiência de uso e as melhores práticas.

Outra boa jogada neste estágio são os tutoriais de produtos/soluções. Você também pode produzir vlogs ou vídeos ao vivo. É o momento de expor detalhes bem específicos da sua empresa, marca ou produto. Apresente novos recursos, se for preciso.

 

Relação próspera e duradoura com o cliente

Quando você escolhe informar por vídeo, mostra que está atuante no mercado, que não quer e nem ficará para trás.

Demonstra ao seu potencial cliente que você sabe o que ele quer. Você o compreende e entrega o conteúdo no formato que ele deseja. A relação entre vocês fica muito mais justa e eficiente e, se acertar no melhor conteúdo para cada etapa do funil, terá motivos para brindar, porque ela poderá ser ainda próspera e duradoura.

 

 

Já está convencido da eficiência do vídeo para marketing digital?

Nós estamos. Mesmo não tendo dúvidas da eficiência do vídeo para marketing digital, ainda não faz ideia de como começar? Não se preocupe, nós podemos ajudar:  a Gummy possui uma divisão interna especializada neste formato. Fale conosco!

Gostou deste conteúdo? Então, é hora de brindar! Aproveite para conferir também algumas ideias criativas para inovar na produção de conteúdo. Até a próxima! 🙂

Como medir o ROI do vídeo marketing

Como medir o ROI do vídeo marketing

Você já deve ter percebido que, de uns tempos pra cá, têm se falado muito mais em vídeo marketing. Hoje, precisamente, falaremos sobre um aspecto específico desta tendência tão vantajosa que se mostrou quase unanimidade entre empresas que utilizam marketing digital. Abordaremos o ROI do vídeo marketing.

No último ano, houve um crescimento de 6% no número de adeptos. Conforme a pesquisa da Hubspot, crescemos de 81% para 87% no total de empresas que utilizam vídeo.

Neste post, vamos desmistificar algumas questões ao redor dos custos de produção de vídeo e o retorno oferecido por esse formato de conteúdo na estratégia Inbound.

Você vai ler sobre:

  • Motivos pelos quais o ROI do Video Marketing é seguro e vantajoso
  • Como calcular custos de produção de vídeos para obter resultados
  • Por que o Vídeo Marketing é uma das tendências que mais cresce

 

Precisamos falar sobre ROI do Vídeo Marketing

O Vídeo Marketing não para de crescer. A versatilidade e as facilidades oferecidas por esse tipo de conteúdo o transformaram no verdadeiro queridinho da Internet.

Dica: Se você está com dificuldades de entender o que é vídeo marketing, clique aqui e confira este post antes de continuar esta leitura.

Dito isso, vamos ao ROI.

Podemos dizer que os custos da produção de vídeo se justificam rapidamente diante do Retorno Sobre o Investimento (ROI).

Para te dar uma ideia, a mesma pesquisa da Hubspot que citamos anteriormente mostra que o uso de Vídeo Marketing em estratégias Inbound pode gerar um aumento de 78% no ROI. Tudo isso como resultado de apenas um ano de uso de vídeos como ferramenta.

A longo prazo – assim como acontece no próprio do Inbound -, é possível considerar resultados ainda melhores, afinal, assim como artigos, quanto mais tempo de vigência, mais refinada é a estratégia,  a qualidade e a assertividade dos vídeos produzidos.

Além disso, o uso de vídeos como ferramenta de marketing serve a diferentes objetivos, como geração de leads e conversões em venda – provando que pode facilmente ser usado para gerar novos negócios.

Em suma, a versatilidade e o grande potencial de resultados são os principais benefícios do Vídeo Marketing.

Quanto custa? Considerando o excelente ROI, os custos são bem menores do que pode parecer num primeiro momento.

Entenda, a seguir!

 

Os principais benefícios do Vídeo Marketing

Antes de falar em custos, vamos falar de coisa boa!

Os benefícios de ações de Vídeo Marketing são importantes demais para ficar ofuscados. Por isso, decidimos criar uma pequena lista para explicar cada um deles. Confira:

 

1- Baixo custo de produção x ROI do Vídeo Marketing

Muitos gestores têm a impressão errada de que, para produzir este tipo de conteúdo, é preciso desembolsar uma fortuna.

Há alguns anos, até poderia ser. Mas hoje, já é possível fazer um bom trabalho contando com baixos custos de produção de vídeo.

Em partes, isso acontece devido à acessibilidade dos equipamentos nos últimos anos.

Hoje qualquer pessoa é capaz de produzir conteúdo em vídeo, em boa parte graças à popularização dos smartphones.

Muitos celulares possuem câmeras de excelente qualidade e de fácil utilização, o que faz com que, basicamente, qualquer pessoa que possua um smartphone, possa produzir vídeos.

É claro que, em sua estratégia de marketing, o ideal é dar um passo além e usar recursos profissionais, sobretudo para criação de formatos mais complexos, como vídeos animados, por exemplo.

