Inteligência Artificial no Marketing de Conteúdo: você está pronto?

Inteligência Artificial no Marketing de Conteúdo: você está pronto?

Certamente, você já deve ter se deparado com alguma previsão apocalíptica de um futuro governado por máquinas, superando humanos e tornando-os descartáveis. No universo da ficção científica, há milhares dessas histórias, as quais acabam gerando um certo medo nas pessoas.

 

 

Em partes, podemos dizer que esta tem algum fundamento. Afinal, as máquinas tornam-se mais inteligentes a cada dia e substituem funções que antes só podiam ser desempenhadas por seres humanos.

Felizmente, não se trata de uma subtração aqui. O aprimoramento tecnológico não significa, necessariamente, o enfraquecimento do recurso humano. Mas sim que, num breve futuro, teremos ferramentas cada vez mais poderosas para alcançar os nossos objetivos.

O uso de Inteligência Artificial no Marketing de Conteúdo já faz parte de nossa realidade e, quem não se adaptar, ficará para trás. Portanto, pegue uma boa xícara de café e continue a leitura para aproveitar essa tendência.

Você vai ler sobre:

  • Quais são os avanços referentes à tecnologia no Marketing de Conteúdo
  • Formas de aplicação de Inteligência Artificial no Marketing de Conteúdo
  • Tendências para uso de Inteligência Artificial no Marketing de Conteúdo

Como já pontuamos, não é preciso sermos pessimistas! Na verdade, há mais a ganhar do que a perder com a evolução das tecnologias. Uma vez que estas são o melhor atalho para melhorar a produtividade e a eficiência dos negócios em geral, gerando serviços de maior qualidade para atender a todos.

No final, todos ganham: empreendedores otimizam recursos e consumidores têm acesso a produtos melhores e mais rápidos.

 

O impacto da Inteligência artificial no Marketing de Conteúdo

A transformação no mercado causada pela revolução tecnológica ultrapassa seus próprios limites. Antes de mais nada, esse novo modo de fazer as coisas representa uma mudança na forma de enxergar o mundo. Consequentemente, isso resulta também num novo modo de fazer negócios.

Antigamente, um site servia apenas como base de dados públicos sobre a empresa. Uma apresentação de canais de contato, catálogo de produtos e exposição do valores da marca.

Entretanto, com o passar dos anos, sua relevância aumentou! Agora, os ambientes virtuais desempenham um papel fundamental na jornada do consumidor. Eles são os responsáveis por auxiliar na instrução do mercado e atração de leads qualificados, possibilitando até um atendimento diferenciado.

Sendo assim, o uso de Inteligência Artificial no Marketing de Conteúdo é a mais nova tendência, já revelando uma série de aplicações interessantes. Dentre elas, destacam-se:

 

1- Melhora na experiência do usuário

Já sabemos que o consumidor é a prioridade máxima das ações de Marketing atualmente.  Nossos esforços devem ser direcionados para melhorar sua experiência e criar um impacto significativo.

Nesse caso, o uso de Inteligência Artificial no Marketing de Conteúdo auxilia a guiar o consumidor pelo site, utilizando de assistentes virtuais e chatbots. Além de monitorar dados sobre sua interação, gerando conhecimento para a personalização qualificada de conteúdo.

Quando passamos a aplicar tecnologia de dados na produção de conteúdos de Marketing Digital, temos um maior controle sobre o modo como nossos leads irão reagir à jornada de compra. Assim, criamos verdadeiros diferenciais que fidelizam os seus clientes e aumentam o valor da marca.

 

2- Uso de Marketing preditivo

A navegação pela Internet deixa rastros. A partir disso, cada ação do internauta gera dados, os quais podem ser analisados com o uso de tecnologia no Marketing de Conteúdo.

Diante de informações, podemos traçar padrões de comportamento, os quais são baseados nas estatísticas sobre o modo como os consumidores agem atualmente. Por uma lógica de probabilidade, isso revela também como os leads devem agir no futuro.

Naturalmente, esse conhecimento permite fornecer um conteúdo mais relevante ao leitor. Isso aumenta o engajamento e diminui o ciclo de vendas, pois ele perderá menos tempo navegando pelo site em busca do que for de seu interesse.

Ao tornar-se capaz de prever o próximo passo do seu potencial cliente, prepare-se para surpreendê-lo e superar as suas expectativas.

3- Aumento no valor dos conteúdos produzidos

Dentro do mindset de uma estratégia de marketing preditivo, vamos aos usos práticos da Inteligência Artificial no Marketing de Conteúdo.

Com os resultados das análises de Inteligência Artificial (IA) sobre o comportamento dos  clientes, você pode identificar rapidamente as keywords mais adequadas para o seu público em tempo real. O sistema deve ser programado para que localize os termos mais utilizados em conversas, buscas, postagens, entre outros.

Isso ocorre em redes sociais, como o Facebook. Já percebeu como às vezes você comenta sobre algo com um amigo e, quando abre a plataforma novamente, há um anúncio sobre isso destacado? Nesse caso, o algoritmo do Facebook utiliza Inteligência Artificial (IA) para tornar-se mais inteligente e adaptar-se às suas preferências.

Sem ter de adivinhar o que o lead gostaria, você consegue otimizar os gastos do orçamento com Marketing e direcionar o seu conteúdo para um público ideal.

 

As tendências do uso de Inteligência Artificial no Marketing de Conteúdo

 

Por fim, é possível vislumbrar algumas tendências para os próximos anos, contando com o uso de Inteligência Artificial no Marketing de Conteúdo. Elas já estão sendo aplicadas e, certamente, serão desenvolvidas ou melhor aproveitadas em um futuro próximo.

 

Chatbots

Os chatbots são programas de Inteligência Artificial (IA) feitos para interagir com os seus consumidores, de modo a simular uma conversa humana. Geralmente, usa a comunicação textual, identificando as questões do usuário e respondendo de modo adequado. Daqui uns anos, poderemos contar com mais chatbots inteligentes, capazes de reconhecer o tom de voz, o toque e outras habilidades para tornar a conversa mais realista.

 

Automação de tarefas repetitivas

Para que perder tempo com atividades que são mecânicas e repetitivas? A indústria já faz isso desde a Revolução Industrial e, aos poucos, a lógica é importada também para outros tipos de serviços.

Na rotina do departamento de Marketing, temos tarefas assim. Tais como postar conteúdos em determinado horário, revisar textos ou mesmo analisar dados e gerar relatórios. Basta olhar para o seu processo operacional e verificar onde é possível implementar a automação, a fim de buscar a Inteligência Artificial (IA) mais adequada.

 

Realidade Virtual

Uma tecnologia que apresenta-se fortemente diante do mercado é a aplicação de Realidade Virtual. Sua presença já tem grande impacto na indústria do entretenimento, como no caso de filmes e games.

O objetivo é oferecer uma experiência imersiva, onde o lead seja capaz de estar dentro da proposta de sua marca. Essa tecnologia pode ser usada na venda de um projeto de Design de Interiores, por exemplo. Através da representação digital do projeto do designer, o cliente pode fazer um tour pela nova sala, visualizando o resultado final.

Em etapas anteriores do funil, ele ainda pode ter uma opção interativa, escolhendo detalhes (como cores, tipos de móveis etc) para conhecer o catálogo da tal empresa e engajar-se na jornada de compra.

Está vendo como robôs não são nossos inimigos? Pelo contrário! A Inteligência Artificial no Marketing de Conteúdo está aí para facilitar a vida e deixar o trabalho mais produtivo. Dê uma chance para essa revolução e aprimore os seus processos! Temos certeza de que você não irá se arrepender.

Agora, que tal ler um pouco sobre outra tendência envolvendo tecnologia e marketing digital? Saiba mais sobre conteúdo data-driven em nossa postagem especial sobre o tema. Confira!

 

 

3 métricas de SEO que você deveria estar monitorando

3 métricas de SEO que você deveria estar monitorando

Sejam quais forem os seus objetivos com a produção de conteúdos digitais, você precisa de um acompanhamento dos KPIs de SEO para validar esforços e adequar-se à realidade.

O trabalho do Inbound Marketing não está finalizado quando o conteúdo vai ao ar. Afinal, de nada adianta aplicar um método que maximiza o volume de vendas sem certificar-se de que ele funciona.

Neste post, falaremos especialmente dos KPIs de SEO, que são números valiosos para o controle dos resultados de qualquer estratégia Inbound.

Você vai ler sobre:

  • O que é e qual a verdadeira importância das métricas de SEO no Marketing
  • Como realizar o monitoramento SEO em prol dos objetivos de uma agência
  • Lista dos principais KPIs de SEO para que você não caia na superficialidade

Não importa se você está ao lado dos CEOs – que precisam dos KPIs de SEO certos para medir resultados – ou dos gerentes de Marketing – que devem convencer o C-level a aplicar uma cultura de métricas. O conhecimento precede a ação!

Pensando nisso, vamos falar sobre como, quando e porque controlar as métricas de SEO.

Por dentro dos KPIs de SEO e sua aplicação

Vamos começar separando o joio do trigo? Sendo assim, métricas de SEO para um lado e KPIs para o outro. Num primeiro olhar, estes valores parecem semelhantes. Porém, vamos lhe mostrar que a prática é bem diferente.

Por definição, métrica é a medida ou quantificação de qualquer aspecto. Já o KPI, por sua vez, é uma métrica de alta relevância. Ele vai além da métrica comum, pois representa dados que têm impacto profundo nos processos de uma empresa. Através dos KPIs é possível medir se as ações estão realmente atingindo os objetivos do planejamento.

Basta imaginar que somamos o número de curtidas recebidas em uma determinada postagem, ou até mesmo de solicitações de orçamento a partir de um material.

Acontece que, dependendo dos objetivos da estratégia de marketing, cada número pode ter mais ou menos valor.