Garantindo a qualidade do material, é muito mais fácil otimizar o ROI do Vídeo Marketing.

Em seguida, vamos falar sobre resultados possíveis com Vídeo Marketing.

Mas já adiantando para você continuar a leitura: embedar vídeos em uma página aumenta as taxas de conversão em 80%

Dá pra ter uma boa ideia de como os benefícios incidem sobre o ROI do Vídeo Marketing, não é mesmo?

 

2- Popularidade na Internet e capacidade de engajamento

Pela praticidade do consumo – em modo especial, através de dispositivos móveis – os vídeos tornaram-se os favoritos dentre os usuários.

Afinal, quem não aproveita o seu tempo livre para assistir a um vídeo nas redes sociais?

O fato é que adultos gastam, em média, 105 minutos por dia assistindo a vídeos.

Uma pesquisa recente realizada pelo eMarketer mostra que o tempo gasto por um adulto assistindo vídeos na internet diariamente aumenta a cada ano, tendo passado de 1:23 minutos em 2014 para  1:54 minutos em 2019.

Detalhe: os números não consideram vídeos vistos em redes sociais, ou chegaríamos em número ainda mais elevados.

Com o Vídeo Marketing, você pode condensar grandes volumes de informação, utilizando textos e recursos audiovisuais para comunicar melhor.

E por falar em engajamento, isso é o que o video marketing tem de sobra: o uso de vídeos resulta em uma taxa impressionante de 1200% mais compartilhamentos do que outros formatos.

 

3- Prioridade no rankeamento por mecanismos de busca

Com o avanço dos algoritmos em mecanismos de busca, os vídeos são privilegiados. Para se adaptar ao novo comportamento dos usuários na internet, a ferramenta reconhece sites com vídeos como sendo de maior qualidade. Na prática, isso significa que estes conteúdos aparecem destacados nas primeiras páginas de busca. Veja:

roi do vídeo marketing

Logo abaixo dos anúncios pagos e das sugestões do Google, estão os vídeos.

Confirmando este comportamento, a WordStream divulgou que, quando estão presentes na página, eles podem melhorar o seu posicionamento em 157%.

Estas são vantagens que garantem um investimento bem sucedido.

Veja, nos próximos tópicos, como medir ROI do Video Marketing para certificar-se de que a sua estratégia está no caminho certo.

Os KPIs para avaliar o ROI do Vídeo Marketing

O acompanhamento das métricas deve ser parte do trabalho do gestor de Marketing. Logo, ao produzir vídeos, não se esqueça de monitorar os resultados obtidos.

Diante da versatilidade desse formato, é importante frisar que KPIs dependem dos objetivos iniciais de cada um. Por isso, antes de calcular qualquer coisa, tenha em mente que seu vídeo se insere em uma estratégia clara e que serve a objetivos pré-definidos.

Feito isso, estude os KPIs possíveis para metrificar seu sucesso. Alguns deles, são:

 

Brand Awareness e nutrição de leads

Se o foco é despertar sentimentos e influenciar a percepção do lead sobre a marca, o ROI do Video Marketing deve ser medido por:

  • Feedback: teor dos comentários e das reações do público nas redes;
  • Engajamento: número total de interações com a postagem, tais como likes, número de inscritos e compartilhamentos;
  • Número de visualizações e Click Through Rate (CTR): quantidade sobre a busca e o consumo do vídeo pelas personas.

 

Aumento de vendas e receita

Agora, se a sua meta é vender com a divulgação do material em vídeo, os Key Performance Indicators (KPIs) mais adequados são:

  • Taxa de conversão: quantos leads acessaram à canais de compra através do vídeo;
  • Faturamento: valor dos custos da receita total arrecadada;
  • Cálculo do ROI: aplicação da fórmula para encontrar o valor.

Afinal, como calcular o ROI do Video Marketing?

Para não ter mais dúvidas de que a ação entrega o retorno prometido, nada melhor do que verificar você mesmo. Portanto, é necessário que você saiba como calcular o ROI do Vídeo Marketing da sua empresa.

A fórmula é a seguinte: ROI = (Receita obtida – Investimento total) / Investimento total

Neste cálculo para o ROI do Vídeo Marketing, a receita obtida é a soma de todo o valor arrecadado com a estratégia. Mas fique atento(a): utilize os KPIs certos para não misturar os dados. Aqui, devem entrar somente os números obtidos dos resultados das campanhas, avaliando quantas pessoas foram impactadas e engajadas.

Já o investimento total é soma de todos os gastos com a produção de vídeos. Isto vai desde a fase de pré-produção até a conclusão do projeto. É importante contabilizar tudo: custos fixos (água, luz etc), com materiais para produção de roteiro e planejamento, equipamentos e assim por diante. Quanto mais detalhada for essa lista, mais assertivo será o cálculo.