Dentro dos exemplos anteriores, se você estiver medindo o impacto do conteúdo digital no volume de vendas, as reações que não converteram podem ter sua função minimizada. No que se refere ao engajamento de leads e alcance das postagens, as curtidas já mostram-se métricas de valor. Por outro lado, as solicitações de orçamento são indícios concretos das oportunidades de negócio.

Dito isso, podemos afirmar que todo KPI é uma métrica. Mas, nem toda métrica é um KPI!

Uma métrica torna-se KPI quando seu resultado é crucial para atingir objetivos estratégicos.

Do contrário, são números que não representam muito no processo gerencial, podendo virar métricas de vaidade.

Isso também significa que elas não são as mesmas para todos os modelos de negócios. Há que se estabelecer uma equação entre as necessidades de cada setor e os conhecimentos básicos sobre SEO.

No caso de agências digitais, o foco é mostrar aos seus clientes como os esforços de SEO estão rendendo.

Ou seja, quantificar dados, como o número de visitantes e o nível de autoridade, dentre outras. A pergunta, aqui, é: os conteúdos produzidos estão performando bem? A métrica desses dados nos dará a resposta. Esses mesmos números podem se transformar em KPIs de SEO, pois podem ser constantemente monitorados e sinalizam o sucesso – ou não – da estratégia de atração via busca orgânica.

Já em outros casos, em que usa Inbound com objetivo de aumentar conversão em vendas, o foco é outro. Assim, o objetivo é mostrar como as visitas e os benefícios dos KPIs de SEO impactam no funil de Vendas. A pergunta, aqui, é: quantas vendas a estratégia de marketing de conteúdo gerou?

Ainda está um pouco confuso(a) em relação a quais métricas de SEO são importantes para sua estratégia? No próximo tópico, você encontra algumas sugestões!

 

Principais KPIs de SEO para otimizar resultados

O seu foco é acompanhar os efeitos dos principais KPIs de SEO? Veja quais são eles:

1- Visitas orgânicas

Essas métricas de SEO são consideradas KPIs, uma vez que avaliam o número de visitas direcionadas para o seu site a partir dos mecanismos de busca.

Naturalmente, este é um dos KPIs de SEO mais importantes. Seu crescimento significa que o objetivo de aumentar o consumo dos conteúdos foi atingido. De modo mais simples, mede quantas vezes a sua página recebeu acessos.

Porém, lembre-se de que um único usuário pode ser responsável por diversas visitas. Logo, não é o mesmo que medir o alcance de público do site.

O tráfego orgânico pode ser identificado pelo Google Analytics ou softwares especializados.

2- Rankeamento de keywords

Estes KPIs de SEO dedicam-se ao controle do posicionamento nos mecanismos de busca, a partir das keywords utilizadas.

Ainda que haja uma variação de keywords ao longo da produção de conteúdos, há um eixo temático que os une. Nele, algumas palavras ligadas à sua solução podem ser repetidas de modo constante.

Por conseguinte, é preciso fazer o acompanhamento da performance. O objetivo é alcançar o número 1. Mas, isso não é algo fácil, já que são muitos concorrentes. Este é o motivo pelo qual o cuidado com essa métrica lhe permitirá entender melhor o próprio mercado.

Desse modo, é possível identificar quais concorrentes vêm se dando bem e replicar as suas práticas favoráveis.

Todas estas informações podem ser acompanhadas por ferramentas de SEO, como SEM Rush, WebCEO ou ainda outras opções mais simples, as quais permitem uma análise de rankeamento, como a SerpLabs.

3- Backlinks:

Backlinks servem para gerar tráfedo de qualidade para o blog. Tratam-se de links posicionados ao longo do texto para guiar o lead entre conteúdos relevantes para os temas que está pesquisando.

Desse modo, podemos dizer que essa estratégia ajuda na construção de autoridade, ao mesmo tempo que nutre o lead ao longo da jornada de compra.

Eles podem ser internos ou externos, gerando tráfego dentro do seu próprio ambiente virtual ou trazendo leads de sites de terceiros.

Naturalmente, existem diferentes tipos de backlinks, cada um com suas próprias potencialidades e usos. São eles:

  • Link Juice: Links externos que trazem o leitor para artigos ou para a página inicial do seu blog/site. Ajuda a melhorar a autoridade do domínio.
  • Nofollow links: Quando um link tem a tag “nofollow”, a ligação com ele é interrompida. Costuma ser usado para impedir que links em comentários sejam usados como backlinks para sites maliciosos.
  • Dofollow links: O contrário dos nofollows, Estes permitem que os links adicionados funcionem como backlinks ativos.
  • Root Domain Links: é o nome dado ao domínio que tem diversos backlinks que levam ao seu site. Ex: um site que tem 15 links apontando para o seu é considerado um root domain.
  • Low Quality Links: Links de sites penalizados e de baixa qualidades, tais como: sites de spam, sites pornográficos, sites maliciosos, etc. Eles prejudicam os KPIs de SEO, portanto evite-os.
  • Internal Links: Backlinks internos que redirecionam o lead entre conteúdos da sua própria página.
  • Anchor text: Parte do texto que fica grifada, contendo um hiperlink para algum site relacionado com o texto em questão.

O toque de final para se dar bem com os KPIs do SEO é prezar por um site que contenha design intuitivo. Estude a experiência do usuário para avaliar se não existe algum problema nesse sentido, atrapalhando a conversão. Acreditamos que essas 3 métricas de SEO sejam as mais importantes. As demais estão ligadas ao setor de atuação, de modo que exigem um estudo mais personalizado do caso da empresa. Está interessado(a) em fazer um diagnóstico? Entre em contato conosco!

Leia também Como medir a eficiência do Marketing de Conteúdo e aprofunde-se nesse assunto!

Conteúdo para Inbound Marketing: como terceirizar com inteligência?

Conteúdo para Inbound Marketing: como terceirizar com inteligência?

Às vezes, temos vontade de assumir a responsabilidade por tudo e nos comprometemos mais do que pode dar conta. É o que acontece com grande parte das empresas que optam por internalizar toda a produção de conteúdo para Inbound Marketing.

 Apesar dos benefícios que uma produção internalizada pode trazer, algumas limitações se impõem, sobretudo quando há necessidade de escalar da produção de conteúdo sem, claro, perder qualidade. 

Essa é uma dor frequente em profissionais de marketing. Além do planejamento estratégico de marketing global, é necessário pensar no Inbound como núcleo a parte: planejar, executar ações, produzir conteúdos e monitorar sua performance.

No que tange a produção de conteúdo, surge o desafio de encontrar profissionais com habilidades técnicas em redação para web, domínio de táticas de SEO, e, além disso, conhecimentos específicos sobre as soluções ofertadas – o que, necessariamente, é resultado de um processo de imersão, treinamentos, etc, que acabam custando muitas horas do gestor de marketing.

Por tal motivo, terceirizar o conteúdo para Inbound Marketing é uma alternativa viável adotada por empresas que utilizam esta tática de marketing digital.

Sabemos que nem sempre essa é uma decisão fácil, pois ainda que exista a necessidade de escalar, “tirar a operação de casa” pode ser motivo de preocupação, certo?

Não se a terceirização for pensada de forma inteligente, com processos claros e objetivos.

Neste post, descubra tudo sobre terceirizar conteúdo para Inbound Marketing e escalar sua produção sem riscos de perder em qualidade.

Você vai ler sobre:

  • Mecanismos adequados à produção de conteúdo para Inbound Marketing
  • O que são e de que forma estabelecer um Service Level Agreement (SLA)
  • Quais são as vantagens de terceirizar conteúdo para Inbound Marketing

Quais são as vantagens de terceirizar a produção de conteúdo para Inbound Marketing?

Sabemos que a intenção de internalizar a produção é sempre a melhor possível: garantir a qualidade esperada e não correr riscos de “falhas”, como prazos não cumpridos ou dores de cabeça relativas ao gerenciamento de artigos e redatores.

Desse modo, acreditamos estar tomando as precauções necessárias para não colocar todo o planejamento sob ameaça.

Entretanto, na prática, nem tudo funciona tão bem quanto imaginado e, o que deveria ser uma solução excelente, acaba se tornando um problema: você não consegue escalar.

Os motivos são muitos: o custo dos profissionais alocados, limitações dos profissionais, falta de produtividade e até mesmo “falta de braço” para absorver projetos maiores – que acabam ficando na gaveta.

É bom lembrar, também, que a produção de conteúdo para Inbound Marketing exige profissionais com habilidades altamente específicas, o que pode sair caro, principalmente se considerarmos a obtenção de resultados a médio e longo prazo.

Considere que isso inclui gastos com a contratação de novos funcionários, infraestrutura para que eles possam trabalhar, dentre outros.

Uma opção recorrente – porém, de resultados mais incertos – é a contratação dos redatores freelancers.

Apesar da possibilidade de ser mais barata, é difícil estabelecer acordos e ter a garantia do trabalho terceirizado. Nesse caso, para que tudo ocorra bem, é preciso que haja boas indicações e uma dose de sorte para cair nas mãos do profissional adequado. Mas, até chegar lá, você pode passar por surpresa bem desagradáveis.

Outra alternativa é terceirizar com as produtoras especializadas em auxiliar empresas a terceirizar conteúdo para Inbound Marketing.

 Com profissionais experientes na redação de conteúdo para blogs de diferentes domínios, as produtoras costumam ter um banco de colaboradores para diferentes áreas. Além, é claro, de estarem perfeitamente familiarizadas com recursos de SEO e demais mecanismos de busca.

Desse modo, uma produtora pode garantir a acuidade técnica da produção e desenvolver um trabalho coerente com as expectativas do contratante.

Contudo, manter o controle e avaliar os resultados ainda é papel de um gestor. Portanto, temos dicas de alguns procedimentos que devem ser implementados, junto à terceirização, para ter a garantia de sucesso.