Calculando o ROI da produção de vídeos na prática

Veja um exemplo para facilitar:

Investimento total: R$ 6.500

  • Gravação (locação + equipamentos): R$1.000
  • Roteirista: R$ 500
  • Animador: R$1.500
  • Divulgação e Vídeo Marketing: R$2.200
  • Edição: R$1.000
  • Outros custos (luz, material de escritório, etc): R$300

Receita obtida: R$ 19.500

ROI = (19.500 – 6.500) / 6.500 = 2 ou 200%

Mantendo isso sobre controle, você atinge um crescimento saudável, seguro e planejado. Comece com produções menores e avalie o que funciona melhor. Com o passar do tempo, saberá no que investir para ter resultados mais vantajosos.

Compare todos esses dados com os números anteriores ao uso de Vídeo Marketing para ter um panorama claro da mudança gerada após a sua implementação.

Percebe como o formato impacta positivamente sua estratégia? O investimento é mais do que vantajoso: é necessário para manter-se competitivo na era digital. Por isso, criamos um conteúdo aprofundado, reunindo toda a informação de que precisa para aderir à tendência.

Clique aqui e leia um guia incrível sobre a produção de vídeos para Marketing Digital!

Além disso, criamos um setor totalmente voltado à produção de vídeos WOW!, como todos os nossos conteúdos. Caso precise de ajuda, nós temos a solução! Entre em contato 😉

 

10 diferentes tipos de conteúdo para Inbound Marketing

10 diferentes tipos de conteúdo para Inbound Marketing

Não queremos comprar pessoas: esse negócio não existe no mercado. Desejamos, sim, atrair a atenção delas para as soluções que podemos oferecer.

O conceito de atração tornou-se praticamente um sinônimo do Inbound Marketing. Mas para atrair um público com potencial de compra, é importantíssimo entregar relevância e agregar valor à sua marca ou produto, principalmente quando falamos em produção de conteúdo.

Afinal, ao vender um serviço ou produto, acredita-se que ele seja compatível ao que se propõe, certo?

De nada adianta desenvolver o melhor produto ou serviço e não conseguir vendê-lo. Da mesma forma, não adianta empurrá-lo goela abaixo para cumprir tal feito.

A boa notícia é que existem diferentes tipos de conteúdo para Inbound Marketing que podem – e muito – auxiliá-lo nessa empreitada.  

Nesse sentido, a versatilidade do Inbound é sua melhor amiga. Selecionamos 10 formatos de conteúdo para Inbound Marketing para ajudar você a vender o seu peixe de forma realmente eficaz.

Neste conteúdo, você vai ler sobre:

 

  • 10 diferentes tipos de conteúdos para Inbound Marketing
  • Como entregar conteúdos de maneira satisfatória

 

Primeiramente, Você sabia que o Inbound Marketing custa nada mais, nada menos do que 62% mais barato do que o Outbound Marketing?

Com o Inbound Marketing, você entrega mais do que um produto ou serviço: você disponibiliza conhecimento. E informações relevantes são sempre bem-vindas.

Antes de começar, vale lembrar que o conteúdo é a cereja do bolo da sua estratégia. É ele quem cativará as pessoas com quem você quer dialogar. Sabendo como falar para o seu público alvo – e, principalmente, o que falar – já há uma grande possibilidade de obter sucesso com estratégias Inbound.

Depois, é só escolher sob qual formato você deseja entregar esse conteúdo ou, em outras palavras, como você deseja sanar uma necessidade ou dúvida de sua audiência.

Como sabemos que o Inbound é versátil e possibilita um universo de escolhas,  selecionamos 10 tipos de conteúdo para Inbound Marketing e listamos suas principais vantagens.

 

1. Blogpost: igual coração de mãe

 

 

Eles são como coração de mãe: sempre cabe mais um. E eles aceitam qualquer assunto, sem distinção nenhuma.

Por conta desse formato eclético, são uma boa pedida quando o assunto é ranquear o blog nas buscas do Google ou outros buscadores. Por meio dos blogposts você pode se posicionar, também, como um especialista naquilo que vende.

Outra coisa importante é que não há um formato – e sim vários – para o blogpost. Ele não tem limite de tamanho: quanto maior, melhor! Você pode divulgar um evento, falar sobre um assunto específico que tenha a ver com a sua área de atuação, descrever um vídeo ou até mesmo uma webinar.

Com o blogpost, você mostra que está sempre atualizado, informa e educa ao mesmo tempo em que pode oferecer um conteúdo interativo. E, assim, continua atraindo mais e mais tráfego.

 

2. E-books – isca para leads

 

 

Para quem quer saber mais poder se aprofundar no tema que necessita, você estará lá para levar essa informação mais detalhada.

É por isso que o e-book pode ser considerado uma isca para leads. E se engana quem pensa que ele precisa ser enorme: na verdade, ele pode ter o mesmo tamanho de um blogpost – ainda que o recomendável é que tenha duas vezes esse tamanho.

O que importará, de verdade, é o que você entregará. A informação precisa ser mais específica e responder as perguntas que o seu possível lead tem. Esse formato garante, ainda, a atualização da sua lista de e-mails.

O e-book é entregue, geralmente, no formato de um PDF – para ser baixado. E como o próprio nome sugere, não esqueça de dividir o assunto em capítulos. Eles também não são livros digitais apenas de palavras: abuse das cores, infográficos e imagens.

Quem lê um e-book quer terminar o material sem nenhuma dúvida. Então, novamente: foco no conteúdo.

 

3. Webinars – quem sabe faz ao vivo

 

 

“Quem sabe do que está falando, não precisa de power point”, dizia Steve Jobs.

Se você também faz parte desse time, a produção de webinars é perfeita para o seu negócio.

Com baixo custo – é possível utilizar plataforma gratuitas de webinar, a produção desse formato costuma atender a diferentes objetivos.

Enquanto para a empresa representa uma poderosa arma de atração de leads, para o usuário, o formato é uma tendência cada vez mais aceita.

Afinal, nada melhor do que ouvir e ver quem sabe do que está falando! E, de quebra, em tempo real. Essa interação permite muito mais interatividade e ainda garante informação de qualidade para os seus seguidores.

Você não só irá gerar leads, como oferecerá um dos conteúdos mais procurados e acessados pelos usuários de hoje, que são os vídeos.

As webinars servem de ponto de encontro para quem se interessa pelo mesmo assunto; elas funcionam ainda como chats de vídeo em tempo real.

Mesmo após uma campanha de divulgação, é possível continuar gerando leads com webinars, já que, existe a possibilidade de disponibilizar o conteúdo para aqueles que perderem a live.

Um recurso realmente imbatível quando o falamos em custo x benefício de geração de leads.

 

 

4. Vídeos: quando a combinação som-imagem fala mais alto

 

Eles são os queridinhos do momento. Ao pensar em internet, automaticamente se faz a conexão com o vídeo. Eles informam de forma dinâmica, são versáteis e de fácil compreensão.

Mais do que terem caído no gosto da maioria esmagadora dos usuários, são a tendência para os próximos anos porque combinam interação de forma didática. Não tem como não pensar em sair na frente da concorrência e aumentar o tráfego do seu blog sem pensar em vídeos.

Eles permitem mais informação em um espaço de tempo menor. Podem ser curtos, com até 90 segundos, ou mais extensos. Podem ser educativos, institucionais ou altamente explicativos.

Há tipos de vídeos que podem, ainda, serem associados a outros tipos de conteúdo. Por exemplo: você pode combinar um vídeo com um blogpost que fala sobre o mesmo tema. Um pode complementar o outro.

A lista de possibilidades para os vídeos é enorme e muito rica, assim como as chances de você ranquear bem o seu negócio por meio deles, também.

Aqui você encontra um conteúdo sobre como utilizar vídeos para vendas e escolher o melhor formato para cada etapa do funil. Acessando esse material, você saberá exatamente como incluir e usar de maneira adequada os vídeos em sua estratégia de marketing digital.

 

5. Listas – numere motivos

 

As listas podem organizar a vida, o início de todos os anos e ainda os conteúdos em um blogpost. É isso mesmo: as pessoas amam listas.  

Elas não só estão na moda também na internet, como representam um conteúdo de fácil assimilação. Quando o post está enumerado, mostra exatamente o que você aprenderá com ele. É excelente para o usuário compreender o conteúdo sem nenhuma enrolação.

Então, não esqueça de cumprir com as resoluções de início de ano que estão na sua listinha e abuse das listas também em seus conteúdos digitais.

 

6. Infográficos: utilize recursos visuais

 

O infográfico é uma boa forma de ilustrar aquilo que você precisa falar ou informar. Ele organiza palavras e imagens e, por isso, aumenta a compreensão ao mesmo tempo em que gera um efeito visual interessante para o conteúdo.

Eles podem aumentar o tráfego do seu blog em até 12%. Então, não é apenas uma questão visual, não!

Em suma, o infográfico é um bom tipo de conteúdo, porque atrai a atenção do lead e ainda geram tráfego. Se for optar por este formato, não esqueça: ele precisa ser completo e bem feito.

 

7. Tutoriais – passo a passo eficiente

 

Quando você alcança a posição de especialista na área, a sua credibilidade começa a falar por você. Os tutoriais são uma excelente ferramenta para que você alcance essa marca.

Para os usuários e leitores, eles são a chance de realmente aprender tudo como desejam, ou seja, com um passo a passo detalhado e eficiente.

Você já sabe que mais informação não é sinônimo de apenas mais palavras, né?  Então, abuse de imagens e de artifícios que possam complementar o conteúdo e torná-lo ainda mais atraente.

Ou, melhor ainda: grave um vídeo! Com certeza, você nem percebe, mas assiste a muitos tutorias na internet – que ensinam da troca de um chuveiro até como retocar uma foto no Adobe Photoshop.