 

Garantindo qualidade ao terceirizar conteúdo para Inbound Marketing 

O estabelecimento de processos claros e eficientes é a base para qualquer ação dentro de uma empresa. Ter a consciência de cada etapa e do fluxo de trabalho necessário à todas as atividades de gestão é o segredo para alcançar escalabilidade e constância de resultados.

Pensando dessa maneira, há alguns procedimentos de segurança e otimização que podem ser tomados ao optar pela terceirização do conteúdo para Inbound Marketing.

1- Documentar o processo de terceirização

Estruturar um processo de produção de conteúdo para Inbound Marketing é importante. No entanto, documentá-lo pode ser ainda mais!

Em uma empresa, todas as ações devem ser registradas com o máximo de detalhamento. Isso é algo positivo à análise de resultados e à replicação de métodos para outros setores. O controle de um processo documentado é vital para o crescimento e o escalonamento de resultados. No caso do conteúdo para Inbound Marketing, documente:

  • Profissionais envolvidos desde a produtora de conteúdo até a empresa contratante – especialmente, os touchpoints;
  • Prazos distintos para cada uma das etapas descritas acima;
  • Etapas do processo de produção.

Na Gummy, por exemplo, há uma série de etapas para garantir a qualidade das entregas. Num primeiro momento, o briefing é recebido – ou desenvolvido – por nossos(as) Content Managers. Após certificar-se de que os briefings têm a qualidade necessária para produção, é encaminhado a um redator especializado.

Este, por sua vez, produz o conteúdo no prazo estabelecido e devolve-o para o(a) gestor(a). O material é revisado e passa por um checklist, no qual verifica-se a sua qualidade, adequação à normas de SEO e exigências específicas, de acordo com o solicitado pelo cliente.

Finalmente, conteúdo é entregue para aprovação e, caso necessário, os ajustes são feitos e devolvidos ao contratante em prazos previamente alinhados e, portanto, sem surpresas, nem atrasos, nem dor de cabeça.

2- Service Level Agreement (SLAs)

A sigla SLA é a definição de um nível mínimo de qualidade a ser respeitado nas passagens de bastão. Existe para garantir que cada parte se responsabilizará pelos seus resultados e que estes não sejam baseados apenas na percepção individual.

Eles devem ser documentados e transparentes, com o intuito que não haja dúvidas quanto às expectativas em cada etapa da produção de conteúdo para Inbound Marketing.

Aqui na Gummy muitos clientes possuem SLAs definidos e formalmente registrados desde o início do projeto, o que garante mais segurança ao contratante.

3- Fluxo de comunicação

A comunicação é a base de qualquer trabalho em equipe. Especialmente, quando envolve duas empresas diferentes.

Para uma terceirização de conteúdo para Inbound Marketing mais confiável, estabeleça canais de comunicação para garantir a eficiência no acompanhamento por parte dos times elencados e na passagem de bastão.

O mecanismo básico, naturalmente, é o e-mail. Porém, ele não é o único! É possível utiliza ferramentas para gestão de projetos, grupos de Whatsapp, entre outros, desde que tudo possa ser registrado e documentado.

Um bom exemplo disso é o Trello, plataforma frequentemente utilizada na rotina de trabalho da Gummy.

Importante: nunca deixa de registrar mensagens todos os pontos de contato. Somente o registro concreto de informações funcionará como argumento sólido no caso de algo não sair exatamente conforme o combinado.

4- Feedbacks e relacionamento com o cliente

Por fim, estabeleça uma relação sincera e duradoura com o seu parceiro. Tanto a produtora quanto a empresa contratante devem comunicar como foi a recepção das entregas.

  • Estão de acordo com os SLAs?
  • O que ainda pode ser melhorado?
  • O que vale a pena ser replicado?

Procure terceirizar com empresas com as quais você possa manter um canal aberto, tanto para cobranças, quanto para propostas de melhoria.

Fazer este processo de avaliação conjunta regularmente fortalece as relações de confiança, cria agilidade e favorecer a qualidade da produção de conteúdo.

Além disso, registre os learnings dessa interação.

Na ativação de um novo cliente pela Gummy, por exemplo, utilizamos um ferramenta interna que chamamos “Brainbox”. Nela, registramos todos os feedbacks e acordos já efetuados. Também estão inclusos neste processo manuais de redação, detalhamento de personas e orientações atualizadas a cada avaliação. Trata-se de um banco de conhecimento facilmente acessível por qualquer envolvido no projeto e alimentado continuamente com informações relevantes para o bom desempenho da produção.

O resultado são entregas mais consistentes, a diminuição do riscos de erros e ajustes e a melhoria contínua da qualidade das entregas.

Gostou das dicas? A terceirização pode ser uma mão na roda para quem precisa focar no planejamento estratégico e operacional. Não é necessário perder tempo com a produção de conteúdo para Inbound Marketing se você tiver um parceiro de confiança que o faça!