 

8. Estudos de caso – nada como o exemplo!

 

Por meio dos estudos de casos, os usuários podem compreender como o produto ou serviço à disposição auxiliou a vida de outras pessoas. Eles poderão identificar o problema e também a solução.

Outra dica importante no caso de você escolher um estudo de caso para o seu blog é que ele não precisa ser marketing puro, não! Uma história bem contada resolve bem essa questão. Melhor do que isso: conquista quem a ouve, lê ou assiste.

Para o último caso, vale conferir a tendência dos cases em vídeo. Os depoimentos geram empatia e, muitas vezes, resultam até em divulgações espontâneas – gerando engajamento de sobra.

 

9. Entrevistas: perguntas e respostas

 

Uma entrevista pode estar no blog em formato de texto ou de vídeo. E se o entrevistado for um especialista no assunto, melhor ainda.

As entrevistas são um bom formato porque respondem as dúvidas dos usuários em um formato descontraído, que apresenta boas soluções para os seus problemas.

Elas aumentam a empatia e ainda o seu relacionamento com as pessoas que querem saber mais sobre o que você oferece para o mercado. Além disso, podem render boas ações de marketing em conjunto – quando ambas as partes possuem interesse em divulgar o mesmo material.

Lembre-se: um post com entrevista pode ser o início de uma próspera parceria entre dois negócios complementares.

 

10. Pesquisas – dados que comprovam

 

De mercado, de segmento, sobre resultados ou para apresentar alguma tendência: uma pesquisa é sempre um dado relevante. Uma estatística, por exemplo, mostra o que se quer dizer em números que falam por si só. São indiscutivelmente bons argumentos.

Dados são sempre relevantes, além de serem uma forma rápida de comprovação do que se quer informar.

As pesquisas podem trazer informações sobre vários assuntos que servirão de base para muitos usuários.

Mas é fato que não se pode desenvolver uma boa pesquisa sem ter um planejamento. E isso leva tempo. Então, se optar por divulgar uma pesquisa, procure a melhor maneira de captar e divulgar essa informação.

Profissionais da área estão sempre à disposição para ajudar nessa tarefa. Vale a pena contar com esse serviço.

Capriche nas entregas de conteúdo

 

Agora que você já imaginou as possibilidades com esses dez diferentes tipos de conteúdo para Inbound Marketing, não esqueça de caprichar na produção: não importa o que você escolher produzir ou combinar para o seu blog, faça-o com carinho e informações relevantes.

Outro ponto bem importante nesse momento é planejar as publicações. Não adianta postar uma vez por mês. Lembre-se de diversificar os conteúdos e incluir esse planejamento em sua escala de produção, também.

Imagens e recursos visuais não apenas podem, como devem casar com conteúdo e áudio – e devem também ser tão atrativas quanto aquilo que você tem a falar.

Por último mas, talvez, o mais importante: conheça o seu público-alvo, a sua persona, principalmente. Saber quem é o seu possível lead, quais são suas dores e necessidades, é essencial para construir um conteúdo assertivo e que vá direto ao ponto.

 

Essa é a única maneira de conquistar mais visualizações, com palavras que falem diretamente para quem precisa delas.

 

Finalmente, se a produção de conteúdo for um problema para você, pense na possibilidade de terceirizar essa missão para que ela realmente se torne uma solução interessante para os seus negócios.

 

Nós esperamos que você tenha aprendido e tido bons insights com esse conteúdo sobre diferentes formatos de conteúdo para Inbound Marketing! Em nosso blog há muito mais informações à sua espera. Até a próxima!

 

Vídeo institucional: por que seu negócio precisa dele?

Vídeo institucional: por que seu negócio precisa dele?

Como sua empresa se comporta quando o assunto é marketing digital? Ela está surfando do vídeo marketing ou essa onda ou ainda nem pisou na areia? Um dos principais cartões de visita do mundo – e parte da estratégia do inbound marketing – é o vídeo institucional.  Você realmente sabe por que o seu negócio precisa dele?

Neste conteúdo, você verá:

  • O que é vídeo institucional;
  • Exemplos de vídeos institucionais para você se inspirar
  • Como usar vídeos institucionais em estratégias de branding e marketing.

Aliás, a sua empresa possui um vídeo institucional? Como ele foi produzido? Onde foi divulgado? Ele realmente melhora a imagem do seu negócio? Entrega uma mensagem eficiente ao público? Constrói um possível relacionamento com o seu potencial cliente? Divulga a filosofia da empresa?

Ou ele apenas tem esta pretensão, mas verdadeiramente não surte esse efeito?

Vamos começar do início?

 

O que é o vídeo institucional?

Dentre as maneiras disponíveis para fortalecer e divulgar a sua marca, agora focaremos no vídeo institucional.

Esse tipo de material funciona como uma espécie de cartão de visitas em forma de vídeo. Serve para apresentar o seu modelo de negócios, fazendo com que o usuário entenda mais sobre o produto e a cultura empresarial.

Mas é importante que você saiba também a diferença entre vídeo institucional e comercial. O foco não está em gerar mais vendas. Está em fazer parte da estratégia de comunicação. Geralmente, ele trata de assuntos como:

  • Identidade organizacional (missão, visão e valores);
  • Apresentação de diferenciais (prêmios e certificados de qualidade);
  • Práticas exemplares (produção sustentável e gestão de pessoas felizes);
  • Divulgação de ações relevantes à comunidade local ou público-alvo (envolvimento em causas e projetos sociais).

Ou seja, um vídeo cheio de personalidade para mostrar aquilo que a sua empresa tem a oferecer – para as suas personas e o mundo. Pense grande:

  • O que a sua empresa faz de melhor?
  • Como a sua mensagem impacta positivamente a vida das pessoas?
  • Qual é o valor agregado por trás das práticas que seu negócio promove?

Desse modo, seu potencial cliente sentirá vontade de conhecer a empresa e se aproximar. No fim, podemos dizer que o objetivo do vídeo institucional é gerar encanto e efeito WOW!

Vamos fazer um teste?

Qual vídeo institucional vem à sua mente agora? Isso, neste exato momento. De qual você lembra automaticamente? Faça o exercício!

Confira 2 ótimos exemplos de vídeo institucional

Mostraremos agora 2 (dois) ótimos vídeos institucionais! Eles fazem parte do branding de grandes empresas que criaram um conteúdo capaz de comunicar perfeitamente a essência de sua marca.

 

 

1- Todeschini: O coração da casa

O primeiro exemplo é um vídeo institucional da marca de móveis Todeschini. O objetivo da empresa foi trabalhar com o conceito da frase “o coração da casa”.

 

Você percebe como tudo é pensado para reforçar a ideia de um lar feliz? Ao mesmo tempo, temos imagens bem profissionais e tecnológicas da atividade de produção da empresa.

Elas servem para comunicar uma ideia de competência e qualidade por trás de todos os móveis produzidos. Apresentando a performance de um trabalho confiável e exemplar que deseja fazer parte da história de várias famílias.

 

2- Lupo é Love! <3

Esse vídeo é um pouco mais longo e focado no desenvolvimento da história da empresa.

Novamente, o vídeo trabalha com alguns contrastes. Por um lado, temos a presença de imagens do maquinário à todo vapor. Imprimindo um aspecto positivo e passando a ideia de atualização com tecnologia de ponta.

Quando apresenta um olhar para o passado, remetendo ao início da sua trajetória, há um tom mais emotivo. O que comunica paixão, esforço e merecimento para chegar onde está. Tudo isso somado à depoimentos de profissionais que trazem autoridade para o discurso e refletem a cultura da marca.

Essa são alguns exemplos de como vídeos institucionais ajudam a contar a história de uma marca. Os benefícios não apenas estão ligados à construção de uma marca forte, como também podem impactar na construção de uma cultura forte dentro da empresa, a partir do momento em que o vídeo institucional reforça a conexão entre os valores do negócio e de seus colaboradores.

Como se produz o vídeo institucional?

Primeiramente, é importante ter em mente que um vídeo de cultura empresarial não é aquele que necessariamente especificará todas as características do seu negócio, solução ou produto. Aliás, às vezes nem é preciso abordar tais características.

Por outro lado, um vídeo institucional pode ser muito mais versátil do que parece. Ele pode, por exemplo, ser concebido para contar a história do empresa. Para celebrar conquistas ou reforçar uma data especial.  Para evidenciar as potencialidades do seu negócio e .

A menos que seu público consumidor seja altamente técnico, não caia na besteira de querer fazer algo muito minucioso neste sentido. Pode ficar cansativo e chato. E surtir até mesmo o  efeito contrário do que foi pretendido.

Mas vídeo institucional aumenta as vendas?

É claro que, como profissional de marketing, suas ações permeiam esse objetivo. Entretanto, quando falamos em vídeo institucional, não estamos falando apenas de marketing, mas sim de comunicação. E, neste aspecto, o movimento de gerar oportunidades de venda nem sempre ocorre de maneira tão direta.

No caso do vídeo institucional, sua função primária não é vender. Mas o seu impacto reflete nos resultados de vendas à longo prazo. O valor agregado por esse tipo de vídeo é intangível, pois ajuda a fortalecer a marca. Desse modo a empresa consegue contar sua história e apresentar pontos fortes para gerar engajamento e identificação com o público-alvo.

As possibilidades do roteiro de um vídeo institucional são inúmeras. Mas o principal mesmo é que ele revele a mensagem da empresa.
Ou seja:, a criatividade não tem limites! Você pode escolher entre inúmeros formatos, desde que o resultado final alinhe objetivos de comunicação a um produto com “a cara” da marca. Lembre-se, ainda de considerar suas personas: qual aspecto, história ou diferencial de seu negócio realmente são capazes de impactar positivamente em seu público-alvo? Aposte nisso!