Agora, caso você trabalhe em agência e deseje aprimorar o seu processo, clique aqui! Esta leitura vai ajudá-lo(a) a sanar as suas dúvidas e aprimorar os métodos já empregados. 🙂

O que o mercado B2B pode aprender com a Black Friday?

O que o mercado B2B pode aprender com a Black Friday?

Estamos chegando perto de um dos eventos mais controversos do mercado B2C. Trata-se da Black Friday, famosa por todos os alvoroços causados durante esse período. São lojas com filas quilométricas de clientes, disputando por produtos com descontos generosos.

Por outro lado, é conhecida também por representar boas oportunidades de compra a quem se programa e garante a promoção que tanto espera.

Seja qual for a sua perspectiva, acontece que modelos de negócio B2B sentem-se do lado de fora desta festa – como se não houvesse espaço para eles. Na verdade, é o contrário!

Quer descobrir como a Black Friday funciona para B2B? Continue a leitura que a gente te conta! 🙂

Você vai ler sobre:

  • Quais são as principais táticas de venda B2B para uma estratégia
  • Como fazer uma Black Friday B2B e aproveitar a data para vendas
  • Como inovar e criar ações fantásticas para essa data

O diferencial entre a Black Friday B2B e B2C

Claro que não é tão simples obter os mesmos efeitos de vendas B2C na Black Friday B2B. Afinal, são lógicas distintas que regem estas duas jornadas do consumidor.

Ao passo em que o B2C é movido por impulsos mais emotivos e sensações de escassez, causadas por uma oferta extremamente limitada, o B2B atua de maneira diferente.

No Marketing B2B, as vendas são caracterizadas por processos mais longos e complexos. Isso acontece porque a cadeia de decisão envolve profissionais distintos até que a compra seja aprovada.

Além disso, o ticket médio também costuma ser mais alto. Tal fato, por si só, já é bastante preventivo de decisões antecipadas e pouco estratégicas. Quanto maior for o investimento, maior a preocupação em verificar todos os detalhes do fechamento de um negócio.

Baseado nesses dois itens, já dá para saber que a criação da Black Friday B2B não é uma aplicação idêntica à B2C. Entretanto, listamos 5 lições para você aprender com esse evento e utilizar na melhoria das estratégias de Marketing B2B.

5 ações para organizar uma Black Friday no mercado B2B

1- Projete expectativas

A Black Friday não é um evento que acontece da noite para o dia. Pelo contrário, ela possui data fixa no calendário e um histórico de promoções notáveis.

Esses dois fatos aliados são o suficiente para deixar as pessoas na expectativa do evento, permitindo com que elas cultivem a sensação de valor atribuído.Em uma estratégia voltada para as empresas, você pode utilizar dos mesmos princípios para obter resultados similares em sua Black Friday B2B.

Caso sua empresa tenha um nome consagrado no setor e um produto de vendas regulares, estabelecer uma data fixa anual pode ser ótimo. Caso contrário, é preciso preparar o lead através dos fluxos de comunicação e conteúdo.

Envie anúncios via e-mail, divulgando a promoção que ocorrerá em breve. Aplicar banners virtuais no meio dos conteúdos Inbound também é uma forma de divulgá-la.

Naturalmente, isso deve ser feito com uma certa antecedência. Aproximadamente 3 meses é um bom período para que os leads possam organizar suas finanças e criar expectativas sobre o grande evento que está sendo organizado.

2- Estabeleça deadlines

Uma campanha que dura para sempre não é uma promoção – mas, sim, uma diminuição no custo do produto. Apesar de um bom preço ser tentador, sabemos que há gatilhos mentais, que servem para dar um empurrãozinho no momento da venda.

Um deles é o senso de urgência, o qual é despertado quando nos deparamos com uma oferta limitada. Quando sabemos que essa oportunidade é única e não se repetirá tão cedo, sentimo-nos pressionados e motivados a acelerar o processo de decisão.

Em sua estratégia de Marketing B2B, quando estiver mais próximo da data da promoção, acrescente a sua duração. Faltando 1 mês para o evento, já é hora de chamar a atenção do lead, privilegiando esta informação nos conteúdos veiculados.

3- Crie a sensação de escassez

Outro gatilho mental muito utilizado na Black Friday é a escassez. Todos sabem que a oferta é limitada. Por isso, sentem que é necessário agir rápido. É o momento em que estratégias, como as abaixo, funcionam bem:

  • “Oferta especial para as 100 primeiras compras do dia”;
  • “Oferta enquanto durarem os estoques de produtos à pronta entrega”.

As condições tentadoras fazem o lead acreditar que está competindo com os outros – sendo que estes pensam da mesma forma -, impulsionando-os a comprar rapidamente.

4- Ofereça incentivos

A promoção, por si só, já um atrativo. Mas, pode ficar ainda melhor! Uma vez que o cenário é favorável para convencer o lead sobre o fechamento do negócio, oferecer algo a mais é o diferencial que falta.

É comum que as marcas estabeleçam parcerias para eventos como a Black Friday. Estas fazem isso quando oferecem preços mais convidativos, caso o cliente decida por vendas casadas.