Os vídeos impulsionando comportamentos de compra

Os vídeos são decisivos na hora de comprar. Conforme dados revelados, 64% dos consumidores pesquisaram um produto depois de terem assistido a um vídeo e quase metade deles, ou seja (45%), procurou um produto em uma loja de varejo ou fez contato com um fornecedor para obter informações; 44% acabou efetuando a compra.

Os vídeos respondem, ainda, por mais da metade do tráfego da internet. E para completar esta estatística, a maioria dos consumidores atuais toma a decisão de compra depois de fazer inúmeras consultas online. Todos nós precisamos ter certeza de que iremos adquirir o produto ou serviço certo.

 

Como usar vídeos institucionais em estratégias de branding e marketing

O verbo aqui é aumentar. Ao pensar no resultado ideal para o seu negócio ao contratar uma campanha de marketing, você deseja aumentar o valor da marca, produto ou serviço e impulsionar as vendas. Certo?

Há inúmeras estatísticas que comprovam que os vídeos são os queridinhos de qualquer campanha bem sucedida de marketing. E os motivos que acompanham as estatísticas são muitos:

  • Ao utilizar o vídeo você comunica muito em pouco tempo;
  • A combinação áudio e imagem é poderosa;
  • Vídeos são altamente emocionais e por isso mais fáceis de serem lembrados;
  • São versáteis, podem ser acessados de milhares de lugares e na hora em que o espectador e potencial cliente bem desejar.

Esperamos ter colaborado para a importância – e o sucesso – do seu vídeo institucional.

Deseja conhecer mais sobre outros formatos de vídeos e como incluí-los em sua estratégia de marketing de conteúdo? Não deixe de baixar nosso Ebook “Como gerar resultados com vídeo” clicando na imagem abaixo.

gerar resultados com vídeo

Depois, conte pra gente o que achou! 🙂

 

Videoaula: como roteirizar e produzir

Videoaula: como roteirizar e produzir

 

O conteúdo em vídeo é uma tendência que cresce a cada dia e só tende a aumentar nos próximos anos. Por seu imenso consumo pelo público, o ramo da educação buscou no formato um jeito de se aproximar das pessoas por meio da videoaula, buscando oferecer um aprendizado dinâmico e atraente.

Neste conteúdo, mostraremos para você:

  • As vantagens da videoaula;
  • Como criar um roteiro para videoaula;
  • Como produzir uma videoaula.

 

Com a internet, hoje é o usuário quem tem o controle do que assistir, quando e onde.  A televisão já não dá mais as cartas, obrigando o telespectador a ver somente o que está em sua programação.

Plataformas de vídeos como o YouTube são acessadas diariamente em busca de músicas, tutoriais, receitas e aprendizado.

Seguindo essa tendência de comportamento, as videoaulas aproveitaram a onda e ganharam muito mercado com conteúdos informativos.

Para ver como o formato virou uma febre, o Ministério da Educação e Cultura (MEC) disponibilizou 500 mil vagas gratuitas de ensino a distância somente em 2017.

Sem mais delongas, vamos ao prometido:

Vantagens da videoaula

O formato da videoaula tornou-se um ótimo recurso para o ensino a distância, facilitando o aprendizado de quem procura essa ferramenta para aprender sobre diversos assuntos – seja para preparar-se para o vestibular, concursos, faculdade ou uma especialização profissional.

Baixo custo

Não são necessários gastos excessivos para elaborar uma videoaula. Em um lugar reservado, com uma câmera ou celular, uma lousa ou televisão e alguns recursos audiovisuais, é possível criar conteúdos de qualidade para seus espectadores.

Aprendizado em qualquer lugar

Quem quer e precisa aprender pode acessar o conteúdo de qualquer lugar, desde que possua uma boa conexão de internet; sem a necessidade de pegar ônibus, carro ou metrô para se locomover até uma sala de aula. Assim, o estudo torna-se mais rápido e eficiente.

 

Como criar um roteiro de videoaula

Para se destacar no meio das videoaulas é preciso criar um produto bem feito, com uma boa imagem, um som audível, sem ruídos e, acima de tudo, um excelente conteúdo didático que ajude as pessoas a alcançarem seus objetivos.

Para isso, você precisa de um roteiro bem definido e detalhado com tudo o que acontecerá durante a gravação do vídeo para, assim, desenvolver um material organizado e completo.

Mas o que é um roteiro para videoaulas?

Desenvolver um conteúdo em vídeo de qualidade requer uma pré-produção, onde é planejado tudo o que será exibido no material.

Portanto, o roteiro nada mais é que a descrição desse planejamento, detalhando o tema da aula, cenário, falas, quais recursos digitais serão utilizados, a duração e até a roupa do professor.

Confira como criar na prática esse roteiro para videoaulas:

 

1. Espelho de roteiro

 

No espelho, você divide o documento em duas colunas: na primeira coluna, à esquerda da folha, coloque tudo o que aparecerá nas imagens da videoaula, como:

  • Efeitos visuais;
  • Trilha sonora;
  • Legendas;
  • Animações das cenas.

 

Na segunda coluna, pegando o lado direito da folha, coloque todas as falas do vídeo.

Assim, você saberá tudo o que precisa ser acrescentado ou editado em cada cena da sua videoaula.

 

2. Falas do apresentador

 

O roteiro precisa ser estudado e estar disponível para todas as pessoas que farão parte da gravação. Assim, o serviço ficará alinhado e ninguém sairá do script.

Por isso a importância de ter as falas escritas e ensaiadas pelo apresentador, para que todos possam acompanhar o desenvolvimento exposto no roteiro.

Porém, há sim espaço para o improviso e falas espontâneas – que trazem a personalidade do apresentador ao vídeo e dão um toque especial de autenticidade e naturalidade.

 

3. Descrição das cenas

 

Falas definidas, agora é preciso pensar nas cenas que apresentarão o seu tema na aula. Seja em um estúdio ou ambiente externo, acrescente todas as informações no seu roteiro.

Procure descrever as cenas que serão desenvolvidas de acordo com cada fala, assim você terá a noção correta e o controle sobre tudo que acontecerá em cada parte da videoaula.

 

4. Trilha sonora

 

Parte importante do video, a trilha e os efeitos sonoros conferem uma dinâmica maior à aula. Pense com carinho em qual música usar e coloque-a no seu roteiro para não esquecer de inseri-la na hora da edição.

 

5. Encenação

 

Seja você ou outras pessoas que apresentarão a aula, é bom ter em mente como será a encenação durante o vídeo. Devem ser registradas as posições frente à câmera, sugestões de movimentos, gestos e sinais das mãos e do corpo.

 

6. Edição

Anote as ideias e indicações de edição no roteiro para que, quando o serviço for realizado, você mesmo ou outro editor possam saber qual direção seguir.

É bom indicar possíveis cortes de imagem, inserção de legendas, animações e quais palavras-chave serão destacadas no vídeo.

 

7. Revisão

 

Após colocar tudo no papel e estruturar o seu roteiro, é preciso revisá-lo. Confira se ele está de acordo com a mensagem que você quer transmitir, aliada ao som, imagem, encenação, posição de câmera e cenário. Esta é a hora de procurar por erros e consertá-los.

Não se intimide para mudar situações que não forem do seu agrado. O importante é ter um roteiro limpo, conciso, claro e objetivo para orientar sua gravação.

Como dito anteriormente, é necessário descrever no roteiro tudo o que será feito durante o vídeo. No entanto, cada pessoa pode elaborá-lo da sua própria maneira, ou seja, a forma correta é a que melhor se adapta ao seu perfil e ajudar na criação da videoaula.

 

Como iniciar a produção da videoaulas

 

Para auxiliá-lo nesta empreitada, trouxemos algumas dicas que ajudarão na elaboração de uma material rico e cheio de qualidades. Veja abaixo:

 

Abertura

 

É um ponto-chave para conquistar a confiança do seu aluno. O primeiro desafio é quebrar a barreira da distância física e a relação fria entre uma tela e uma pessoa em qualquer outro lugar do mundo.

Neste momento, seu público precisa ser captado com a promessa de que valerá a pena despender algum tempo do seu dia para assistir àquela videoaula.

Para isso, você terá apenas de 5 a 15 segundos. Portanto, seja ágil e esperto. Se não conquistar a atenção do espectador no início, provavelmente ele não se envolverá totalmente com o conteúdo.

E, obviamente, cumpra sua promessa: caso contrário, sua credibilidade irá por água abaixo e dificilmente a pessoa voltará outra vez.

Uma dica para captar a atenção do aluno é começar o vídeo mostrando alguma coisa de interessante para ele. Aqui vale lançar mão do humor usando recursos de edição ou até contar uma história relacionada ao tema da aula.

Duração da videoaula

 

Suas aulas precisam ser curtas para manter o público envolvido com o material apresentado. Uma boa solução é dividir seu conteúdo em vídeos de 5 a 15 minutos.

Mais do que isso e a atenção do aluno irá para o espaço.

 

Fechamento

Aqui é possível fazer uma revisão de todo conteúdo apresentado na aula e mostrar para o  aluno o que ele aprendeu com a sua videoaula.

Se você curtiu nosso conteúdo sobre videoaula, não saia daqui sem baixar o ebook “Como gerar resultados com vídeos”!

diversificar a produção de conteúdo

Agora, se precisa de ajuda com a produção de videoaulas, é só entrar em contato pelo formulário abaixo. Até a próxima!

 

Página 1 de 612345...Última »

Contato