Na Black Friday B2B, também é possível fazer o mesmo: buscar parcerias com empresas que ofereçam soluções sincronizadas à sua. É possível fornecer um período promocional de produção de conteúdo digital junto a um software de automação de marketing, por exemplo.

Isso vai com as possibilidades e as relações que você é capaz de criar.

5- Personalize suas ofertas

O cliente de hoje quer sentir-se especial. Ele têm as suas próprias necessidades e sente-se acolhido por empresas que demonstram conhecê-las profundamente, oferecendo propostas direcionadas nesse sentido.

A personalização de conteúdos e ofertas é uma realidade com o avanço das tecnologias e as estratégias de uso de dados no Marketing.

Hoje, podemos segmentar os leads de formas diversas, o que permite direcionar conteúdos conforme, entre outros fatores:

  • Idade;
  • Faturamento;
  • Dores de mercado;
  • Setor de atuação etc.

Não há limites para as possibilidades de segmentação. Basta conhecer as suas personas e identificar o melhor para cada uma delas.

A Black Friday pode ser uma ótima ocasião para enviar oferta personalizada. Ao contrário da avalanche de e-mail que o lead estará recebendo de fornecedores B2C, nos canais B2B a concorrência pode ser menor. E um approach personalizado pode fazer com que você se diferencie ainda mais. 

Ao invés de nutrir com conteúdos de topo e meio de funil, pense em ofertas diretas. Caso seja possível, entre em contato direto através de um fluxo de e-mail ou cold call 2.0, tomando o cuidado de tornar a cadência ou e-mail o mais pessoal possível.

Seja qual for o serviço ou oferta que deseja faz, o importante é fazer com que o lead não se sinta dentro de uma automação de marketing e sinta com que aquela oferta irresistível foi enviada por alguém que realmente se importa com o seu negócio e conhece a fundo as suas dores.

Assim, você será capaz de criar uma promoção irresistível e dedicada, despertando no lead um senso de responsabilidade em aderir à oferta. Afinal, ela foi feita especialmente para ele!

E aí, já conhecia alguma dessas técnicas? Você faz uso de alguma no seu dia-a-dia? Divida as suas experiências, nos comentários! Queremos saber o que funciona na sua empresa.

Agora que você sabe o que é a Black Friday B2B, falta compreender as melhores práticas para materiais de altíssima qualidade. Leia esse post e aprenda sobre a personalização de conteúdos e outras tendências do Inbound Marketing. Boa leitura!

Como Marketing de Conteúdo e Marketing de Influência podem trabalhar juntos?

Como Marketing de Conteúdo e Marketing de Influência podem trabalhar juntos?

Se existe um fenômeno perceptível com a popularização da Internet, este é a ascensão dos digital influencers e seu impacto sobre o mercado consumidor. E é aqui onde nasce a ideia do Marketing de Influência.

Afinal, eles reúnem multidões de seguidores em seus perfis e têm a confiança deles, que os acompanham diariamente e consomem os conteúdos produzidos.

Hoje com forte adesão, o Marketing de Influência tornou-se um diferencial competitivo para marcas que executam campanhas digitais, inclusive aquelas que já trabalham com marketing de conteúdo.

Juntas, as duas táticas têm se mostrado muito efetiva para construção de awareness e autoridade de marca e até mesmo para aumentar o potencial de alcance de conteúdos.

Quer saber como marketing de conteúdo e marketing de podem influência juntos? Leia este conteúdo até o final e surpreenda-se!

Você vai ler sobre:

  • Qual a importância e de que maneira funciona o Marketing de Influência
  • Afinidades entre ações de Marketing de Influência e Marketing de Conteúdo
  • Métodos para utilizar Marketing de Influência e Marketing de Conteúdo juntos

 

 

Afinal, quanto é preciso investir para uma ação de Marketing de Influência?

Primeiramente, é bom lembrar: o Marketing de Influência existe há um bom tempo – e já foi muito caro. O motivo do alto custo é que, há alguns anos atrás, a técnica era mais focada em personalidades televisivas e da grande mídia.

Hoje, temos uma democratização da voz popular, favorecendo pessoas “comuns” a ganhar visibilidade diante das massas. Para isso, é preciso ter bons equipamentos, ideias criativas e uma dose de magnetismo pessoal, a fim de angariar milhares de admiradores nas redes.

Investir em celebridades da Internet é uma boa forma de obter alcance. Porém, com custos quase sempre menores.

Enquanto um artista consagrado em meios mais tradicionais pode exigir altos cachês para participar de uma campanha, os influenciadores digitais podem, em muitos casos, aceitar produtos e serviços, em troca de artigos ou vídeos divulgando-os e agradecendo à marca que os ofereceu – é a chamada permuta.

O pagamento em dinheiro também é uma opção e varia de acordo com a popularidade do influenciador. Cabe à empresa analisar e escolher qual oferece mais benefícios.

Além de estarem contato com audiências específicas – favorecendo o alcance de nichos –  os influenciadores oferecem a vantagem de abordar os temas de forma natural e descontraída, utilizando a linguagem mais próxima do público que os acompanha.

A naturalidade para lidar com o público é importante, dado que o uso de AdBlockers cresce a cada dia e dificulta ainda mais o trabalho de quem prioriza anúncios pagos. O consumidor está mais resistente a campanhas tradicionais, engajando-se conforme a identificação com os propagadores da marca em questão.

Apenas para exemplificar e deixar claro que não estamos falando de algo irreal, vamos aos números! Pesquisas respeitadas internacionalmente mostram que, a cada 1 dólar investido em Marketing de Influência, há um retorno de U$6,50 para a empresa. Ou seja, aqui há um Retorno Sobre o Investimento (ROI) invejável à qualquer estratégia de crescimento dos negócios.

Portanto, o Marketing de Influência é uma técnica acessível e que traz excelente retorno, justificando rapidamente o investimento feito sobre a estratégia.

 

Como unir as ações de Marketing de Influência e Marketing de Conteúdo?

Se pararmos para pensar, o próprio trabalho dos influenciadores já é baseado em algumas técnicas de Marketing de Influência e Marketing de Conteúdo. Isso porque produzem um conteúdo digital altamente personalizado e voltado para seu público-alvo, divulgando-o em canais de amplo acesso.

O mais comum é a produção de conteúdo audiovisual. Em sua maioria, os vídeos instrutivos e/ou descontraídos arrecadam milhares de reações e inspiram compartilhamentos por quem se identifica. E o mais interessante é a que a grande maioria das pessoas inicia na carreira por conta própria, sem o auxílio de publicitários em um primeiro momento.

É ou não é uma ação de Marketing de Influência e Marketing de Conteúdo muito bem executada? No fundo, o que precisamos é aprender com estes quase colegas de profissão e desenvolver parcerias para um crescimento mútuo. Com este objetivo, podemos:

  • Convidar influenciadores para produzirem guest posts no site da empresa;
  • Produzir conteúdo para o público do influenciador e estabelecer uma parceria, onde ele compartilha o material.

Essa é a idéia por trás da junção destas duas técnicas. Agora, vejamos como implementar isso de uma maneira prática.

Implementando Marketing de Influência dentro da estratégia de conteúdo

Veja algumas ações que podem ser tomadas para adicionar esta técnica ao seu trabalho.

1- Identifique os influenciadores das suas personas

Obviamente, nem todo influenciador é adequado para divulgar o seu produto. Considerando que buscamos a personalização de estratégias de Marketing de Influência e Marketing de Conteúdo, o influenciador precisa ser alguém inspirador e que gere identidade junto ao seu público.

É importante que tenha práticas alinhadas com os valores definidos para a sua marca e não esteja envolvido com comportamentos negativos aos olhos das suas personas. Escolher um influenciador errado pode resultar em boicotes e churn aos negócios. Por isso, estude-os muito bem antes de fechar parcerias.

Sob esse filtro, faça um levantamento dos mais atuantes e registre-os em tabela, contendo nome, contato, canal de comunicação, número de seguidores e estratégias de interação.

 

2- Engaje-se com os influenciadores e seus seguidores

Quanto mais engajado(a) estiver com eles, maior será a percepção do público de que você faz parte daquela comunidade. Consequentemente, eles irá sentir-se convidado a interagir com sua marca e terá acesso aos conteúdos com frequência.

Por isso, comente nas postagens dos influenciadores e interaja com os seguidores deles. Siga-os e tente engajá-los dentro de sua própria estratégia de conteúdo. Afinal, vocês têm interesses em comum! Mostre isso.

 

3- Peça que os influenciadores interajam com seus conteúdos

Quando conseguir boas parcerias com digital influencers, certifique-se de acordar que esta atenção seja uma mão dupla. Assim como você interage e aumenta a relevância dele em suas redes, ele também deve aumentar a sua.

Peça aos influenciadores que comentem, compartilhem e promovam os seus conteúdos. Se possível, que utilizem também seus produtos e soluções em público.

Concluindo, os influenciadores digitais são aliados poderosos que devem ser trazidos para perto no mercado. Sempre considere que, caso ele resolva aliar-se ao seu concorrente, isso pode representar problemas.

Fique esperto(a) e seja ágil! Utilize nossas dicas e implemente o Marketing de Influência agora mesmo em seus negócios.

De todo modo, o elemento mais importante continua sendo um conteúdo de qualidade. Por maior que seja o alcance do influenciador, se o conteúdo não for relevante, de nada adianta.

É uma estratégia eficiente, mas não miraculosa! Por isso, não descuide do seu processo de produção de conteúdos e nem terceirize a responsabilidade de gerar bom engajamento. O Marketing de Influência traz visibilidade para conteúdos incríveis.

Quer mais dicas sobre como produzir conteúdos de qualidade? Leia este post e conheça os nossos métodos para garantir um efeito WOW! :O

Página 1 de 512345

Contato